Coletiva-Abertura da Couromoda 2012-20121601

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Abertura da Couromoda 2012 - 39º Feira Internacional de Calçados, Artigos Espotivos e Artefatos de Couro

Local: Capital - Data: 16/01/2012

REPÓRTER: Governador, Franca acaba de receber certificação de origem, quer dizer, agora a gente está para o sapato assim como a França para o champanhe. Qual a importância dessa conquista e a sua mensagem [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, muito importante, isso mostra... É uma certificação praticamente de... É uma certificação de qualidade, não é? Isso é um reconhecimento ao trabalho do setor calçadista da Franca e ficamos muito felizes. O setor de calçado e Prêt-à-Porter, de confecção, é sinônimo de emprego e renda. É um dos setores que mais gera emprego e renda no nosso país. O Brasil é o terceiro maior produtor do mundo. E uma boa noticia: a Nossa Caixa Desenvolvimento, ela financia, traz o credito para pequena e média empresa/; e esse é um setor que te muita pequena e média empresa. Então nós estamos reduzindo os juros para as pequenas e médias empresas, pela Agência de Fomento do estado, a Nossa Caixa Desenvolvimento, de oito para 7% e de seis para 5% na chamada linha verde, tudo aquilo que relacionar a questão ambiental, que é muito importante no setor, tanto de confecção quanto de calçados.


REPÓRTER: Governador, a presidente Dilma sancionou a Emenda 29, que foi aprovada no fim do ano passado. O Governo do Estado... Cabe aos estados 12%, não é? De destinação para saúde? O Governo vai ter que fazer algum remanejamento para recurso que vai para a área social, por exemplo, e é considerado recurso para a saúde?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Para nós, de São Paulo, não altera absolutamente nada, a Emenda 29é totalmente inócua, não traz nenhum dinheiro novo para a saúde, nada, nada, nada, então ela é inócua. São Paulo já investe 12,5%, o que acontece é que o Governo Federal tem que colocar mais recurso na saúde. Se você for verificar para a participação federal no financiamento do SUS, ela vem caindo ano a ano, ano a ano o Governo Federal vai saindo do financiamento do SUS, é isso que precisa ser evitado, e a Emenda 29 passou ao largo desse problema, então ela é inócua, não vai mudar absolutamente nada e nós vamos continuar com um grave problema de financiamento da saúde no Brasil.


REPÓRTER: Governador, nem mesmo quanto à redefinição do que é e do que não é investimento em saúde?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não porque ela incluiu o FUNDEB, então ela mudou a... A Emenda mudou a base de calculo, para nós não muda absolutamente nada, nada, nada, e nós já investimos bem mais de 12%. Então não altera nada, o problema não é de... O problema é da participação dos níveis de Governo, quer dizer, é evidente que tenha havido já nos últimos oito anos uma redução da participação federal no financiamento do SUS, e isso não foi enfrentado ainda.


REPÓRTER: Governador, sobre a questão da Cracolândia, o noticiário que saiu hoje é que foi... Aconteceram algumas reuniões previas e que foi autorizado o uso intenso da PM lá. Isso é verdade, como é que foi?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Nós tivemos muitas reuniões internas do Governo do Estado e reuniões também com a Prefeitura de São Paulo, com prefeitos, com secretários municipais, com a vice-prefeita, reuniões de trabalho e o trabalho está em pleno andamento. De um lado vem a natureza social, aumentou muito o número de pessoas procurando abrigamento social, os abrigos. Nós estamos oferecendo mais de 286 vagas em abrigos. Aumentou muito à procura por internação voluntária, nenhuma compulsória, foram praticamente sete por dia. Já ultrapassam 80 internações para dependentes químicos. Internação de saúde de maneira geral também aumentou muito. Fugitivos, homicidas, estupradores, ladrões que estavam ali homiziados também foram presos, então, recapturados. E o combate duro ao tráfico, estourando laboratórios, prendendo traficantes. Então, ambos os trabalhos ocorrem, o trabalho social, trabalho de saúde pública, e o trabalho de segurança. Eu diria que já houve uma redução muito grande do número de pessoas na região.


REPÓRTER: Se a ação da Prefeitura, do Governo do estado está tendo resultados tão positivos, como o senhor está dizendo, então, está completamente dispensada a ajuda do Governo Federal?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Nós precisamos da ajuda de todos. Do Governo Federal; do Ministério Público; da defensoria; do Poder Judiciário; das igrejas, que é um papel extremamente importante; da sociedade civil. E esse é um trabalho longo, ele só está começando. Agora, é evidente que está melhorando. Quer dizer, se você for verificar, você vai ver que aumentou o número de pessoas que voltaram para suas famílias, aumentou o número de pessoas que procuraram atendimento médico, aumentou o número de pessoas que procuraram abrigamento social, aumentou... Todos os indicadores são positivos.


REPÓRTER: O senhor não acha que essa operação deveria ter coincidido com a inauguração do Complexo Prates da Prefeitura ali na Rua Prates, já que vários usuários não tiveram como se internar?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nos não estamos com problemas de vagas hoje. Nós temos vagas à disposição, não há nenhum problema de vagas. Aliás, nos acabamos de comprar mais de 80 vagas no Américo Barral, então não há problema de vaga. Só que nós não estamos fazendo internação compulsória, a internação está sendo voluntário. Eu não quero tirar o tema aqui da...


ORADOR NÃO INDENTIFICADO: Sobre sapato. Gostaria de falar com o ministro, por favor.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ok!


REPÓRTER: Governador, só mais uma perguntinha sobre isso.


REPÓRTER: O senhor visitou a Cracolândia, não foi a pé por que, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a Cracolândia, ex-Cracolândia, não é? Eu estive lá, passando uma madrugada inteirinha a pé com o Padre João Henrique, da aliança da misericórdia, o doutor [ininteligível] que é médico, isso antes de assumir o Governo, madrugada inteirinha. Tenho ido periodicamente verificar o problema em loco, Rua Helvétia, Rua Dino Bueno e agora, neste fim de semana, na sexta feira, indo para um evento religioso à noite, passei na ida, percorremos lá toda região, fui ao evento, passei de novo na volta e está melhorando; um trabalho que vai ser longo, mas nós acreditamos na recuperação das pessoas e entendemos que nós temos o dever de ajudar a população que precisa, os dependentes químicos e combater duramente o tráfico de drogas, que é crime e precisa ser combatido.


REPÓRTER: Esse processo não pode se prejudicado se o Serra resolver sair candidato?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Esse processo está em andamento, está indo bem, eu acho uma manifestação de maior participação interna no partido para escolher candidato a cargo majoritário.