Coletiva-Abertura das Comemorações dos 120 Anos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento-20122702

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Abertura das Comemorações dos 120 Anos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Local: Capital - Data: 27/02/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, uma grande alegria hoje comemorarmos os 120 anos da Secretaria da Agricultura de São Paulo, que começou em 1892, como Secretaria da Agricultura, Comércio e Obras. E 120 anos depois nós podemos constatar São Paulo um estado com tamanho de país, dez vezes o tamanho do Uruguai, maior do que a Argentina, o maior produtor mundial de açúcar e álcool, maior produtor mundial de suco de laranja, o maior exportador brasileiro de carne bovina, o maior produtor brasileiro de ovos, de frutas, de flores, de borracha, de madeira. Indústria de equipamento agrícola de última geração, na ponta da pesquisa, da inovação tecnológica. Uma grande conquista. E nós vamos comemorar apoiando muito os nossos institutos. Restauração completa do Instituto Agronômico de Campinas, do Instituto Biológico de São Paulo, Museu de Pesca já está ficando pronto em Santos. Apoio ao produtor rural, estradas vicinais, pontes metálicas, melhora o caminho, Vigilância Sanitária, apoio técnico, demos aumento de 45% a 55% ao longo desse período para os nossos técnicos de pesquisa e da Secretaria da Agricultura, e apoio a pequena agricultura, agricultura familiar. O pró-trator, já começa o financiamento com juros zero para a pequena agricultura até o agricultor de nível médio. Aumentamos o FEAP pra poder incluir os produtores médios de R$ 400 mil para R$ 600 mil faturamento/ano, para ter acesso a juros negativo no financiamento, programa de compras de assentamentos e de agricultura familiar. Isso vai melhorar a renda do nosso pequeno agricultor. Eu queria trazer também uma palavra sobre hoje sai o índice do mês de janeiro, primeiro mês de 2012 de segurança pública. Uma boa notícia, nova queda dos homicídios, comparado ao ano passado caiu 2,2%, de 360 pra 352 casos. Os principais índices em queda e homicídio que é crime contra a vida chegando ao menor índice de toda a série histórica para o mês de janeiro e uma queda de 72% acumulada. Uma prisão importante na região do Morumbi de assaltantes de residência; foram presas três pessoas, recuperado todo o material que foi roubado. Então, mais um trabalho importante da polícia estourando aí uma quadrilha e prendendo os ladrões.


REPÓRTER: Governador, o crime contra o patrimônio é um dos mais complicado de ser combatido?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. Nós tivemos queda não só de homicídio, mas nós também tivemos queda de furto, tivemos queda de furto de veículos, de roubo de carga e de roubo a banco. Então, foram vários os índices de queda. Agora, essa é uma luta que tem que estar 24 horas aí, uma guerra que tem que vencer batalha todo dia.


REPÓRTER: Governador, e os índices de latrocínio? Que é aquele sempre problema de não estar incluído no homicídio.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, latrocínio é separado. Praticamente estável, não teve nenhum, praticamente nem crescimento, nem queda, 22 havia sido 21. Quer dizer, houve um número praticamente estável. E uma queda permanente mês a mês de homicídio.


REPÓRTER: E quais índices estão em alta [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Houve um aumento de 3% de roubo, roubo de veículo e estupro.


REPÓRTER: E o que a polícia vai fazer para combater?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Mais polícia na rua, investigação, caso de roubo de veículo é receptador, então é um trabalho importante nessa área. Mas sempre você vai ter um treze indicadores, algum indicador que cresce, isso é normal. Agora, o fato é que a maioria dos indicadores caiu no mês de janeiro.


REPÓRTER: Governador, nos últimos dias o senhor tem dito que não tem fato novo nas eleições municipais. Hoje teve um fato novo, o José Serra foi ao Twitter e disse que vai entregar uma carta hoje, dizendo da disponibilidade dele de se candidatar a Prefeitura de São Paulo. O senhor é defensor de que essas prévias sejam adiadas um pouco mais para frente, para o dia 11, para que ele tenha tempo de conversar com a militância?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a disposição do Serra de ser candidato, é uma ótima notícia para São Paulo, não é? Se ele for o candidato escolhido e for eleito, São Paulo terá um prefeito competente, é a terceira maior cidade do país, uma cidade maior que Portugal e terá um homem público honesto, correto, experiente, já foi bom prefeito, bom governador, bom ministro, está à altura desse desafio. O fato do Serra se inscrever para a prévia é também um ato de respeito à militância do PSDB. Valoriza até as prévias do partido, então eu acho extremamente positivo, não é? O seu ingresso nessa disputa eleitoral e a sua inscrição para a prévia do PSDB.


REPÓRTER: Mas o senhor é favorável que as prévias sejam adiadas?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o importante é a prévia, que representa ouvir a militância, dar a oportunidade ao partido de falar. Esse que é importante, a data se é dia 04, se é dia 11, uma semana pra frente ou não, ai é irrelevante, é uma decisão da executiva municipal.


REPÓRTER: As prévias não ficam esvaziadas? Porque dois já desistiram, não é?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, você só não terá prévia se só tiver um candidato. Nós temos dois. Eu quero também destacar a participação dos dois pré-candidatos que desistiram. O Andrea Matarazzo e o Bruno Covas, que deram uma grande contribuição a esse processo dentro do partido. E os dois, o José Aníbal, deputado federal e o deputado Trípoli têm todo o direito de disputar, não tem nenhum problema.


REPÓRTER: E quando a executiva deve se reunir para definir essa mudança, tem alguma data?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Provavelmente amanhã, provavelmente.


REPÓRTER: O que o senhor acha que o Serra oferece de diferente dos outros pré-candidatos, dos dois que sobraram?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu acho que todos merecem total respeito, são secretários de estado, deputado, presidente da Assembleia, deputados federais. E o Serra foi governador, ministro, é um nome nacional.


REPÓRTER: Mas do ponto de vista eleitoral, o senhor acha que tem mais chances o PSDB de ganhar essas eleições?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu acho que sim, eu acho que sim, mas nós temos que primeiro... Acho que o PSDB tem tudo para vencer as eleições dentro de um amplo arco de alianças e vencendo eleição fazer um bom trabalho. Isso que interessa.


REPÓRTER: Ontem o secretário Matarazzo disse que o principal objetivo com a saída dele, o principal objetivo dele, seria vencer o PT. Hoje o secretário Bruno Covas disse algo na mesma linha. É um embate com o PT essa eleição?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, o nosso embate é conquistar o eleitor, para trabalhar pela população. Claro que se o nosso adversário é o PT, temos que enfrentá-lo e vencê-lo. Agora, o nosso objetivo qual é? É ter os instrumentos que você consegue vencendo a eleição para poder trabalhar pela população, e melhorar a vida da população. Nós estamos falando de 11 milhões de brasileiros que moram em São Paulo, a terceira maior metrópole mundial.


REPÓRTER: O senhor acredita que a [ininteligível] com a entrada do Serra, que é uma figura nacional.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A disputa é sempre municipal, por maior que seja a cidade, os temas, eles são sempre os temas da vida das pessoas, do cotidiano das pessoas, da qualidade de vida da população. E o Serra tem muita experiência, porque ele já foi prefeito, conhece São Paulo. Como governador ajudou muito também a cidade, então conhece os problemas.


REPÓRTER: A entrada do Serra coloca ele distante do projeto para a presidência da República em 2014?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O Serra, óbvio que se é candidato a prefeito, é para fazer um bom governo, essa é a sua... Se for eleito nas prévias e eleito na eleição, eu não tenho dúvida, fará um bom trabalho aqui em São Paulo.


REPÓRTER: Governador, [ininteligível] nas prévias? Porque como o senhor ouviu ontem do secretário José Aníbal e do deputado, o senhor conversou com eles ontem de manhã, eles falaram que não admitem mudança nas prévias.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não há impasse. A prévia existe exatamente para você tendo mais de um pré-candidato escolher um. Para isso que tem prévia.


REPÓRTER: Mas qual a data governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A data é acessória, uma semana a mais ou a menos não é relevante. O relevante é o processo de escolha aberto, ouvindo perto de dez mil filiados, respeitando a militância, acho que é um ato de humildade, de todos aqueles que colocam seu nome a disposição do partido para servir para a população.