Coletiva-Abertura do III Seminário sobre Gestão de Cidades em Tempos de Sustentabilidade-20122003

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Abertura do III Seminário sobre Gestão de Cidades em Tempos de Sustentabilidade

Local: Capital - Data: 20/03/2012

JORNALISTA: Governador, o senhor anunciou aí várias iniciativas, né, de investimento aí, as obras da Copa, de fato, vão conseguir aí ser finalizadas a tempo?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Sim, as obras que cabem ao Governo do Estado, elas se referem só à infraestrutura, então, elas estão todas já licitadas pela Dersa são obras na Radial Leste, obras na integração com o Rodoanel, obras viárias, investimentos na Linha-10, aliás, na Linha-11 da CPTM que vai ter novos trens, redução de horário e na Linha-3 do Metrô, então estão todas elas dentro do cronograma.


JORNALISTA: Agora houve um atraso, governador, já que a gente tem tido aí vários problemas envolvendo aí tanto o Metrô quanto a CPTM?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, não, nem na Linha-3 e nem na Linha-11 da CPTM não há nenhum atraso. As obras, todas, e as obras também que a Dersa vai realizar são obras dentro da cidade, mas que o Governo se responsabilizou por elas e uma parte com recursos também da Prefeitura. Viadutos, alagamentos de pistas, acesso, avenidas, integração a Anel Viário com a Avenida Jacu-Pêssego, enfim, está tudo dentro do cronograma. Há uma preocupação em relação à questão de aeroportos, mas foi feita a concessão do Aeroporto, tanto do Viracopos quanto de Cumbica, e agora o setor privado tem mais rapidez, né, para poder executar.


JORNALISTA: Amanhã vai ser... A licença ambiental sai amanhã, que o senhor falou, em relação a Congonhas?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Exatamente! A linha...


JORNALISTA: E quais são os prazos, aí?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: A Linha-17, que é Linha Ouro, a linha do monotrilho do Aeroporto de Congonhas, nós já tínhamos tido a licença prévia, mas não tínhamos tido a licença de instalação, ela sai amanhã, nós já temos a obra contratada, vamos dar ordem de serviço e canteiro correndo, acho que o primeiro trecho, que é de Congonhas até a Marginal do Rio Pinheiros, integrando com o trem, a e aí integrando com o Metrô... Cadê o Jurandir, acho que ele não está aqui. Acho que 2014, primeiro trecho, porque essa linha, ela vai para Jabaquara integrar com o Metrô, aí ela integra com a Linha-5, que está em obra, que é aquela de Santo Amaro até Chácara Klabin, ela integra com a Linha-1, a norte-sul, e Jabaquara. Integra com a Linha 5, perto do aeroporto; integra com a Linha-9 da CPTM, que é a Marginal do Rio Pinheiros; passa sobre o Rio Pinheiros, passa por Paraisópolis, passa pelo Estádio do Morumbi e termina na Linha 4 do Metrô, na Estação Morumbi. E sábado agora, nós iniciaremos as estações que estão faltando do Metrô, da Linha-4, a obra já. Nós vamos entregar todas em 18 meses: Fradique Coutinho, Vila Sônia, Morumbi... Eu não me lembro de cabeça de todas, mas são: Higienópolis, Oscar Freire, Mackenzie, todas vão ser entregues.


JORNALISTA: E o edital de Cumbica, governador?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Cumbica, a questão é que até o fim do ano está publicado, talvez no meio do ano já está publicado o edital do trem, do expresso Guarulhos, que vai até Cumbica. Esse trem sairá do Brás, faz uma única parada no Conjunto Habitacional da CECAP, Zezinho Magalhães, só essa e já vai para o Aeroporto de Cumbica.


JORNALISTA: Governador, na última quinta-feira, o senhor se reuniu com alguns governadores lá em Minas Gerais e houve bastantes críticas, principalmente o Casagrande disse, o governador do Espírito Santo, em relação à falta de interlocução com o Governo Federal. Há uma falta de interlocução do Governo Federal com os governos estaduais?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, nós não temos nenhuma queixa neste sentido. Nós temos tido uma boa interlocução. Há uma questão, hoje, que preocupa a todas, que é essa questão da guerra fiscal de importados. Que tem uma resolução no Senado sendo discutida, que não é fácil, porque você tem interesses conflitantes aí, federativos, e que é importante a arbitragem do Governo Federal, procurando agilizar essa questão.


JORNALISTA: O senhor é favorável aos 4%, então, dessas tarifa e é favorável a um aumento até 2020, como tem proposto Casagrande, ou não?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, eu sou favorável a reduzir a alíquota interestadual no caso de importados, que não se destina ao Estado, para evitar a guerra fiscal.


JORNALISTA: 4%?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Pode ser zero, pode ser dois, pode ser quatro, não pode passar de quatro.


JORNALISTA: Governador, o Serra disse ontem, em entrevista a uma rádio, que ele não assinou nenhum compromisso formal com a cidade em cumprir o mandato na Prefeitura. O senhor não acha que no meio há uma pré-campanha, isso não pega mal com o eleitorado? Foi apenas um papelzinho que ele assinou.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O que ele quis dizer é que ele não teve um documento em cartório, que era um debate, ele perguntado, respondeu. Mas eu acho que está claro, o Serra tem colocado claramente que quer ser prefeito, é candidato para servir a cidade, tem experiência para fazer um bom trabalho e acredito nesse trabalho.


JORNALISTA: Mas, governador, as pessoas acreditaram que aquele era um compromisso dele com a cidade, não era um compromisso, então?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: É, foi um momento, né, foi o momento.


JORNALISTA: Governador, quando as cabines da polícia no Morumbi estarão instaladas? Hoje saiu um levantamento sobre roubo de casas e o Morumbi lidera, né?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: É. A região do Morumbi já recebeu quatro bases comunitárias móveis e vai receber mais sete. Eu peço para o major, ele te passa daqui a pouquinho a data, porque elas devem estar chegando hoje ou amanhã, são 144. Deixa eu ver aqui. É... Não, bases comunitárias, são 144, está chegando entre hoje ou amanhã, no máximo até o fim de semana. Vão ser imediatamente entregues. Dessas, quatro já foram para a região do Morumbi e irão mais sete, nós vamos ter onze bases comunitárias na região.


JORNALISTA: Governador, o senhor falou em descentralização de cidades e megalópoles, o que o senhor espera para o estado de São Paulo com essa gestão, essa criação de gestores de cidades de sustentabilidade?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, eu acho que é importante, né, os grandes problemas, os desafios hoje são de gestão. As disputas são menos ideológicas, diminuiu esse distanciamento do mundo moderno e a gestão faz uma enorme diferença. E gestão é gente, gente, gente bem preparada, qualificada, investir nas pessoas, em recursos humanos, esse é o bom trabalho. E o governo mais importante, que está mais perto da população é o governo local, é o governo das cidades, né, dos municípios. Ninguém mora no estado, ninguém mora na união, isso são figuras jurídicas. E o município enxerga o problema porque convive com ele, então é o mais, o que mais pode fazer em benefício da população.


JORNALISTA: Governador, agora na palestra o senhor comentou que para reduzir a carga de impostos precisa gastar menos. O Governo Federal tem gastado muito?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Então, o Brasil tem um problema hoje de competitividade. Eu vou dar um dado, em janeiro desse ano comparado com janeiro do ano passado, o ICMS de importação cresceu 15,8% e o ICMS da indústria caiu 0,9%, ou seja, nós não estamos conseguindo competir. E mesmo as indústrias que estão se instalando elas estão diminuindo o conteúdo nacional, é muita montadora. Então nós precisamos agir na competitividade. É juros, é imposto, é câmbio, é infraestrutura, é custo Brasil.


JORNALISTA: E gasto.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: E gasto. Então é preciso agir no custeio, é preciso agir na questão previdenciária do setor público, não é do INSS, é do setor público, que é onde você tem um volume de déficit muito elevado, enfim, você tem uma série de reformas aí importantes.


JORNALISTA: Governador, O senhor falou sobre as Regiões Metropolitanas, qual a expectativa para a Região Metropolitana vale Paraíba?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, vamos instalar na sexta-feira o Conselho de Desenvolvimento, Região Metropolitana do Vale é macro região Rio/São Paulo, então está entre duas megalópoles que é o Rio de Janeiro e São Paulo, uma região comparada ao Vale do Ruhr da Alemanha Ocidental, em termos industrial, muito industrializada, uma logística importante e com grandes desafios e a união... O que vai ter na região metropolitana? Conselho de Desenvolvimento que vai tomar posse sexta-feira, a Agência Metropolitana, que é o órgão executivo e o Fundo de Desenvolvimento Metropolitano pra ter os recursos pra poder executar as políticas públicas estabelecidas.


JORNALISTA: Com relação às previas? Prévias do PSDB.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Prévias domingo.


JORNALISTA: Mas a maioria dos diretórios já declarou a favor do Serra, o senhor não acha que é um pouco só pra cumprir tabela que se vai fazer as prévias ainda?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, são mais de cinco mil filiados que devem votar, ninguém sabe o número exato, mas vai ficar entre cinco, seis mil filiados. É um respeito à militância, ao partido, é um belo exemplo.


JORNALISTA: Governador [ininteligível] muito pela ponte e tal. Quando a gente pode receber a visita do senhor lá?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Provavelmente em abril.