Coletiva-Anúncio de Medidas de Enfrentamento ao Crack-20121402

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva do Anúncio de Medidas de Enfrentamento ao Crack

Local: Capital - Data: 14/02/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, destacar hoje o CRATOD aqui na região central, passa a funcionar a partir de hoje 24 horas por dia, sete dias por semana. Então quem precisar de atendimento médico, psicológico, as equipes multiprofissionais, enfermagem, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, dentista, assistente social, as equipes estarão formadas 24 horas, os sete dias por semana. Aumentou a procura por tratamento voluntário, nós já chegamos hoje a 224 pacientes internados, todos voluntários, nenhum compulsório. Nas comunidades terapêuticas e hospitais, 1.182 atendimentos de saúde por equipes multiprofissionais, os casos mais graves são internação hospitalar, os casos menos graves, atendimento e tratamento ambulatorial. Aqui nós temos o CRATOD, tanto atendimento ambulatorial quanto nove leitos de internação de emergência, para observação, e mais dois leitos em casos mais graves, mas é mais para observação. Se precisar ter internação mais demorada é encaminhado para os nossos hospitais. Nós já temos hoje 482 leitos, todos à disposição do SUS, gratuitamente, pagos pelo Governo do estado, tanto em hospital geral, em área psiquiátrica, como hospital de saúde mental, quanto comunidade terapêutica. E teremos ainda no primeiro semestre mais 247 leitos, sendo do Bairral, do Américo Bairral, já agora em março. Teremos também na Água Funda, aqui na capital e no município de Botucatu, onde tem a Faculdade de Medicina e será a referência para toda aquela região. E esperamos chegar rapidamente a 1.200 para poder atender. Há um preconceito em relação à questão de saúde mental, mas em relação ao dependente químico, mas a pessoa dependente química, seja de álcool, ou seja, de droga, é uma doença, como é apendicite, como é pneumonia e precisa de tratamento. E é grande quando a internação é voluntária, inclusive é alto o índice de recuperação. E o atendimento social, o ‘abrigamento’ social. Nós já disponibilizamos para a Prefeitura mais 280 leitos de ‘abrigamento’ social, também na capital e fora de São Paulo. E o trabalho policial que continua permanentemente no combate ao tráfico de droga, que é essencial, principalmente identificando esses laboratórios de fabricação de crack a partir de cocaína.


REPÓRTER: Governador a ampliação do horário de atendimento do CRATOD, ela foi identificada a partir da operação Centro Legal?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, é mais um serviço, nós percebemos um aumento de procura depois da Operação Centro Legal, então em razão desse aumento de procura nós estamos aumentando o atendimento no CRATOD, que é um atendimento ambulatorial e também de leitos de observação, e ampliando a rede hospitalar para poder atender a população que precisa.


REPÓRTER: Governador, o país tem 91% dos municípios com viciados em crack, muitos desses municípios são aqui no estado de São Paulo. O senhor acha que o Governo demorou a agir para tentar resolver esta questão?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O atendimento primário ele é sempre do município, o atendimento de consulta, aquele primeiro atendimento. Os nossos CRATOD’s, e esse aqui especificamente, é também para capacitar profissionais, para as prefeituras municipais, então ele aqui forma, capacita profissionais e por isso que esses novos centros, o professor Giovanni Cerri está procurando fazer com a universidade, para você ter formação de profissionais para essa que é uma triste realidade do mundo moderno; esse é hoje uma questão mundial, não é só do Brasil, mas é do mundo todo e que demanda uma ação muito perseverante, não vai resolver a curto prazo mas é possível melhorar bastante. E estamos distribuindo a nossa parte que é o atendimento secundário e terciário melhorando a rede de atendimento, então nós vamos ampliar leitos em região de Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Preto, Campinas, Auto Tietê, Mogi das Cruzes, então foi feito um trabalho identificando e aumentando essa oferta de rede, com hospitais próprios, serviços próprios ou conveniados com entidades que tenham expertise na área.


REPÓRTER: Esses mediantes leitos, governador, até quando? É uma resposta à ação, a parte mais fraca, o [ininteligível] da ação da Cracolândia, a esse anúncio?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Essas ações, elas se complementam. Quer dizer, não tem como fazer uma ação só social e nem uma ação só policial, as duas são necessárias, não são excludentes, e elas se complementam. A ação policial foram mais de 50 criminosos fugitivos da polícia, de penitenciárias que foram recapturados, que estavam se homiziando no local, tráfico de drogas a céu aberto, que foi praticamente fortemente combatido, mais de 200 prisões, identificação do tráfico, laboratórios, produção de crack, e simultaneamente a ação social, ‘abrigamento’, trabalho com as famílias, agenda da família e saúde pública, que é procurar oferecer serviço de saúde. E acho que o resultado está sendo bem, porque os nossos 224 pacientes internados, não houve nenhum compulsório, todos foram voluntários.


REPÓRTER: Esses 1200 mil leitos é para quando?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 1200 mil leitos, nós temos hoje 482, teremos ainda no primeiro semestre mais 247, chegaremos a 1200 mil em dois anos.


REPÓRTER: Quando o senhor acha que acaba a Cracolândia? Tem um prazo para isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, essa luta é permanente. Nós estamos preparados para ficar na região permanentemente fazendo o trabalho social, trabalho de saúde, e a Prefeitura tem sido uma boa parceira também nesse trabalho através dos CAPS. Estamos ampliando aqui o nosso CRATOD para 24 horas e ação policial. Quer dizer, isso é um trabalho que é permanente. Você vai sempre ter pessoas dependentes químicas. Agora, o que precisa? O Governo combater o crime, porque tráfico de droga é crime, e de outro lado oferecer serviços de saúde de qualidade a quem está doente. Essa é a tarefa. E ela é permanente. Ela não vai parar.


REPÓRTER: Governador, como é que o senhor vê esse aceno do Serra de que pode se candidatar a Prefeitura de São Paulo sim. É uma reviravolta no cenário que estava traçado aí anteriormente?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu não conversei com o Serra nesses últimos dias. Eu não tenho nenhum fato novo, não é? Nenhum fato novo. Está bom?


REPÓRTER: Governador, hoje é o último dia da inscrição das prévias do PSDB. Se o Serra quiser ser candidato, hoje é o deadline dele? Ele tem que decidir hoje?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Se ele quiser se candidato é um ótimo candidato, preparado, sério...


REPÓRTER: Mas a deadline é hoje?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Essa é uma decisão pessoal do serra que nós devemos aguardar. Está bom?


REPÓRTER: Mas se ele decidir mais para frente?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Um abração.