Coletiva-Anúncio de recuperação e duplicação da SP-321 em Arealva-20120402

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva de Anúncio de recuperação e duplicação da SP-321 em Arealva

Local: Arealva - Data: 04/02/2012

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, é uma alegria vir à Arealva para entregarmos aqui a obra de uma praça feita no distrito aqui do município e entregarmos 19 viaturas 0km, Blazers, Paratis, toda a parte também de móvel das bases comunitárias móveis da Polícia Militar, 19 aqui ao todo para a região, e de outro lado lançarmos aqui uma grande obra que são dois editais. O primeiro da SP-321 será entre o aeroporto até Ibitinga, então, Arealva e Iacanga passando pelo Tietê até Ibitinga. São mais de 50 quilômetros de rodovia e perto de R$ 60 milhões de investimento: recapeamento, acostamentos, obras de arte, obras de segurança, como o viaduto aqui em frente a Arealva, então, dispositivos importantes. E a outra: a duplicação da SP-321 entre o aeroporto até Bauru. São 11,5 quilômetros e R$ 74 milhões. Essa nós vamos licitar em julho com o financiamento do Banco Mundial, o BIRD; duas grandes obras. Ao todo nós teremos aí mais de R$ 110 milhões de investimentos na região em uma obra estruturante que vai melhorar muito o acesso ao Aeroporto Arealva-Bauru.


REPÓRTER: Qual a previsão de início dessa obra?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Sempre a gente calcula 60 a 90 dias depois da licitação. Então a de abril nós poderemos estar iniciando entre junho e julho e a de julho, provavelmente em setembro.


REPÓRTER: Governador, por que o Estado não vai assumir a dívida trabalhista dos 200 funcionários da Maternidade Santa Isabel se isso foi feito quando a Famesp assumiu o Manoel de Abreu?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, essa é uma questão jurídica, porque a associação hospitalar não é Governo ela é uma entidade privada. Então, como é que o Governo do Estado assume uma dívida de uma entidade privada? É isso que está sendo analisado pela Procuradoria Geral do Estado. O que é que nós vamos fazer? Manter o atendimento à população. A maternidade passa para a Famesp que é a Fundação da Faculdade de Medicina da UNESP, repassa, vamos manter o emprego das pessoas, garantir o emprego, continuar o atendimento, ampliar o atendimento, nós estamos liberando R$ 1,5 milhão por mês para a associação hospitalar para manter o atendimento e, em seguida o hospital. Então ambos deverão ir para a Famesp Fundação da Faculdade de Medicina da UNESP.


REPÓRTER: Os R$ 44 milhões que o senhor anunciou do reaparelhamento do Hospital de Base e da maternidade vão sair esse ano?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Vão. Claro. Todos os recursos que foram anunciados serão liberados este ano. Nossa prioridade é a questão da Saúde. Lamentavelmente a tabela do SUS não é corrigida há vários anos. É uma coisa que nós temos que lutar junto ao Governo Federal e o Estado está priorizando. Nós temos mais de R$ 270 milhões por ano só em Bauru de Saúde incluindo o Hospital Estadual, Hospital Regional, incluindo o Hospital Manoel de Abreu, o AME de Bauru, o Instituto Lauro de Souza Lima, o Centrinho, o Pró-Santas Casas que a gente ajuda aqui na região e agora a maternidade e depois o Hospital de Base.


REPÓRTER : Obrigado.


REPÓRTER: Obrigada.