Coletiva-Apresentação do Balanço das Ações de Combate à Dengue-20122803

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Apresentação do Balanço das Ações de Combate à Dengue

Local: Capital - Data: 28/03/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, uma grande notícia, a queda de 93% dos casos de dengue no estado de São Paulo. Nós tivemos no primeiro trimestre do ano passado mais de 32 mil casos. E nesse primeiro trimestre até agora 2.253, ou seja, uma redução de 93%. Isso se deve ao engajamento político de todos, Governo do Estado, SUCEN, prefeituras, informação, trabalho dos meios de comunicação, participação da sociedade, um conjunto de fatores. E a dengue mata. A dengue hemorrágica, ela é grave. Então essa redução de casos autóctones, de casos do estado, ela é uma extraordinária notícia, quer dizer, 93% a menos de casos de dengue nesse primeiro trimestre no Estado de São Paulo.


REPÓRTER: Governador, Bauru tinha dez mil casos o ano passado, esse ano 300. São só as ações do governo ou o clima pode ter contribuído?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, a natureza ajuda. Agora, também teve muito calor esse ano. Então, é inegável que há um trabalho aí importante para combater o vetor. Porque ainda não existe... A dengue é vírus, não é? Ainda não existe vacina contra a dengue. Está sendo estudada a vacina, no programa de imunização. Então a maneira de combater a doença é combater o vetor, que é o mosquito. Então o mosquito se prolifera em água parada. Então o trabalho dos meios... A conscientização, a participação das famílias, o trabalho da SUCEN, o treinamento express que a Secretaria da Saúde do Estado fez para capacitar os funcionários, a participação das prefeituras, enfim, um conjunto de fatores. O fato é que nesse período nós tivemos quatro mortes o ano passado, e neste ano um caso de morte. E uma redução de mais de 32 mil casos para em torno de 2,3 mil casos, uma redução de 93%. E no momento de calor, no momento de verão. Agora, digo isso, não é para comemorar, é para incentivar que o trabalho continue. Todo mundo na sua casa, no fundo de quintal, aquele porta-vaso que não pode ter água parada, a caixa d’água que deve ser tampada, enfim, todos os cuidados com a água parada.


REPÓRTER: Governador, a base de 93% na verdade se deve a... Não sei se pode ser considerada uma epidemia, não sei o que teve ano passado porque 200 mil que o senhor tinha ressaltado em março para 200 casos, quer dizer, o número chama atenção mesmo. O que aconteceu no ano passado, de certa forma foi o clima e também não se esperava essa quantidade de casos?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, o pior momento foi em 2010. Não é isso, professor? É, 2010 foi que o caso foi muito grave. 2011 já houve uma redução muito forte e 2012 uma redução de 93%. Então realmente... Mas ela não é uniforme, então você ainda tem alguns municípios que o trabalho vai se concentrar ainda mais porque ainda tem caso.


REPÓRTER: Então assim, a gente pode considerar que em 2010 foi uma epidemia, e aí em 2011 o Governo agiu e o resultado foi esse?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, o professor Marcos Boulos que é um especialista na área pode detalhar melhor esse conceito epidemiológico, mas não há dúvida que.. E com uma preocupação a mais porque surgiu um tipo novo chamado Tipo 4. Quando surgi um tipo novo você tem risco de ter casos mais graves. Então havia uma preocupação muito grande no ano passado, mas os resultados, essa campanha, a Semana Contra a Dengue, aliás, nós estamos em plena Semana Contra a Dengue, quer dizer, vai até sexta-feira, vai até sábado em alguns locais uma campanha importante para gente não esmorecer, isso evita, no ano retrasado nós tivemos aqui mortes, deixa eu pegar o número aqui... É, um fato bom, dos 645 municípios, 490 municípios esse ano não registraram até agora nenhum caso. Em 2010 o estado de São Paulo teve 188 mil casos de dengue. Em 2011 caiu para 94 mil, e esse ano nós estamos com dois mil casos. É uma redução importante.


REPÓRTER: Existe uma concentração maior ali na região de Ribeirão Preto, existe alguma especificação?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, você tem algumas cidades do Vale do Paraíba, algumas cidades da região de Ribeirão Preto, mas aí o professor Marcos Boulos pode detalhar melhor para vocês.


REPÓRTER: E quanto à vacina?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Só pegar o número aqui. Você tem o número de óbitos, professor? Ah, está aqui. Nós tivemos... Em 2011... Em 2010, nós tivemos 140 mortes por dengue, em 2010. Em 2011, reduziu para 53 óbitos. E esse ano até agora, um caso. Um caso de óbito. Mas é uma tarefa importante. E se trabalhar para no futuro ter a vacina. Veja como a vacina é importante. Poliomielite, nós não temos mais. Poliomielite. Sarampo, já há quase 10 anos sem casos de sarampo. Então a vacina, ela é muito importante. E os novos desafios são a vacina contra a dengue, contra o HPV, que isso vai reduzir muito o câncer de colo uterino, de útero nas mulheres. Câncer uterino. Vacina contra a hepatite, que é hoje uma coisa que preocupa muito. Então existem vários estudos sendo feitos pelo Instituto Butantã, pelo Instituto Adolfo Lutz e também parceria com o Governo Federal.


REPÓRTER: Sobre a denúncia em relação ao Metrô, o senhor acha que isso pode respingar de novo no Metrô e o Estado tem que parar a obra outra vez?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, eu acho que a decisão judicial foi muito correta. A população não pode ser punida em razão de uma investigação. Então a obra está em curso, nós esperamos já em um ano e meio entregar a primeira estação que é a Adolfo Pinheiro, a Linha 5 do Metrô é uma linha importantíssima, porque vai ligar Santo Amaro até Chácara Klabin, Santa Cruz. E nós defendemos a apuração completa, não ficar nenhuma dúvida em relação a essa questão do processo licitatório, que ocorreu há mais de dois anos. Apuração total. Se tiver algum problema, punição exemplar. Mas não há razão para paralisar a obra.


REPÓRTER: Agora, como o senhor considera esse episódio, são 14 empreiteiras envolvidas, o Ministério Público falou que havia indícios de que havia combinação para a licitação, inclusive, os valores oferecidos também ao Metrô teriam sido combinados. Se isso realmente for comprovado e se a justiça aceitar essa denúncia, como é que o senhor vê isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, vamos aguardar a investigação. Nós defendemos a investigação, que não fique nenhuma dúvida deste processo licitatório. Se tiver algum problema, todas as medidas vão ser tomadas, a punição vai ser exemplar. Agora, o que não pode é em uma investigação que geralmente é longa, você ter obras paralisadas e punir a população. Então eu acho que a decisão judicial foi muito correta, não tem ninguém do Metrô, nem Governo, nem sendo investigado, nem indiciado. São todos da Iniciativa Privada e é muito bom que se esclareça.