Coletiva-Reunião com o presidente Sindcom-20120803

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Reunião com o presidente Sindicom

Local: Capital - Data: 08/03/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós fizemos uma reunião com o presidente do Sindicom, que é o Sindicato das Empresas de Distribuição de Combustível, o Alísio Vaz, e a diretoria do Sindicom, Secretário da Segurança Pública, o Comandante-Geral da PM. Nesses últimos dias mantivemos aí dois helicópteros, mais de 600 viaturas, 1134 policiais militares para fazer a escolta, para evitar uma gravidade ainda maior na questão da distribuição do combustível. A polícia cumpriu aí o seu papel. Continuará até a normalização completa. Já tivemos a boa notícia de que acabou a greve. O Dr. Alísio acha que aí em 48 horas, rapidamente, vão trabalhar sábado e domingo para normalizar o abastecimento. Então um trabalho integrado, o governo do estado através da polícia, à prefeitura, o sindicato, o Sindicom, para poder garantir o abastecimento, e agora a volta rápida do combustível em todas as bombas. Também o Procon, todo ele trabalhando, abriu até no site um canal especial para evitar abuso, preços abusivos. Então telefone 151, além do site do Procon. Mas a boa notícia é que a greve está encerrada e agora é questão de horas e com o final de semana, que não há restrição de tráfego, acho que pode ser normalizado rapidamente o abastecimento.


REPÓRTER: ...Governador, nessa reunião?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Como?


REPÓRTER: O governo que negociou?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós tivemos um pedido, ontem, do Presidente do Sindicom e, então, marcamos para agora pela manhã, mas durante essa madrugada, praticamente, já encerrou a greve. Mas nós vamos manter todo... Houve uma... Foi criado... Nós já temos uma sala de crise, na Polícia Militar. Ela atuou firmemente com dois helicópteros, viaturas, mais de 1.100 policiais, garantindo segurança, garantindo a escolta e vai continuar, embora não haja nenhum piquete mais, não haja nenhum problema, mas vai continuar até a normalização completa.


REPÓRTER: Quantas escoltas foram feitas? O senhor tem esse balanço?


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: 127.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 127 escoltas foram feitas.


REPÓRTER: E [ininteligível] quando?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 276 caminhões de combustível.


REPÓRTER: Isso grande São Paulo?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Inclusive, durante toda essa madrugada.


REPÓRTER: O senhor acha que até a semana que vem essas escoltas vão continuar?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Até normalizar totalmente. O Dr. Alísio pode dar uma palavra para vocês da expectativa dele da normalização.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: A coluna da Mônica Bergamo trouxe hoje a informação de que o governo do estado entrou no STF com uma ação para pagar o valor venal pelos imóveis de desapropriação, quando o TJ daqui de São Paulo já decidiu que tem que ser pago o valor de mercado. O que é que o senhor teria a dizer?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, há um equívoco na informação que é o seguinte: O governo sempre paga a desapropriação o valor real, o valor estabelecido, ou no acordo...Não, o valor real, o valor de mercado.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: A valorização, é isso.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. Ou amigavelmente, as partes chegam num entendimento e paga, ou, se não houver entendimento, a justiça arbitra e nós pagamos. Não tem discussão. Nas desapropriações residenciais, também não tem depósito inicial, você só pode ter a posse do imóvel depois de pago. Agora, nas desapropriações não residenciais, e que o governo tenha emergência, urgência em ter a posse do imóvel, você faz um depósito. É esse depósito que nós entendemos que é pelo valor venal. O pagamento, óbvio, vai ser o valor de mercado que for estabelecido, ou de comum acordo entre as partes, ou que a justiça determinar. Então, quando o governo não tem urgência em ter a posse, ele nem faz depósito, espera a conclusão da desapropriação. Se ele tem urgência na posse, desapropriação não residencial, é só o depósito, que nós entendemos que deve ser pelo valor venal. O valor real você vai discutir.


REPÓRTER: Já foi decidido esse valor?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, isso, isso o Supremo vai dizer.


REPÓRTER: Entendi.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Entendeu? Está bom?


REPÓRTER: Obrigado.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Mas não é a desapropriação, é o depósito, nos casos de desapropriação não residencial, em que há urgência na posse do imóvel por alguma razão.


REPÓRTER: Governador, eu queria saber o que o senhor acha da restrição, e se houve algum pedido Sindicados patronais e distribuidoras, ou seja, de transportadoras para que o senhor interceda ou interfira de algum jeito junto ao prefeito Gilberto Kassab para modificar a restrição.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, para nós não. Não houve nenhum pleito, nada, nada. Só o pedido do Sindicom. Mas na realidade praticamente já está resolvida a questão. E a polícia atuou desde o começo com a sala de crise, com o gerenciamento de crise, a presença da polícia militar, helicópteros, viaturas, policiais, escoltas. Dando prioridade a ambulâncias, segurança, área de saúde, aeroportos, enfim, agindo aí de forma prioritária. Mas a questão está superada agora.


REPÓRTER: Qual que é a sua opinião sobre restrição?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A restrição, eu acho que São Paulo uma cidade que é a terceira megalópole do mundo, a cidade mais de 11 milhões de pessoas e a mais motorizada do mundo, São Paulo tem mais seis milhões de veículos e a região metropolitana, 20 milhões de pessoas. Você cada vez vai ter mais problema de restrição. Caminhão, claro que você tem que ter horários, tem que ter horários. Ferrovia, tava até citando a pouco para eles. Não tem como o trem mais passar por dentro da cidade, pela luz. Trem de carga, aquele peso estraga inclusive a nossa ferrovia. O espaço entre trens é cada vez mais curtinho. Você vai ter que ter o ferro anel, tem que tirar da cidade. Então essa questão da logística ela é necessária, estabelecimento de regras, de restrições. Aí, é uma questão de engenharia de trafego você discutir a melhor maneira de implementar, quais são...


REPÓRTER: Foi a melhor maneira?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu não conheço em detalhes, mas as restrições são sempre para ajudar a questão do trânsito. Está bom?


REPÓRTER: Obrigada.