Coletiva- Entrega do primeiro Grupo Gerador da Série 3500C da Caterpillar e Assinaturas de Encaminhamento de Projeto de Lei e de Autorizo-20121403

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Entrega do primeiro Grupo Gerador da Série 3500C da Caterpillar e Assinaturas de Encaminhamento de Projeto de Lei e de Autorizo

Local: Piracicaba - Data: 14/03/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Uma grande alegria vir a Caterpillar, uma das grandes indústrias brasileiras pela excelência, pela qualidade, 6,3 mil funcionários, quarta maior exportadora do Estado de São Paulo, e entre as grandes exportadoras do Brasil, expandindo a fábrica, investindo em Piracicaba, investindo no Estado de São Paulo, numa área que vai crescer muito, que é a indústria do petróleo e gás. Então hoje se comemora aqui a entrega do primeiro gerador para a indústria do petróleo. E nós queremos que novos investimentos, inclusive em grandes motores, também venham aqui para Piracicaba. Então uma satisfação quando a gente pode inaugurar uma expansão de uma fábrica, abrindo mais emprego, oportunidade. E uma fábrica com um nível de excelência, eleita a melhor indústria da região Sudeste, como aqui a Caterpillar. Também a assinatura do aglomerado urbano de Piracicaba, 22 municípios para unir, congregar, fortalecer a região, fazer planejamento urbano, conselho de desenvolvimento regional, os 22 municípios, participação da sociedade civil, do governo. Nós vamos em seguida criar o Fundo das Aglomerações Urbanas para poder colocarmos recursos para poder recuperar essas políticas públicas, e a liberação de R$ 20 milhões para compra de equipamentos. A Prefeitura da Piracicaba está concluindo uma grande obra, que é o Hospital Regional, e esses R$ 20 milhões são para equipamento, área tecnológica, equipamento, mobiliário, enfim, hospital que vai servir a região.


REPÓRTER: Sobre o documento da Câmara a respeito da segurança pública, governador, solicitando melhores investimentos.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós teremos esse ano um aumento do efetivo da Polícia Militar. Já temos, já, um efetivo maior em relação ao ano passado. Teremos mais mil investigadores e escrivães de polícia para o Estado de São Paulo, uma parte virá para cá. 140 novos delegados de polícia também. A liberação da Polícia Civil a medida em que o DETRAN passa para o Poupa Tampo, para a Secretaria de Gestão Pública, nós teremos mais de mil policiais que deixam essa atividade para se dedicar a atividade fim. Bases comunitárias da polícia. Nós estamos recebendo mais de 200 novas bases comunitárias. Tecnologia embarcada, todas as viaturas com tablet. O policial já sabe se o carro é roubado, se não é, se a pessoa abordada tem passagem policial, não tem, enfim, um ganho tecnológico importante. Ontem, o Secretário da Segurança, o Dr. Ferreira Pinto, esteve aqui em Piracicaba, e nós estamos otimistas em relação a 2012. Eu estou com os índices aqui do DEINTER 9. É só ainda o mês de janeiro, mas comparando janeiro de 2012 com 2011, nós tivemos homicídio doloso no DEINTER 9, no mês de janeiro, uma queda de 30% comparado a janeiro do ano passado; furto um aumento de 1%; roubo uma queda de 23%; furto de veículos um aumento de 3%; roubo de veículos uma queda de 8%; roubo de carga uma queda de 11%; roubo a banco uma queda de 100%, que não teve nenhum caso; estupro uma queda de 8%; latrocínio uma queda de 50%. Então o mês de janeiro comparado a janeiro do ano passado, praticamente dos nossos dez índices de criminalidade, oito em queda. E eu não tenho dúvida de que esses índices vão cair ainda mais. Então com esforço concentrado da polícia, nova direção da polícia aqui na região e um esforço muito forte da polícia.


REPÓRTER: Dá para dar exemplo de como esse aglomerado urbano vai beneficiar cidades? Alguns exemplos.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Posso dar. Imagine a questão de recursos hídricos. Não dá para cada município trabalhar de forma isolada. Então você trabalha os 22 municípios. Segurança pública. Saúde, referência na área de saúde, hospital, ambulatório de especialidades. Destino final dos resíduos sólidos, lixo. Você precisa construir soluções. Fortalecer consórcios, unir municípios para buscar. Planejamento regional. Atração de investimentos. Qualificação profissional. A maioria hoje dos temas de políticas públicas não são exclusividade de um município. Então invés de ter disputa, quando às vezes um empurra o problema pro outro, você buscar as melhores soluções do desenvolvimento regional.


REPÓRTER: A capital amanheceu, hoje, um caos verdadeiro, muita gente que dependia de metrô e trem teve problemas. Isso já é uma situação recorrente, infelizmente. O quê que o governo tem feito ou tem projetos para sanar, ou pelo menos diminuir essas frequências dos problemas, governador?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Olha, nós tivemos três problemas que foram rapidamente restabelecidos, em questão de 20 minutos. E tanto o metrô quanto a CPTM vai verificar tecnicamente a causa.


REPÓRTER: Houve falha? Falta de manutenção?


REPÓRTER: Governador, quem que o senhor gostaria que o seu partido indicasse para candidato à prefeito em Piracicaba, para suceder o atual prefeito Barjas Negri.


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Um bom candidato.


REPÓRTER: O Gabriel ou o Adelar.


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Essa é uma...


REPÓRTER: Como o senhor é com a linha política local? Poderia falar a respeito?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Essa é uma decisão da cidade, do diretório. Porque a minha avaliação é muito positiva, acho que o prefeito Barjas Negri fez um bom trabalho, conclui o seu mandato no final do ano com uma belíssima folha de serviços prestados. Piracicaba vivendo um bom momento.


REPÓRTER: Quem quer que seja do PSDB, o senhor apoiaria aqui na cidade?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: O governador, o governo de São Paulo não tem candidato, o governo trabalha para todos. Enquanto filiado ao meu partido, candidato do meu partido sempre terá nosso apoio.


REPÓRTER: O gerador que vocês anunciaram hoje, ele começa a funcionar a partir de quando?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: A Caterpillar pode detalhar melhor o..., Eles devem operar em navios, devem operar em grandes navios, tanto na área de geração de energia como na área de propulsão. Mas é importante, quer dizer, isso mostra que em 64% desses grandes geradores, todo ele fabricado no Brasil, com conteúdo nacional. Isso mostra que o Brasil está preparado para grandes desafios na área tecnológica. Qual é a diferença do pré-sal para o pós-sal? É que o pós-sal, que foi o petróleo até hoje retirado do Brasil, ele está acima da camada de sal, portanto, aí até dois mil, três mil metros de profundidade. O pré-sal, ele está abaixo da camada de sal, então ele está a cinco mil metros de profundidade, cinco quilômetros de profundidade do nível do mar, e a 300 quilômetros da costa. As jazidas de pós-sal estão a 150, 170 quilômetros da costa, o pré-sal está a 300 quilômetros da costa, então ele é muito mais complexo, existe tecnologia muito maior. E o pré-sal é Bacia de Santos, e a Bacia de Santos que vai Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, grande partes das jazidas estão no estado de São Paulo.


REPÓRTER: Governador [ininteligível].


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Olha, são questões das cidades que as câmaras municipais e o poder judiciário já estão atuando.


REPÓRTER: Governador, quanto está de investimento em relação ao governo...


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: A Hidrovia Tietê – Paraná, ela é muito importante. São 2.400 quilômetros de hidrovia, e nós precisamos trazer a hidrovia até Artemis, até Piracicaba, e fazê-la integrada a um outro modal, que é o modal ferroviário. Então nós assinamos com a presidenta Dilma, um convênio de R$ 1,5 bilhão, R$ 900 milhões do governo federal, R$ 600 milhões do governo do estado, para fazer as grandes obras. Melhora das eclusas, derrocamento de canal para ter mais profundidade, substituição de pilares de pontes para não ter que parar o conjunto de barcaças, o comboio, para passar uma por uma por causa do vento. Passar todas em conjunto. E a nova Barragem Santa Maria da Serra, para poder chegar à hidrovia até Piracicaba, integrada com a ferrovia. Então é um projeto para o Brasil, um projeto estruturante que beneficia São Paulo, a região Sudeste e o Centro-Oeste brasileiro.


REPÓRTER: Governador, como está investimento com relação a metrô e trem, para que essas frequências de problemas aconteçam?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Diga.


REPÓRTER: Existe algum projeto para reativar as ferrovias desativadas no interior, os ramais desativados?


GOVERNADO GERALDO ALCKMIN: Olha, toda a ferrovia, toda carga, ela é hoje concessionada, e é da área federal. Quer dizer todas as ferrovias, o poder concedente é o Governo Federal, e toda ela concessionada, é privada. Então o que nós estamos procurando fazer? Nós estamos procurando melhorar a logística. Por exemplo, ferroanel, então para ferrovia chegar ao porto de Santos, ela passa pela Luz, passa por dentro de São Paulo, trens muitos pesados, muito longos. Então o ferroanel vai melhorar essa logística, e vai... O transporte ferroviário está crescendo, transporte ferroviário de carga. E o transporte de passageiros, 70% do transporte de metrô e de trem do Brasil, é São Paulo, só a região Metropolitana de São Paulo.


REPÓTER: No interior deve ser reativado, esses ramais ativados?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós vamos trazer os trens regionais. Jundiaí já está se estudando o expresso Jundiaí, Sorocaba já estamos prolongando a linha de Itapevi no sentido de Mairinque. Já estamos estudando também para outras regiões. E Campinas nós já estamos apoiando o trem de alta velocidade, que é o TAV, que vai ser importante que vai ligar o aeroporto de Viracopos até São Paulo, Campo de Marte, Cumbica e depois Rio de Janeiro.


REPÓRTER: Em relação à segurança, ainda existe algum novo projeto para combater a segurança nos caixas eletrônicos? Para combater o ataque, aliás?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, é polícia na rua, investigação dos criminosos, não é? Os criminosos sempre migram, o assalto a banco, ai ficou difícil ele vai para o caixa eletrônico, ficou difícil ele vai para o roubo de carga, ficou difícil ele vai para o automóvel. Isso ai é uma guerra que tem que vencer batalha todo dia. Agora São Paulo que era o vigésimo, era o quinto estado mais violento do Brasil, hoje é o vigésimo quinto. O Brasil tem vinte e quatro homicídios por cem mil habitantes, São Paulo tem 9,8, sendo que estamos numa metrópole de mais de trinta milhões de pessoas. Então aqui a polícia tem trabalhado bastante.


REPÓRTER: A APOESP entrou em greve agora nessa quarta-feira e vai até na sexta-feira as manifestações. O senhor considera justo essas reivindicações, entre elas o aumento de 17% das horas livre de atividades?


REPÓRTER: Levando em conta que Limeira já tem um percentual de professores parados também...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, é um movimento Nacional, não é? Para quê? Para que tenha vigência a Lei do Piso. A Lei Nacional do Piso é R$ 1.450,00 em número redondo, nós já pagamos R$ 1.890,00, então o nosso piso é muito maior do que o piso Nacional. E nós já teremos outro aumento esse ano para os professores. Os professores serão a categoria profissional que mais vai ter reajuste, aumento, carreira. Ao final do nosso mandato nós vamos ter um patamar de salarial, de carreira de professores muito distinto. Então, eu acho que São Paulo não tem nenhum problema, mas é um movimento nacional. Se pegar o Rio Grande do Sul, enquanto o nosso piso vai chegar a R$ 2.000,00, o piso que ingressa na carreira, professores em média ganham muito mais, no Rio Grande do Sul é R$ 760,00. Então em muitos estados você precisa lutar para implantar o Piso Nacional. Mas São Paulo já está bem acima dela.


REPÓRTER: [ininteligível] dos cumprimentos de partes do tempo de horário de trabalho?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: De maneira nenhuma. Nós estamos rigorosamente dentro dos parâmetros e vamos valorizar os professores. Nós vamos ter em média, eu vejo as categorias sindicais lutando para ter 6%, 5% de reajuste. Os professores terão no nosso período 45% de reajuste, mais a carreira, mais a carreira e mais o piso. Está bom?


REPÓRTER: Governador, o senhor poderia responder a minha pergunta? Se tem faltado investimento por parte do governo.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós temos, hoje, quatro obras simultâneas no metrô de São Paulo, na dois, na quatro, na cinco e na 17, e também na CPTM. E investimentos de trens novos revitalizou a indústria ferroviária aqui em São Paulo, metrôs e trens, segurança. Nós já determinamos, tanto o metrô quanto a CPTM verifique as causas desses acidentes, se é falha humana, se é tecnologia. Há um empenho hoje, uma equipe trabalhando firmemente para elucidar e resolver.