Coletiva - Abertura do "Seminário de Cooperação São Paulo - Portugal em Infraestrutura Urbana" - 20120509

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Abertura do "Seminário de Cooperação São Paulo - Portugal em Infraestrutura Urbana"

Local: Capital - Data: 05/09/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, uma grande alegria receber o Ministro do Desenvolvimento, Paulo Portas, de Portugal, destacar que entre 2010 e 2011 houve um aumento de 40% nas relações comerciais entre o Brasil e Portugal, e acho que elas podem crescer fortemente. Começamos oficialmente hoje aqui através de São Paulo, o ano de Portugal no Brasil, com a assinatura do protocolo entre a nossa Agência Investe São Paulo e o ICEP - Agência de Investimento e Comércio de Portugal. Em um bom momento, onde São Paulo vai investir R$ 60 bilhões de investimento próprio do tesouro paulista, empresas estatais, financiamento. Acabamos de ter 11,5 bilhões de espaço fiscal através do PAF para novos financiamentos, e PPPs e concessões na área de saneamento, transporte, transporte metropolitana, Rodoanel, metrô, trem, aeroportos, porto. E de outro lado em Portugal um grande processo de privatização de aeroportos do setor elétrico, enfim, então muitas oportunidades aí para investidores e empreendedores, e eu destaquei o turismo. Acho que nós podemos fazer crescer ainda mais um setor que gera muito emprego, é muito importante também sob o ponto de vista social, os brasileiros irem mais a Portugal, e também termos mais portugueses e europeus aqui no Brasil.


REPÓRTER: O Estado de São Paulo tem um pacote grande de obras de aeroportos, de rodovias e ferrovias, isso deve também passar por um pacote de concessões, assim como teve um pouco o Governo Federal. Esse pacote, ele está previsto para sair nos próximos meses, os portugueses poderão ajudar nesses projetos?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Então, nós temos já um pacote de obras, aí são concorrências públicas: estradas, Tamoios, contorno de Caraguatatuba, rodoanel, a nova linha de metrô, estações de trem, investimento em saneamento básico, enfim, hospitais, esse é um. O outro são PPPs, que é o que nós estamos lançando: cinco hospitais, linha de monotrilho a Linha-18 pra São Bernardo, a Linha-6 do metrô, o trecho da serra da Tamoios, aeroportos que nós estamos elaborando o projeto modelo de concessão. Então são duas ciosas. Uma já em andamento que são as obras públicas, grandes obras em licitação e outros projetos de PPP de concessão.


REPÓRTER: Nesse comboio deve ter também, rodovias estaduais?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Rodovias? Com certeza a Tamoios.


REPÓRTER: A Tamoios.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. A Tamoios, nós estamos estudando, já está em obra à duplicação de 54 km da Tamoios até o alto da serra. Vamos licitar como obra pública os contornos de Caraguá para Ubatuba e pra São Sebastião. E estamos a PPP para a nova Tamoios na serra.



REPÓRTER: O meu áudio não ficou muito bom quando o senhor falou da importância dessa parceria com Portugal. O senhor pode repetir um pouquinho para mim novamente, por favor?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, é uma parceria muito importante. A atividade econômica entre os dois países cresceu 2010/2011, entre 2010 para 2011 40%. Acho que nós podemos fazer crescer ainda mais. Foi assinado um protocolo entre a agência Investe São Paulo e o ICEP, o Instituto de Comércio Exterior de Portugal. E prevendo aí grandes oportunidades de investimentos recíprocos. Empresas brasileiras investindo em Portugal, empresas portuguesas investindo no Brasil [ininteligível], Portugal com forte programa de privatização, aeroportuário, empresas, eletricidade. E São Paulo, oportunidade de obras públicas, saneamento, trem, estrada, portos, aeroportos e também PPPs. Participação da Iniciativa Privada junto com o Governo.


REPÓRTER: Hoje foi divulgado uma nova pesquisa sobre a prefeitura de São Paulo. O candidato José Serra novamente recuou nas pesquisas. Deve haver alguma mudança na tática da campanha do candidato?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu não vejo razão para mudança. Eu tenho forte convicção de que o Serra vai para o segundo turno e no segundo turno vai ser bem sucedido, vai se eleger. Nós temos um mês ainda até a eleição. Essas mudanças são normais no processo eleitoral. Não vejo razão para mudança, acho que ele deveria... Deveria fazer um pronunciamento deixando claro que vai ficar os quatro anos para ser um grande prefeito de São Paulo.


REPÓRTER: Um possível descolamento da imagem dele do Kassab ajudaria ele nas pesquisas?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, não acredito que isso seja problema, nem que seja necessário.


REPÓRTER: Só voltando as PPPs, dos R$ 60 bilhões, quantos são no investimento [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ainda não temos o número exato, mas eu diria que a gente pode dividir aí grosso modo em três terços, né? Um terço de obra pública, dinheiro orçamentário. Um terço financiamento, também obra pública, mas com financiamento interno, BNDS, Caixa Econômica, BID, Banco Mundial e um terço PPPs. Então seria um terço de obra pública, sendo metade recursos próprios e metade financiamento, e um terço recurso privado.


REPÓRTER: E a gente pode falar que esses R$ 60 bilhões são o que 2012/2013?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. Esses R$ 60 bilhões são 2012/13/14. Uma média aí de R$ 20 bilhões/ano. Tá bom? Um abraço.