Coletiva - Abertura do 17º Congresso Brasileiro da Radiodifusão do Estado - 20122509

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Abertura do 17º Congresso Brasileiro da Radiodifusão do Estado

Local: Capital - Data: 25/09/2012

GOVERNANDOR GERALDO ALCKMIN: Bom companheiro, quem está com um rádio não está sozinho. Então, é um extraordinário instrumento de comunicação, com grandes serviços prestados ao país. E aqui incorporei, trouxe meu apoio à proposta da AESP, primeiro das rádios AM poderem migrar pra FM. Isso possibilita melhor qualidade de som, melhor abrangência, ganha o ouvinte do rádio e ganha a sociedade porque o rádio é um prestador de serviço público gratuito né, gratuito pras pessoas e segundo a flexibilização da hora do Brasil, um horário nobre nas grandes cidades todas de grande trânsito. Não tem sentido você ter nos dias de hoje quando o governo pode prestar serviço, pode prestar contas através de redes sociais a própria rádio, mas não ter mais um horário fixo isso é coisa anacrônica. Governo tem que existir pra prestar serviço à sociedade, pra estar trabalhando pelo bem comum e o interesse público recomenda essa flexibilização. Projeto de lei já aprovado no senado, nós temos confiança de que rapidamente a câmara Federal também o aprova.



REPÓRTER: Então uma MP seria bem vinda?



GOVERNANDOR GERALDO ALCKMIN: Pode ser, eu acho que ganha tempo né. Eu acho que a tendência da câmara é aprová-la, mas os processos legislativos são mais demorados, uma medida provisória pode abreviar depois ela terá que ser aprovada pelo congresso nacional. Uma medida de interesse público, acho que a população, a sociedade vai ganhar, um horário em que muita gente está no transito nas grandes cidades, saiu do trabalho e ainda não chegou em casa você tem informação, jornalismo, trânsito, interesse público na noticia.



REPÓRTER: Governador, mais uma pergunta [ininteligível]



GOVERNANDOR GERALDO ALCKMIN: Você tem aqui um bom slogan do tempo do repórter Esso. Repórter Esso fez história, então o repórter Esso tinha um slogan: “O primeiro a dar as últimas”. Uma bela síntese né, o primeiro a dar as últimas e a história do rádio. No inicio do século XX, o analfabetismo no Brasil era altíssimo. O meio mais rápido de educar, de cultura, de levar informação era o rádio. Me lembro da minha infância, em Pindamonhangaba, e da minha juventude sempre ouvindo a ZYR47, rádio difusora de Pindamonhangaba, era a vida da cidade. Por isso a importância de não deixar morrer a AM, o ministério das comunicações permitir a migração pra FM com canal 5 e 6. Isso é preservar a história do rádio e ao mesmo tempo melhorar a qualidade tecnológica em benefício do ouvinte.



REPÓRTER: Governador, está previsto pro final do ano [ininteligível] curso para [ininteligível]. Quantas vagas vão ser oferecidas, já que no último concurso foram mais de 10 mil vagas?



GOVERNANDOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a informação que eu tenho é que são, deixa eu conferir, 11.340 professores estão hoje na escola de formação. Eles devem concluir o curso em dezembro e ai no ano letivo do ano que vem já devem estar nas salas de aula como professores efetivos, 11.340 professores.



REPÓRTER: E no próximo concurso previsto pro final do ano tem alguma contagem de quantas vagas [ininteligível]?



GOVERNANDOR GERALDO ALCKMIN: Eu acho que ai a secretaria da educação vai mais ao final do ano poder ter o número exato, mas nós estamos já chegando a 35 mil professores concursados, efetivados, nomeados, então ganha com isso o aluno né, tenso um professor efetivo, concursado, extremamente bem preparado, passou num concurso difícil e ainda tem que fazer a escola de formação.



REPÓRTER: Você vai mudar alguma coisa nesse concurso, vocês vão ser mais exigentes?



GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Sempre procurando ter os melhores professores, por isso nós fizemos a carreira do professor. Todo ano nós estamos dando um aumento acima da inflação, esperamos ao final do mandato ter quase aí 50% de reajuste, o professor em tempo integral, além de receber pelo tempo integral, tem mais 50% de gratificação, queremos os melhores alunos da universidade para vir para o magistério.



REPÓRTER: Governador, no inicio do ano estava previsto um envio da assembleia legislativa de um projeto que transforma mil vagas de carcereiro em mil vagas de agente policial. Qual que é a situação desse projeto?



GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Deve estar quase pronto na já TL para ser encaminhado a assembleia legislativa. Aliás, a nossa meta é zerar preso em cadeia, mas ainda temos sete mil, já chegamos a ter trinta e cinco mil, a ideia é chegar à zero, a cidade de São Paulo já não tem mais. Mulher, esperamos em oito meses zerar. Então nós não teremos mais preso em cadeia. Preso que está aguardando julgamento, o chamado preso provisório, só nos modernos CDPs, Centro de Detenção Provisória, então quem prende não cuida de preso, isso é um principio, até na Secretária de Segurança Pública não vai mais ter carcereiro, então todas as vagas devem passar para agente policial, policia não toma conta de preso, mas fazer a investigação polícia [ininteligível].



REPÓRTER: [ininteligível]



GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Então, nós já fizemos eclusa no Cebolão, então nós já temos uma hidrovia, você sai da Penha e vai até Santana Do Parnaíba. Já tem uma hidrovia no Tietê, tanto é que lembra que há uns dez anos atrás, ficavam aquelas montanhas de lama, de pneu na beira da marginal, por quê? Porque você tirava o material assoreado, as máquinas né? E punha na margem do rio, e depois de madrugada os caminhões tiravam o bota fora, todo ano tem que tirar quinhentos mil metros cúbicos, porque é o assoreamento que vem com a força das aguas na época da cheia. Por que que isso acabou? Porque agora a limpeza do canal é tudo por barcaça, fizemos uma eclusa no Cebolão, então a própria máquina ela draga, ela tira a sujeira do fundo do rio, põe na barcaça, a barcaça navega, chega no Cebolão, faz a esclusagem, e vai para Carapicuíba. Bom, para subir o Tietê tem um problema que é a barragem da Penha, então a nossa proposta é fazer uma eclusa na barragem da Penha, aí nós vamos ganhar 14 km de hidrovia, aí a barcaça vai poder subir o rio, e ir para Itaquaquecetuba, vai até perto de Suzano, então nós vamos ganhar mais 14 km, nós estamos esperando 30 dias a licença [ininteligível], 60 dias a licença de instalação, e aí lançamos o edital da obra da eclusa na barragem da Penha, será a segunda eclusa, a primeira no Cebolão, então você vai poder sair lá de Itaqua, 14 km acima do parque ecológico, e ir até Santana do Parnaíba, passando por Barueri, Osasco, e esperamos em 2015 tirar o odor do rio, que ele passará para a classe dois, isso também tirando o mal cheiro do rio, você vai poder ter um sistema não só de limpeza por barcaça, mas ter outras atividades no Rio Tietê.