Coletiva - Abertura oficial da 44ª Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios - Francal 2012 - 20122606

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Abertura oficial da 44º Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios - Francal 2012

Local: Capital - Data: 26/06/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A Francal está mostrando isso. Eu observei aqui, todos os expositores que eu passei, e todo mundo de caneta na mão tirando pedido. Então, nós estamos muito otimistas! Reduziu o ICMS aqui para indústria de 18% para 12% e de 12% para 7%, para indústria de 18% para 12% para o atacado, estamos apoiando o setor com ETEC, FATEC, Via Rápida, Capacitação de Recursos Humanos, crédito pela Agência de Fomento juros de 0,4% mais o IPC, 20 meses de carência de até 10 anos para pagar, apoio do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do IPT aos arranjos produtivos locais, especialmente o da Franca, de Birigui, de Jaú, né, clusters muito importante do setor calçadista de São Paulo.


REPÓRTER: Governador, a organização da Francal pela [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A Francal tem tradição, que é a 44ª Francal, lança coleção primavera-verão, é uma das grandes feiras do mundo, grande oportunidade de negócios e na vanguarda. Então, ela faz um binômio, né, tradição e vanguarda. Está na ponta do setor!


REPÓRTER: O senhor tem muito carinho pelo setor calçadista, não é governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Porque eu tenho muito carinho pelo emprego, pela distribuição de renda, pelo apoio à pequena empresa e esse é um setor essencial, sob o ponto de vista de desenvolvimento brasileiro!


REPÓRTER: Obrigado, governador!


REPÓRTER: Governador, o que mais foi colocado ali na abertura foi, realmente, a redução nos impostos? E agora encontrei ali com o gaúcho, ele falou: “Parabéns, governador, porque o senhor abaixou o imposto de 12% para 7% e, lá, o nosso governador não abaixa”. Fala um pouquinho sobre tudo isso e sobre a Francal. Bom dia.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o Brasil tem o maior rebanho bovino comercial do mundo e é o terceiro maior produtor mundial de sapato, só perde para China e Índia, o maior produtor de sapato do Ocidente. E isso é muito importante, porque indústria de sapato é emprego na veia, é muito emprego, e distribui renda, porque tem muita pequena empresa, é um setor que tem muita micro e pequena empresa. Então, é uma alegria participar. Tivemos um começo de ano difícil, mas estamos muito otimistas com o segundo semestre. Nesse lançamento, aqui, da coleção primavera/verão, eu verifiquei nos estandes todos, aqui tem mais de mil expositores, todo mundo de caneta na mão tirando pedido. Eu acho que nós vamos ter um bom segundo semestre, muito emprego, vai aumentar muito a oportunidade de emprego, e crescimento da economia. Isso é muito bom para São Paulo e bom para o Brasil. Por isso, nós reduzimos, há 60 dias atrás, o ICMS, de 18% para 12%, no atacado, e de 12% para 7% na indústria do calçado. O crédito, através da nossa Caixa Desenvolvimento e capacitação de mão de obra, através de ETEC, FATEC, Via Rápida, enfim, capacitação de recursos humanos.


REPÓRTER: Governador, sobre os ataques à PMs, tem informações de que um traficante da zona leste tenha mandado, tenha ordenado as mortes. [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós já temos cinco presos, já identificamos vários desses criminosos, cinco já foram presos, e é questão de horas ou de dias, os demais também serão presos. A polícia está mobilizada e trabalhando.


REPÓRTER: O senhor está falando sobre a redução dos impostos no ramo de calçados, mas eu, através da CNTur, do Dr. Nelson, que é grande seu amigo, ele comentou também que o senhor está trabalhando muito para reduzir o ICMS de 3,2% para 2%. Isso vai acontecer mesmo, governador? Vários restaurantes e hotéis vão ter esse benefício?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, os hotéis, bares e restaurantes, nós já reduzimos, anteriormente, para 3,6%, um imposto bem baixo, e, hoje, está sendo lançado o chamado Vizinhança Solidária, estamos começando pelo Itaim Bibi, aliás, por falar em segurança. Então, unindo restaurantes, condomínios, sociedade civil, o que vai fazer toda a diferença para a gente ter a chamada prevenção primária, que é muito importante na questão da segurança.


REPÓRTER: Governador, a redução da maioridade penal ajuda? Porque, em relação a esses assaltos a restaurantes, são adolescentes, não é?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, a discussão da maioridade penal, eu acho que vai dar um grande debate e, provavelmente, não vai acontecer nada, porque vai ter uma discussão enorme. Eu sou mais prático. O que eu faria? Primeiro, menor de 18 anos, para crimes mais graves, não ter essa história de limite de três anos e sair com a ficha limpa, não. Para crime grave, pode chegar a dez anos. E, segundo, passou de 18 anos, não fica mais na Fundação Casa, vai para a unidade prisional, separado, não mistura com os outros. Mas não tem sentido, nós temos pessoas com 20 anos, quase 21 anos, na Fundação Casa, não é nem criança nem adolescente. Então, com todo o respeito, mas o Estatuto da Criança e do Adolescente, o ECA, ele precisa ser adaptado a uma nova realidade, a um novo momento. Então, crime mais grave, pode chegar a dez anos; passou de 18 anos, sai da Fundação Casa e vai para as penitenciárias, unidades separadas, mas não fica mais lá.


REPÓRTER: Bom, falando em esporte, o seu Santos saiu fora da Libertadores. Corinthians e Boca, vai torcer para o Boca, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, imagina! Eu torci muito pelo Peixe, mas o Peixe estava cansado de erguer tanto a taça das vitórias que acabou não chegando lá, então, agora, outro time paulista vai ser campeão da Libertadores, não é? Estamos aí torcendo por São Jorge.


REPÓRTER: Está certo. Obrigado.