Coletiva - Anúncio das ações de combate à Dengue e Videoconferência sobre enfrentamento da Dengue, do vírus Chikungunya e do Zika vírus 20162901

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Anúncio das ações de combate à Dengue e Videoconferência sobre enfrentamento da Dengue, do vírus Chikungunya e do Zika vírus

Local: [[]] - Data:Janeiro 29/01/2016

COLETIVA ALCKMIN – VIDEOCONFERÊNCIA AEDES AEGYPTI

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ok? Olha, há uma grande preocupação hoje com as chamadas arboviroses especialmente aquelas transmitidas pelo aedes aegypti, a dengue, a febre chikungunya e o zika vírus, doenças típicas de países tropicais, de muito calor, muita chuva. E aqui no caso de São Paulo nós temos feito um trabalho grande através da Secretaria de Saúde, o professor David Uip é um dos grandes professores na área de infectologia, o professor Marcos Boulos da Coordenadoria de Controle de Doenças, o Dr. Dalton, da Sucen, nós temos uma superintendência só para fazer esse trabalho. Então, a primeira tarefa, criamos aqui a sala de situação de controle desse trabalho, a tarefa é combater o mosquito, ou seja, é combater os criadouros, então no sábado passado nós iniciamos pelos 20 municípios de maior incidência um mutirão, e amanhã nós teremos um mutirão em 250 municípios do Estado de São Paulo envolvendo a Sucen, envolvendo agentes municipais, Defesa Civil, Exército, voluntários, estudantes, escoteiros, igrejas, um trabalho bastante grande. E, inclusive, no caso dos profissionais nós passaremos a pagar a diária aos sábados para a gente poder ganhar tempo e aumentar ao máximo o número de visita aos domicílios, né, casa a casa e priorizando as áreas que mais preocupam. O outro trabalho é o diagnóstico, o Instituto Adolfo Lutz está sendo ainda mais equipado, está presente em todas as regiões do estado, os kits para fazer o diagnóstico desses três tipos de doenças. A outra é assistência médica, então uma formação profissional, aulas, recomendações, estruturas hospitalares para o atendimento, e a outra, uma boa notícia, nós já estamos há anos no Instituto Butantã trabalhando para ter a vacina contra a dengue, já fez a fase um, a fase dois e a última fase que é a fase três nós esperamos agora no mês de fevereiro fazer as primeiras vacinações de voluntários no Hospital das Clínicas, então pessoas voluntárias receberão já a vacina contra os quatro tipos de vírus, um, dois, três e quatro com apenas uma dose. Também criamos no site da Secretaria de Saúde um aplicativo de tal maneira que as pessoas podem acessar pedindo visita, denunciando áreas abandonadas, enfim, fazendo sugestões, podendo também participar.

REPÓRTER: Governador, como que vai funcionar o aplicativo para mapear os focos de dengue?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O professor David Uip e o professor Marcos Boulos, podem detalhar essa parte mais técnica.

REPÓRTER: Professor... governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Professor?

[risos].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu agradeço.

REPÓRTER: Governador, o senhor teve agora uma videoconferência, né, com outros quatro governadores, o que é que vocês discutiram? Quer dizer, é como é que vai funcionar isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, essa uma questão que envolve todo o país, eu diria até que não só a Brasil, né, mas especialmente as regiões tropicais, América Latina, Caribe, África, sudeste asiático e também chegando em regiões mais ao Norte. No país inteiro se fez um trabalho de coordenação, então nós informações, né, a cada dia nós informamos os números de casos notificados, no caso do zika vírus há uma preocupação especial com as grávidas pela relação que já existe hoje bastante comprovada da relação entre o zika vírus e a microcefalia. O zika vírus, é um vírus que tem tropismo pelo sistema nervoso, então no adulto ele causa uma polirradiculoneurite ascendente, chamada Guillain Barré, e na mulher grávida pode ser uma das causas, né, de o cérebro ser menor, menor que 32 centímetros aí de circunferência, não é a única, você tem microcefalia por citomegalovírus, por rubéola, você tem por toxoplasmose, protozoário, uso excessivo de álcool, de droga, causas não infecciosas, mas é uma grande preocupação. Então, todo... a conferência foi nesse sentido, a teleconferência, a gente está trocando informações, trabalhando juntos para ter uma ação aí sinérgica.

REPÓRTER: A Presidente Dilma participou dessa videoconferência?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Participou.

REPÓRTER: Qual foi a orientação dela?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Participou. Participaram vários ministros, os cinco governadores, né, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Paraíba, fizeram um relato do trabalho que está sendo feito nos seus respectivos estados e da situação, e o ministro da Saúde, coordenou e a Presidente encerrou, eu acho que colocando bem. Nós temos que fazer um esforço permanente, mas especialmente nesses meses de maior calor, até abril. Então, é um esforço ininterrupto, até acabei de passar aqui um bilhetinho aqui para o David Uip, nós não podemos parar nem no carnaval, nós vamos ter que fazer um rodízio, né, mas nem no carnaval não pode parar. Então, até abril, maio, tem que ser ininterrupto, e só tem um caminho, é combater o mosquito.

REPÓRTER: E essa foi uma orientação do Governo Federal então, fazer um trabalho contínuo?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, essa é do Governo do Estado, a presidência não entrou nesse nível de detalhe, ela colocou que vai ter uma conversa hoje com o Presidente Obama no sentido de se buscar a questão da vacina, porque o grande problema de vírus é que você não tem tratamento eficaz para doença virótica, então é vacina. Como é que se eliminou poliomielite, rubéola, sarampo? É tudo vacina. Então, é preciso acelerar a questão da vacina.

REPÓRTER: Os dados da OMS, o senhor acredita que pressionaram um pouquinho a Presidente a fazer essa mobilização com os governadores, especialmente essa videoconferência?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ah, não há dúvida, eu acho que essa questão das arboviroses e esses riscos epidêmicos, eles são de grande gravidade, né? Para você ter uma ideia no ano passado nó tivemos no Estado de São Paulo mais de 600 mil casos de dengue, 600 mil. Em janeiro nós estamos tendo comparativamente com janeiro do ano passado um número muito importante de redução, ano passado forem 57 mil... 54 mil casos em janeiro, esse ano 9.700. Mas é um trabalho que você não pode esmorecer. De outro lado, no caso de microcefalia e zika vírus, se você pegar de novembro até janeiro foram 120 casos, e só em janeiro o zika vírus 39, pode estar um aumento, né, dos casos de zika vírus. No caso de São Paulo foi muito dengue tipo um, agora começa a aparecer a chamada dengue tipo dois, que é o mesmo vírus, mas de um novo tipo. Mas nós temos aqui os melhores mestres aí da infectologia para detalhar essas questões.

REPÓRTER: Governador, em relação aos casos de microcefalia, deve mudar alguma coisa na notificação? Porque tem sido bem polêmica essa questão de como São Paulo está notificando.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O professor David Uip esclarece melhor, tá bom? Agora, microcefalia não é só zika vírus, né, você tem ‘n’ causas para a microcefalia.

REPÓRTER: Governador, eu poderia só fazer uma pergunta a respeito da política local, a política na cidade de São Paulo, né, como é que está o PSDB engajado, né? Porque dizem que o senhor está apoiando um candidato, o partido apoia outro, né? Há divergências dentro do PSDB em relação a isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não. O PSDB já desde a última eleição decidiu escolher candidato não apenas na convenção, que é um número muito restrito, é uma decisão muito cartorial, muito restrita, mas fazê-la de maneira mais ampla, com todos os filiados, é o que se chama de prévia, né? Eu até vou mais longe, eu sou um fã do modelo americano, das primárias, né? Só nos Estados Unidos você teria o Obama, você não teria em...

REPÓRTER: Mas não tem nenhuma [ininteligível], né? Dentro do partido em relação a candidatos

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não. Tem. Tem. É natural que haja divergência, assista os debates republicanos e democratas dos Estados Unidos, o debate é isso mesmo, é divergência, contrapontos, isso faz parte do processo democrático. Eu acompanhei, eu estava no Estados Unidos, e em janeiro de 2017 o que é que se ouvia, a candidata é a Hillary Clinton, é o establishment, ela já estava escolhida, o Obama nem vice. A hora que terminou a primária ele ganhou não só a primária como estava eleito Presidente dos Estados Unidos, um homem negro que nasceu no Haiti de nome Hussein, isso é modelo, isso é democracia para valer. E democracia começa dentro de casa. Então, é melhor você ouvir todos os filiados, 22... acho que é até mais, 27 mil filiados, você ouvindo mais, você erra menos. Então, foi marcada a prévia, a prévia será no dia, acho que é 29 ou 28... 28 de fevereiro, eu faria até mais que prévia, faria primária mesmo, ouvir não só quem é filiado, mas ser mais aberto a essa escuta, mas a prévia será no dia 28 de fevereiro, tem três pré-candidatos inscritos, aquele que vencer o partido inteiro vai apoiá-lo, enquanto não escolhe, eles disputam o voto dos filiados, tá bom?

REPÓRTER: Governador, em relação ao secretário Nalini, ele não se comprometeu em fazer uma reorganização...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, é óbvio que ele não iria assumir a secretaria dizendo: “Já vou fazer isso, isso, aquilo.”. Se ele quer abrir aí um bom diálogo, né? O diálogo é isso, nós já temos 1.400 escolas de ciclo único, nós já temos. Escola que você separa por idade e por ciclo, e o resultado é melhor. Claro, você tem uma escola de 2.500 alunos e ter uma escola de mil alunos, é impressionante a diferença que é muito mais fácil você fazer a gestão, focar no trabalho. Então eu acho que o Dr. Nalini ele reúne as condições, né, de um homem apaixonado pela educação, um grande gestor, nós estamos falando de 300 mil professores e funcionários, não há no mundo uma instituição, uma empresa desse tamanho, e ao mesmo tempo um homem do diálogo pra você buscar aí bons avanços na educação pública de São Paulo.

ORADORA NÃO IDENTIFICADA: A reorganização sai este ano, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, a reorganização ela já vem ocorrendo, tanto é que nós já temos 1.400 escolas separadas por ciclo. Está bom? Categoria 29 de janeiro de 2016 [[]]