Coletiva - Anúncio de implantação da nova fábrica da JBF em Araraquara - 20122709

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva no Anúncio de implantação da nova fábrica da JBF em Araraquara

Local: Araraquara - Data: 27/09/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Uma grande notícia para Araraquara, para o estado de São Paulo, pro Brasil e um exemplo para o mundo, à nova embalagem da Coca-Cola substituindo o plástico do petróleo e do combustível fóssil que emite muito carbono, efeito estufa, por um combustível como é o Etanol, que é uma energia renovável e uma energia limpa. E escolheram bem, Araraquara no coração, no centro de São Paulo, São Paulo é maior produtor de cana-de-açúcar e de etanol do mundo, socialmente vai trazer muito emprego, agregar valor ao setor sucroalcooleiro no momento importante que o setor está passando. Economicamente, 1 bilhão quase de reais de investimento, que vai também estimular muito a economia da região e aqui do estado. E ambientalmente, um exemplo mundial de sustentabilidade, né, uma nova embalagem com... A partir, né, a partir do Etanol, a resina é feita a partir do etanol que é uma energia limpa, renovável, uma energia verde, e reciclagem, então um grande projeto. E eu diria que vai exportar inclusive as embalagens, este produto será Monoetilenoglicol, será inclusive exportado para outros países do mundo.


REPÓRTER: Governador quais são os incentivos que o governo do estado vai dar que a indústria continue fazendo esse tipo de investimento, principalmente pensando na questão da sustentabilidade?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós temos a Agência Investe São Paulo, o Dr. Luciano Almeida pode detalhar melhor, mas a nossa parceria passa pela questão ambiental de acelerarmos todos os procedimentos de natureza ambiental. Dar questões de competitividade na área tributária com créditos de ICMS, formação de recursos humanos, área técnica, tecnológica. Aliás, conversava a pouco com o prefeito Marcelo Barbieri, nós já temos uma boa ETEC em Araraquara, temos a universidade a UNESP e vamos levar a Fatec, curso superior de 3 anos, ele vai nós providenciar lá o prédio. E infraestrutura, né, para o acesso, enfim, a infraestrutura necessária e logística.


REPÓRTER: Falando em logística, governador, é muito importante, Araraquara é privilegiada nesse setor por estar no centro do estado de São Paulo, assim como toda a região de Ribeirão Preto.

O que nós poderíamos falar sobre os aeroportos, sobretudo de Araraquara e de Ribeirão, que estão passando por um processo de reforma e ampliação? Temos boas notícias nesse setor?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Boas notícias! O Aeroporto de Araraquara, são mais de cinco milhões já de investimentos no novo terminal lá do aeroporto, e outras obras no aeroporto de Araraquara. Do lado em São Carlos, nós temos também um importante aeroporto e uma grande pista, e Ribeirão Preto será um aeroporto internacional, até dezembro fica pronto o terminal alfandegado. Então, os aviões vão poder decolar sem precisar parar em Cumbica, né, vão poder direto porque será um terminal alfandegado e aeroporto internacional. Então, nós estamos investindo fortemente nos aeroportos, quero aqui destacar o investimento no aeroporto de Araraquara.


REPÓRTER: Agora, uma questão relativa à FATEC que o senhor disse, teríamos alguma data pra uma possível instalação?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A prefeitura tem uma escola, que ela está fazendo um outro prédio pra transferir a unidade escolar, aí nós vamos adaptar pra ganhar tempo. Ao invés de ter que construir a partir de um terreno, nós vamos só construir a partir de um terreno, nós vamos só construir laboratórios e aproveitar o prédio existente, com isso a gente ganha tempo pra instalar a FATEC.


REPÓRTER: Pra Ribeirão Preto nós temos umas alças de acesso, viadutos que haviam sido já contemplados no projeto, pra melhorar os acessos à cidade de Ribeirão Preto pra essa questão de logística. Temos andamento de projeto?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É, nós temos duas obras rodoviárias importantes, o trevo da chamada Av. Henry Nestle, que fica pronto em questão de trinta a sessenta dias, o viaduto, né, todo o viaduto na Av. Henry Nestle. Isso já tá quase pronto. A outra é o trevão de Ribeirão Preto, esse ainda está em fase de projeto, é uma grande obra e aí nós vamos saber o orçamento e ver da questão financeira, mas ainda tá na fase de projeto.


REPÓRTER: Governador, sobre esse investimento da Coca-Cola, hoje é um investimento de uma grande multinacional que tem capacidade pra investir em dinheiro pesado numa unidade como essa, mas o que o governo pode fazer pra que indústrias de pequeno e médio porte também façam investimentos pensando na questão da sustentabilidade? O que tem sido feito e o que pode ser feito mais pra isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, até está aqui conosco o Dr. Milton Melo, que preside a nossa agência de fomento, que é exatamente pra apoiar a pequena e a média empresa. E nós temos uma linha de crédito chamada linha verde, que é só pra apoiar atividades industriais ou de serviços voltados a economia verde. Então, todas as pequenas e médias empresas, ele pode até detalhar. Então, é área tributária e crédito, né, financiamento com juros subsidiado pra gente poder estimular esse setor. E quero dar um exemplo macro aqui. O imposto do etanol no Brasil inteiro é 25%. O Brasil é um exemplo para o mundo de carro flex fuel, bi combustível, não é? Álcool ou gasolina. Então, o consumidor escolhe se ele quer pôr álcool ou gasolina. No Brasil inteiro a gasolina é 25%, o etanol 25%. Em São Paulo a gasolina é 25%, o etanol é 12%. Então, nós temos o menor imposto do país, menos da metade. Isso é uma medida prática, não é discurso, para estimular uma energia limpa e renovável. Então, o carro aqui em São Paulo é a álcool, porque é mais barato, porque o imposto é menos da metade. Então está aí um exemplo de uma medida prática para estimular a questão ambiental, e a maior causa de poluição nas grandes cidades é monóxido de carbono.


REPÓRTER: A centésima lei, foi instituída uma lei, não é bem uma lei, mas vai funcionar como uma na prática, ela vai fiscalizar a emissão de gases das indústrias, foi oficializada no início de agosto, para fiscalizar a emissão de gases, tem algumas metas para indústria alcançar. Como que o governo do estado está trabalhando isso? Está sendo em parceria com a Cetesb, qual que é a importância dessa ação da Cetesb em fiscalizar a emissão de gases da indústria paulista?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós temos uma das melhores empresas de tecnologia na área ambiental, que é a Cetesb. E hoje, cada vez mais se prova de que é possível você ter um forte parque industrial, e você preservar o meio ambiente, aliás, esse aqui é um exemplo de importância mundial, porque é uma mudança de embalagem que não é só para o Brasil, é para o mundo. E a questão das embalagens, do plástico de combustível fóssil, é hoje uma questão relevante sob o ponto de vista de sustentabilidade, diria que é um dia histórico, não é? É um grande exemplo que é dado para o mundo de uma medida prática, e que tem emprego envolvido, vai gerar emprego, socialmente importante, apoiar um setor de energia renovável, investimento economicamente forte e sustentável, não é? É um dia muito feliz para todos nós.


REPÓRTER: São Paulo tem metas para emissão de gases? O senhor tem esses dados?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Tem. São Paulo aprovou uma lei que estabelece, até 2020, uma redução de 20% dos gases de efeito estufa sobre o estoque, o inventário de 2005. Então, nós temos aí prazo pra cumprir essa meta. Aliás, é um dos poucos governos subnacionais no mundo... Acho que só tem a Califórnia que estabeleceu meta objetiva em lei pra redução de gás de efeito estufa. A última aí pra vocês ouvirem os investidores, que é a JBF e a Coca-cola.


REPÓRTER: Por que foi escolhida Araraquara?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Araraquara tem uma situação geográfica muito boa, uma região central do nosso estado, a capital do setor sucroalcooleiro, grande produção de açúcar, de álcool, de etanol, uma infraestrutura muito boa, recursos humanos também muito positivos, empenho do governo local, estadual, enfim, todo mundo juntos. E a gente fica feliz, porque o Papa Paulo VI dizia que o desenvolvimento é o novo nome da paz. Não há paz verdadeira onde não há emprego, oportunidade pras pessoas. E quem gera emprego são os empreendedores, seja no setor primário, na agricultura, seja na indústria, seja no serviço.