Coletiva - Apresentação do projeto da ciclopassarela 20121312

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Apresentação do projeto da ciclopassarela

Local: Capital - Data: 13/12/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós estamos lançando, hoje, aqui, o grande programa de requalificação das áreas dos Rios: Tietê e Pinheiros. Então um protocolo com o Banco Mundial, o Banco Mundial está disponibilizando consultores, técnicos, especialistas com experiência, inclusive, internacional, para a gente fazer um trabalho de requalificação de todo o Rio Pinheiros e de todo o Rio Tietê; esse é um protocolo. O outro é a Ciclopassarela, essa o projeto já está sendo concluído e nós vamos licitar a obra. Para se ter um ideia do tamanho dessa Ciclopassarela, ela poderá ter em cima dela quase meio quilometro de cumprimento, até 30 mil pessoas, mais de mil bicicletas; é um estádio praticamente, o tamanho da Ciclopassarela. Talvez doze ou quatorze metros de largura, com dois mirantes; e começa aqui na Universidade de São Paulo, passa sobre a raia aqui da USP, sobre as Marginais, pista local, sobre o Rio Pinheiros, sobre a CPTM - o trem -, sobre a Marginal, pista local e termina no Villa Lobos. Do lado de cá do Rio, a USP tem 7,5 milhões de metros quadrados; e do lado de lá, o Parque Vila Lobos, tem 800 mil metros quadrados de área verde, de área de lazer. Então um grande ganho para a cidade: paisagismo, enfim, sua inserção na malha urbana aqui de São Paulo. O outro estudo, que nós já vamos começar, é da confluência do Tietê com o Rio Pinheiros na área do Cebolão; nós temos ali uma área grande da EMAE que hoje serve de bota-fora, do desassoreamento do Rio Pinheiros, e vamos estudar ali também nesse grupo de trabalho, com o Banco Mundial, uma requalificação dessa área. Enfim, aí todo o conjunto, tanto do Tietê, quanto do Pinheiros. E a Universidade de São Paulo, eu quero agradecer o professor Grandino Rodas, nos dando um grande presente, porque tem um muro de 2,3 quilômetros margeando, aqui, o Pinheiros... A Marginal do Pinheiros. E a proposta é, junto com a entrega da Ciclopassarela, ter, também ,a grade; então cai o muro e passa a ter uma grade, um paisagismo... Então, você ter uma visão muito bonita! Tira aquele muro, ali da beira da pista, para integrar praticamente a raia da USP e a Universidade de São Paulo, todo o seu verde, a paisagem urbana da cidade.

REPÓRTER: Esse projeto de requalificação do Rio Tietê e do Rio Pinheiros tem prazo, e tem [ininteligível]?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Dois anos, dois anos para a gente ter todo o trabalho concluído. Ele vai sendo entregue gradualmente, e aí, nós vamos executando. Porque, qual a primeira meta? É a Ciclopassarela. A segunda é Cebolão, nós fazemos ali...

REPÓRTER: É um parque ali onde hoje é o...

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: (...) vai ser estudado. Se o melhor é fazer uma PPP, fazer só um parque, fazer só uma área verde, integrar com uma área que possa ter atividade comercial, enfim. Isso vai ser estudado.

REPÓRTER: Começa o ano que vem a obra?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Começa. Nós vamos começar já, nós vamos... Não, começa a iclopassarela. Nós vamos começar, também, rapidamente lá na altura da Basf, lá na ponte do... Cadê o Milton Flávio aí? Lá na...

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Transamérica?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Isso, isso, um pouco para lá, nós vamos fazer também ali, tem um projeto bonito de ponte, integração das duas margens do rio e ciclovia. Então é um projeto também bonito. Aí, vão ser gradualmente. Agora, ter uma requalificação ampla do Tietê e do Pinheiros. E vamos entregar antes do Natal, agora, o Jardim Metropolitano, que são 16 quilômetros de jardim: oito na pista que vai para Cumbica, oito na pista que volta de Cumbica, inclusive iluminado; então, a noite vai ficar bonito quem entrar ou sair de São Paulo no Jardim Metropolitano. Chama metropolitano porque nós vamos andando com ele, então, ele já vai até Guarulhos praticamente.

REPÓRTER: Mas governador, quanto vai custar esse projeto de requalificação do Tietê?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ciclo... Não, isso, R$ 4 milhões todo o estudo, todo o estudo. Os projetos você só vai saber quando licitar. Quanto pode custar a Ciclopassarela, todo esse conjunto de obras, não é? Você imagina meio quilômetros, praticamente, de Ciclopassarela com 12, 14 metros de largura, para poder sustentar até 30 mil pessoas, mais de mil bicicletas: pode ficar em torno de R$ 70/80 milhões. Mas tudo isso nós vamos saber quando licitar a obra. Mas é uma grande conquista para São Paulo.

REPÓRTER: O cheiro do Pinheiros é mais para frente.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, esse trabalho é permanente, ele já começou. É tratamento de esgoto, tratamento de esgoto. Qual o problema do Pinheiros? Primeiro: o problema do Tietê também: a cidade é muito alta, 700 metros de altura, longe do mar, é um rio de cabeceira; então tem muito pouca água. Então, quando chega no inverno, a água e pouquíssima. E no caso do Pinheiros é pior, é uma água parada; porque ele volta ao Pinheiros. Por isso você tem a usina Henry Borden lá em Cubatão. Você tem... A água volta. Então, nós estamos tratando esgoto, esse é o caminho: tratar esgoto, coletar esgoto, tratar esgoto. E o que é a gente observava? (...) Porque, às vezes, regiões mais pobres, você faz a rede, faz os emissários, faz a estação de Barueri duplicada, mas a pessoa não liga na rede porque não tem R$ 1.700 para contratar pedreiro, comprar material e fazer a ligação. Então não adianta você gastar R$ 1 bilhão para fazer todo um sistema, porque depois o esgoto fica jogado na valeta e no rio. Então nós criamos um programa, a Assembleia aprovou uma lei, a Sabesp entra com uma parte do recurso, e nós entramos, o Estado, com outra parte; de tal maneira que famílias, até três salários mínimos, a ligação é automática. Está indo rua por rua, bairro por bairro, aqui na região metropolitana, tem um sistema de teste, você põe no vaso sanitário, um corante, e você sabe se está ligado ou não; não está ligado, já tem uma empresa contratada, já faz a ligação. E esse custo e amortizado pela Sabesp e pelo governo.

REPÓRTER: Governador, o senhor está anunciando que tem as obras, mas aqui na USP existem outros problemas, por exemplo, os professores, estudantes e funcionários vão entregar daqui a pouco ao reitor João Grandino Rodas, um documento questionando a perseguição que estamos sofrendo dentro da universidade. O senhor sabe que 73 estudantes ocuparam a reitoria, e que vários processos estão sendo movidos contra esses estudantes, podendo inclusive, levar a expulsão deles; já foram funcionários demitidos. Como é que o senhor vê essa questão dentro da Universidade de São Paulo, baseado em um decreto da ditadura militar, de 1972?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Primeiro eu acho que a Universidade da São Paulo é um orgulho de todos nós paulistas e brasileiros; você construir uma universidade que é melhor do país, melhor da América Latina, enfim, reconhecida internacionalmente. A universidade conquistou, há vinte anos trás, a sua autonomia: autonomia administrativa, financeira, pedagógica, ela tem vida própria...

REPÓRTER: Mas o senhor concorda com a perseguição e com a expulsão de estudantes e demissão de funcionários?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu não conheço em detalhes isso para estar opinando.

REPÓRTER: Governador, em relação ao projeto, voltando ao assunto do rio; ele concorre com Arco do Futuro do Haddad, que é um projeto bem semelhante?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, não tem nada a ver. O Tietê é um rio estadual, por que é um rio estadual? Porque é um rio que nasce fora da cidade, nasce em Salesópolis e vai desaguar no rio Paraná; atravessa o estado inteiro. Então, o Tietê, a responsabilidade é do estado, tanto é que nós fizemos o rebaixamento da calha, nós fizemos a eclusa, lá no cebolão, nós somos responsáveis pela calha, estamos fazendo pôlder, embaixo das pontes...

REPÓRTER: Mas e o aspecto urbanístico desse projeto?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O aspecto urbanístico, ele está dentro de um conjunto; claro que a prefeitura vai ser ouvida, vai participar, evidente! E por isso nós estamos contratando o Banco Mundial, que vai elaborar todo esse trabalho; sempre integrado com o município, integrado com a sociedade, integrado com as associações de moradores, demais municípios da região metropolitana. Porque você tem... Isso interfere nos outros municípios.

REPÓRTER: Já houve conversas com Haddad sobre o projeto dele?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Terão. Já tive uma conversa com ele, não específica sobre isso, mas a prefeitura sempre, nos nossos projetos, ela participará.

REPÓRTER: Governador, dois anos de estudo para esse projeto. E as obras, finalização, todo...

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O que nós imaginamos aí da Ciclopassarela? Que acabei de conversar aqui com arquiteto. Então pedi a ele que trabalhe no natal, trabalhe no réveillon, trabalhe no carnaval, e que a gente possa licitar em março. Contratada a obra, eu acho que a gente consegue, em 11 meses, entregar.

REPÓRTER: Para 2014?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: 2014.

REPÓRTER: E os pôlders?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Os polders, nós vamos entregar o primeiro este mês de janeiro. O primeiro é a margem direita da Vila Maria. Nós faremos pôlders na Ponte Aricanduva, Ponte Vila Maria, Ponte Vila Guilherme e Ponte do Limão. São seis pôlders. O primeiro entregaremos em janeiro, os outros cinco no segundo semestre.

REPÓRTER: Governador, mudando de assunto, houve...

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Agora, o rio já está muito mais preparado para o verão, porque ele voltou a batimetria original, afundou, nós tiramos em 2005 a circunvalação lá no Parque Ecológico, dá 1 milhão de metros cúbicos. Então, é um piscinão natural. Então o rio está mais preparado. Isso não quer dizer que não vá sair da calha, mas a possibilidade, ela é bem menor.

REPÓRTER: Só para concluir, a Ciclopassarela vai ser entregue ano que vem, 2014, governador? E outra pergunta, em relação à rede de esgoto, quanto que está sendo captado já, está sendo tratado e até quanto tempo o senhor espera os 100%?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A Euzi pode passar para ele depois, quanto já foi feito no “Se liga na rede”, aquela que nós fazemos e pagamos para famílias de menor renda, percentual de coleta, percentual de tratamento de esgoto, passa todos os dados. Números mais amplos. Até 2014, a universalização do interior de São Paulo, nos municípios operados pelo estado, pela SABESP. O que é a universalização? É 300%, 100% de água tratada, 100% de esgoto coletado e 100% de esgoto tratado. Algumas bacias hidrográficas nós vamos chegar antes. O ano que vem nós já teremos 100% da bacia universalização. O litoral de São Paulo, 2016... Pode ficar um pouquinho para 2017, o litoral todo de São Paulo: litoral sul, Baixada Santista e litoral norte. E a região metropolitana, entre 2018 e 2020. Veja que nós estamos falando de uma região que é a terceira maior metrópole do mundo, mas, passar de 90%, vai ser mais rápido. Eu diria que, em termos de saneamento básico, nós estamos dando aí um passo importante para garantir a saúde da população.

REPÓRTER: O Secretário, já definiu o Secretário do [ininteligível]?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Ainda não.

REPÓRTER: Em relação à matéria que foi publicada essa semana, que o senhor andou de helicóptero para buscar os seus netos no Aeroporto de Cumbica. O senhor não acha que foi correta essa atitude?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o governador do estado, o presidente da República, vice-presidente, ministros de Estado, você é 24 horas governador. Então, a Casa Militar diz como é que você se desloca, se é de carro, se é de helicóptero, então, isso é legal.

REPÓRTER: Mesmo para assuntos particulares?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É 24 horas. Se eu for no dentista, for em um evento social, é 24 horas. Isso é lei. Aí, a maneira como é feito, se você vai a um lugar de carro ou de helicóptero ou de avião, a Casa Militar que define.

REPÓRTER: Agora, governador, chegamos, essa semana, infelizmente, ao centésimo PM morto nessa onda de violência. O secretário chegou a dar uma declaração que os PMs que estivessem envolvidos em grupos de extermínio poderiam ser expulsos da corporação, antes mesmo do final da conclusão do processo. Eu queria que o senhor falasse sobre isso.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, primeiro, total confiança no trabalho do Dr. Fernando Grella, total confiança. O Mário Covas, uma vez, me falou: “Olha, o único secretário que eu perdi uma noite de sono para escolher foi Segurança”. Então, eu fiquei 15 dias aí estudando. Eu acho que acertamos. Uma pessoa extremamente séria, responsável, autoridade, liderança, montou um bom time. Eu acho que nós já estamos vivendo um outro momento. Claro que isso aqui é uma luta 24 horas por dia, todo dia. Isso é um desafio mundial, especialmente nosso, latino-americano, brasileiro, problema de droga, o Brasil o maior consumidor de crack do mundo, o segundo maior consumidor de cocaína, tráfico de droga, tráfico de armas... São desafios enormes, e grandes regiões metropolitanas como São Paulo, Santos, Campinas, São José dos Campos; mas um trabalho sério, fortalecer investigação e inteligência. Já acabou de ser preso, no ABC, um dos principais líderes do crime organizado, acabou de ser preso. Ontem, nós já tivemos 134 novos delegados, já nomeados para a Polícia Civil. Vamos reforçar a Polícia Científica, toda a área de perícia; e, na reengenharia da Polícia Militar, ter o máximo de policiais militares na rua, para policiamento preventivo e ostensivo. Então esse é um trabalho que é 24 horas. De outro lado, no sistema penitenciário, nós estamos ampliando o sistema penitenciário. E estão bem adiantados, nós vamos anunciar um pouco mais para frente, os equipamentos na área tecnológica para evitar qualquer possibilidade de utilização de celular, e equipamentos mais sofisticados, que onde houver necessidade, você pode ter autorizado pela justiça, escuta telefônica. Então, eu acho que a polícia está toda trabalhando, o secretário aí com bom time. E a outra é sociedade civil, porque a polícia faz segurança, agora, violência às vezes ocorre dentro de casa. Então, precisa ter uma participação da sociedade civil. Vou dar um exemplo prático aí para você, que estou animado. Fui a Indaiatuba, agora três dias atrás, inaugurar lá o novo DETRAN, padrão Poupa Tempo, tal, o CIRETRAN. Caiu 41% roubo de automóvel. Caiu 35% furto de automóvel. Porque a Prefeitura de Indaiatuba colocou vídeo monitoramento, câmera de vídeo em todas as entradas e saídas da cidade, todas. E tem um sistema, um COI, um sistema de acompanhamento. Jundiaí fez a mesma coisa. Então, eles deram até um exemplo, um carro clonado saiu de Jundiaí, entrou em Indaiatuba e já foi pego. Que eles brincaram que é como pescar lambari. Não sabia que era tão fácil pescar lambari, mas, enfim... Você pega toda hora. O que acontece? Óbvio, crime é custo benefício. O pessoal já se mandou. Reduziu 41%. As prefeituras têm um papel muito importante na chamada prevenção primária, no bairro que tem aquele boteco, que tem problema de droga, iluminação pública, área social, políticas públicas com jovens. Então, nós pretendemos envolver muito os municípios e a sociedade civil nesse trabalho.

REPÓRTER: Governador, neste momento, o jornalista André Caramante está fora do país por ter feito uma denúncia contra o Comandante da Rota...

ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Obrigada!