Coletiva - Assinatura de Acordo de Cooperação Técnico - Educacional entre o Centro Paula Souza e a Companhia de Bebidas das Américas - Ambev - 20121409

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Assinatura de Acordo de Cooperação Técnico - Educacional entre o Centro Paula Souza e a Companhia de Bebidas das Américas - Ambev

Local: Capital - Data: 14/09/2012


REPÓRTER: Governador, de que forma vai se aplicar os conhecimentos que vão ser passados para essas pessoas nesses cursos da Paula Souza?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós estamos fazendo um grande trabalho para o consumo responsável do álcool e especialmente não ter consumo, consumo zero para menor de dezoito anos. Aprovamos a lei proibindo a venda e o consumo do álcool, explicitando que bebida alcoólica tem que ser separada de refrigerante e outras bebidas, no caso self service, que tem aquela mão que diz “Proibido para menor de 18 anos”, um trabalho com grande apoio dos pais, apoio da família. Hoje, era 17, baixou para 16, 15, 14, 13 anos, jovens já começando a tomar bebida alcoólica, e isso é muito ruim porque a chance dele se tornar na idade adulta alcoólatra é muito grande, o cérebro ainda não está preparado para o consumo de bebida. Até doze anos crianças tomando bebidas. Então, São Paulo, liderando esse trabalho no sentido de, olha, menor de dezoito anos, zero, bebida alcoólica. Aonde é que nós podemos avançar mais? Nas escolas. Então, hoje celebramos o convênio com a AMBEV, que tem um trabalho de consumo responsável, tem um trabalho premiado, com vídeos, com apostilas, com educação a distância, e nós então vamos começar pela Via Rápida emprego e pelas ETECs, pelos cursos de hospitalidade, barman, cozinha, garçom, gastronomia, turismo, hospedagem, e depois para todas as escolas do sistema Paula Souza, professores e alunos. Eu acho que esse trabalho permanente, ele vai trazendo resultado, e um trabalho junto às famílias, e quem fala com a família é a escola. Então, os professores através da Associação de Pais e Mestres, que muito jovem começa a beber dentro de casa, os pais tem um papel muito importante, e os amigos, não é? Então, é o jovem responsa, ou seja, responsabilidade para preservar a saúde do jovem. Eu diria que é responsabilidade em dose dupla, não é? É importante para a pessoa, para o jovem, e é importante para sociedade.


REPÓRTER: Agora, porque só nas ETECs e na Paula Souza, e não em toda a rede estadual de ensino?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, nós estamos começando pelo sistema Paula Souza, que tem curso técnico voltado à área do turismo, voltado à gastronomia, voltado ao lazer, voltado a hospedagem, mas depois vamos expandir para as demais escolas. Então, começa, é um projeto piloto, pelo Centro Paula Souza.


REPÓRTER: É com apostilas, cartilhas?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O Dr. Victório e a Professora Laura, podem detalhar melhor aí para vocês.


REPÓRTER: Agora, a gente pode fazer essas perguntas para eles depois?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Eu volto a falar.


REPÓRTER: Plano de educação, alunos depredaram uma das escolas mais antigas de São Paulo. O que é que está faltando, orientação para eles ou melhores condições de ensino?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós temos nesta escola mais de 1.500 alunos, uma ação de três, quatro alunos, vandalismo puro e vão ser responsabilizados, inclusive pelos danos materiais a escola, que é patrimônio público. Infelizmente pode acontecer. Nós temos 5,5 milhões de alunos na rede pública do estado de São Paulo. Um caso isolado de vandalismo, que já foi apurado, identificado e vão ser responsabilizados inclusive para arrumar a escola.


REPÓRTER: Agora, diz que essa foi uma reação a situação ruim que a escola se apresentava.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, a escola é uma boa escola. A escola é boa escola. Aliás, nós estamos procurando fisicamente recuperar todas as escolas, todas, não vai ficar nenhuma sem ser restaurada, recuperada, em boas condições, investindo nos professores. Fizemos à carreira do professor, recuperação salarial do professor, escolas de tempo integral, São Paulo está investindo. Aliás, um dado que é único estado do Brasil, todo mundo investe 25% em educação o Brasil inteiro, todos os municípios, os estados, é o piso, 25% e o Governo Federal, 18%. São Paulo é 30%, nós somos o único ente federado do Brasil, que pela Constituição Paulista investe 30% em Educação.


REPÓRTER: Governador... Desculpa, amigo. Essa madrugada três PMs foram presos porque tinham sido contratados por um lixeiro para matar um desafeto. Está todo mundo na delegacia. E tem mais, a imagem da PM parece que está sendo abalada, inclusive pelo problema de Várzea Paulista, onde há informações de que não houve uma denúncia, mas sim um trabalho da Corregedoria, e que a matança, digamos assim, ou aquilo que aconteceu lá foi represália ao PM que foi baleado por bandidos no dia 7 de setembro.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, primeiro nós temos só na Polícia Militar, sem contar a Polícia Civil e Polícia Científica, 98.000 policiais, e a tolerância é zero. Se alguém desviar da sua conduta, é imediatamente punido. Você mesmo já respondeu que os três policiais estão presos. É imediato, não tem nenhum tipo de tolerância. Lamentavelmente pode ocorrer, se mudar de lado a prisão é imediata.


REPÓRTER: Governador, também a polícia fez uma apreensão muito grade de armas, drogas e granada até Jornalista Roberto Marinho. O inspetor, em entrevista a Jovem Pan, chegou a dizer que tinha relação com polícia sim, mas depois ele voltou atrás. Até que ponto o PCC ainda age, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, independentemente de sigla, de organização criminosa, a polícia está trabalhando. São Paulo tem a maior polícia do país, a polícia mais bem equipada do país. E o fato é que têm conquistas aí permanentes, essa é mais uma prova. Armamento apreendido, granada, metralhadora, revólver, munição, tudo apreendido pela polícia. Então a polícia está 24 horas na rua, preparada para enfrentar o crime e para proteger a população.


REPÓRTER: Agora, e em Várzea Paulista, quer dizer, se não tivesse tido o PM baleado no dia 7, eles não teriam feito a operação?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Eu acho que essa avaliação ela é precipitada. O que nós tivemos são organizações criminosas, fortemente armadas, com metralhadora, com espingarda, explosivo, fortemente armada, praticamente todos ou menos estão confirmados, que de nove, oito com passagem policial, inclusive, fugitivos da polícia. Então evidente que era uma organização criminosa. E a polícia tanto ágil no sentido de prender, que nós tivemos de um carro que eram quatro, dois foram presos. Na proporia chácara alguns morreram no embate, outros foram presos.


REPÓRTER: A ação, governador, só aconteceu porque um PM foi baleado, quer dizer, se esse PM não tivesse sido baleado essa ação não teria acontecido. Não tem nenhuma relação, nenhuma relação com nenhum PM. Está bom?


REPÓRTER: Governador, hoje o senhor até entrega o prêmio da Nota Fiscal Paulista de agosto, do Dia dos Pais. O senhor acha que a população já entendeu essa questão de se reduzir a carga tributária individual? O país faz um esforço de redução de juros, de impostos.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós estamos permanentemente dando a nossa contribuição para reduzir o custo Brasil, para aliviar a Carga Tributária, para diminuir inflação e para ajudar a população. Então nós já reduzimos imposto do setor calçadista, reduzimos imposto para avicultura, reduzimos imposto para o setor da pecuária, reduzimos imposto para a Linha Branca. Nós estamos sempre reduzindo a Carga Tributária. Tiramos o imposto da gorjeta, porque hoje muita gente paga restaurante com cartão de crédito, então a gorjeta vinha e incidia o ICMS. E aí ficava um problema, quer dizer, desconta o imposto do garçom, não desconta? Então nós tiramos o ICMS da gorjeta. Aliás, o Brasil inteiro está querendo copiar São Paulo, então aqueles 10% da gorjeta é livre, não tem nenhum imposto, 0,00%. E a Nota Fiscal Paulista a gente devolve em dinheiro para o contribuinte parte do imposto que ele recolheu. Nós já devolvemos R$ 4,5 bilhões, bilhões, não é milhão. R$ 4,5 bilhões de devolução de imposto para as pessoas e ainda concorrem a prêmios. A gente entrega... Tem prêmio desde R$ 10,00 a até R$ 1 milhão em datas especial. Então, eu diria que é uma medida pedagógica, cidadã para todo mundo exigir nota, econômica para evitar sonegação e ter no mercado uma concorrência leal. E reduzindo Carga Tributária. São Paulo não criou um imposto, não aumentou uma alíquota e todo mês nós estamos baixando um pouquinho. Então, esse mês é retirada do ICMS da gorjeta, a retirada do ICMS para avicultura. O setor de Aves está sofrendo, porque os grãos subiram muito de preço; soja, milho, tudo que forma a avicultura. Os custos subiram muito, reduzimos o ICMS do suco da laranja, era 18% o ICMS, baixamos para 12%. Vai cair o preço do suco de laranja na gondola, na venda. Então, nós estamos todo o mês baixando um pouquinho a Carga Tributária e procurando fazer o máximo aí com o dinheiro da população. Obrigado.