Coletiva - Assinatura do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal - 20121608

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Assinatura do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal

Local: Brasília - DF - Data: 16/08/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Para São Paulo, São Paulo é 1,4, era 2,2 vezes a receita corrente líquida, hoje é 1,4.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Espera aí, tem um senhor aqui falando comigo.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Calabi?


ANDREA CALABI, SECRETARIO DA FAZENDA: Espera aí um segundo.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós somos 1,4 da receita corrente líquida, a dívida nossa. Quanto que dá, uns duzentos bi? Cento e oitenta por aí?


ANDREA CALABI, SECRETARIO DA FAZENDA: 1,4 dá cerca de cento e oitenta bilhões.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Cento e oitenta bilhões. Não, não esfriou, não, acho que é necessário, porque esse é momento...


REPÓRTER: Porque parece o Tesouro...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Porque houve redução da Taxa Selic, a um esforço para reduzir a taxa de juros, então o governo precisa dar exemplo, não é?


REPÓRTER: É por que parece que o Tesouro não está muito disposto a fazer essa mudança no indexador, não é?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Mas não tem nem é feita em curto prazo, porque só terá efeito a curto prazo para o caixa do Tesouro, se você mudar o fluxo. Porque os 13% da receita corrente líquida, você continua pagando, o que vai acontecer? É que lá na frente à dívida vai deixar de ser prolongada, mas não tem efeito no fluxo.


REPÓRTER: Precisa mexer na LRF, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Como?


REPÓRTER: Para mexer no indexador já tem uma...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, não!


REPÓRTER: Não!


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não precisa! Nós entendemos que não precisa mexer na Lei de Responsabilidade Fiscal. E é natural...


REPÓRTER: E a discussão vai ficar só para o no que vem...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: E é natural que você altere critério de juros, porque um contrato de longo prazo de 30 anos, ele precisa é natural, ele vai sendo revisto de acordo com o momento que você está vivendo.


REPÓRTER: Mas da para fazer alguma coisa, ainda esse ano ou não? Porque o que gente vê, a prioridade do governo hoje é adotar medidas e pensar em medidas para minimizar os efeitos da crise, estimular investimento, e não para resolver esses problemas mais estruturais aí!


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, acho que as duas coisas são necessárias! É preciso ter... Vê a médio e longo prazo, porque não é justo com os estados e municípios, você ter um contrato com esse nível de valor e de outro... Veja o caso do IGPDI em 2003, quando o Lula assumiu teve um stress no mercado de IDP deu 26%, 26% mais 9%, imagina crescer a dívida, 35% sem contrair um empréstimo, nem um centavo.


REPÓRTER: Mais 9 ou mais 6, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: No caso de São Paulo é 6!


REPÓRTER: Ah, Ok!


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: IGP-DI mias 6, mas a maioria dos estados é IGP-DI mais 9, porque quando foi feito contrato, você podia escolher: juros de 6%, paga 20% do estoque, São Paulo privatizou, vendeu o ativo e pagou fez um conta gráfica. Os outros estados preferiram não pagar nada, então ficou com juros de 9%, então tem: quem pagou 20% do estoque, juros de 6%; quem pagou 10%, 7,5% e quem não pagou nada 9%, a maioria é 9%, IGP-DI mais 9%.