Coletiva - Auto da Independência - 20120209

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva no Auto da Independência

Local: Capital - Data: 02/09/2012


REPÓRTER: Governador, eu queria uma palavrinha do senhor. Hoje começou a ciclo-faixa na Avenida Paulista. Queria que o senhor falasse um pouquinho da importância e se isso deve ser uma tendência daqui para frente.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu acho que é muito importante nós disciplinarmos o trânsito, poderemos dar àqueles que, motociclista... Para os ciclistas, segurança, eles poderem transitar em áreas seguras, evitar acidentes, estimular as bicicletas, acho que é extremamente positivo. Nós fizemos uma ciclovia grande à margem direita do Rio Pinheiros. Uma grande ciclovia marginando ali entre o Rio Pinheiros e o trem, como também na marginal do Rio Tietê. E agora vamos fazer uma ciclovia na margem esquerda, do outro lado, do lado do parque Villa Lobos, do outro lado do parque Villa Lobos e também mais próximo de Pedreira. Mas acho que é positivo. Estimular bicicleta e garantir segurança ao ciclista é importante.


REPÓRTER: Eu queria falar um pouquinho sobre a política. Como é que o senhor viu a declaração ontem do ex-senador [ininteligível] ameaçando deixar o partido por causa da dívida da zona franca.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, não tem o menor sentido. Não se contesta a zona franca de Manaus. Aliás, eu fui constituinte e votei, está na constituição brasileira. Agora, todos os estados, para darem incentivos, precisam ir ao CONFAZ, isso é da lei. Ninguém está acima da lei. Aliás, se algum estado verifica que tem algum incentivo fora da lei entra com [ininteligível]. Tanto é que o estado do Amazonas entrou com uma [ininteligível] contra o Estado de São Paulo antes de nós. Então é natural. Eu não vejo nenhuma questão partidária nesse problema. E torço muito pelo Artur Virgilio lá em Manaus.


REPÓRTER: Mas o senhor não acha que isso, de certa forma, não vai mexer com a campanha de lá, já que ele diz que o partido [ininteligível]...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Entendo que não. Acho que é o respeito a lei é dever de todos nós. Ninguém está acima da lei. E a lei é muito clara: os 27, 26 estados e o distrito federal para darem incentivos estaduais, nós não estamos falando de zona franca. Então, falando de incentivo federal, para dar incentivo estadual é preciso ter a autorização do CONFAZ. E é dever do governador de São Paulo defender os interesses do estado. É meu dever, não é só direito, é dever do governador faze-lo em nome dos brasileiros de São Paulo.


REPÓRTER: Posso fazer mais uma só? Como é que o senhor está vendo essa queda do ex-governador, candidato a prefeito, Serra? Preocupa, governador... O senhor está participando mais da campanha? É uma tendência daqui para frente? Como é que o senhor está?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, faltam 30 dias ainda. Então, a campanha, agora, que vai começar a esquentar os motores. Eu acho que o Serra tem todas as condições de ir para o segundo turno e vencer a eleição. Eu acho que a campanha está caminhando, não vejo razão para nenhuma mudança na campanha e acredito que vai crescer. São 30 dias, que são os 30 dias decisivos. Por enquanto você só tem intensão, não é? Voto mesmo vai ter no dia da eleição.


REPÓRTER: Governador e a importância do [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o evento é muito importante, porque é a data máxima da nacionalidade brasileira, que é a Independência do Brasil. Ocorreu aqui em São Paulo, e aqui no Ipiranga. Então, além do desfile do sete de setembro, escolar, militar, que é sempre muito importante; é muito oportuna essa encenação, toda essa apresentação, aqui no local onde ocorreu o grito do Ipiranga, e onde nós temos aqui todo o Museu do Ipiranga, enfim. Eu acho que é educativo, é histórico, é cultural, é político, no sentido da afirmação da soberania nacional. Eu vejo por mim, um momento de lazer, também, de entretenimento. É um lugar muito bonito e pouco visitado.


REPÓRTER: O senhor vai fazer, ali, um corpo a corpo com os eleitores?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Ah, mas hoje em dia, todo mundo tem celular e tem Facebook, então o pessoal gosta de... eu também gosto... Tiramos retrato e colocamos no Facebook.


REPÓRTER: O senhor acredita que esse evento vai entrar para o calendário da cidade de São Paulo?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Acho que sim, acho que veio para ficar.