Coletiva - Butantan começa a distribuir mais 5,6 milhões de doses de vacina ao Brasil 20212302

De Infogov São Paulo
Revisão de 18h41min de 25 de fevereiro de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - Butantan começa a distribuir mais 5,6 milhões de doses de vacina ao Brasil 20212302''' '''Local: Capital - Data: [http://infogov.imprensaoficial.com.br/in...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Butantan começa a distribuir mais 5,6 milhões de doses de vacina ao Brasil 20212302

Local: Capital - Data: Fevereiro 23/02/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pessoal, muito bom dia, a todos. Obrigado pela presença. Antes de tudo, eu queria cumprimentar os profissionais, os trabalhadores, técnicos, cientistas do Instituto Butantã, que estão aqui celebrando 120 anos de vida gloriosa, servindo o país, servindo a saúde, servindo a vida. Muito obrigado a todos vocês que estão aqui nos acompanhando. Hoje é um dia especialmente feliz para todos vocês. Queria cumprimentar meus colegas jornalistas que estão aqui, obrigado por terem vindo aqui nessa manhã, cinegrafistas, fotógrafos e técnicos também, muito obrigado por estarem aqui. E mencionar que ao meu lado, Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, e um grande comandante de toda essa operação das vacinas do Butantã, rendo também a minha homenagem a você, Dimas. E em seu nome, por você e por toda a direção do Instituto, e da Fundação Butantã. Vocês merecem o nosso reconhecimento. Jean Gorinchteyn, que é o nosso secretário da Saúde, obrigado também a você, Jean, a você, Regiane, por todo o apoio e todo o trabalho que tem realizado no programa de vacinação. Cíntia, em seu nome quero cumprimentar os profissionais do Butantã, e a direção do Butantã, onde estamos nesse momento. A boa notícia é de que nós estamos entregando hoje 1,200 milhão de doses da vacina do Butantã ao Ministério da Saúde, repetindo, estamos entregando nesse momento 1,200 milhão de doses da vacina do Butantã para o Ministério da Saúde, para o encaminhamento imediato para todo o Brasil, para vacinação de todo o Brasil. Com esse lote de 1,200 milhão de doses da vacina, agora temos um total de 11 milhões de doses da vacina do Butantã entregues ao Ministério da Saúde, para o Programa Nacional de Imunizações, 11 milhões de vacinas entregues até hoje, para o Programa Nacional de Imunizações. São 11 milhões de brasileiros que estão sendo vacinados com a vacina do Butantã. Outra boa notícia, até o próximo dia 5 de março nós estaremos entregando um total de 5,600 milhões de doses da vacina do Butantã são novas doses da vacina do Butantã. Ou seja, até o 5 de março estaremos entregando um total de 16,600 milhões de doses da vacina do Brasil, a vacina do Butantã produzida aqui em São Paulo para salvar brasileiros de todo o país. Repito, até o dia 5 de março teremos entregue 16,600 milhões de doses da vacina do Butantã de São Paulo para o Brasil. E nós continuamos a torcer por mais vacinas, a vacina da AstraZeneca com a Fiocruz ela é bem-vinda, ela é necessária, mas ainda precisamos de muito mais vacinas. O Instituto Butantã hoje lidera a entrega de vacinas no país por determinação do governo do estado de São Paulo, e sempre sob o comando firme e científico de Dimas Covas. O Brasil vai receber até 30 de abril 46 milhões de doses da vacina do Butantã, e até 30 de agosto mais 54 milhões de doses da vacina do Butantã, assim, todos vocês e os que nos assistem, os que ouvirão, os que lerão, e acompanharão pela internet, podem ter uma previsibilidade, de que até 30 de agosto nós teremos entregue 100 milhões de doses da vacina do Butantã. E até 30 de abril, 46 milhões de doses da vacina do Butantã. São Paulo, e aqui a doutora Regiane, que está ao meu lado, é o estado que mais vacina, que tem um sistema de imunização bastante eficiente, historicamente eficiente. Nós já ultrapassamos nessa manhã quantas, vamos olhar aqui o nosso vacinômetro na tela do celular da doutora Regiane de Paula, a doutora Regiane é a coordenadora geral do Programa Estadual de Imunização, e coordena também o PNI - Programa Nacional de Imunizações em São Paulo. Vamos aqui abrir a internet para que tenhamos o número atualizado, 2,081 milhões de brasileiros já vacinados aqui no estado de São Paulo. Antes das perguntas da TV Globo, Globo News, Jovem Pan e CBN, eu vou passar a palavra ao doutor Dimas Covas, que como presidente do Instituto Butantã, tem razão de sobra para comemorar, primeiro a entrega das vacinas, dessas 11 milhões de doses da vacina do Butantã, que hoje completamos para os brasileiros de todo o país. E dois, e não menos importante, a serviço da vida, o Instituto Butantã completa no dia de hoje 120 anos de existência. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Bom dia, governador. Nesse momento agradeço a sua presença no dia de hoje aqui no Butantã, 120 anos, estamos comemorando hoje o nosso aniversário. Estamos comemorando o nosso aniversário em grande estilo, governador, estamos no centro do nosso parque fabril, à minha esquerda a fábrica de produção da vacina da Dengue. À nossa frente as futuras instalações da fábrica da vacina do COVID-19. E no canto direito a fábrica da vacina da gripe. Essas três fábricas, governador, vão produzir no segundo semestre desse ano, até 300 milhões de doses de vacinas, é a maior produção de vacinas da América Latina em um único instituto. Então isso nos enche de orgulho, governador, nós estamos produzindo a vacina para o COVID-19, vamos entregar 46 em abril. No começo de maior nós vamos entregar 80 milhões de doses da vacina da Gripe. Nós estamos trabalhando dia e noite, governador, hoje é dia de festa, mas é dia de trabalho. Essas 1,200 milhão de doses que saem daqui a partir desse momento, para o galpão do Ministério da Saúde, elas estão sendo trabalhadas desde a chagada da matéria-prima sem parar, 24 horas por dia, três turnos de trabalho durante o dia, e começamos a vencer os nossos limites. Tínhamos prometido entorno de 450 mil vacinas, estamos entregando hoje 1,200, amanhã mais 900 mil. quer dizer, até o dia 5, 5,6 milhões de doses. Então isso mostra o nosso compromisso com a saúde do povo brasileiro, o estado de São Paulo, o Instituto Butantã, fazendo com que aconteça o Programa Nacional de Imunizações em relação à essa vacina. Isso é importante que a gente diga hoje, nesse dia importante. Precisamos lembrar a memória do Instituto Butantã, lembrar dos seus fundadores, lembrar de Vital Brasil, enfim, de todos que começaram essa história há 120 anos. E essa história é uma história de contribuição à saúde pública do Brasil. Então eu fico muito emocionado nesse momento, governador, e gostaria de agradecer aos nossos funcionários, 2.600 mil funcionários, e que hoje vestem essa camiseta. Vacina do Butantã, vacina do Brasil, e uma pequena frase embaixo, governador, se o senhor nos permite, eu que fiz: "Cada um desses funcionários, desses 2.600 mil, tiveram a sua contribuição". Nós distribuirmos essa camiseta e pedimos que eles usem com orgulho, mostrem ao povo do Brasil que nós estamos aqui para fazer essa vacina, e vamos continuar fazendo. Em março vamos entregar, até o dia 30 de março, vamos totalizar mais 18 milhões de doses. E como o senhor mesmo mencionou, 46 milhões em abril. Essa é a nossa missão, estamos cumprindo, e agradeço muito a oportunidade de no dia de hoje, no dia dos 120 anos nós podemos fazer essa entrega, muito obrigado, governador, muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Dimas Covas. Pode ficar com o microfone com você, que você já vai usar daqui a pouquinho. Reinaldo Sato, mais uma vez, também, muito obrigado a você, e a todos da Fundação Butantã. Vamos agora às perguntas, nós teremos três perguntas. Lembrando que amanhã temos coletiva às 12h45min, no Palácio dos Bandeirantes. Então começamos com a Isabela Leite, da TV Globo, Globo News, Isabela, mais uma vez, bom dia. Sua pergunta, por favor.

ISABELA LEITE, TV GLOBO: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Eu queria entender o que levou o Butantã a antecipar essa entrega de vacinas? A gente teve quase o dobro de doses entregues hoje. E o que vocês dependem de IFA, para conseguir manter essa celeridade para chegar até os 18 milhões? Como o doutor Dimas disse, até o fim de março, e as 46 milhões de doses até o fim de abril? E gostaria de um comentário dos senhores, a respeito de uma informação que acabou de chegar, a Pfizer acaba de receber o registro definitivo da vacina aqui no Brasil. A gente sabe que isso impacta venda para o setor privado, aumento dos grupos de vacinação. Então a gente sabe que o Butantã precisa ainda entregar algumas documentações para a ANVISA para poder fazer o pedido de registro. Então eu queria saber qual é a atualização do momento em relação a isso? E qual é a estratégia de vocês de venda da Coronavac depois de cumprirem esses dois contratos de 100 milhões de doses? Já há um planejamento para venda da Coronavac depois disso? Obrigada.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Com relação à sua primeira pergunta, são várias, eu não sei se eu vou conseguir me lembrar de todas, mas enfim, começando pela primeira. O nosso governador, que é um entusiasta desse projeto desde o seu primeiro momento, tem nos pedido esforços redobrados, tem pedido que não meçamos esforços para que essa vacina seja produzida e seja entregue ao povo brasileiro, é isso que nós estamos fazendo, atendendo a um pedido e à uma determinação do nosso governador, estamos trabalhando, aumentamos a nossa força de trabalho. Estamos procurando alternativas inclusive para duplicar a nossa produção. Então isso é uma orientação clara, é um compromisso claro do governo do estado de São Paulo, do nosso governador, com o programa de vacinação para a COVID-19. Com relação à matéria-prima, uma boa notícia, governador, ontem foi autorizada a exportação de 8.200 litros da matéria-prima da China, que devem chegar na semana que vem. Então mais uma partida chegando, não vamos ter problema, nesse momento não temos nenhuma previsão de problema com o fluxo de matéria-prima, as nossas relações com a Sinovac sempre foram as melhores possíveis e agora com uma grande contribuição do governo chinês, que está agilizando esses processos de liberação. Com relação ao registro, nós estamos progredindo nesse registro. Não é uma prioridade nesse momento, a nossa prioridade nesse momento é focar na produção e na distribuição da vacina, mas o registro está em andamento. Ótimo que a vacina da Pfizer tenha sido registrada, só que devemos lembrar: nós não temos vacina da Pfizer no Brasil, e possivelmente, nesse momento, não teremos, ainda, no curto prazo. Nós temos a vacina do Butantan, essa está sendo produzida, está sendo distribuída, é essa que sustenta o programa nacional de imunização. Então, eu gostaria de ouvir do Ministério da Saúde, em algum momento, um agradecimento, não uma crítica, um agradecimento. Agradeçam, por favor, ao Butantan, essa pequena contribuição que nós estamos dando ao Ministério da Saúde e ao Brasil, é o que nós gostaríamos de ouvir. Obrigado.

ISABELA LEITE, TV GLOBO: Tem um documento da China para chegar traduzido, só para entender o momento atual que a gente vive do registro. O senhor já tinha falado que havia uma intenção de submeter ainda no fim de fevereiro. Existe um documento que precisa chegar ainda traduzido da China, e um estudo que vocês precisam também apresentar de resposta imunológica, até o dia 28, para a Anvisa, correto? Qual é a situação disso? Só pra gente concluir.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Sim, isso é... Documentos que estão aguardando, quer dizer, temos a intenção de submeter o processo o mais rapidamente possível, não temos uma data fixada nesse momento. Quando estiver pronta a documentação, iniciaremos o processo, como eu mencionei. Isso é importante? Sim, nesse momento não é uma prioridade.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas, obrigado, Isabela. Vamos agora a Beatriz Manfredini, da Rádio Jovem Pan, com o microfone na mão. Bia, bom dia, obrigado pela sua presença. Sua pergunta, por favor.

BEATRIZ MANFREDINI, RÁDIO JOVEM PAN: Bom, dia, governador, bom dia a todos. Eu não vou levantar, gente, só para não atrapalhar as câmeras. Governador e Dr. Dimas, a gente tentou esse contrato de 100 milhões de doses até o fim de agosto, São Paulo comprou outras 20 milhões de doses, e na semana passada o Ministério da Saúde enviou um ofício pedindo mais 30 milhões de doses. O Instituto Butantan, a informação que eu tenho é que ainda não respondeu. A gente já tem algum avanço nessa direção? Temos condições de contratuar mais essas 30 milhões de doses? Como que está essa negociação? Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Beatriz. Dimas Covas fará a resposta. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Temos todas as condições de ofertar mais 30 milhões, mais 50 milhões até, se for necessário. Nesse momento, nós estamos tentando esclarecer as condições de contrato, para que a gente possa dar uma resposta. Isso não pode interferir na vontade e na determinação do nosso governador de adquirir doses adicionais para o Estado de são Paulo, não pode haver uma cláusula nesse contrato que impeça a movimentação do Estado de São Paulo e de outros estados que possam querer ampliar os seus programas de vacinação. Então, estamos nessa dependência dessas definições. Temos todas as condições de atender.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Dimas. Beatriz, apenas para complementar, as 100 milhões de doses do Butantan serão entregues um mês antes do prazo contratado, que era até 30 de setembro. Portanto, até 30 de agosto, nós estaremos fazendo a entrega de 100 milhões de doses da vacina do Butantan ao Ministério da Saúde, para imunização dos brasileiros. É bem-vinda a solicitação de mais 30 milhões de doses do Butantan, e ela será aceita, apenas não mais com exclusividade, como foram as 100 milhões de doses até aqui. Mas, havendo esta concordância de que estas doses adicionais não serão entregues com exclusividade para o Ministério da Saúde, elas serão entregues e serão atendidas, exatamente no preço e nas condições iguais às que tivemos anteriormente, excluindo esta exclusividade. E por quê? O Governo do Estado de São Paulo já determinou a compra de mais 20 milhões de doses da vacina do Butantan. Não é a única vacina do Brasil, eu tenho dito repetidas vezes: precisamos de vacinas, vacinas e vacinas, não só a vacina do Butantan. Nós não queremos chegar até o mês de setembro sob risco de não termos vacinas suficientes para imunização de todos os brasileiros de São Paulo. E eu volto a afirmar que todos os brasileiros residentes em São Paulo serão vacinados, os que precisam ser vacinados, até 31 de dezembro. Aliás, este procedimento de São Paulo é o mesmo da maioria dos estados brasileiros, eu tenho falado com governadores, todos os governadores têm esta mesma intenção, de comprar outras vacinas, seja a vacina do Butantan, seja a vacina Astrazenica ou de outros laboratórios, desde que aprovados pela Anvisa ou por instituição semelhante de padrão internacional, para complementar, se necessário, o programa de imunização nos seus estados. É uma atitude de cautela, e nós não queremos, evidentemente, ser impedidos de termos uma cautela para salvar vidas, não faz o menor sentido corrermos risco diante de uma pandemia. Nós queremos é minimizar riscos e garantir a vacinação de todos os brasileiros que precisam ser vacinados em São Paulo. Quanto à solicitação, repito, de mais vacinas do Instituto Butantan pelo Ministério da Saúde, sejam as 30 milhões de doses ou outras doses adicionais, serão atendidas. O único ponto é que não mais com exclusividade, mas serão atendidas, com qualidade, dentro do prazo e com respeito, evidentemente, àquilo que representa a vacina do Butantan, que, neste momento no país, todos já sabem: de cada dez pessoas vacinadas, nove estão sendo vacinadas com a vacina do Butantan.

Vamos agora à última pergunta, é do Matheus Meirelles, da CBN. Matheus, bom dia mais uma vez. Sua pergunta, por favor.

MATHEUS MEIRELLES, RÁDIO CBN: Bom dia, governador, bom dia a todos. Bom, ainda sobre a questão dessa produção de vacinas aqui pelo Instituto Butantan. Há previsão de 46 milhões até o mês de abril e depois as 54 milhões, para chegar às 100 milhões de doses previstas nesse contrato. Mas, a partir de abril, a produção também vai ser aumentada, a possibilidade de produção chegará a quase dois milhões de doses por dia, o que permitiria, eventualmente, a ampliação desse número de 100 milhões. Há previsão de novos contratos, de novas discussões com a Sinovac para essa produção? Há também a previsão de uma produção autônoma já do instituto, sem depender desses insumos que chegam da China, considerando que as obras aqui desse laboratório, onde serão produzidas, estão avançadas? E eu queria também apenas um comentário sobre a situação de São Bernardo do Campo, Araraquara e Campinas, quanto à Covid-19, a situação dessas regiões. Obrigado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Matheus. As primeiras perguntas serão respondidas, evidentemente, pelo Dimas Covas, e a segunda parte da sua pergunta, a segunda pergunta, pelo Jean Gorinchteyn, nosso secretário da Saúde, que aqui está. Então, se você me permitir, eu vou começar com a segunda parte, com Jean Gorinchteyn, e depois voltamos ao Dimas Covas para o conjunto das primeiras perguntas que você fez, especificamente sobre as vacinas.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE: Todas as regiões do interior que tiveram incremento do número de casos, ocupação em leitos das unidades de terapia intensiva, estão e foram prontamente atendidas. Na semana passada, tanto Jaú quanto Araraquara tiveram uma ampliação do número de leitos, sejam leitos de unidades de terapia intensiva, sejam leitos de enfermaria. Receberam também aporte de ventiladores e também ventiladores emergenciais, aqueles da Poli - USP, que dão atendimento, acolhimento àquelas pessoas no pronto-socorro, enquanto aguardam as vagas de UTI. E assim estão sendo feitas para outros municípios que estão nos solicitando. Quero reforçar que estaremos, junto com o secretário Vinholi, agora na quinta-feira, indo para outras regiões que merecem a nossa atenção, que estão em faseamento vermelho: tanto Presidente Prudente quanto Dracena. Porque nós temos a obrigação de ajudar a acolher os municípios na assistência à saúde, para que ninguém fique desassistido.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn. Antes, Mateus, de passar a palavra para o Dimas Covas, ainda no tema do Plano São Paulo, eu hoje pela manhã acompanhei o noticiário das emissoras de rádio, inclusive da CBN, da Band e da Jovem Pan, especificamente, e também os noticiários da TV Bandeirantes e da TV Globo, foi o que eu consegui assistir, não consegui ver outras emissoras, mas certamente também observaram isso, que amanhã, às 12h45, teremos um novo anúncio do Plano São Paulo. Então, eu queria chamar a atenção que hoje temos reunião do Centro de Contingência do Covid-19, certamente essa reunião produzirá decisões que serão anunciadas amanhã, às 12h45. Como disse o secretário Jean Gorinchteyn, o Governo do Estado de São Paulo está preocupado, preocupado com o avanço da Covid, e obviamente nós não vamos permitir chegar a uma situação de caos e de incapacidade de atendimento no sistema hospitalar, seja público, seja privado. Então, São Paulo está acompanhando isso com muito cuidado, com muita atenção, sob a liderança do secretário Jean Gorinchteyn e do Dr. Paulo Menezes, e também João Gabardo, que são os coordenadores do Centro de Contingência. E amanhã estaremos fazendo um anúncio, às 12h45. Agora, Dimas Covas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Matheus, exatamente. A partir de abril, nós dobramos a nossa capacidade de produção, porque terminamos a produção da campanha da gripe desse ano, e foi isso que permitiu nós adiantarmos um mês a entrega do total de 100 milhões. É possível que até ocorra, nesse período, um adiantamento subsequente, isso depende um pouco do rendimento da matéria prima, mas nós adiantamos um mês, em função dessa duplicidade aí, dessa duplicação da nossa capacidade de produção. Doses adicionais poderão ser produzidas, sim, a partir de agosto, terminando a entrega das 100 milhões, nós podemos produzir as 20 milhões de São Paulo, as 30 milhões do Ministério e, eventualmente, ampliar essa solicitação.

MATHEUS MEIRELLES, RÁDIO CBN: [ininteligível]

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTAN: Não, nesse momento não recebemos nenhum outro pedido.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. E finalizo, Matheus, lembrando que exatamente aqui atrás de vocês está a nova fábrica do Butantan, que, em processo acelerado, ela está em obras, nós temos aí dezenas de funcionários trabalhando com jornada em turnos de 10h por dia, para colocar a fábrica em conclusão até o mês de outubro, ela estará totalmente concluída. Em outubro, novembro e dezembro, as instalações dos equipamentos serão feitas, e ainda em dezembro deste ano nós teremos já a primeira dose da vacina do Butantan 100% produzida no Brasil, nesta fábrica, que está exatamente aqui atrás de vocês. E a partir de janeiro, em escala evolutiva, para a produção industrial desta vacina. Mas a primeira dose já será produzida ainda no mês de dezembro, o que é um orgulho para o Butantan, na sua celebração de 120 anos, produzir integralmente a vacina contra a Covid-19. Então, essa é uma outra informação que eu aproveito a sua pergunta, Mateus, para também confirmar a todos vocês.

Bem, um bom dia. Com isso, nós concluímos a coletiva de hoje. Sigam em paz, sigam protegidos. Estaremos juntos amanhã às 12h45. Muito obrigado a todos. Obrigado.