Coletiva - Coletiva de Imprensa - 16º Parada do Orgulho LGBT - 20121006

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva de Imprensa na 16º Parada do Orgulho LGBT

Local: Capital - Data: 10/06/2012

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Governador, como o senhor vê a oposição em certos setores religiosos à bandeira, que é da parada gay desse ano, que é a da lei de combate à homofobia?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, nós defendemos uma sociedade fraterna, uma sociedade onde impere a tolerância, o respeito aos direitos civis. Então, São Paulo é vanguarda nesse trabalho, criando lá atrás o Grupo Grade, grupo repressivo a todo o tipo de discriminação. Depois, aprovamos, eu sancionei a Lei 10.491, que estabeleceu os crimes contra a homofobia. Depois, criamos a primeira delegacia pra apurar crimes contra a homofobia, que é o Decradi... Então, São Paulo é sempre vanguarda na defesa...


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: A discriminação à lei de combate à homofobia, como o senhor vê?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, eu sou totalmente contra a homofobia, acho que todo tipo de intolerância não deve ser permitido, e favorável à lei de direitos civis.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Governador, em relação a essa questão da onda de arrastões, agora Dia dos Namorados, mais restaurantes, mais prédios, não dá pra por um basta nisso?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, esta noite, acabou de ser presa uma quadrilha com três criminosos que assaltaram um restaurante, presos nessa madrugada. O destino desse pessoal é cadeia, cadeia dura. Não tenha dúvida de que vão ser presos todos eles. Tá bom?


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: E antes da prisão, diminuir esse número, Governador?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Pessoal, obrigada. Já deu. Obrigada.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: A LGBT da Parada Gay?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, a parada é muito importante para não admitirmos qualquer tipo de intolerância, para promovermos uma sociedade mais fraterna, uma sociedade justa, para que os direitos civis sejam respeitados, para levantar uma questão relevante e promover o turismo em São Paulo. Movimenta a economia, R$ 200 milhões investidos na cidade, restaurantes, hotéis, comércio, taxi, enfim. Uma capital mundial como é São Paulo, eventos dessa magnitude fortalece a economia local.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Pessoal, obrigada!


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Qual é a importância de um evento como esse para o Estado de São Paulo?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, importante para reafirmar direitos civis, São Paulo é vanguarda contra a intolerância, sempre na frente na defesa da sociedade fraterna, de uma sociedade que não haja nenhum tipo de violência. São Paulo foi o estado que primeiro criou a lei, a legislação tipificando esse tipo de ação. O Decradi, que é a delegacia de defesa, e importante do ponto de vista da economia. Porque esse é um dos grandes eventos, vem gente do país inteiro, até do exterior, injeta mais de R$ 200 bilhões na economia de São Paulo, movimenta restaurante, hotel, táxis, comércio. Então, é uma festa bonita, alegre, acho que São Paulo é terra ecumênica, e terra da tolerância.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Educação ajuda a combater a homofobia de verdade?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não há dúvida. Educar vem de “ducere”, do latim, que quer dizer como se conduzir em sociedade. Então, pessoas educadas são pessoas que sabem ter vida em convivência, sabem respeitar os outros. A beleza de São Paulo é que São Paulo é cosmopolita, aqui tem gente do mundo inteiro, de todos os credos, de todas as raças. Essa é a terra das diversidades, e essa é a força de São Paulo.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: O crime da homofobia, na sua opinião...


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Nenhum tipo de violência deve ser tolerado.



ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Governador, dá pra imaginar hoje a cidade de São Paulo, o Estado de São Paulo sem um evento como esse?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, São Paulo é cidade e estado cosmopolita, gente do mundo inteiro, terra da diversidade, da cultura, da festa, uma capital mundial. Então, um evento como esse movimenta a economia, é uma festa bonita, defende direitos civis, não permite intolerância. Eu acho que é importante, eu acho que São Paulo dá um belo exemplo.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: O senhor acha que é um Dia do Orgulho Gay e do respeito que os héteros e todas as pessoas precisam ter ao movimento.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Claro, educação vem do “ducere”, do latim, que quer dizer saber se conduzir em sociedade. E saber se conduzir em sociedade é respeitar o seu semelhante, é não ter intolerância, é não ter violência, respeitar direitos civis.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: O senhor acha que na 16ª edição hoje é impressionante, o tamanho, a proporção que o movimento tomou, Governador?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: É, acaba virando uma grande festa, vem gente do Brasil inteiro, do exterior, movimenta a economia. As cidades mundiais como São Paulo, são vocacionadas a esses grandes eventos.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Obrigado, Governador.


ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Governador...


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Em relação à abertura da Parada, o que o senhor achou até agora?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, muito bonita, uma festa muito alegre, com grande participação, importante para a educação. São Paulo é um exemplo de estado cosmopolita, de estado da diversidade, de estado que não admite a intolerância, uma visão cosmopolita de mundo, que sempre está na vanguarda.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Sobre a importância da parada, e sobre a importância do evento.


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, São Paulo é um estado que tem no seu DNA ser cosmopolita, ente do país inteiro, do mundo inteiro, multicultura, terra da tolerância, terra da diversidade, da cultura. É uma grande alegria nós termos essa festa, milhões de pessoas, típica de uma capital mundial como São Paulo, uma festa alegre, descontraída, um congraçamento. E do outro lado defendendo os direitos civis, educar vem de duco, do latim, que quer dizer, como se conduzir em sociedade. E educação é respeitar o seu semelhante.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Obrigada.



ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Tudo bom?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Como é que vai?


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: Tu achas que a homofobia tem cura?


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Tem, tem cura. A cura é educação, é legislação, é punição.


ORADORA NÃO IDENTIFICADA: É aqui, governador. É por aqui.