Coletiva - Com lote recorde, SP atinge 92,8 mi de doses da vacina do Butantan entregues ao Brasil 20213008

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Com lote recorde, SP atinge 92,8 mi de doses da vacina do Butantan entregues ao Brasil 20213008

Local: Capital – Data: Agosto 30/08/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Pessoal, mais uma vez, bom dia. Hoje dia histórico, é a maior entrega de vacinas do Butantan, desde o início da entrega da vacina. São 10 milhões de doses da vacina, que nesses caminhões aqui atrás estão sendo entregues nessa manhã para o Ministério da Saúde, agora 92,850 milhões de doses da vacina do Butantan, já entregues para o Programa Nacional de Imunizações, para os brasileiros em todo o país. Um orgulho para o estado de São Paulo, um orgulho para o Instituto Butantan, estarmos entregando hoje em uma única leva, 10 milhões de doses da vacina para o Ministério da Saúde, que por sua vez fará a distribuição, espero que de imediato, para todos os estados brasileiros. No total, repito, 92,852 milhões de doses da vacina entregue pelo Instituto Butantan. Isso corresponde a quase 40% de toda a vacina disponibilizada no Brasil para imunização dos brasileiros. Aqui ao meu lado o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas; Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde; Regiane de Paula, coordenadora geral do PEI - Programa Estadual de Imunização. E eu pedi que estivesse aqui o nosso secretário executivo, e nesse momento secretário em exercício da Segurança Pública, o Coronel Camilo, e o Coronel Camilo ao final da nossa coletiva vai tratar do tema de Araçatuba. Antes que vocês perguntem, eu pedi a ele que estivesse aqui exatamente para dar as informações atualizadas sobre essa circunstância. Mas vamos priorizar a saúde, e no final nós podemos considerar dúvidas perguntas específicas sobre esse tema. Assim vocês ficam mais tranquilos também, focando agora na saúde, mas repito, ao término dessas quatro perguntas, acrescentaremos mais duas, Letícia, sobre o tema. Então vamos começar com você, Manuela Niclevicz, hoje não deixaram você de fora. Bom dia. Sua pergunta, por favor.

MANUELA NICLEVICZ, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos presentes. Bom, a primeira pergunta vai ser justamente sobre a finalização do contrato com o Ministério da Saúde, a gente sabe que a expectativa do governo do estado de São Paulo é terminar isso até o final do mês, ou seja, amanhã. Então isso vai ser possível? A gente vai ter essa entrega sendo finalizada amanhã? E queria aproveitar também para perguntar sobre a situação da vacinação no interior do estado, os secretários municipais soltaram uma nota aí falando que existe um déficit de cerca de 2 milhões de doses para terminar a vacinação da população de 18 a 59 anos, e expressaram um pouco de preocupação também pelo governador ter ampliado o grupo que vai receber a dose de reforço nesse primeiro momento, justamente porque já faltam doses. Então qual que é essa situação? Já existe um contato sobre isso com o Ministério da Saúde? Muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado. A Manuela já chegou fazendo um strike. Então vamos começar com o Dimas, depois pela ordem vou pedir do Jean Gorinchteyn e a Regiane para responder. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Manuela, não entregaremos as 54 milhões de doses até amanhã, nós estamos reprogramando as entregas em virtude de dois fatos, o primeiro fato foi a própria manifestação do ministério que excluiu a vacina como sendo vacina para terceira dose. Então isso muda um pouco a programação, e nós estamos reprogramando, porque nós temos outros contratos a serem atendidos, outros estados, outros países. Então nós estamos reprogramando, e, portanto, não vamos finalizar a entrega de 54 milhões. Temos nesse momento 13 milhões de doses aqui em solo brasileiro em processamento, nós temos liberação quase que diária, mas nós vamos fazer essa reprogramação diante dessas novas realidades observadas, tanto por parte do ministério, como por parte dos novos contratos que nós temos. E importante dizer o seguinte, Manuela, em dezembro o Butantan tinha 6 milhões de doses para entregar ao ministério, prontas, poderíamos ter começado a vacinação em dezembro do ano passado, e isso não começou, essa história é conhecida, uma resistência à vacina, e o Butantan foi o primeiro que começou a entregar como todas essas dificuldades, em 18 de janeiro começou a campanha nacional de vacinação, em virtude desta vacina. E vai ser o primeiro contrato a ser cumprido. Quer dizer, 100 milhões de doses será cumprido antes do final de setembro, o mais rapidamente possível, mas dentro dessa nova realidade, porque o ministério tem a cada dia dado notícias no sentido de descaracterizar, descredenciar a vacina. Então nós vamos repensar aí o cronograma.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Manuela, eu combinei com o doutor Jean, para que a Regiane possa responder, assim fica mais fácil e abreviamos um pouquinho. Regiane.

REGIANE, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia, governador. Bom dia, a todos e todas. Vamos lá, Manuela, nós fizemos um levantamento na plataforma Vacivida, e as informações reportadas pelos próprios municípios, e disponíveis para consulta pública no site Vacina Já, dos 645 municípios, 349 municípios juntos tem um saldo de 829 mil doses de vacinas. Então nós estamos avaliando aquilo que os municípios pleitearam, estamos olhando e referenciando junto à plataforma Vacivida, ou Vacina Já, e vamos ter um posicionamento mais claro. Mas no dia de hoje, 829 mil doses da vacina ainda estão disponíveis em 349 municípios. O que a gente gostaria também de reforçar aqui? Quando o COSEMS e o Ministério da Saúde colocam que a faixa etária é de 60 anos, e não de 70 anos, como preconizado pelo Ministério da Saúde, nós lamentamos muito esse fato. Por quê? Porque ainda hoje a maior prevalência no número de óbitos é na faixa etária de 60 a 69 anos. Então nós esperamos que o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde reveja essa posição. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Manuela, obrigado. Vamos agora para a Bruna Barbosa. Mais uma vez, bom dia.

BRUNA BARBOSA, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Queria perguntar sobre o passaporte da vacina, governador, a partir de quarta-feira São Paulo vai passar a exigir, a cidade de Guarulhos também. Alguma recomendação do estado? O estado também vai dar essa recomendação? É claro que as prefeituras seguem ali da forma como acham melhor, mas muitas vezes, quando parte do estado isso acaba incentivando, estimulando outras cidades. Então eu queria saber se o governo do estado de São Paulo vai recomendar o passaporte da vacina? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bruna, vou dividir a resposta com o doutor Jean Gorinchteyn. O governo do estado de São Paulo vai respeitar as decisões municipais com relação a isso, nesse momento não há nenhuma recomendação explícita do governo do estado de São Paulo para a adoção do passaporte. Mas a complementação será feita pelo doutor Jean. Aproveito, Bruna, para dizer que nós já estamos realizando os eventos testes, os 30 eventos testes prometidos, para uma análise precisa daquilo que vamos adotar a partir de 1 de novembro. Portanto, nesse exato momento não há nenhuma recomendação do estado para adoção de passaportes, mas não há nenhuma posição contrária, já que a autonomia dos municípios e de forma respeitosa às decisões dos prefeitos, prefeitas e secretários de Saúde, serão observadas. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Cada um dos municípios terá absoluta autonomia para decidir e definir estratégias de controle de vacinação, e estímulos de vacinação, inclusive através desses passaportes. Lembrando que são eles que assim como implementarão essa decisão, promoverão a fiscalização. Então nós apoiamos cada um dos municípios, estimulamos que outros municípios assim o façam, entendendo que o gerenciamento é absolutamente local.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Obrigado, Bruna. Daniella, bom dia. Daniella Gemignani, da TV Globo, Globo News, bom dia, mais uma vez, sua pergunta.

DANIELLA GEMIGNANI, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. A minha pergunta, na verdade, só esclarecer primeiro uma dúvida que ficou quanto ao cronograma assim entregue para o Ministério da Saúde, não vai ser até o final de agosto, mas já tem alguma data que a gente já possa esperar a concretização dessas 100 milhões de doses, é até o fim de setembro? Que é aonde diz o contrato até onde vai. E entender também, com o doutor Dimas, sobre a dose, a gente tem essa semana vacinação nos adolescentes, então entender as informações que a ANVISA pediu sobre a Coronavac para liberar para os adolescentes, como está o andamento disso? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Dani. Dimas.

DIMAS COVAS, PRESIDENTE DO INSTITUTO BUTANTÃ: Daniela, como eu mencionei, nós temos 13 milhões de doses, então mais do que suficiente para cumprir o contrato com o ministério, e atender os estados. Nós estamos simplesmente acertando o cronograma e vamos fazer a distribuição no momento adequado. Ainda essa semana haverá uma liberação, mas nós vamos atender o ministério e aos estados, os estados tem a necessidade da vacina, então nós vamos compatibilizar os dois cronogramas e vamos fazer isso talvez no mesmo dia, no mesmo dia a gente já dispara as vacinas para todos os contratos. Com relação às solicitações da ANVISA, na realidade, são informações que já existem, e pedido de esclarecimento que vem da própria China através dos estudos que já foram apresentados. Isso está acontecendo, quer dizer, quase que semanalmente, na realidade, semanalmente tem uma reunião específica sobre o tema, e esperamos poder evoluir rapidamente e ter aprovação para esse público de três a 17 anos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Daniella. Obrigado, Dimas. Vinícius Passareli, da CBN. Mais uma vez, bom dia.

VINÍCIUS PASSARELI, REPÓRTER: Bom dia, governador, secretário, doutor Dimas, todos presentes. Governador, uma matéria da Folha de São Paulo hoje trouxe que o governo deixou de informar casos confirmados e mortes de COVID-19 nas escolas, desde que as aulas foram retomadas presencialmente sem nenhuma restrição. Agora esses registros são apenas de casos prováveis de infecção. Queria que se possível o senhor comentasse isso, a secretaria passou alguma diretriz nesse sentido? Há, de fato a ausência desses dados sobre a COVID-19 nas escolas, principalmente de agosto para cá, onde as escolas voltaram presencialmente sem nenhuma restrição, com 100% dos alunos? Obrigado.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE: Todas as informações, tanto de número de casos, óbitos, internações em todas as faixas etárias, elas são reportadas de forma automática no nosso sistema de monitoramento da Secretaria de Saúde. Assim como recebemos as informações oriundas das escolas no que tange a identificação de casos, e as medidas que são tomadas pela Secretaria de Educação no sentido de conter a eventualidade de pequenos surtos. E assim tem sido feito, assim tem sido reportado com absoluta transparência e segurança, garantindo dessa forma com que nós possamos dar continuidade ao nosso processo também educacional, colocando profissionais, professores e alunos também com segurança.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean. Obrigado, Vinícius. Agora nós vamos fazer um switch, mudar o tema, o tema passa a ser segurança pública, nós temos perguntas da Adriana Simino, da TV Cultura, e da Indara Freitas, do Portal Metrópoles. Vou pedir ao nosso, nesse momento, secretário de Segurança Pública em exercício, Coronel Camilo. Quero dizer a vocês, ficar aqui do lado do Camilo só para facilitar a vida daqui dos nossos colegas cinegrafistas. Eu tive notícia essa madrugada sobre o ocorrido em Araçatuba, telefonei ainda pela madrugada ao secretário General Campos, ele está de férias, ele já estava acordado, ele já tinha a informação, nesse momento ele já está em Araçatuba, juntamente com o Comandante da Polícia Militar do estado de São Paulo, Coronel Alencar. Ato contínuo falei também com o Coronel Camilo, que já estava informado também do fato, tudo isso durante a madrugada. E agora o Coronel Camilo vai dar mais informações, Adriana, Indara, sobre as medidas que foram adotadas de imediato, e na sequência vamos às perguntas. Coronel Camilo.

CORONEL CAMILO, SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA EM EXERCÍCIO: Obrigado, governador. Bom dia, a todos. Fato grave que aconteceu então em Araçatuba, com mais uma ação criminosa, mais de 20 criminosos, mais de dez veículos, fizeram reféns, queimaram carros para impedir a ação da polícia. Deixar bem claro que a primeira pessoa que se pensa na polícia é a vida do cidadão, então fizemos uma força de reação rápida também, embora eles tenham tentado não deixar a polícia agir. A polícia agiu rapidamente, com pronta-resposta, tivemos duas trocas de tiros. Nós temos, infelizmente, um infrator morto, um infrator ferido, um infrator detido, e nós temos cinco vítimas, três feridos. E infelizmente dois mortos aí, muito provavelmente por ação dos marginais. E nós tivemos um dos feridos foi um morador de rua, que foi mexer em um artefato explosivo. Essa reação ela foi feita por causa do BAEP, decisão acertada aí do nosso governador João Doria, de estender os BAEPs. Nesse momento, na região de Araçatuba temos 350 homens, entre 350 a 400 homens, quatro BAEPs, COE, GATE, Polícia Civil nas investigações, colhendo ali as digitais para tentar identificar, e dois helicópteros Águia. Estamos vasculhando toda aquela cidade. Mais uma vez nós chamamos atenção aí, nós precisamos trabalhar melhor essa informação, principalmente com os bancos e com a área federal, ali era um SERET, também aquela tesouraria do banco, distribuição de recursos do Banco do Brasil. E nós não sabíamos desse volume financeiro também lá. De qualquer forma, é mais uma ação com informação privilegiada, e a inteligência da polícia, as investigações já estão andando, não vamos abrir a respeito das investigações, mas elas estão caminhando para chegar nos autores. Então essa é a posição geral assim de como está a situação de Araçatuba. Por lá as pessoas foram orientadas a não sair de casa em um primeiro momento, porque deixaram artefatos pela cidade nessa correria de ir embora, e fugindo da polícia, e pode machucar alguém. Então de maneira geral é isso questão foi feito, a pronta-resposta da polícia aconteceu. Infelizmente algumas pessoas perderam a vida, e vamos trabalhar intensamente para chegar nos autores.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Muito bem, obrigado, Coronel Camilo. Vamos então à pergunta da Adriana Simino, da TV Cultura, Adriana, bom dia.

ADRIANA SIMINO, REPÓRTER: Bom dia, a todos. O senhor passou muitas informações, eu tentei anotar para chamar, eu só queria confirmar algumas delas. Então até o momento apenas um suspeito, um criminoso preso? E vocês ainda não sabem a quantia que foi roubada?

CORONEL CAMILO, SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA EM EXERCÍCIO: Não, a quantia ainda vai ser levantada, e são três criminosos, um faleceu, em troca de tiros com a polícia, um está ferido e será preso na sequência, está com escolta, e um está detido também. Então são três criminosos que já estão em poder da polícia, um deles infelizmente falecido. E alguns veículos que eles deixaram também já estão sendo periciados. Também carregadores, e mais algumas coisas que foram deixando pelo caminho, está na mão da Polícia Civil agora, para investigação.

ADRIANA SIMINO, REPÓRTER: Está certo, obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Adriana. Vamos agora à Indara Freitas, do Portal Metrópoles. E aí concluímos. Indara.

INDARA FREITAS, REPÓRTER: Olá, bom dia. Primeiro, tenho duas perguntas, não é a primeira vez que esse tipo de assalto ocorre, e há indícios de que sejam as mesmas quadrilhas que fizeram em outras cidades, como Botucatu e outras cidades e outros estados? E dois, nos vídeos a gente vê que são quadrilhas altamente organizadas, há algum indício de que essas quadrilhas têm algum acesso a treinamento militar, ou algo do tipo? Obrigada.

CORONEL CAMILO, SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA EM EXERCÍCIO: Bom, vamos lá. Não é a primeira vez que acontece, mas esse ano tivemos zero assalto a banco naquela região, nós não tivemos nenhum assalto a banco naquela região. E estouro de caixa eletrônico, chegamos em 2003 a mais de 500 ocorrências, hoje esse ano nós tivemos nove. Então o trabalho da polícia tem sido muito forte, e esses crimes, tanto de estouro de caixa eletrônico, quanto de assalto a banco, eles têm reduzido. E há sim indícios de que essas tropas, essas quadrilhas são organizadas, que tem um treinamento para fazer esse tipo de ação, e aí vai agora o nosso trabalho de inteligência para chegar nessas pessoas. Ainda é cedo para fazer qualquer relação com outras quadrilhas existentes, vamos focar nas investigações.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Coronel Camilo. Pessoal, muito obrigado, a todos. Boa manhã para vocês. Breve estaremos juntos. Fiquem bem, fiquem protegidos. E boa semana mais uma vez, obrigado, pessoal.