Coletiva - Encontro com o primeiro-ministro de Portugal 20160509

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Encontro com o primeiro-ministro de Portugal

Local: [[]] - Data:Setembro 05/09/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dizer da alegria e da honra de receber o primeiro ministro de Portugal Antônio Costa e os ministros da Cultura, da Fazenda e a equipe do primeiro ministro Antônio Costa. Visita importantíssima aqui a São Paulo. Conversamos sobre as relações comerciais entre os dois países, nós temos uma agência que é a Investe São Paulo, a Icep, a agência de investimento com gênero em Portugal. Então, somarmos aí esforços para maiores investimentos recíprocos, complementaridade econômica, importação, exportação. O primeiro Ministro Antônio Costa conhece o Museu da Língua Portuguesa. E agradeci, inclusive, hoje uma boa notícia, foi liberado R$ 34 milhões do seguro para o início do restauro, já tinha começado a parte emergencial. Nós esperamos até o fim do ano já ter em obra já o início do restauro civil do prédio. Agradecer também a Fundação Roberto Marinho, que é quem conduz esse processo, e as empresas portuguesas também sempre colaboram, participam nesse que é o museu importantíssimo, o segundo mais visitado do Brasil. Queremos o mais rapidamente possível que ele esteja já funcionando. De outro lado também conversamos sobre uma boa parceria para a Escola Portuguesa aqui em São Paulo, uma comunidade portuguesa muito presente. E termos aí uma Escola Português e uma boa parceria com o governo de Portugal e a alegria de recebê-lo e a honra de recebê-lo aqui em São Paulo.

ANTÔNIO COSTA, PRIMEIRO MINISTRO DE PORTUGAL: Boa tarde, foi um enorme prazer ter esse grande trabalho com o Sr. Governador. São Paulo é o maior monitor da economia brasileira e também o maior Estado que fala a língua portuguesa. É por isso um grande gosto avançar nesse projeto muito importante da Escola Portuguesa em São Paulo, assim como é com grande gosto lograremos uma [ininteligível] dessa peça extraordinária que é o Museu da Língua Portuguesa e que é um patrimônio hoje comum. Em todo o mundo fala português e da utilização do português como uma grande língua global falada em quatro continentes. E Portugal e o Brasil têm uma relação que espera todas as conjunturas, mas é uma relação que nós temos o dever de procurar acarinhar e aprofundar. A nossa colaboração econômica melhorou muito, aprofundou-se muito nos últimos 20 anos vamos ter ainda muito ainda o que fazer. O Brasil é só o 11º fornecedor de Portugal e é só o 10º mercado no qual o Portugal exporta. Há enormes oportunidades para as empresas brasileiras em Portugal e também para as empresas portuguesas aqui no Brasil. E nós que falamos a mesma língua, temos grande parte da nossa história em comum. Somos dois países mais próximos desses dois continentes, temos mais de 82 voos por semana a ligar os nossos países. Temos o dever de aproveitar essa oportunidade. Quando vemos líderes no G20 falarem de aquecimento de economia mundial nós podemos fazer bastante para contribuir para isso, ajudando. É o maior crescimento de economia portuguesa, é o maior crescimento da economia brasileira para que juntos podemos crescer bastante mais forte. E nesse sentido através do ministro de Cultura destacar para acompanhar a inauguração de três grandes posições de artistas contemporâneos que estarão essa semana em São Paulo. Ministro de Economia que amanhã estará comigo com o Conjunto [ininteligível] brasileira e com a Câmara Portuguesa São Paulo. Está também o ministro da Ciência, que esteve a estabelecer vários contatos para aprofundar as relações entre as universidades, entre a Fapesp e nossa Fundação para ciência e tecnologia, porque hoje econômica dos nossos países situaram claramente superior. Como eu tive a oportunidade de dizer ao Sr. Governador, nós, que debatemos em conjunto um rápido acordo entre o [ininteligível] e o Mercosul, podemos ir a frente dos brasileiros [ininteligível] igualdade de direitos podem instalar em Portugal empresas que antecipem a sua presença na Europa, daquilo que está da União Europeia e o Mercosul. E está já na Europa quando as portas vierem a ser abertas está a dois passos à frente em todos os outros e irão nessa altura com as empresas brasileiras. E é muito importante para nós, é muito importante para as empresas brasileiras poderem estar esses dois passos a frete que todos cumprimos e podemos fazer mais chance do que a União Europeia e o Mercosul só daqui uns anos poderão fazer. Obrigado.

REPÓRTER: Vai ter alguma ajuda do governo em relação ao Museu da Língua Portuguesa, do governo português?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não é uma ajuda financeira, é uma boa partiria com a Fundação Camões, com o governo, com o Ministério das Relações Exteriores, mas mais em relação à própria língua, contribuição cultural. Agora, as empresas portuguesas, elas sim deverão participar desse esforço, porque hoje foi liberado R$ 34 milhões do seguro, mas a recuperação, a restauração de tudo e o novo museu, será até um museu mais moderno ainda, o valor será maior. Então, além do recurso do seguro, é preciso captar pela Lei Rouanet, pela lei de incentivo à cultura. A Fundação Roberto Marinho liderou esse trabalho, já está inclusive participando e eu acredito que muitas empresas vão participar, inclusive as empresas portuguesas. A outra é o convênio entre a Secretaria da Educação e o governo português para primeira Escola Portuguesa aqui em São Paulo. E a outra, boas parcerias entre a Universidade de São Paulo e as universidades portuguesas nós temos um grande intercâmbio nessa área de pesquisa e de pós graduação.

REPÓRTER: E o custo estimado para restauração?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não está fechado, mas eu diria que talvez entre R$ 65 milhões, a gente só vai saber quando estiver detalhado o projeto, mas é evidente que será maior do que os R4 34 milhões do seguro, mas isso já está liberado. Aliás, as obras emergências até já foram feitas e nós esperamos até dezembro, já estar com o tapume, já estar iniciando o restauro do prédio.

REPÓRTER: O prazo para terminar não tem ainda?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O prazo de todo o cronograma é 30 meses.

REPÓRTER: Muito obrigada.

REPÓRTER: Em relação aos protestos que estão tendo essa semana em São Paulo, existe algum dado [ininteligível]?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olha, a polícia, ela está dando nesse momento uma coletiva explicando todos os procedimentos, tá bom?

REPÓRTER: Obrigado. Categoria 05 de setembro de 2016 [[]]