Coletiva - Entrega de 20 Viaturas de Resgate - GRAU 20141808

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de 20 Viaturas de Resgate - GRAU

Local: Capital - Data:Janeiro 18/08/2014

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, hoje nós entregamos aqui no centro de São Paulo na sede dos bombeiros mais 50 ambulâncias totalmente adaptadas, preparadas. Mais 12 estão chegando. Então 62 ambulâncias preparadas para urgência e emergência. E 32 enfermeiros, médicos especialistas, intensivistas, anestesistas, cirurgiões, cardiologistas, para compor o nosso GRAU. Nós temos um trabalho de resgate em grandes desastres, emergências, que chega em qualquer lugar do estado de São Paulo em até 15 minutos. São 21 helicópteros e quase 500 viaturas totalmente adaptadas. Inclusive temos, graças a Deus, não há nenhum caso de ebola ainda no Brasil, mas temos, inclusive, maca preparada com pressão negativa, com todos os cuidados para esses casos. E todos os tipos também de antídotos, por exemplo, no incêndio lá do Rio Grande do Sul, muitas pessoas morrem por intoxicação por cianeto, então nós temos hoje o cyanokit, são antídotos, casos de incêndio, local que tenha poltrona, espuma, tudo isso, você já faz, em menos de 30 minutos, endovenoso, o antídoto. Então muita gente morre não pelo trauma nem pela queimadura, mas morre pela intoxicação. Que o cianeto forma uma ligação estável com a hemoglobina, e a pessoa não tem mais como respirar. Então são medidas superimportantes. E olhando para o futuro, quero dizer que nossa proposta é: todos os municípios acima de 50 mil habitantes com Corpo de Bombeiro instalado. Nós ainda temos sete municípios com mais de 100 mil, e 20 de 50 a 100 mil. Então todos os municípios acima de 50 mil habitantes com Corpo de Bombeiros. O bombeiro não faz só o trabalho de combate a incêndio, mas faz um trabalho de saúde também superimportante com o resgate. E os municípios com menos de 50 mil habitantes, parceria com as prefeituras para, com todo padrão do Corpo de Bombeiros, ter o Bombeiro Municipal, trabalho voluntário, serviço voluntário, Defesa Civil Municipal. E as bases do GRAU, mais oito bases no estado de São Paulo, com toda equipe de médicos, enfermeiros, pilotos, enfim, equipe toda preparada.

REPÓRTER: Governador, atualmente quantas bases são?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Atualmente? Deixa eu pegar aqui. Hoje nós temos a capital e mais três bases. Nós passaremos a ter mais oito bases com todas as equipes, todas, todas as equipes.

REPÓRTER: Quantos municípios no estado possuem a unidade?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: temos... Deixa eu te dar aqui. Dar números gerais aqui. Nós temos 21 helicópteros, 425 ambulâncias, agora mais 62, dá 487 ambulâncias todas preparadas, equipes com cardiologistas, cirurgiões, anestesistas, intensivistas e enfermagem, todos altamente preparados. Cobrimos 95% do território estadual e chegamos até 15 minutos em qualquer lugar do estado. Que você tem helicóptero em Prudente, Rio Preto, Ribeirão Preto, enfim, você tem várias regiões do estado. O telefone é o 193. O número de base são quatro, nós teremos mais oito bases do GRAU. Os municípios até 100 mil habitantes que ainda não tem bombeiro faltam sete, 50 mil habitantes faltam 13, então total de 20. Nós queremos ter todos os municípios acima de 50 mil habitantes com Corpo de Bombeiros instalado na cidade, e abaixo de 50 mil treinamento com a prefeitura, parceria com a prefeitura para ter a base avançada. Mas aí não o Copo de Bombeiros, a não ser em casos especiais que justifique.

REPÓRTER: Teria alguma estimativa de gastos na implantação dessas novas unidades?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Nós autorizamos, estamos fazendo um concurso para cinco mil oficiais administrativos civis, com isso nós vamos liberar muito policial de atividade meio, então não haverá necessidade. Com esses cinco mil oficiais administrativos, nós conseguiremos cobrir sem precisar de mais. E o Coronel Aurélio, que é o Comandante-geral dos Bombeiros, uma das maiores autoridades do Corpo de Bombeiros, está fazendo uma reengenharia. Então tudo tecnologia, informatização, rapidez. E não há necessidade de grandes quartéis. Tanto é que nós vamos liberar áreas de grades quartéis para habitação na região do centro expandido de São Paulo, para PPP da habitação. E podemos ter áreas menores, por exemplo, do lado de metrô. Então a ideia não são grandes quartéis, grandes áreas, nada disso, mas áreas menores, com pessoal bem especializado, muita tecnologia e equipamentos.


REPÓRTER: Governador, o senhor sancionou a lei que proíbe a revista íntima em presídios. Tem 180 dias pra regulamentação. Como é que o senhor vai fazer essa regulamentação? O estado vai alugar os equipamentos? Como é que vai ser feito isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O que nós vamos fazer? Nós vamos... Está sancionada a lei, tem seis meses. Nós vamos alugar inicialmente scanners, à medida que instala o scanner, acaba a revista íntima. Então nós vamos verificar os locais mais necessários e já vamos instalando os scanners. Vai ter que ser feito gradualmente.

REPÓRTER: Governador, com a conformação da candidatura da Marina Silva, o senhor espera o apoio dela à sua candidatura?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, nós temos aqui em São Paulo uma coligação com o PSB, que ela não se altera. Acho que o importante é que o sonho, o legado, toda esperança do Eduardo Campos continue, um democrata, um jovem. Foi um ótimo governador, com valores, com princípios. Então acho que o importante é que esse legado continue.

REPÓRTER: Não se altera, mas ela era contra a candidatura do senhor, né? O senhor não espera que ela suba no palanque, passe [Ininteligível 00:07:51] 0 senhor?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu sempre respeitei muito, sempre reiterei isso, grande respeito e admiração pela Marina. E quero aqui reiterar, está bom?

REPÓRTER: Em relação à pesquisa do Datafolha, o PSDB sai perdendo nesse novo cenário que começa a se desenhar?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: , é muito cedo ainda pra gente ter uma análise. Eu acho que a gente deve aguardar e cada um fazer o seu trabalho, né, em benefício da população brasileira.

REPÓRTER: Governador, o que o senhor achou do Greenpeace, daqueles cartazes que foram feitos? Houve crime eleitoral?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, eu acho errado. Aliás, uma instituição com a credibilidade, com a presença, né, que tem o Greenpeace, não deve permitir esse tipo de ação.

REPÓRTER: O senhor não gostou de aparecer junto com a presidente?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, não. Não é questão de gostar ou não. Não é correto, porque confunde as pessoas. Toda lógica eleitoral é você prestar informação, você ser transparente, você prestar contas, você levar as informações pra população. O Mário Covas dizia: “O povo não erra, ele precisa ter todas as informações”. Isso desinforma, né?

REPÓRTER: Governador, qual o valor do aluguel dos scanners nos presídios?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu não tenho aqui, mas eu lhe passo. Nós estamos estudando ou alugar ou comprar. O aluguel é mais rápido. Nós não vamos alugar pra todos nem comprar pra todos, que são muitas unidades prisionais. Nós vamos iniciar pelas mais necessárias.

REPÓRTER: São quantas no estado, o senhor saberia dizer?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Se você incluir semiaberto, CPP, dá 160 unidades.

REPÓRTER: Governador, e nas outras unidades, vai ser mantida a revista íntima?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, enquanto a gente não tiver os scanners tem que manter. Por isso o prazo de seis meses que a própria lei estabeleceu.

REPÓRTER: Caso a Marina decida apoiar o senhor publicamente, o senhor pretende subir no mesmo palanque que ela? Autorizar a sua imagem em material de campanha?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, primeiro, ficarei muito honrado. Porque o PSB participa do nosso trabalho, o candidato a vice-governador é do PSB, estão participando ativamente do programa de governo. Agora, PSDB tem o seu candidato, o meu candidato é o Aécio, PSB tem o seu candidato, será a Marina. Cada um faz a sua campanha.

REPÓRTER: O senhor subiria? Não, né?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, eu não vou falar de hipótese. Está bom?

REPÓRTER: O senhor pode só deixar claro mais uma vez a proposta pra candidatura, por favor, do governo?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, o Corpo de Bombeiros faz um trabalho importantíssimo. Nós estamos fortalecendo o Corpo de Bombeiros, e a nossa proposta é todas as cidades acima de 50 mil habitantes com unidade própria do Corpo de Bombeiro. As cidades até 50 mil habitantes teremos também, mas aí em parceria com as prefeituras municipais, com todo padrão do Bombeiro. O Bombeiro não é só combate a incêndio, mas é, principalmente, saúde. Então o GRAU, ele trabalha junto... O resgate trabalha junto com o Bombeiro. Então a nossa proposta é criar mais oito bases do GRAU com cardiologistas, cirurgiões, anestesistas, enfermeiros, pra fazer o resgate de como é feito, ampliar esse bom trabalho em urgência e emergência.

REPÓRTER: Governador, uma última pergunta sobre um caso do dia. Acho que o senhor viu o atropelamento na USP, de um motorista embriagado. O delegado classificou aquilo como homicídio culposo, sem intenção, mesmo o motorista estando embriagado. O que o senhor achou desse registro? Não deveria ser dolo eventual?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Pode ser. Vou falar com o doutor Grella, que é um grande jurista. Homicídio culposo você tem por negligência, que é o caso, imprudência, que também é o caso, ou imperícia. Mas a pessoa que dirige embriagada, ela está correndo o risco, então há sim essa hipótese do dolo eventual. Vou conversar com o secretário. Tá bom?

REPÓRTER: Obrigado, governador.

[Ruídos] Capital