Coletiva - Entrega de 256 moradias da CDHU 20141612

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de 256 moradias da CDHU

Local: Região de Campinas - Data:Dezembro 16/12/2014

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Senhor, governador, concederá agora aqui uma entrevista coletiva. Peço para as pessoas ficarem um pouco em silêncio aí para que possa sair direitinho, tá bom?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, dizer da grande alegria de hoje entregarmos aqui um grande conjunto habitacional, 256 casas novinhas, muito bem feitas, conjunto com água, esgoto, asfalto, reservatório de água, é o primeiro conjunto que já vem com reservatório próprio; iluminação, arborização, muito bonito! Para quem não tem casa, 90% das famílias ganham até três salários, então vão pagar muito menos que o aluguel para ser o dono da casa. Nós somos o único estado do Brasil que investe 1% do ICMS em moradia e habitação de interesse social. Temos hoje, 38 mil unidades em construção no estado de São Paulo. Isso também gera muito emprego na construção civil. São mais de 50 mil empregos. E participando também através do Casa Paulista, nós já estamos com 100 mil unidades do Casa Paulista ou em construção ou contratadas. Então o maior investimento em habitação de interesse social para população de São Paulo.

REPÓRTER: Em relação à rodovia, foi recapeada essa agora a 215, e tem uma outra preocupação que o senhor tocou aqui, que é essa ligação entre São João da Boa Vista. Então existe de repente essa possibilidade da gente melhorar e evitar novos acidentes fatais?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É, nós inauguramos hoje, né, o recapeamento, acostamentos, a modernização e ampliação de Vargem Grande do Sul até São Sebastião da Grama. E estou solicitando hoje a Artesp, porque ela é concessionada, a ligação entre Vargem Grande do Sul até São João da Boa Vista, para verificar o número de veículos/dia médio. Passou de determinado parâmetro aí é obrigatório colocar terceiras faixas e ampliar a rodovia. Nós estamos determinando hoje a Artesp que já faça a avaliação.

REPÓRTER: O senhor falou do Cidade Legal. É importante algumas áreas de muitas cidades, às vezes, são invadidas, não tem documentação, as famílias acabaram conseguindo fazer, solicitar obra de infraestrutura.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Exatamente, então nós temos muitos bairros, ás vezes antigos, né? Como caso aqui de Vargem Grande do Sul que não estão legalizados, então dificulta infraestrutura e as pessoas ficam com contrato de gaveta, não tem documento hábil. Então nós temos um programa chamado Cidade Legal. Agora, para poder legalizar tem que ter esse documento que atende as exigências ambientais, né, e urbanísticas. Então foi dado aqui o documento hoje, então com isso a Vila Esperança vai entrar no programa Cidade Legal e as casas vão receber a sua devida escritura.

REPÓRTER: Governador, com relação à segurança, né. O senhor esteve recentemente em um caso bastante trágico aqui na região e prometeu, de repente, mais investimentos para o ano que vem nessa área, principalmente a questão de efetivo. Realmente tem esse investimento, existe alguma coisa que o governo do Estado possa fazer para ajudar?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, primeiro queria trazer aqui uma notícia importante. Nós fizemos meses de investigação daquela quadrilha que assaltou a Samsung, daquele crime de assalto da Samsung. Então, hoje, estamos cumprindo mandato de prisão na região de Campinas. Cinco já foram presos pela manhã, tem outros que ainda serão presos. Então um trabalho longo de investigação, quadrilha descoberta, elucidado o crime, cinco já presos e os demais deverão ser presos ainda no dia de hoje. Em relação ao efetivo, nós nomeamos 1.500 policiais militares. Eles foram para o litoral para Operação Verão, mas acabando o carnaval serão redistribuídos, e uma parte virá aqui para região. Então já estão nomeados, já estão trabalhando, foram nomeados esse mês de dezembro. Para gente não tirar policial para a Operação Verão, os novos foram. Em fevereiro aí redistribui para as várias regiões do estado. E teremos mais 5.200 PMs em novos concursos públicos que irão ocorrer.

REPÓRTER: O senhor até falou desse caso de Campinas. Em relação ao caso que houve do policial morto, alguma novidade? O senhor tem conhecimento?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: A investigação está em curso, até em razão deste caso do cabo, né, que faleceu. Conversei com o Dr. Troncon, que é o delegado da polícia federal, chefe aqui em São Paulo, porque não podem, é, carro forte com verdadeiras fortunas transitarem pelas rodovias sem escolta, isso é um perigo. Então esse carro forte estava indo para Minas Gerais, para Poços de Caldas, sem escolta, aí uma interceptação de criminosos com fuzil, metralhadora, e lamentavelmente nós perdemos um policial. Aliás, um cabo muito elogiado. Aí, a Polícia Federal está exigindo agora, porque ela que controla; que transporte de dinheiro seja feito com escolta para que não haja mais esse tipo de interceptação. E de outro lado, a polícia já tem uma investigação em curso para prender essa quadrilha. REPÓRTER: Governador, esse não foi o primeiro caso. Há possibilidade de um armamento mais pesado para polícia militar existe?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom, primeiro nós temos é que combater o tráfico de armas, né? Porque não é possível entrar, as nossas fronteiras abertas, né? E entrando droga e entrando arma, tráfico de arma é crime federal. A polícia tem armamento mais pesado, é que como ela faz patrulhamento urbano é um risco você usar esse tipo de armamento. E nós temos o Choque, a Rota, e Campinas já recebeu Baep, que é a Rota do interior, que aí é para enfrentamento com organizações criminosas e tem o armamento totalmente pesado.

REPÓRTER: Esse foi um dos anos mais secos, principalmente no nosso estado. Governador, além das multas que o governador anunciou como sugestão para os municípios do estado de São Paulo, existe outros projetos para minimizar o problema?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Existe. Um está aqui no bairro, né? Seja fazer um conjunto com um reservatório, que é fato inédito. A outra é o que nós vamos fazer na região de Campinas, do PCJ. São dois grandes reservatórios, pedreira e duas pontes, que abastece uma região com dois milhões de pessoas. Então está super bem encaminhado. Já estamos terminando o projeto executivo e o licenciamento ambiental para construção dos dois grandes reservatórios. Porque qual o problema das cidades hoje? São cidades que não tem reservação de água, então quando enche o rio a água vai embora, você não guarda. E quando vem a seca o rio seca, então você fica muito vulnerável, nós precisamos investir em grandes reservatórios. Não são municípios operados pela Sabesp, mas nós vamos ajudar.

REPÓRTER: Brigado.

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: As famílias que ainda não receberam as... Região de Campinas