Coletiva - Entrega de trens e anúncio de obras de modernização da estação Domingos de Moraes - 20123110

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de trens e anúncio de obras de modernização da estação Domingos de Moraes

Local: Capital - Data: 31/10/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Hoje nós estamos entregando mais três trens zero quilômetro, série oito mil da CPTM. É trem novo, com ar condicionado, sistemas de câmeras anterior e posterior, motorização maior, sistema de frenagem, zero quilômetro. Cada trem oito carros, então mais 24 carros zero quilômetro. Com isto nós completamos 82 trens entregues, ficam faltando 23 que serão entregues este ano e no primeiro semestre do ano que vem. Aí nós completaremos, então, 105 trens, oito carros cada trem, 840 carros de passageiros, zero quilômetro. Então essa é a primeira boa notícia. Trens novos na CPTM, já entregues 82, faltando 23. Esta Linha-8 aqui que vai para Osasco ela inteirinha terá trens novos, e esses trens, como é que chama lá onde...? Salão contínuo. Ou seja, a pessoa pode ir do primeiro até o oitavo carro sem sair do trem, todos com salão contínuo; dá mais segurança, é mais confortável.


Depois nós tínhamos prometido ampliar a integração livre em Itaquera e Tatuapé. A integração livre já tem 20 mil pessoas por dia utilizando. Ela estava das 11 às 15h, a integração livre. Estamos ampliando a partir de segunda-feira das 11h às 16h, mais uma hora de integração livre Itaquera e Tatuapé. E no final de semana das 15h de sábado até a madrugada de domingo. A outra boa notícia é a estação. Vocês verificaram aqui que essa estação aqui Domingos de Morais é muito acanhada, é uma estação pequena, tempo antigo, escadaria. Então imagine uma pessoa com deficiência subir essa escadaria toda? Então nós vamos começar a reforma e a ampliação da estação após o feriado. Então, acabou o feriado na semana que vem, começa a obra. São 10 milhões de reais que vão ser investidos aqui, vai beneficiar 22 mil passageiros/dia que utilizam essa estação, vamos entregar a obra em julho do ano que vem. Ali onde tem no fim desse corredor nós teremos elevadores, aqui também uma plataforma suspensa; então o cadeirante, por exemplo, vai poder utilizar totalmente a estação com total acessibilidade, ampliada, modernizada, novos sanitários, acomodações, toalete para deficiente, elevadores, enfim, ela entra no novo padrão da CPTM.


E nós estamos hoje com nove estações em obra. Temos hoje em obra: Barra Funda, Franco da Rocha, Vila Aurora, Osasco, São Miguel, Ferraz de Vasconcelos, Suzano, Amador Bueno e Santa Rita. Agora, em novembro começa Domingos de Morais e em dezembro começa Jaraguá e Poá. Então são nove estações em obra, a décima será essa, Domingos de Morais, e duas no mês de dezembro. Então mais 12 estações modernizadas, mais trens zero quilômetro operando e a rede elétrica toda ela sendo ampliada, com novas subestações para a gente diminuir esse incidente de falta de energia. Então mais com mais subestações, investimento de quase 400 milhões de reais, nós vamos ter muita segurança aqui no sistema de energia também.


Jurandir está dando uma outra boa notícia. Hoje está sendo publicado o edital para mais 23 estações que também serão reformadas; as obras começarão o ano que vem. Então, hoje sai o edital, mais 23 serão reformadas. E já solicitei ao secretário Jurandir e ao presidente da CPTM, a estação da Barra Funda que é uma estação muito utilizada, é uma estação antiga, o pé direito é muito baixo e o tipo de telha é um horror na época do verão, então é um forno verdadeiro. Eles já vão verificar a maneira de ou levantar o pé direito, tentar, é uma estação grande, vai ter que fazer metrô e CPTM juntos, mas erguer o pé direito, verificar também o tipo de telha e um sistema de ventilação, ou seja, dar mais conforto também para os usuários. Esse é o caso específico lá da estação Barra Funda, metrô e CPTM. Para ela ficar semelhante ao Brás. O Brás já está nesse novo padrão, pé direito bem mais alto, com circulação de ar bem melhor, ventilação e sistema de telhas também.


REPÓRTER: Governador, o senhor falou aqui por sete minutos aproximadamente sobre transporte público. E um outro assunto também importante é a segurança pública. Gostaria de saber do senhor em que momento a população de São Paulo vai se sentir segura? Se o senhor transitar hoje, sobretudo, em ruas da periferia, não é isso que se encontra lá.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, primeiro, nós estamos tendo um trabalho grande de inteligência policial. Então fizemos uma Operação Saturação que continua na comunidade de Paraisópolis, aliás, muito bem recebida pela comunidade. Eu tenho ouvido moradores lá de Paraisópolis todos elogiando o trabalho da polícia. Ali foram pego informações muito importante, preso criminosos de alta periculosidade. Armamento pesado também foi apreendido; grande quantidade de drogas, de entorpecentes, fugitivos recapturados, enfim, um trabalho importante. E esta noite fizemos, também graças a um esforço de inteligência da polícia uma ação específica na Favela Funerária. E lá nós tivemos uma equipe grande da Rota trabalhando. E para se ter uma ideia foram apreendidos 725 quilos de maconha, ou seja, quase 1 tonelada de maconha, além de armamento e quatro presos, nós tivemos nessa ação específica da Rota e também da Polícia Civil. E estamos fazendo nesse momento, desde as 05h00 da madrugada, uma operação grande na comunidade São Remo. Também com equipe da Rota, da Polícia Militar e Polícia Civil, são 10 equipes da Rota e 10 equipes do DHPP. E também a prisão de assassinos que foram os setores todos de inteligência indicados, inclusive já foi estourado uma refinaria drogas. Nós tínhamos lá na comunidade do São Remo uma refinaria de drogas. Então, um trabalho importante que está sendo feito, ininterrupto. Começamos esta operação na segunda-feira, Operação Saturação lá e Paraisópolis com bons resultados. Esta noite uma ação especifica na Favela Funerária e hoje a partir das 5h da manhã, operação grande com equipes da Rota e do DHPP na comunidade de São Remo.


REPÓRTER: É saturação?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Para prender criminosos.


REPÓRTER: É Saturação também essa na São Remo, governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, essa da São Remo não é Saturação, mas é uma ação para cumprir mandatos de prisão e também orientada pelos setores de inteligência da polícia.


REPÓRTER: Agora, e nas áreas onde ainda impera a insegurança governador?


REPÓRTER: Além de todas essas ações que estão acontecendo, como o governo deve agir em relação à organização criminosa? O que tem que ser feito para acabar com a violência.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o que é que tá sendo feito, né? Essa é uma tarefa permanente. Você tem que vencer batalhas aí todo dia. E por isso que São Paulo conseguiu, foi o estado brasileiro que mais reduziu homicídio nos últimos 10 anos. É perseverar nesse trabalho de inteligência e prisão dos criminosos dentro da lei, então é inteligência e prisão dos criminosos. Isso que está sendo feito ininterruptamente. E os setores de inteligência vão orientando a ação da polícia. Então, começou na comunidade de Paraisópolis, depois essa noite foi na favela Funerária, hoje é na comunidade de São Remo e outras estão sendo preparadas. Converso, sempre que for necessário converso. Aliás, eu quero deixar muito claro, que toda ajuda é muito bem-vinda. Nós temos um bom trabalho de integração com a Polícia Federal, trocas permanentes de informação, permanentemente troca de informação. E com o Governo Federal, com o Ministério da Justiça, bons projetos tanto para o fundo de segurança como para o fundo penitenciário. Toda ajuda é muito bem-vinda.


REPÓRTER: O senhor recebeu o oficio do ministério?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, ainda não, mas deve tá chegando.


REPÓRTER: [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Vai reduzir, vai reduzir. Quer dizer, esse é um trabalho...


REPÓRTER: A gente teve mais três mortes [ininteligível] essa noite.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Aliás, sobre o ônibus queimado, já foram presos dois criminosos, um, aliás, menor de idade, não desses especificamente, mas um ônibus queimado na zona leste. Tá aqui, ó, uma pessoa de 52 anos. Não, não é menor. O outro ajudante de 31 anos foram presos por incêndio a ônibus ocorrido no domingo na zona leste. Todos vão ser presos, não há hipótese. E que você às vezes não prende em 24 horas, mas a polícia tá trabalhando permanentemente.


REPÓRTER: Uma central, governador... Uma central foi apreendida. Como é que o senhor acha que isso vai abalar o PCC, uma central que tem muitos documentos?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não tenha dúvida que essas informações serão cruciais, extremamente importantes para a polícia trabalhar, e enfraquecer ainda mais essas organizações e colocar em cadeia, regime. Se for necessário regime disciplinar diferenciado, isolamento absoluto para os lideres do crime.