Coletiva - Entrega de unidades habitacionais e visita às obras da Rodovia Euclides da Cunha

De Infogov São Paulo
Revisão de 10h54min de 2 de janeiro de 2013 por Marcelorocha (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - Entrega de unidades habitacionais e visita às obras da Rodovia Euclides da Cunha''' '''Local: Votuporanga - Data: [http://i…')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de unidades habitacionais e visita às obras da Rodovia Euclides da Cunha

Local: Votuporanga - Data: 29/12/2012


GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Cento e trinta. Nós temos 3.142 casas ou apartamentos em construção na região e 4.062 [ininteligível]. Uma casa, três empregos diretos ou indiretos são gerados, então, 3.142 em obras, 422 entregues aqui em Votuporanga, 130 em Meridiano, e 4.062 programadas. E São Paulo é o único Estado do Brasil que investe dinheiro do orçamento em moradia, 1% do ICMS, dá quase R$ 2 bilhões esse ano, e famílias que ganham um salário mínimo tem acesso à casa própria. Aqui em Votuporanga, 87% das famílias ganham até três salários mínimos, depois tem de quatro, cinco, vai até dez, mas a prioridade são as famílias de menor renda. Casa novinha, com toda a infraestrutura no residencial, de primeira qualidade.

REPÓRTER 1: Governador, o senhor se sente em casa né, aqui em Votuporanga? Com a presença do prefeito Júnior Marão.

REPÓRTER 2: (ininteligível) a duplicação da Cezário Lange, que liga Novo Horizonte a Catanduva. As obras ainda não começaram e as reclamações estão cada vez mais intensas.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Essa é a SP-321?

REPÓRTER 2: Que é Catanduva, Novo Horizonte (ininteligível);

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Cezário José Castilho. Nós fizemos a licitação, ganhou uma empresa, Leão & Leão, e há uma disputa sucessória no holding, então, quatro obras que ela tem no estado estão paralisadas. Nós já estamos tomando as medidas judiciais contra empresa, multa, todas as punições, a rescisão do contrato e vamos relicitar a obra. Infelizmente,a empresa não tocou a obra, houve um problema societário interno, não é só aqui, foram quatro obras, então a UBR já está tomando as providências, punição, multa, rescisão e relicita, em fevereiro, a gente acha que está relicitada a obra.

REPÓRTER: (ininteligível) o prazo que seria agora para novembro, o senhor disse que vai esticar. A previsão mesmo, quando ela vai estar completamente pronta ali para...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O prazo contratual é maio do ano que vem, o prazo contratual é maio. Nós já entregamos mais de 80% da obra, e a população já está utilizando, grande parte dos 170 quilômetros aí de duplicação já está pronto. Os trevos, que demandam desapropriações maiores para poder fazer os viadutos, os trevos, ainda estão em obra. Vai ficando pronta, vai entregando, vai ficando pronta, vai entregando o mais rápido possível. O prazo contratual é maio, mais de 80% já está pronta, a população já está utilizando. Agora, em janeiro, vão ficar prontos mais viadutos, já vão entrando em funcionamento e vamos entregando rapidamente. Será uma das grandes obras do estado de São Paulo e ligando o Mato Grosso do Sul até São José do Rio Preto, até Mirassol, uma obra estruturante e segurança, porque hoje rodovia com muito caminhão, muito veículo e pista única é um perigo. Então, São Paulo está duplicando todas as suas SPs, com VDN acima de 10 mil.

REPÓRTER 3: Governador, nós tivemos este ano em (ininteligível) um aumento de 63% no número de homicídios, a violência está crescendo, houve uma delegacia no bairro (ininteligível) que foi fechada, e a população reclama também do baixo número de policiais militares na cidade. O senhor já tem tomado providência em relação a isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, nós já estamos trabalhando. A região... O Deinter de São José do Rio Preto, nós tivemos uma queda de homicídios na região.

REPÓRTER 4: Governador (ininteligível) sobre a segurança pública, o número de (ininteligível).

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O Deinter de São José do Rio Preto que nos dá uma visão mais ampla da região. Então, o Deinter, cinco, São José do Rio Preto, janeiro a novembro, nós tivemos 164 homicídios em 2010, o ano passado caiu para 142 e esse ano caiu para 139. Então, a região do Rio Preto está tendo uma redução no número de homicídios, tanto proporcionalmente quando numericamente. Uma cidade ou outra às vezes você tem problema de crime passional, você tem briga de bar, enfim, você tem uma série de coisas, nós estamos fortalecendo a polícia. Já nomeamos 184 delegados de polícia, e já entraram na academia mais 135. Nós temos em dezembro até março, nós vamos ter mais 135 delegados, e estamos contratando mais agentes de telecomunicação, investigadores, escrivães, nós vamos deixar a polícia civil para fazer investigação de polícia judiciária bem equipada e mais preparada.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Polícia Científica também. Nós vamos investir muito na parte de perícia, para a Polícia Científica. E a Militar, na rua, fazendo policiamento preventivo e ostensivo, fechamos o ano com mais 980 policiais militares.

REPÓRTER 1: Mês de férias, janeiro, muita gente viaja, os pedágios, o senhor tem uma proposta de uma cobrança diferente? Como é que está essa questão, governador?

REPÓRTER 2: Euclides da Cunha pedágio?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, não. É o pedágio ponto a ponto. Então, nós já começamos na região de Campinas, onde foi implantado na Rodovia Santos-Dumont e na Rodovia Itatiba-Jundiaí, que teve mais de 90% de ótimo e bom. Estamos também fazendo pedágio eletrônico, entra agora em fevereiro uma terceira empresa, no pedágio eletrônico, então, reduz muito, cartão magnético para todo mundo poder ter o cartão do “Sem Parar”, agora três empresas participando. E não há previsão de pedágio na Euclides da Cunha. Como aqui a duplicação foi feita com recursos do Estado, então não terá pedágio.

REPÓRTER 3: Governador, o senhor deve se sentir em casa em Votuporanga, ao lado do prefeito Júnior Marão. Aliás, recebeu o título de cidadão votuporanguense. Que tipo de tratamento o senhor pretende dar aos prefeitos que não foram eleitos pela sigla tucana? Por exemplo, Fernandópolis e outras cidades, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Primeiro, agradecer o título de cidadão votuporanguense, me enche de orgulho, me honra muito, vamos trabalhar muito, com honestidade, com competência, em benefício da população. Cumprimentar o Júnior Marão, prefeito de Votuporanga, que fez aqui um belo trabalho e dizer que governo não tem sigla partidária, nós temos que trabalhar com todos os prefeitos, não importa a sigla partidária. As unidades da Federação não devem competir, elas não devem disputar, elas devem se unir, somar esforços para fazer mais em benefício da população.

REPÓRTER 4: Inauguração do Hospital da Mulher e da Criança em São José do Rio Preto foi adiada, seria agora em dezembro, as obras devem terminar na semana que vem. Alguma nova previsão, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O Hospital da Criança de São José do Rio Preto, seu escopo foi ampliado para Hospital Materno-Infantil e será um dos maiores hospitais materno-infantil do Brasil, porque ele terá 81 leitos de UTI. É um hospital de terapia intensiva, 81 leitos de UTI, 33 leitos de maternidade, 60 leitos de pediatria, 10 leitos de câncer pediátrico, oncologia pediátrica, 20 leitos para reabilitação do Centro Lucy Montoro, 204 leitos. E nós criamos uma infraestrutura preparada, inclusive, para atender também o Hospital das Clínicas de Rio Preto. O prédio está praticamente pronto, agora é equipamento e pessoal. Está se decidindo se vai ser uma OS ou vai ser o próprio Estado, acho que por questão, aí, de, no máximo, até o mês de março, ele já estará em operação, ele já entra, praticamente, já em funcionamento.

REPÓRTER 5: Governador, o secretário Júlio Semeghini vai dar mais detalhes? Eu gostaria que o senhor comentasse essa notícia que deixou a região um pouco preocupada, com relação a que o senhor diminui os recursos aqui para a região. Gostaria que o senhor esclarecesse isso.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É, o secretário Júlio Semeghini vai poder explicar melhor. Mas, quero destacar aqui a alegria de vir a Votuporanga, acho que não há uma realização maior da família do que o acesso à casa própria e famílias de um salário mínimo que conseguem sair do aluguel. Para quem ganha um salário mínimo, a prestação é R$ 93,00. Noventa e três reais. O aluguel de uma casa aqui é R$ 500,00 e para poder ter casa própria, porque é sofrido o dinheiro do aluguel. Eu perguntei para algumas famílias: “Quando é que vocês vão mudar?” e a resposta foi: “Hoje.” O pessoal estava com pressa. A gente fica muito feliz. E desejar um Feliz Ano Novo a todos os telespectadores, os rádiouvintes.


Coletiva Editada

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Cento e trinta. Nós temos 3.142 casas ou apartamentos em construção na região e 4.062 [ininteligível]. Uma casa, três empregos diretos ou indiretos são gerados, então, 3.142 em obras, 422 entregues aqui em Votuporanga, 130 em Meridiano, e 4.062 programadas. E São Paulo é o único Estado do Brasil que investe dinheiro do orçamento em moradia, 1% do ICMS, dá quase R$ 2 bilhões esse ano, e famílias que ganham um salário mínimo tem acesso à casa própria. Aqui em Votuporanga, 87% das famílias ganham até três salários mínimos, depois tem de quatro, cinco, vai até dez, mas a prioridade são as famílias de menor renda. Casa novinha, com toda a infraestrutura no residencial, de primeira qualidade.

REPÓRTER 1: Governador, a Euclides da Cunha, o prazo seria agora para novembro, o senhor disse que vai se esticar. A previsão mesmo, de quando ela vai estar completamente pronta?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O prazo, o prazo contratual é maio do ano que vem. O prazo contratual é maio. Nós já entregamos mais de 80% da obra e a população já está utilizando; grande parte dos 170 quilômetros de duplicação já está pronto. Os trevos, que demandam desapropriações maiores para poder fazer os viadutos, os trevos ainda estão em obra. Vai ficando pronto, vai entregando, vai ficando pronta, vai entregando, o mais rápido possível. O prazo contratual é maio, mais de 80% já está pronto, a população já está utilizando, agora em janeiro, vão ficar prontos mais viadutos, já vão entrando em funcionamento, e vamos entregando rapidamente. Será uma das grandes obras do Estado de São Paulo, ligando o Mato Grosso do Sul, até São José do Rio Preto, até Mirassol, uma obra estruturante e segurança, porque, hoje, rodovia com muito caminhão, muito veículo e pista única, é um perigo. Então, São Paulo está duplicando todas as suas SPs com VDM acima de 10 mil.