Coletiva - Entrega do Trecho Leste do Rodoanel Mario Covas 20140307

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega de moradias da CDHU

Local: Mauá - Data:03/07/2014

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, nós estamos entregando hoje 37 km, 37 km do Rodoanel Leste. Nós imaginamos nesse trecho 33 mil veículos dia. Então, a partir de amanhã o tráfego vai estar aberto ligando Mauá, lá na Avenida Papa João XXIII, passa por Ribeirão Pires, depois Suzano, Poá, até Itaquaquecetuba. E mais 60 dias e aí chegamos na Ayrton Senna. A gente imagina que reduza 40% o tempo de viagem aqui na região, vai desafogar muito a Jacu Pêssego, melhorar muito o acesso ao Porto de Santos e o acesso ao Aeroporto de Cumbica. Chegaremos então na Ayrton Senna e aí mais 60 dias chegaremos na Dutra, e aí nós teremos os 43 km do Rodoanel Leste totalmente concluídos. E já estamos em obra no Rodoanel Norte, com seis frentes de trabalho para fecharmos praticamente os 178 km do Rodoanel Metropolitano de São Paulo, interligando as dez autoestradas que chegam à metrópole, interligando o maior aeroporto brasileiro, que é Cumbica, com o maior porto, que é o Porto de Santos. Aqui no Rodoanel Leste nós temos 13,5 km de via suspensa, porque temos a várzea do Rio Tietê, então uma obra ambientalmente sustentável, uma obra com todos os cuidados ambientais, então 13,5 km ela anda no ar, ela está sobre a várzea, não interfere na macrodrenagem, não interfere nas várzeas. Temos esse túnel na região de Pedreira, obra importante e estamos autorizando hoje mais uma obra entre Suzano e Ribeirão Pires, que é um novo trevo aí feito pela concessionária e pelo DER, a duplicação da Estrada dos Fernandes, da duplicação da Estrada dos Fernandes, isso vai ajudar muito a região, tanto Suzano para o lado de Poá, Itaquá, quanto para o ABC do lado de Mauá, então uma obra estratégica, uma obra super importante.

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, primeiro em relação à iluminação: o contrato não previa nenhuma iluminação, então a iluminação está sendo feita à mais pelo concessionário, não tinha nenhuma previsão de iluminação no contrato. A concessionária entendeu que era bom em uma grande parte fazer a iluminação. Até amanhã cedo a Artesp passa um pente fino, faltam ainda 200 metros de asfalto lá na chegada da Ayrton Senna, falta alguns trechos de defensa, falta limpeza, falta ainda algumas coisas, então até amanhã cedo passa e faz um check list e aí abre ao tráfego.

REPÓRTER: Amanhã mesmo abre?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Amanhã mesmo.

REPÓRTER: Que horas?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: O horário é depois do check list. De manhã, provavelmente de manhã, o ideal é às oito horas da manhã.

REPÓRTER: Governador, por que a cerimônia vai ser feita amanhã, já que só amanhã o usuário vai poder aproveitar?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, é que amanhã não é cerimônia, amanhã é a abertura da pista para o usuário, não é cerimônia, é uma coletiva para explicar aqui a dimensão da obra, uma obra de 3,6 bilhões de reais, uma concorrência pública super bem sucedida, a concessionária deu um desconto de 63% no preço do pedágio, pagou um ônus de 386 milhões, então o Governo recebeu 386 milhões, ela deu um desconto de 63%, a segunda colocada dava um desconto de 10%, olha a diferença, 63%, uma obra complexa, porque ela é feita em plena região metropolitana, sobre várzea, sobre estrada de ferro, sobre rodovia e estratégica porque vai tirar trânsito de caminhão de São Paulo para o Porto de Santos e melhorar o acesso ao aeroporto. E a obra do trecho Norte, da Asa Norte do Rodoanel, ela prevê 4 km para chegar dentro do aeroporto, então a Asa Norte está incluída já a pista saindo do Rodoanel e entrando dentro do aeroporto. 3,6 km. E agora nós estamos indo para Cumbica para assinar o financiamento com a AFD, Agência Francesa de Desenvolvimento, para o trem para o Aeroporto de Cumbica, então o Aeroporto de Cumbica terá uma nova linha de trem, a Linha 13, até porque nós não somos supersticiosos.

REPÓRTER: [ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Aí a Artesp, ela pode detalhar melhor.

REPÓRTER: Governador, sobre a Linha 13, o senhor vai anunciar a expansão dela já?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, a Linha 13 sai lá de Engenheiro Goulart e passa ali por CECAP, em Guarulhos, e chega dentro do aeroporto, isso é o que está contratado. O que está em projeto funcional é ela ir para passar o aeroporto e ir para outra região de Guarulhos, mas o que está contratado é até o aeroporto.

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: 132 milhões de reais todo o conjunto. Todo o conjunto.

REPÓRTER: E o prazo para execução, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, nós vamos ter primeiro que licenciar, imagino um ano, mas vamos ter que ter licenciamento ambiental ainda, passar pela Cetesb, mas é rápido.

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Tudo isso que foi feito, desapropriação, todos os pagamentos dos desapropriados, execução da obra, doação das viaturas, veículos, motocicletas, tudo, tudo por conta do concessionário e nós ainda recebemos 386 milhões para o Tesouro Paulista.

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: É, a obra, pela dimensão da obra, se fazer uma obra desse tamanho, e é uma rodovia nova, não é uma rodovia a ser ampliada, é tudo novo, então 34 meses é uma correria. Agora, também queria colocar o seguinte: o prazo era março, então tem um atraso de 114 dias. Cada dia de atraso a multa é 471 mil reais por dia, então multiplica por 114...

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: A concessionária é multada em 471 mil reais por dia, são 114 dias de atraso, só fazer a conta e você sabe o tamanho da multa.

REPÓRTER: [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Isso. Não, Suzano, ela vai entrar no Rodoanel, a SP 66, ela entra no Rodoanel. Agora, você jogar o trânsito do Rodoanel na SP 66, que já é saturada, estão aqui os prefeitos, não é possível, por isso nós vamos fazer uma outra alternativa para Suzano, que é a duplicação da Estrada dos Fernandes e um novo trevo aqui.

REPÓRTER: A gente conta com a presença hoje do Sr. José Serra, que inaugurou o trecho sul também aqui na região do ABC. Qual o motivo que o senhor está trazendo hoje [ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, primeiro é aberto aqui para todo mundo, quem quiser vir é sempre bem-vindo. Segundo, que o Serra tem tudo a ver com essa obra, porque é no seu período que foi licitada aqui essa obra. Mas é aberto a quem quiser.

REPÓRTER: A gente sabe que o trecho estava em obras e que agora, a partir de agora as operadoras vão começar a instalar as antenas de celular. Qual o problema de segurança que a gente vai ter e qual vai ser o policiamento que vai ser destinado para esse trecho?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, eu vim da Ayrton Senna para cá, tem uma base da Polícia Rodoviária aqui, então a Polícia Rodoviária tem uma base física 24 horas aqui na rodovia. As motocicletas, viaturas, foram todas entregues, então a rodovia vai ser policiada, isso faz parte desse trabalho. O concessionário ele tem que fazer em São Paulo três obrigações, a primeira é física, é construir a obra, Rodoanel, construir a Imigrantes, então é investimento. O segundo é manutenção, recapeamento, acostamentos, limpeza, sinalização, toda manutenção. E o terceiro é o conceito de rodovia viva, ou seja, atendimento médico, mecânico. Eu fui ontem inaugurar a duplicação da Raposo Tavares em Itapetininga e uma pessoa disse que estava indo de noite na Raposo Tavares e furou o pneu. Ele encostou o carro e em cinco minutos tinha um carro da concessionária, iluminou, trocou o pneu para ele e ele seguiu viagem. Então, atendimento mecânico, atendimento médico, ambulância, socorro, equipes e segurança, até doação das viaturas para a Polícia. O ano passado foram 1,7 milhão de atendimentos na rodovias concessionadas, diz a Karla Bertocco, presidente da Artesp.

REPÓRTER: A segurança, até a colocação total dos postes de luz não tem. Como é que vai ser a segurança a partir de amanhã para o motorista?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Deixa eu explicar, poste de luz não ia ter nada, não é previsto no contrato, então o que está sendo colocado está sendo colocado a mais, porque isso não tinha previsão no contrato.

REPÓRTER: É por que era escuro?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, não tinha previsão. As rodovias não são iluminadas, elas não são. Você ilumina quando você está na cidade, rodovia não é iluminada. Ok?

REPÓRTER: Governador, com relação...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: A Karla Bertocco vai dar as explicações técnicas para vocês.

REPÓRTER: E a Asa Norte, governador, quando que pega a Asa Norte?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Asa Norte, está aqui... Primeiro semestre de 2016. Ontem eu sobrevoei lá a Asa Norte, está em um ótimo ritmo de trabalho, e também de novo cuidados ambientais, grande parte dela é túnel, dentro da Cantareira, então interfere pouquíssimo na questão ambiental. Toda a preservação ambiental.

REPÓRTER: Governador, mudando um pouquinho de assunto, qual é a adequação da água da Cantareira por conta da seca?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Como é que é?

REPÓRTER: A diminuição da vazão da água da Cantareira.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, nós já reduzimos. A Cantareira, a retirada de água para a região metropolitana de São Paulo era de 31 metros cúbicos por segundo, era retirada. Ela foi reduzida em oito metros cúbicos por segundo, já reduziu. Era 31, hoje é 23, então já reduziu oito metros cúbicos por segundo. Como é que nós conseguimos essa redução? Primeiro com o bônus, 90% da população reduziu o consumo, 40% ganhou o bônus, reduziu mais de 20%. Segundo, substituindo sistemas, então, Guarapiranga, Alto Tietê, vários outros sistemas entraram para ajudar.

REPÓRTER: Não vai ter nova [ininteligível] contra a seca?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Não, esse é um monitoramento permanente. Esse é um monitoramento permanente e as decisões são decisões técnicas.

REPÓRTER: Governador, tem previsão de começar as obras lá na Guilherme Jorge?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Guilherme Jorge, a Prefeitura é que vai executar a obra. Nós assinamos o convênio, R$ 30 milhões, então está tudo pronto, convênio assinado, recurso disponibilizado, aí a Prefeitura tem interesse de fazer o mais depressa possível.

REPÓRTER: Governador, o senhor pretende ampliar a ampliação da [ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Nós temos... Cadê a Isabela? Isabela, me dá aquele papelzinho. Nós temos três obras importantes, em julho agora entra em operação mais meio metro cúbico por segundo do Rio Claro, em setembro entra meio metro cúbico por segundo a mais do Rio Grande, e em outubro um metro cúbico por segundo a mais do Guarapiranga.

REPÓRTER: O senhor pode declarar, então, da Linha Jade, valor, entrega?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Linha... Gostei do Jade aí. Linha Jade, ela já está em obra, 12,2 quilômetros de ferrovia, uma nova linha, porque a CPTM tem a Linha 7, que vai para Jundiaí, Linha 8, que vai para Osasco, Linha 9, Marginal do Rio Pinheiros, vai para Grajaú e nós estamos levando agora para Varginha, então ela está sendo prolongada, a Linha 9. Linha 10 para o ABC, Linha 11 para o Itaquerão, para a zona leste, aliás, um sucesso o Metrô e o trem para a Copa. Linha 12, zona leste, USP leste, parou aí. Essa é a nova Linha 13, Guarulhos. Então 12,2 quilômetros, saindo de São Paulo, Engenheiro Goulart, passa por cima da Ayrton Senna, por cima do Parque Ecológico, por cima da Dutra, por cima do Rio Tietê, grande parte dela é suspensa e chega dentro do Aeroporto de Guarulhos.

REPÓRTER: Entrega, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: 1,8 bilhão. Hoje assinaremos agora lá em Guarulhos, 960 milhões de financiamento da agência francesa, AFD, 256 milhões do BEI, que é o Banco Europeu, e oito novos trens, cada trem seis carros, oito... Aliás, cada trem seis carros, oito vezes seis dá? 48 carros. Pegar o prazo aqui para você. Meio do ano que vem. Daqui um ano, daqui um pouquinho... Um ano, um ano e pouquinho. Tudo, tudo, tudo. Não é tão complexo.

REPÓRTER: Governador, mudando de assunto em termos de cerimônia, mesmo esse desconto que o senhor mencionou, percebi que temos muita tecnologia [ininteligível] parte elétrica. Há algo mais em termo de tecnologia [ininteligível]?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Pode. Tem, tem. A Karla e o pessoal da Artesp pode detalhar. Se tem um negócio chique... Como é que chama? Casting Travel, que é um sistema que você vai fazendo as vigas e vai andando, que é uma tecnologia que eu acho que nunca teve no Brasil. Você tem 13,5 km de uma rodovia aqui de 37, um terço dela, mais de um terço suspensa, então ambientalmente sustentável. Enfim, mas aí eles detalham melhor.

REPÓRTER: Governador, que a gente não entendeu, se houve uma redução, porque ontem o comitê fez mais um anúncio de reduzir para 8,4 a vasão máxima de retirada, não é isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: ANA-DAEE reduziram a captação de reservatórios limitando a retirada 19,7. Menos de 8,4. Então é 19,7. A medida é correta, essa proposta da ANA e do DAEE, ela é correta e nós já estamos implementando, porque ontem foi retirado 17,8. Então nós já estamos abaixo dos 19, no chamado túnel 5, que é o que vem para São Paulo, ontem foi 17,8. Então, nós já estamos, a medida é correta da ANA e do DAEE e nós já estamos na prática implementando, que o retirado ontem foi 17,8. Nós não estamos computando aí o que vai para Campinas, para o PCJ, que vai quatro metros cúbicos por segundo, mas essa resolução da ANA se refere a São Paulo.

REPÓRTER: E na prática o que isso muda, governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Na prática não muda, porque nós já estamos fazendo. Então a medida é correta, a resolução da ANA e do DAEE, nós estamos de acordo, tanto é que ela é conjunta à resolução, o DAEE é um órgão do Governo do Estado e nós já estamos atendendo. Ontem a retirada foi 17,8. Como é que nós estamos conseguindo reduzir essa retirada do Cantareira? Com a participação da população, 90% o uso racional da água, evitando o desperdício. E quero aqui agradecer a boa colaboração da população e com a gestão, nós estamos substituindo o Cantareira pelo Guarapiranga, pelo Alto Tietê, e teremos novas entradas agora, meio metro cúbico por segundo do Rio Claro em julho, em setembro do Rio Grande mais meio metro cúbico e em outubro do Guarapiranga, mais um metro cúbico. Tudo para substituir o Cantareira.

REPÓRTER: Só para ficar claro, governador, quanto era antes, quanto ficou agora, percentualmente qual foi essa mudança?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Ontem a retirada foi 17,8 metros cúbicos por segundo. Essa retirada chegou a 27. Então é uma redução extremamente significativa e isso foi conseguido sem expor a população a sacrifícios. Fazendo como? Através de uma boa gestão, procurando substituir o Cantareira por outros sistemas aqui na região metropolitana e por grande colaboração da população, com o uso racional da água evitando desperdício e nós estimulamos com o bônus. Economize 20%, você ganha, além disso, mais 30% de bônus, de prêmio. E com a disponibilização de 182 milhões de metros cúbicos da chamada reserva técnica, que nós fizemos todas as obras em 74 dias.

REPÓRTER: O racionamento então segue descartado?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Exatamente.

REPÓRTER: Governador, do Tribunal de Contas, que decidiu agora não suspender a licitação da Linha 18 e permitir que continuasse. Como é que foi essa decisão agora?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Olha, eu acho que a decisão é extremamente positiva. Todas as recomendações do Tribunal de Contas foram cumpridas, tanto é que o edital foi republicado. Agora é acelerar. A Linha 18 será a primeira linha fora de São Paulo, é a linha do Metrô, a Linha 18, ela sai da zona leste, de Tamanduateí, e ela vai para São Caetano, Santo André, até São Bernardo do Campo. E é uma PPP e pela primeira vez tem recurso federal também. Então, tem uma parte de dinheiro do PAC, uma grande parte privada e uma grande parte do Governo do Estado. Nós temos hoje quatro obras do Metrô, a Linha 4, que é a Amarela, a Linha 5, que é a de Santo Amaro, a Linha 15, que é o monotrilho para a zona leste, agora em julho já começa a operar, a Linha 17, que é a do Aeroporto de Congonhas, agora vai começar a Linha 6 já. Hoje a Prefeitura nos disponibilizou um terreno na esquina da Marginal do Tietê, lá no Limão, com a Rua Santa Marina. Lá vão entrar os dois tatuzões, os dois Shields, um Shield vai para a Freguesia do Ó, Brasilândia e o outro Shield vem para São Joaquim. Na realidade, na realidade, a Linha 6 já começou, porque as desapropriações todas estão em curso, já está montando o canteiro de obras, o contrato assinado, é que até pôr a máquina na pista você tem uma série de obras. Então, será a quinta obra, Linha 6 e a sexta será a Linha 18.

REPÓRTER: E a Linha 18, quando começará, efetivamente?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: A Linha 18 agora liberado, nós vamos receber as propostas, depois julgar a licitação, assinar contrato e começa. Até o fim do ano está começado.

REPÓRTER: Mas o canteiro de obra é mesmo na Linha 6, é uns 40 dias mais ou menos?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Talvez até antes. Talvez.

REPÓRTER: Esse mês já pode ser?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Esse mês ainda, está bom?

REPÓRTER: Governador, então até o final do mês pode [ininteligível] para a Linha 18?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: Se Deus quiser. Precisa ter cautela, porque às vezes você tem muita briga jurídica, aí vai para a Justiça e você não pode.

REPÓRTER: Depende da licitação, né?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR: É, mas eu diria que agora o último obstáculo jurídico foi resolvido. Mauá