Coletiva - Entrega do restauro e conservação no Monumento do mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco) 20140912

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Entrega do restauro e conservação no Monumento do mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932 (Obelisco)

Local: Capital - Data:Dezembro 09/12/2014

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Hoje é um dia de grande importância para São Paulo, para todos os brasileiros de São Paulo, para o nosso país. A reabertura para a visitação começa hoje já, começa, será aberto todos os dias das dez da manhã às quatro horas da tarde para visitação do Mausoléu. Esse é o segundo maior monumento do mundo, menor apenas do que Taj Mahal na Índia, 1932 metros de área, o Obelisco com 72 metros de altura, uma obra extraordinária e principalmente pelo que ela sintetiza. Então, ela tinha problema de infiltração, problema até de riscos aqui do monumento, então foi feito o investimento R$ 11,4 milhões, primeiro contratamos toda a parte de arquitetura para fazer um projeto bem feito, depois o restauro completo de uma obra tombada, como é aqui o Mausoléu dos Heróis da Revolução de 32. Então, todos os investimentos foram feitos, depois de 12 anos a reabertura aqui do Mausoléu, e a visitação já começa hoje a partir das 10h e todos os dias das 10 até às 16h.

REPÓRTER: Governador, por que quê não era possível visitar?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Porque houve uma interdição jurídica em razão das infiltrações que teve aqui no Mausoléu. Então nós fizemos sistemas de bombas, fizemos toda a impermeabilização, todo o restauro, aí também se fez rampas de acesso, pessoas com deficiência, sanitários, recuperação das obras artísticas, novos cinerários, então foi feito um restauro completo com supervisão do Condephaat que é uma obra tombada. Eu diria que é um ponto importantíssimo de São Paulo pelos valores que ele aqui representa.

REPÓRTER: É o mais importante que o senhor falou da...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É o maior monumento...

REPÓRTER: Não, é a mais importante obra que...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Eu não tenho dúvida, eu acho que sintetiza valores como liberdade, justiça, democracia, com o próprio sangue dos paulistas.

REPÓRTER: Governador, sobre a questão da água né, tem uma matéria na Folha hoje falando que o sistema Alto Tietê, ele preocupa mais que o Cantareira. Há alguma medida que o governo...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, nós estamos... Primeiro agradecer a população, chegamos a 53% de pessoas que passaram a receber o bônus, então cresceu a adesão ao bônus. Chegou à economia a 4100 litros por segundo com o bônus acumulado, agora chegou a 10% de uso racional da água já ganha o bônus, ganha 10% de bônus, chegou a 15%, ganha 20% e chegou a 20%, ganha 30%. Então essa é a primeira constatação, aumentou a adesão depois que nós expandimos o bônus e saímos então de 3600 litros por segundo para 4100 litros por segundo de economia. A segunda, nós estamos monitorando, a Sabesp, secretaria, os engenheiros. No sistema Alto Tietê são várias represas, uma das represas chamada Ponte Nova, nós temos uma reserva técnica de 40 bilhões de litros de água, então a Sabesp já solicitou ao DAE a autorização, mas isso não quer dizer que a gente deva descuidar, pelo contrário, nós estamos trabalhando aí 24 horas para substituir o Cantareira, para reforçar o Alto Tietê e fazendo esse trabalho de uso racional da água.

REPÓRTER: O governo não pensa em multa? Muitos especialistas estão pedindo multa.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É uma análise que está sendo feita, porque nós temos 20%, os chamados gastões, e nós não podemos abrir mão de ninguém, todo mundo precisa ajudar, né. Não podemos abrir mão de ninguém. Então, nós ainda temos 20% que aumentaram o consumo, mas de outro lado, está aumentando também a economia pela expansão do bônus.

REPÓRTER: Agora esses 20% é o que, estado?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, não, não. 20% aqui da região metropolitana.

REPÓRTER: Da região metropolitana.

REPÓRTER: De gastões quem são? Indústrias, comércio...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Tem muito condomínio, porque o problema de não ter ligação individual. Isso é sempre um problema. Então, condomínio paga para todos. Mas enfim, tem a maioria residência, depois tem uma parte de comércio pequena e de indústria muito pequena, mais é residência. Mas nós vamos fazer crescer ainda mais a campanha.

REPÓRTER: Agora, é a primeira vez que a Sabesp estuda a cobrança de multa né, governador? É novo isso né?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Esse é um estudo que está sendo feito, Sabesp e Arsesp, vamos aguardar. Está bom?

REPÓRTER: Governador, já há uma definição sobre a troca do comando da CPTM?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, ainda não. Nós estamos estudando primeiro às secretarias para em seguida ver as empresas.

REPÓRTER: Mas vai haver a troca?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: É provável, né. Mudança de novo governo. Está bom?

REPÓRTER: Obrigado. Capital