Coletiva - Estado anuncia R$ 1,2 bilhão para infraestrutura e ações pedagógicas em 5,1 mil escolas 20212608

De Infogov São Paulo
Revisão de 15h16min de 27 de agosto de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - Estado anuncia R$ 1,2 bilhão para infraestrutura e ações pedagógicas em 5,1 mil escolas 20212608''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensa...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Estado anuncia R$ 1,2 bilhão para infraestrutura e ações pedagógicas em 5,1 mil escolas 20212608

Local: Capital – Data: Agosto 26/08/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Começamos com você, Isabela, da TV Globo, Globo News, depois com a Júlia Marques, do Estadão. A Júlia vai fazer online, ela já está aqui já conectada. E a Indara Freitas, do Portal metrópoles. Isabela, boa tarde.

ISABELA, REPÓRTER: Boa tarde, a todos, secretário, governador. Secretário, eu gostaria, como a gente estava acompanhando daqui, e enfim, era online, só resumidamente, esse dinheiro que vocês vão aportar vai ser destinado em um primeiro momento para quê? Porque o governador chegou até citar em colocar ar-condicionado, em todas as escolas, sem dar um prazo para isso. É muito dinheiro. Mas para onde que vai efetivamente? Governador, se me permite, a gente tem pouca gente aqui na coletiva hoje, e não tem como falar de educação, em retomada de economia, sem falar de vacinação. Já tem algo no cenário sobre estoque, para a gente iniciar a dose de reforço para idosos a partir do dia 6 de setembro? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Começamos com você.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Maravilha, obrigado, Isabela, pela pergunta. Em relação ao PDDE, é R$ 1,200 bilhão, com algumas destinações internas específicas. Por exemplo, tem R$ 150 milhões que as escolas de ensino médio, por exemplo, vão usar para recursos específicos para aplicação do novo itinerário formativo. Então por exemplo, o professor de geografia, o professor da área de humanas sonha em ter determinados materiais pedagógicos lá dentro, dentro do planejamento da escola, eles têm recurso para comprar. Uma parte do recurso, por exemplo, R$ 100 milhões, específicos, por exemplo, para ciências, a gente quer investimento e melhoria dos laboratórios dos ambientes de ciências. R$ 50 milhões, por exemplo, exclusivamente para robótica. Nós temos a professora Débora Garufalo, que é uma teacher prize, uma das dez finalistas que trabalha desde cedo com conceito de sucata virando robótica. Agora a gente ainda além disso tudo que a gente já está trazendo, a disciplina de tecnologia, estamos colocando recursos nas mãos. E aí você tem o PDDE a manutenção, por exemplo, que são R$ 625 milhões, esse é para a escola, ela escolhe aonde ela vai aplicar. Porque cada escola tem uma realidade, são mais de 5 mil escolas, cada escola vai lá. Então tem aquele problema de faltar, arrumar alguma coisa lá no banheiro, ou não arrumou alguma coisa na sala de aula. Então a escola decide, a comunidade decide para fazer as melhorias nossas. Obviamente vocês acompanham da imprensa, muitos anos, as nossas escolas, você sabe o quão importante é a gestão lá ter condições e é isso. E a parte de climatização tem investimento específico dentro do PDDE de R$ 275 milhões para climatização. Então dentro desse recurso as escolas vão poder fazer a contratação do serviço de preparação da parte elétrica, por exemplo, até a aquisição de equipamentos. E estamos inclusive vendo a parte técnica, né? Que uma parte será feita pela secretaria, naquelas escolas que precisam de uma estrutura mais robusta, e algumas serão feitas pela própria escola Dinheiro Direto na Escola, vai estar resolvendo. Mas esse é um grande passo. Nós esperamos até o ano que vem termos as nossas escolas climatizadas, nós temos, obviamente, um processo longo, estamos começando agora, vai ter muita reforma, muita melhoria. Então até o final de 2022 todas as escolas devem estar climatizadas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Isabela, em relação aos idosos, não é dose de reforço, é terceira dose, e começa no próximo dia 6 de setembro, está confirmado, nós vamos por etapas, aqui no estado de São Paulo, 90 até 80 anos, depois de 79 a 70, depois de 69 a 60 anos. E hoje temos uma nova reunião do PEI - Programa Estadual de Imunização, onde vamos avaliar os imunodepremidos, para autorizar também a vacinação deste segmento. Provavelmente amanhã já poderemos anunciar, o nosso comitê científico pediu a reunião que ocorrerá hoje às 19h, para fazer a apresentação, o sentimento que eu tenho é que isso será autorizado, e amanhã nós estaremos anunciando. Vamos agora à próxima pergunta, que é da Júlia Marques, do Estadão, que está online. Agora sim, Júlia, você já está em tela, boa tarde, sua pergunta, por favor.

JÚLIA MARQUES, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, secretário. Eu gostaria de entender um pouquinho mais sobre esses recursos para climatização via PDDE, anunciados agora pouco. E como eles se encaixam na necessidade de que as escolas tenham melhor ventilação por causa da COVID-19? Ou seja, como conciliar ar-condicionado com a necessidade de ventilação nas escolas? E eu também gostaria de aproveitar a oportunidade aqui, para perguntar em relação também sobre o retorno seguro à escola, se a vacinação de adolescentes vai ser atrasada em São Paulo, por causa da terceira dose dada aos idosos? É isso.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Júlia, vou dividir a resposta com o secretário Rossieli Soares. Não haverá atraso, nem para a vacinação dos idosos, nem tão pouco para os adolescentes. Sobre climatização, é um direito de alunos e professores frequentarem escolas climatizadas, é o sonho de muito professor e de muitos alunos terem escolas climatizadas. A climatização estabelece a renovação do ar, o sistema de ar-condicionado é para as escolas prever a renovação do ar. E isso é o que está sendo feito, está sendo implantado. E é de profunda dignidade respeitar o direito de crianças pobres, de crianças de comunidade, assim como aos professores, gestores e frequentadores das escolas, inclusive os pais, que as salas de aula, as salas de cultura, as salas de ciência sejam climatizadas. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Exatamente, governador. E complementando, obviamente, né, Júlia, durante todos os protocolos ter o ar-condicionado, se não precisar ligar, não se liga, obviamente, né? Se nesse momento da pandemia não se pode ligar ar-condicionado, não se liga. Mas para eu ter todas as salas, eu estou falando aqui de mais de 167 mil salas de aula que eu preciso climatizar, isso não é pouca coisa, o desafio não é pequeno, Júlia. A gente já começou. Mas para eu terminar isso até 2022, e veja, para eu ter isso em 2022, eu tenho que correr bastante, e muita coisa preciso dar o recurso e ajudar as escolas nesse processo. E obviamente nós temos certeza que nós vamos passar. Hoje nós estamos avançando com vacina porque São Paulo, com a liderança do governador avançou com a vacina, porque a gente avançou na educação com a vacinação, estamos avançando com os adolescentes. E a gente espera que em 2022, 23 e 24 nós possamos cada vez com o tempo voltar ao normal. E nós temos que preparar para esse futuro, se eu não posso ainda usar no dia de hoje, eu tenho que estar preparado para o amanhã eu ter. Conforto térmico é qualidade da educação, é melhoria da qualidade da aprendizagem, isso não é ser... Vamos lá, a gente está focando na apresentam desde o início da nossa gestão, quando a gente passa o dinheiro para a escola, é porque a escola sabe acertar mais, o que está mais próximo da necessidade. Climatizar é poder dizer para o aluno que ele vai passar quatro, cinco horas e 15 minutos, como é o nosso tempo de aula agora, ou nas escolas de tempo integral de sete ou de nove horas, é qual ele vai ter conforto térmico, mesmo nos lugares mais quentes desse estado. Então é fundamental que a gente avance, e isso é basilar hoje na nossa gestão.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Júlia, muito obrigado. Vamos agora para a Indara Freitas, do Portal metrópoles. Indara, obrigado por você estar aqui mais uma vez conosco. Boa tarde.

INDARA FREITAS, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, secretário. Eu queria saber algumas informações mais técnicas. Esse valor vai ser distribuído ao longo de quantos meses? Quantas serão as escolas beneficiadas? Eu também queria saber como é feito o monitoramento do uso desses recursos, a prestação de contas por parte das escolas. Como isso é feito?

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Obrigado, vamos lá, Indara. Aliás, obrigado pela pergunta. É para todas as escolas, tá, Indara, obviamente se a escola tiver inadimplente ela não recebe, mas a gente manda o recurso para a diretoria de ensino, que aplica para aquela escola. Mas são muito poucas, inclusive para melhorar a quantidade da prestação de contas, a gente criou agora, ano passado, na verdade, o PDDE Contabilidade, PDDE Contador, onde o diretor pode contratar inclusive um contador para ajudar a fazer a prestação de contas, que é fundamental ter um profissional que auxilie a escola, porque realmente é muito recurso. A gente tem qualificado, melhorado o módulo das escolas, melhorado inclusive o número de pessoas na gestão, colocamos mais vice-diretores, porque essa demanda, obviamente vai crescendo. Então quando você descentraliza você dá suporte. Então é para todas as escolas, nós fazemos sempre o envio a partir de um plano de aplicação financeira, a escola, por exemplo, agora, a gente está abrindo agora nesse momento, para as escolas, eles estão recebendo o seu limite, e vão preencher o plano de aplicação financeira. Então ele vai dizer o seguinte: "Eu quero, eu preciso construir uma coisinha aqui, fazer uma alteração, eu preciso de investimento, comprar determinado equipamento". Então ela vai dizer assim, uma escola que vai receber R$ 230 mil, ela vai dizer: "Com R$ 100 mil eu vou fazer essas ações, e com R$ 135 mil eu vou fazer essas aqui de custeio". Então ela mesmo vai dividindo como é a forma no que ela vai gastar. E obviamente a prestação de contas é alinhada a partir daquilo que nós aprovamos no plano de aplicação financeira para cada escola. Hoje lançamos o site que justamente traz uma maior transparência, vocês vão poder acessar, a sociedade, a escola, todo mundo vai poder acessar justamente no nosso site, todos os valores repassados para cada escola, e a sua prestação de contas. O site, deixa eu pegar aqui, não decorei, infelizmente, é o portal pdde.educacao.sp.gov.br. E lá a gente vai ter, você vai pegar por escola quanto que ela recebeu em 19, quanto que ela recebeu em 20, quanto que ela recebeu em 21, quanto que... Porque isso é importante, a comunidade estar mais envolvida. Vocês mesmo da imprensa, vocês vão poder chegar lá e dizer: "Olha, mas está faltando um negócio na escola, recebemos aqui uma denúncia e tal". A gente faz isso agora: "Espera aí, mas eu te mandei dinheiro, isso aqui tem que estar arrumando. Você tem dinheiro para comprar álcool em gel, você tem dinheiro para isso, você tem dinheiro para aquilo". Entende? Então realmente a prestação de contas é fundamental, nós damos desde o suporte técnico, a inclusive a transparência, que era um compromisso nosso de aumentar cada vez mais. O programa é muito novo, mas a gente está dando um passo gigantesco na transformação das nossas escolas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Obrigado, Indara. Obrigado, a Júlia. Obrigado, Isabela. Nós estamos encerrando aqui a nossa coletiva. Rossieli, depois a Maju Leite, da Rádio Band, vai falar com você pelo celular, ela não pode estar aqui online, ela teve que se desconectar, e tem uma pergunta para você. Pessoal, muito obrigado. Obrigado ao pessoal técnico também, cinegrafistas, fotógrafos, obrigado a todos. Uma boa tarde, fiquem bem, fiquem protegidos. Obrigado.