Coletiva - Governo autoriza R$ 15,4 milhões para estrada vicinal e infraestrutura em Araraquara 20211609

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo autoriza R$ 15,4 milhões para estrada vicinal e infraestrutura em Araraquara 20211609

Local: Araraquara – Data: Setembro 16/09/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Boa tarde.

EDUARDA, REPÓRTER: No evento anterior, lá na [ininteligível], o senhor disse que a iniciativa privada ajuda, mas que a geração de emprego e o amparo social é obrigação do estado. A gente sabe que na pandemia muitos postos de trabalho foram fechados, então eu queria saber os esforços do governo estadual para gerar emprego e renda. E qual a expectativa para essa retomada? Até, pelo menos, recuperar essas vagas que foram perdidas na pandemia.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Eduarda. A responsabilidade, o dever de gerar empregos é do setor privado e é do setor público, ambos. O setor público deve criar facilidades e agilizar processos para que o investidor privado tenha confiança, marcos jurídicos sólidos e confiança para realizar seus investimentos, gerando empregos, gerando renda e ampliando também a sua confiança e consequentemente os seus negócios. O governo do estado de São Paulo já gerou, ao longo desse primeiro semestre deste ano, entre janeiro e junho os dados são do CAGED, 497 mil novos empregos aqui em São Paulo, entre os gerados pelo estado as obras públicas que estão em desenvolvimento e aqueles que foram gerados pelo setor privado. O mesmo CAGED projeta para este ano um total de um milhão e duzentos mil novos empregos, em São Paulo, de onde virão esses empregos? São empregos que virão do setor privado e diferentes setores, setor de indústria, comércio, agronegócio, a economia criativa, setor de serviços, tecnologia e ciência, principalmente estes setores. E no programa de desestatização e os investimentos diretos em obras públicas. Nós lançamos ontem em São Paulo, um programa chamado Retoma São Paulo, com o investimento adicional de 25 bilhões, somado aos 22 bilhões que nós estamos investindo esse ano, são 47 bilhões, para ser preciso são 47 bilhões e 500 milhões de reais. Só esses investimentos em rodovias, ferrovias, infraestrutura, hospitais, programas urbanos, como esse que nós destinamos recursos aqui para Araraquara, vão gerar 200 mil novos empregos diretos e também as concessões. Ontem, também, eu estive na Bolsa de Valores aqui do estado de São Paulo, a B3, participando do 11º leilão de desestatização do governo em São Paulo, foram 11 leilões desestatizando, nesses 11 leilões o total de investimentos comprometido é de 45 bilhões de reais, em rodovias, programas de transporte metroviário, de transporte ferroviário, os 22 aeroportos que foram concedidos ao setor privado, inclusive aqui de Araraquara, os parques públicos, tudo isso promove emprego, promove renda. Diminui o tamanho do estado, coloca o estado na essência onde ele é primordial saúde, educação, segurança pública, habitação social, proteção social e proteção ambiental esses são os fatores que o estado é insubstituível, portanto. E assim seguiremos Eduarda, estimulando mais geração de empregos, dando confiança aos investidores sejam brasileiros, sejam internacionais. Hoje, circunstancialmente, você pode assistir aqui dois exemplos, o exemplo privado e o exemplo público. Obrigado, Eduarda. Agora vamos ao Milton Filho da Rádio CBN, Milton, obrigado pela paciência também, boa tarde.

MILTON FILHO, REPÓRTER: Governador, boa tarde. A minha pergunta é sobre a vacinação, hoje, pela primeira vez, Araraquara identificou a falta da vacina AstraZeneca e iniciou a vacinação com a dose da Pfizer. A pergunta que eu faço é a seguinte, quando que essas doses vão ser normalizadas em todo o estado? Já que não é um problema só de Araraquara, mas de todo o estado e em outros estados brasileiros. E a que o senhor atribui? Já que o Ministério da Saúde afirma que isso é responsabilidade dos municípios que teriam aplicado a segunda dose como primeira dose. E se esse impasse com o Ministério da Saúde pode atrasar o cronograma de vacinação aqui no estado de São Paulo?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Milton, importante a sua pergunta para permitir esclarecimentos. Primeiro, faltam vacinas das AstraZeneca, quem deve providenciar as vacinas da AstraZeneca é quem compra a vacina da AstraZeneca, o Ministério da Saúde, aliás, são as vacinas que eles seguem adquirindo a AstraZeneca e a vacina da Pfizer. Porém o Ministério da Saúde, atendendo a determinação do Supremo Tribunal Federal que determinou ao Ministério da Saúde que encaminhasse as vacinas faltantes a São Paulo, ontem encaminhou, ontem à tarde 450 mil doses da vacina da AstraZeneca, ontem no final da tarde. Hoje as vacinas estão sendo certificadas e já entrando na logística para todo o estado de São Paulo, inclusive aqui para Araraquara. Mas eu quero esclarecer, a você Milton, que foi graças à medida que nós impetramos no Supremo Tribunal Federal que começamos a receber as vacinas que estavam sendo negadas a São Paulo, aliás, não só a São Paulo também a outros estados brasileiros, também não forneceram a AstraZeneca, o que significa o padecimento daqueles que tomaram a primeira dose e não estão podendo tomar a segunda dose desta vacina. Agora com a chegada inicial dessas 450 mil doses, não são todas, o Governo Federal nos deve um milhão de doses da vacina da AstraZeneca, mas vamos fazer a logística inicial com essas 450 mil e aguardar a entrega de mais 550 mil doses da vacina da AstraZeneca. E, portanto, dentro deste critério de distribuição, Araraquara provavelmente amanhã, o mais tardar depois de amanhã, no mais tardar, já terá também as suas doses da vacina AstraZeneca para a sua população. Mas também vou compartilhar a resposta com o prefeito Edinho Silva.

EDINHO SILVA, PREFEITO DE ARARAQUARA: Obrigado, governador. O que nós temos que entender é que o município, na verdade, ele tem um papel operacional no processo de vacinação. As vacinas que chegam a Araraquara, nós criamos um sistema logístico e a imprensa sabe disso, para que a gente possa fazer chegar à população de Araraquara a vacina, o mais rápido possível, na falta da AstraZeneca qual é a orientação que se tem? Para que não se interrompa o ciclo da imunização, é você substituir pela vacina da Pfizer e é isso que nós estamos fazendo. Recebendo, como disse o governador, as vacinas que são de responsabilidade do Ministério da Saúde, recebendo aqui Araraquara, pode ter certeza que elas chegarão à população o mais rápido possível.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito. Milton, muito obrigado. Vamos agora ao Murilo Molinari, da TV Clube, que é a TV Band. Murilo, boa tarde.

MURILO MOLINARI, REPÓRTER: Governador, boa tarde. Boa tarde a todos. A pergunta da TV Clube é: no último mês essa região vem recebendo muito a visita de vocês governador, o vice-governador e secretário Vinholi esteve também em Porto Ferreira. Está região é vista ainda, é claro com bons olhos, pelo governo do estado? E também, há mais investimentos previstos ao longo do tempo, do ano e principalmente para a área da saúde? Obrigado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Murilo, todas as regiões do estado são a prioridade, um bom governo é o que governa para todos, inclusive para esta região, se estamos aqui, estamos também em outras regiões do estado. Mas estamos aqui também porque as políticas públicas que estão sendo praticadas aqui e capilarizadas aqui estão absolutamente corretas, nós não enxergamos aqui e em nenhum município dessa região, com dificuldade, com incertezas ou com a má execução de orçamentos a partir de investimento público do estado. Então continuaremos a vir aqui, tanto eu quanto o vice-governador Rodrigo Garcia, para anunciar investimentos, acompanhar o início de obras ou desenvolvimento de obras. E também, na área da saúde, que você nos pergunta e eu vou compartilhar a resposta com o Marco Vinholi, nós agora, a partir de outubro vamos reiniciar o Programa Corujão da Saúde, isso é um bom lide para vocês porque essa é uma notícia nova. A partir de outubro retomaremos o Corujão da Saúde em todo o estado de São Paulo, na rede pública e na rede privada. Inicialmente com os exames, há um represamento, e o prefeito sabe disso, muito grande de pessoas que não puderam fazer os seus exames nos hospitais públicos e, obviamente, muito menos nos privados onde o acesso é apenas para os que têm o seguro saúde. Dada a circunstancia de que a prioridade continua sendo, neste momento, ainda o combate a Covid-19, mas em decréscimo, todo o estado na média tem menos de 35% de ocupação de leitos de UTI, é o mais baixo índice de ocupação de leitos de UTI, desde a segunda onda da pandemia. Então a partir de primeiro de outubro com os hospitais públicos e a rede privada, na rede privada a noite, por isso se chama Corujão da Saúde, na rede pública nos horários normais de atendimento e logo na sequência com as cirurgias eletivas, também na rede pública inicialmente e na sequência também na rede privada. Sendo que a rede privada, em acordo com o governo do estado de São Paulo, o prefeito Edinho, estará aceitando SUS, o pagamento SUS para o atendimento das pessoas que não tem plano de saúde. E isso é uma conquista para a sociedade e uma conquista também do governo de São Paulo, de no entendimento, no diálogo, na harmonia com o setor privado, dos hospitais privados, que vão receber pessoas de comunidades, pessoas vulneráveis, para os seus exames inicialmente e na sequência para a suas cirurgias. Ao lado, evidentemente da rede pública. Vinholi quer acrescentar alguma coisa? Não? Então tá bom. Então Murilo, obrigado. Então vamos ao William Guilherme da TV Record, também obrigado pela sua paciência William. Bem-vindo, boa tarde.

WILLIAM GUILHERME, REPÓRTER: Obrigado, governador. Boa tarde a todos. A pergunta da Record e Record News é a seguinte: o ministro Queiroga disse, ainda hoje, que a suspensão das vacinas para adolescentes respeita a base científica, já que não há comprovação de eficácia de efetividade quando se imuniza esse público e citou, inclusive, uma morte que teria acontecido no estado de São Paulo. A pergunta é: na visão do senhor tem base científica as declarações do ministro? Ou falta vacina e essa seria uma justificativa? E vou além, esse caso de São Paulo é verdadeiro e está sendo investigado?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: William, obrigado pela pergunta, importante para esclarecer. Eu não sei qual a base científica que utiliza o Ministério da Saúde e o seu ministro para fazer essa afirmativa. O comitê científico do governo do estado de São Paulo, formado por notáveis médicos infectologistas, epidemiologistas atesta que a vacina precisa continuar a ser aplicada nos jovens de 12 a 17 anos e que não há nenhuma contraindicação para esta vacinação, pelo menos para a primeira dose da vacina para os adolescentes. Desconhecemos essa informação de qualquer óbito corrido aqui em São Paulo, se houver vamos investigar, nós desconhecemos isso e lamento também que o ministro da saúde provoque tanta apreensão em milhões de pais em todo o Brasil com uma afirmativa dessa natureza. E os que já foram vacinados? E os milhões de jovens que já foram vacinados? Em São Paulo, no Rio de Janeiro, na Bahia, em Pernambuco, em Minas Gerais, no Paraná, Santa Catarina, no Piauí, no Amazonas fazem o que diante de uma afirmação como essa? Nós iniciamos a vacinação dos jovens aqui em São Paulo há 12 dias, provavelmente, outros estados também iniciaram, se não há 12 dias, a 10, a 8,7 dias e agora vem o Ministério da Saúde com uma determinação dessa natureza? São Paulo não vai seguir essa determinação, porque São Paulo segue aqui a ciência e a ciência correta. E a ciência correta orienta e determina que a vacinação continue, mas eu registro mais uma vez aqui, que é lamentável que o ministro da saúde ao invés de trazer o aconselhamento correto, pacificador e orientador provoque uma convulsão em milhões de pais e jovens que já foram vacinados com a vacina nessa faixa entre 17 e 12 anos, portanto além de lamentar, quero reafirmar, São Paulo prossegue vacinando adolescentes de 17 a 12 anos. Com isso nós concluímos William. Obrigado, você nos ajudou muito com essa sua questão, nesse esclarecimento. Obrigado também Eduarda, Milton, Murilo e a todos os meus colegas jornalistas que aqui estão, que aqui vieram. E desculpe, novamente, pelo nosso atraso. Quero renovar o agradecimento ao meu querido amigo Edinho e a todos vocês que também tiveram a delicadeza de permanecer aqui nos aguardando. Em breve estaremos aqui de novo em Araraquara, ao lado de vocês aqui na terra do sol. Muito obrigado a todos, tenham uma boa noite, obrigado.