Coletiva - Governo de SP amplia possibilidade de registros na Delegacia Eletrônica 20202403

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP amplia possibilidade de registros na Delegacia Eletrônica

Local: Capital - Data: Março 24/03/2020

Soundcloud

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vai se recuperar e continua a colaborar conosco, porém, o fará virtualmente. A Dra. Helena Sato já fazia parte deste grupo de trabalho e continua a fazê-lo agora na condição de coordenadora. Queria começar mostrando aos jornalistas e a vocês que estão em casa nos acompanhando ao vivo pelas emissoras de televisão que estão transmitindo essa coletiva o meu... o resultado do meu exame do hospital Albert Einstein. Está aqui meu resultado, os jornalistas já têm cópia do resultado também. Então, não tenho aqui nenhum problema em exibir, eu fiz ontem o teste, deu negativo, não tenho o coronavírus, negativo em todos os pontos, vocês estão vendo aqui nesta faixa a indicação do exame feito pelo hospital Albert Einstein. Independentemente quero deixar claro também os jornalistas que aqui estão, a imprensa, e a vocês brasileiros de São Paulo, que estão nas suas casas que o teste de diagnóstico de detecção do novo coronavírus, Covid?19, deu negativo no meu caso, deu negativo também no caso do Dr. José Henrique Germann, não haveria a necessidade de contraprova. O hospital Albert Einstein está dispensado pelo Instituto Adolfo Lutz de estabelecer contraprova, mas por excesso de transparência, eu solicitei o envio da amostra ao Instituto Adolfo Lutz e hoje à tarde nós teremos o resultado desta contraprova do Instituto Adolfo Lutz em São Paulo e divulgaremos o resultado também tão logo possamos tê-lo em mãos. E amanhã, tenho a convicção de que o resultado será negativo, como foi do teste, nós voltaremos a fazer a coletiva de imprensa na área central do Palácio dos Bandeirantes sempre devidos resguardos. Nas informações iniciais dessa coletiva, quero lembrar que hoje começa a quarentena decretada pelo governo do estado de São Paulo, pelo prazo de 15 dias até 7 de abril, todos sabem o aspectos que correspondem a esta quarentena e eu tenho certeza de que a população de São Paulo saberá respeitar, responsavelmente às medidas que são sendo aqui recomendadas pelo governo do estado de São Paulo em conjunto com o Ministério da Saúde, e em junto também com as orientações da Organização Mundial de Saúde. São Paulo tem um cuidado um zelo, as medidas são anunciadas diariamente para que permitir o correto dimensionamento da crise e a correta aplicação de medidas para reduzir o efeito dessa crise de saúde e também os efeitos econômicos. São Paulo tem consciência e respeito pelas informações que são provenientes deste centro de contingência do Covid?19 agora sobre a direção da Dra. Helena Sato e também as informações que são processadas por um grupo de trabalho com 22 profissionais da consultoria da Deloitte, ao lado daqueles que são responsáveis pela área econômica e a área de saúde do estado de São Paulo para adotar as medidas corretas. Aqui nós não precipitamos medidas, nós fundamentamos as medidas para oferecer aquilo que é correto na hora certa para a população do estado de São Paulo. Quero começar aqui fazendo dois registros muito importantes a dois dirigentes empresariais que tomaram a decisão de não demitir seus funcionários em qualquer circunstância até o encerramento desta crise, são dois exemplos de dignidade, de hombridade, de solidariedade e de humanidade, o empresário Rubens Ometto, presidente do grupo Cosan, um do maiores grupo empresariais do país, anunciou publicamente que não fará demissão de nenhum dos seus 45 mil funcionários até o final desta crise. Quero, como governador do estado de São Paulo, cumprimentar o Rubens Ometto pela decisão acertada, correta, grandiosa e solidária e também quero cumprimentar o presidente do banco Santander do Brasil, Sérgio Rial, pela mesma decisão anunciada ontem à tarde de não demitir nenhum dos seus 48 mil profissionais. Ao Sérgio Rial, presidente do banco Santander e o Rubens Ometto, presidente do grupo Cosan, os nossos cumprimentos. Eu espero que outros dirigentes empresariais, outros empresários de São Paulo sigam este mesmo exemplo. Quero também renovar aqui o agradecimento aos jornalistas, à imprensa que de maneira geral e majoritária vem tratando de forma correta as informações para a opinião pública. É sempre importante ressaltar e eu espero que continue assim, não dramatizando, não exagerando, checando as informações previamente e sendo uma fonte precisa de orientação à população do estado de São Paulo, aos brasileiros de São Paulo. Quero aproveitar para recomendar às pessoas que estão nos assistindo, nos ouvindo ou que estarão lendo e acompanhando ao longo do dia essa coletiva de imprensa, acompanhem as informações sobre a crise do coronavírus através do meios de imprensa, não deem atenção a informações não oficiais, que não venham do Ministério da Saúde, do governo do Brasil, que não venham do governo do estado de São Paulo, e, prioritariamente destas duas fontes e das fontes que estão os meios de comunicação. É o melhor antídoto contra as fake news, as notícias falsas, mentirosas ou erradas que são divulgadas pelas redes sociais. Quero também informar que amanhã, às 9h, os governadores dos estados do Sudeste, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo estarão em reunião vitral com o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros, das 9h às 10h de manhã, quarta-feira. Este é o melhor caminho para a Brasil, e nós estarmos unidades dialogando e construindo soluções positivas para salvar vidas, proteger pessoas e proteger também a nossa economia. Há 15 meses que os governadores não têm nenhuma reunião, nem virtual, nem presencial com o presidente da República, mas deixando de lado qualquer outro destempero de ordem política, eu quero cumprimentar a decisão do Governo Federal de promover o encontro dos governadores. Ontem já aconteceu com os governadores do Norte e do Nordeste do Brasil, hoje está acontecendo com os governadores do Sul e do Centro-oeste e amanhã com os governadores do Sudeste. Quanto mais entendimento tivermos no país, melhor para a nação e melhor para a sua população. Quero também, nas medidas agora, assim, nas medidas que vamos anunciar neste momento, pedir a atenção das pessoas para aquilo que nós estamos deliberando. Deliberamos juntos ao sistema, comandado pelo coronel Nivaldo Restivo, que está aqui ao meu lado, que a partir de amanhã aqueles que estão no sistema penitenciário vão produzir 320 máscaras de proteção contra coronavírus. Serão 26 mil peças por dia nas fábricas adaptadas no sistema prisional de São Paulo, seguindo os critérios sanitários, os critérios de confecção para a produção destas máscaras que terão um custo para a governo do São Paulo de 80 centavos por peça. Portanto, o sistema prisional vai produzir a partir de amanhã um total de 320 mil novas máscaras de proteção contra o coronavírus, uma atitude correta, solidária e possível de ser feita. E pode ser um exemplo também para outros estados brasileiros. Segundo aspecto, a delegacia eletrônica, sistema da Polícia Civil do estado de São Paulo, a partir desta quarta-feira, dia 25, registrará pela internet a quase totalidade das ocorrências policiais que antes só poderiam ser registradas preferencialmente. São as seguidos as medidas para você que espero que não tenha que fazê-lo, mas se tiver, poderá fazê-lo à distância, com o sistema e eu vou anunciar o site daqui a pouco, para ameaças, estelionatos, roubo ou furto a estabelecimento comercial, roubo o furto a residência, roubo ou furto de carga, crimes contra o consumidor, eles, todas essas categorias poderão ser feitas virtualmente através da internet. A única exceção são ocorrências que dependem de coleta imediata de prova, como homicídios, latrocínios, estupros e violência doméstica. O mesmo se aplica do ponto de vista da ação vitral na proteção às mulheres através das delegacias da mulher. A delegacia eletrônica pode ser acessada a partir de amanhã, de computadores, smartphones ou tablets através do endereço eletrônico que comunico agora: Www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br, delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br. Terceiro anúncio, a secretaria de saúde do estado de São Paulo vai antecipar a abertura do hospital de Guaratuba, no litoral norte de São Paulo, esse hospital estará operando já a partir do próximo dia 30 de março, segunda-feira. A sua primeira etapa das suas unidades de terapia intensiva, a segunda etapa no dia 15 de abril. Isso vai melhorar a assistência à população do estado de São Paulo, que de vive no litoral Norte do estado. O investimento nesse hospital tem o valor de 188 milhões de reais. Quarto anúncio, o governo do São Paulo solicitou às concessionárias de energia elétrica a isenção no estado de São Paulo, evidentemente, a isenção do pagamento de contas de luz para os consumidores mais pobres e a não realização de cortes durante de período até 30 de julho deste ano. A solicitação foi feita à Aneel, à Agência Nacional de Energia Elétrica e também a todas as concessionárias de energia elétrica que atuam do estado de São Paulo. Isso já é um serviço privatizado, já é um serviço de concessão há muitos anos, fizemos ontem o entendimento com os presidentes de todas as empresas, e agora a consulta foi feita a Aneel. A Aneel, a Agência Nacional de Energia Elétrica, para que ela possa ratificar, e se fizer até amanhã pela manhã, nós poderemos anunciar amanhã às 12h30 na nossa nova coletiva de imprensa. Eu passo agora a palavra ao doutor... ao nosso secretário de Saúde, Dr. José Henrique Germann, e a Dona Helena Sato, para que possamos ter as informações atualizadas de Saúde no estado de São Paulo. Quantos casos, quantos óbitos, sempre da melhor transparência para a opinião pública de São Paulo. Dr. Germann.

JOSÉ HENRIQUE GERMANN, SECRETÁRIO ESTADUAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO: Como todos os dias, esse resultado reflete o boletim do Ministério da Saúde, que é colocado no ar às 18h de cada dia, entre 17h e 18h de cada dia. Então esse se refere ao boletim de ontem. Hoje, no final da tarde, haverá o próximo. Nós estamos então com 745 casos confirmados, e desses 30 óbitos, sendo 8 óbitos então de um dia para o outro. Esses óbitos novos foram... ocorreram 27 em hospitais privados e 3 em hospitais públicos. Um dos pacientes tem 33 anos de idade, mas era portador de várias morbidades, comorbidades. Dos casos em UTI, nós temos neste boletim então 70 casos internados.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dr. Germann, muito obrigado. Vou pedir a intervenção da Dra. Helena Sato. Dra. Helena assume hoje a sua responsabilidade como coordenadora do Centro de Contingência do Covid-19, em substituição ao Dr. David Uip, que está nos assistindo agora em casa, e envio um abraço afetuoso e a certeza da sua pronta recuperação, ele continua nos ajudando e apoiando a partir da sua residência. Dra. Helena, além de cumprimentá-la, a senhora está dando continuidade ao trabalho da equipe a qual a senhora já fazia parte, aproveito para pedir que a senhora renove as recomendações fundamentais para a população do estado de São Paulo naquilo que ela deve resguardar e atuar como cidadania, se todos nós compreendermos a importância da nossa ação, da nossa responsabilidade, nós venceremos esta guerra. Dra. Helena Sato.

HELENA SATO, COORDENADORA DE IMUNIZAÇÃO DA SECRETARIA DE SAÚDE DE SÃO PAULO: É isso mesmo, governador. O nosso trabalho é um trabalho em conjunto, né, de... para todos nós enquanto cidadãos. E o que é importante deixarmos claro? Infelizmente nós não temos uma vacina contra o coronavírus, né? A gente queria muito que já tivesse uma vacina, mas o que a gente já sabe, temos a ciência, que o mundo, a comunidade científica de vários países, estão estudando a busca de uma nova vacina. Enquanto essa vacina não vem, nós temos sim que tomar medidas, e são medidas drásticas, contra o coronavírus não tem... não há meias palavras. O que temos que fazer? Qual é a melhor forma de nos prevenirmos contra essa... nova doença, esse novo vírus? A palavra, a frase é curta, mas ela é muito importante, as pessoas, às vezes, não entendem a importância de ficar em casa. Por que ficar em casa? Essa é a vacina que nós temos. A via de transmissão do coronavírus é através de gotículas, certo? Através da via respiratória. E a melhor forma de nos prevenirmos é ficarmos em casa, essa é uma grande responsabilidade de todos nós enquanto cidadãos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dra. Helena, muito obrigado. Nós vamos agora as perguntas dos jornalistas. São 12h46, então sempre de forma muito objetiva, muito transparente. Temos a presença de jornalistas aqui no Palácio dos Bandeirantes e também perguntas online. Vamos começar com a presença da jornalista Angélica Sattler, da TV Record, a quem peço que dirija neste momento a sua pergunta. Na sequência, vamos para perguntas online, e depois voltamos com o IG, eu tenho aqui o nome de Eduandra Esteves (sic), não sei se a grafia está correta. Se não estiver, peço que depois, por favor, me orientem. E neste momento, vamos a pergunta da Angélica Sattler, da TV Record. Angélica, boa tarde. Nós estamos acompanhando você aqui desta outra sala. Muito obrigado pela presença. Sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Olá, boa tarde a todos. Obrigada da mesma forma. Governador, o governo do Maranhão vai fazer um escalonamento nos bancos para o pagamento de salários e assim desafogar então o movimento nos bancos. Tem alguma medida já prevista nesse sentido para São Paulo? Ou o que vocês pretendem fazer nesse sentido?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Neste momento... Obrigado pela pergunta, Angélica. Neste momento não. Não há escalonamento, essa decisão não foi... não será aplicada aqui em São Paulo. E lembro também, Angélica, cada estado tem as suas próprias características e as suas motivações, por isso é que os governadores estão liderando a luta contra o coronavírus e para superar esta gravíssima crise. Mas são características locais, aqui, até o presente momento, esta decisão não será aplicada. Vamos agora... E obrigado mais uma vez, Angélica. Vamos agora as perguntas que são comuns a três jornalistas: Júnior Batista, do jornal A Tribuna de Santos, aqui no literal de São Paulo, a Folha de São Paulo, através do jornalista Artur Rodrigues, e jornal O Globo, através da Silvia Amorim. E quem formula a pergunta destes três jornalistas é a também jornalista Bruna Fasano. Bruna.

REPÓRTER: O governo de São Paulo concederá algum tipo de isenção ou parcelamento de tributos para empresários em função do decreto de quarentena? Há a possibilidade de criar ajuda financeira, como renda mínima, para desempregados, informais ou ampliação de programas sociais no estado?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Júnior, Artur e Silvia, nós tomamos a decisão, Henrique Meirelles e eu, assim como o nosso vice-governador e secretário de governo, Rodrigo Garcia, de aguardarmos a reunião de amanhã pela manhã, às 9h, com o presidente Jair Bolsonaro e também, pelo que fui informado, o ministro Paulo Guedes estará participando também desta reunião ao lado do ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde. Vamos aguardar a reunião de amanhã e o resultado dessa reunião para decidir o que faremos do ponto de vista dos impostos estaduais. Portanto, amanhã, às 12h30, na coletiva que será realizada aqui mesmo, no Palácio dos Bandeirantes, poderemos oferecer uma comunicação mais precisa. Vamos agora a uma pergunta presencial. É do IG, eu peço desculpas se o nome estiver grafado erroneamente, mas é o nome que eu tenho aqui, ou se é o nome correto, Eduandra Esteves (sic). Eduandra (sic), está correto o seu nome?

REPÓRTER: Não, é Eduarda Esteves.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eduarda. Peço atenção também a nossa equipe. Por favor, ao grafar nomes, grafar corretamente. Eduarda, me desculpe. Boa tarde.

REPÓRTER: Tudo bem.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Boa tarde. Boa tarde, gente. Doria, eu queria saber o que você acha de um lockdown total em um país? Você acha que é uma medida que tem que ser imposta no país inteiro, assim como já tem sido em outros países do mundo?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eduarda, nós temos tido muito cuidado e muito critério em relação a isso no estado de São Paulo. Obviamente, a ação tem que ser reintegrada com o Ministério da Saúde, como tem sido. Eu ontem falei longamente com o ministro da Saúde, o Mandetta. Aliás, tenho falado com ele todos os dias, e o mesmo não tem sido diferente com o Dr. José Henrique Germann e com o Dr. David Uip, que mesmo de casa segue, evidentemente, falando e usando o seu celular. Mas entendemos que o bloqueio total ou lockout, como se expressa no idioma inglês, neste momento não é aplicado, nós não podemos ter um colapso no país, e temos tido muita responsabilidade, cuidado e zelo para evitar o colapso. O colapso não afeta apenas as pessoas potencialmente vítimas do coronavírus, afeta a vida de 210 milhões de brasileiros, e de 46 milhões destes brasileiros aqui em São Paulo. Lembrando também, Eduarda, que São Paulo concentra quase 40% de toda a economia do país, se nós tivermos um lockout, tivermos aqui uma situação de colapso no abastecimento, na circulação de mercadorias, no não funcionamento de estradas, rodovias, portos e os aeroportos de São Paulo, paralisa o país. Para o país, isso pode provocar vítimas e uma situação gravíssima e que nós precisamos ter muito cuidado, muita cautela nas decisões que fomos aqui anunciando. Por isso, fazemos de maneira gradual, responsável e fundamentado em dados e informações. Eu não digo que não possamos chegar até este momento, mas até hoje, dia 24 de março, não houve esta necessidade. E peço mais uma vez, aproveitando a sua pergunta, Eduarda, que as pessoas que estão nos acompanhando aqui sigam a orientação sanitária dos médicos e especialistas, fiquem em casa. Se puderem, trabalhem de casa, fiquem em casa, estabeleçam novos hábitos, protejam as pessoas com mais de 60 anos e tenham responsabilidade e acompanhem as notícias diariamente pelas emissoras de televisão, pelas emissoras de rádio, pelos sites de notícias, pelos jornais, por revistas na versão impressa ou eletrônica. Eduarda, mais uma vez, muito obrigado pela sua pergunta. Vamos agora a uma pergunta não presencial, ela é online, ela vem do jornal O Estado de São Paulo do jornalista Bruno Ribeiro. A pergunta será lida pela jornalista Bruna Fasano.

REPÓRTER: Diante do resultado positivo para o teste de Covid-19 do Dr. David Uip, por que o senhor, governador, não determinou que todas as pessoas que tiveram contato com ele nos últimos dias entrassem em quarentena, como estão fazendo os jornalistas e como determina os profissionais de saúde? Secretários, funcionários e assessores que estiveram com o Uip nos últimos dias não foram testados ou estão fora de quarentena. O senhor não deveria dar o exemplo?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bruno, aceito a sua pergunta, mas lamento também na forma em que você a colocou. Nós aqui somos todos responsáveis, você não está conversando com um governador que é irresponsável ou que minimiza os efeitos dessa grave crise ou as circunstâncias de saúde. Você sabe disso, e o jornalistas do estado de São Paulo sabem também, não há necessidade de quarentena, fizemos o que tínhamos que fazer, o teste, o Dr. Germann que aqui está, Bruno Covas que fez esta manhã e todos aqueles que tiveram contato com o Dr. Davi Uip, mas não há necessidade de quarentena. E peço que, por favor, ao formular perguntas, compreenda a quem você está formulando. Aqui em São Paulo temos responsabilidade, comando e sabemos aquilo que estamos fazendo. Do ponto de vista da saúde individual, seja a minha, seja dos colaboradores do estado de São Paulo, seja daqueles que estão envolvidos diretamente nessa grave crise. Não tomaremos atitudes precipitadas e não muitos menos as que não estejam fundamentadas e critérios claros e objetivos de saúde. E agora eu peço a palavra do Dr. José Henrique Germann, secretário de saúde do estado de São Paulo e os comentários da Dra. Helena Sato. Dr. Germann.

JOSÉ HENRIQUE GERMANN, SECRETÁRIO DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, Bruno. Boa tarde a todos. Nesse sentido, o centro de contingência esteve reunido a manha todas e estamos alinhados com o Ministério da Saúde para estabelecer exatamente uma revisão da portaria desta regra, porque existe, inclusive, uma portaria que nós consideramos maior do que esta que é a seguinte, os profissionais de saúde têm a obrigação e têm a missão de tratar o pacientes, por isso nem aqueles acima de 60 anos de idade foram dispensados do trabalho, todos eles são trabalhando, todos eles estão exercendo suas funções normalmente. Então, não é agora que a partir de uma questão específica do exame que nós vamos colocar os serviços em risco de colapso por causa disso, por quê? Porque uma série de pessoas que tiveram contato com pessoas positivas, vamos chamar data maneira, passam, então, agora a não trabalhar? Isso pode ser para o público em geral, mas não para os profissionais de saúde. Então, nós estamos fazendo esta revisão, estamos alinhados com o ministério, até amanhã nós temos uma determinação nova.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dra. Helena Sato.

HELENA SATO, COORDENADORA DE IMUNIZAÇÃO DA SECRETARIA DE SAÚDE DE SÃO PAULO: Eu só quero reafirmar as palavras do secretário, né? Que todo cuidado, nós que trabalhamos na secretária de saúde, né? Na coordenação de todas as ações em relação tem ao corona, nós estamos seguindo corretamente, certo, passo a passo de acordo das orientações do Ministério da Saúde. Então, eu só quero corroborar o que o nosso secretário comentou, uma ação em conjunto com as três esferas de governo.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: E para complementar, dantes próxima pergunta, que virá da Globo News, Bruno, eu como governador de estado, fiz o que a recomendação médica exige nestes casos, fiz o exame, testei, fiz quarentena enquanto não tinha o resultado deste exame, sequer fui à minha casa, dormi aqui no Palácio dos Bandeirantes, segui rigorosamente às orientações sanitárias de médicos, especialistas e infectologistas e coloquei com transparência o meu exame na internet e agora apresentei a todos vocês. E continuaremos agindo dessa maneira de forma transparente e responsável, sem precipitações. E, Bruno, se nós tivéssemos que exigir quarentena de todos aqueles que tiveram contato além do teste, que é obrigatório, e temos que fazer, mas a quarentena não teríamos mais profissionais de saúde nos hospitais e nos centros públicos de saúde do estado de São Paulo e outras partes do Brasil. Todos eles teriam que seguir a sua orientação e fazer quarentena também. Vamos à próxima pergunta que do jornalista William Cury, da Globo News. Will, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

WILLIAM CURY, REPÓRTER: Boa tarde a todos. Governador, eu queria saber qual que é a lista de demanda que o Estado de São Paulo vai levar para a reunião de amanhã com o presidente Bolsonaro.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Will, você é um bom jornalista e todo jornalista tem que estar instigado pela curiosidade e pela vontade de ter informação. Mas em respeito ao presidente Jair Bolsonaro, aos ministros que estarão presentes nesta reunião de amanhã, às 9h, e também aos meus colegas governadores do Sul, nós formularemos essas questões na reunião. Vocês terão a informação na coletiva de imprensa, logo após. O reunião com o presidente Bolsonaro, a pedido da Presidência da República e do general Ramos, ela não será transmitida, não será acompanhada por jornalistas, da nossa parte não haveria nenhum problema, mas vamos respeitar a decisão do Governo Federal e na sequência nós todos os governadores do Sul participantes dessa reunião, informaremos o que foi tratado e o que foi decidido. Vamos agora à próxima pergunta, que é também à distância. Will, mais em vez obrigado. Peço a sua compreensão. E a próxima pergunta é da jornalista Marina Rossi do jornal El País para a América Latina. Eu queria fazer apenas, eu estou com a pergunta aqui, fazer uma ressalva, ela, assim como os demais jornalistas que estão fazendo perguntas virtuais, formulam as perguntas imediatamente antes da coletiva de imprensa. Então, muitas vezes a informação demandada, ela já foi apresentada aqui. Apenas para justificar que os jornalistas por não terem esta informação, formulam suas perguntas sem ter acesso à informação que agora estamos tendo. Bruna Fasano.

REPÓRTER: O presidente Jair Bolsonaro já se reuniu com governadores do Nordeste para tratar de medidas para tentar conter a pandemia. Dado que a reunião Sudoeste é mais afetada em número de casos confirmados e óbitos até o momento, quando o governador pretende se reunir com o presidente da República?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Foi por isso que eu fiz essa observação introdutória, a jornalista Marina não tinha a informação ainda da existência dessa reunião que será amanhã, Marina, das 8h às 9h a presidente Bolsonaro e seus ministros estarão no Palácio do Planalto. Eu estarei aqui no Palácio dos Bandeirantes, os demais governadores dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro nas suas respectivas tem sedes do governo, e nós, conjuntamente estaremos conversando, dialogando e fazendo as nossas solicitações ao presidente da República, ao Governo Federal. Lembrando muitas dessas solicitações já foram expressas na carta dos governadores encaminhada no último dia 13 para o presidente da República. Marina, muito obrigado. Vamos agora a uma pergunta preferencial do jornalista Fábio Diamante, do SBT. Fábio, boa tarde. Obrigado pela presença. Sua pergunta, por favor.

FÁBIO DIAMANTE, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde a todos. Governador, primeiro dia de quarentena, mas já são alguns dias de restrição para a população. A gente ainda vê muita gente nas ruas. Eu queria que o senhor fizesse uma avaliação de se essa restrição que as pessoas já estão se impondo, se ela já é satisfatória para o governo, se o senhor entende que isso precisa melhorar as, as pessoas precisam ficar mais em casa. E se nesse caso, se o senhor cogita utilizar de ferramentas um pouco mais radicais que outros países já utilizaram como aplicação de multa e até um toque de recolher durante a noite?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Fábio, obrigado pela pergunta. Toque de recolher não. Neste momento não. E a partir de hoje a quarentena, ela começa hoje, dia 24 de março, a partir de hoje teremos condições de avaliar melhor, inclusive, o que você expressa na sua pergunta. Mas eu tenho muita convicção, Fábio, de que as pessoas estão exercendo cidadania, estão sendo capazes de compreender a gravidade deste momento para que possam ficar reclusas nas suas casas utilizando serviços online para alimentos, produtos de farmácia e outros produtos também e assistindo, acompanhando pela televisão as informações, pelo rádio, pelo site de notícias, lendo os seus jornais diários, repito, eletronicamente ou na sua versão impressa e compartilhando informações com os seus familiares e seus amigos. Eu confio que a população brasileira e principalmente a população aqui de São Paulo está consciente da gravidade deste fato e de que saberá a importância de seguir a orientação de ficar em casa, com exceção daqueles que já receberam autorização para o trabalho presencial, os demais devem permanecer em casa. Se tiverem dúvidas, nós temos vários sites do governo do estado de São Paulo, da prefeitura da capital de São Paulo e também das prefeituras municipais com as devidas orientações. Agora vamos à última pergunta de hoje, às 13h02, que é da jornalista Vanessa Lorenzini, da TV Cultura. Vanessa, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

VANESSA LORENZINI, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde a todos. O Governo Federal anunciou ontem um pacote de auxílios a estados e municípios no valor de 88 bilhões de reais. A dívida de São Paulo com a União já tinha sido suspensa pelo STF, mas essa nova quantia também tem a ver com uma transparência para a saúde e a manutenção do valor do ano passado, do fundo de participante dos estados. Gostaria que o senhor falasse para onde vai ser direcionado esse dinheiro, qual que é a prioridade dessa etapa do combate ao Covid-19.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vanessa, obrigado pela pergunta. O objetivo é preservar vidas, salvar vidas e destinar majoritariamente para a saúde. Não é apenas o setor de saúde, mas majoritariamente saúde. Lembro também que o setor de segurança pública precisa estar devidamente em operação e com proteção, primeiro a proteção individual os profissionais que atuam da segurança pública, Polícia Militar, corpo de bombeiros, Polícia Civil, polícia científica e agentes penitenciários e também medidas preventivas. Nós temos que manter e estamos fazendo a segurança pública nas ruas, nas áreas industriais, no campo, do setor urbano, em todas as áreas aqui no estado de São Paulo, sempre em cooperação também das guardas municipais. Só em São Paulo nós autorizamos este 1 bilhão e 200 milhões de reais, Vanessa, que foi fruto da suspensão do pagamento da dívida de São Paulo na última segunda-feira, ontem, integralmente para a investimento tem na saúde. Eu orientei o secretário José Henrique Germann, aqui ao meu lado, assim como vice-governador e secretário de governo, Rodrigo Garcia, para os procedimentos necessários para a destinação deste recurso para a compra de equipamentos, para a compra de suplementos, para a compra de material de proteção, para a compra de respiradores e monitores, para implantação de hospitais de campanha, para a apoio aos municípios do estado de São Paulo e para todas as demais ações de saúde que forem necessárias para proteger vidas. Essa é a nossa prioridade no momento, proteger e salvar vidas. Quero mais em vez agradecer aos veículos de comunicação que aqui participam e que estão presentes e divulgando e apresentando as informações e também acompanhando o governo do estado de São Paulo e as autoridades do estado e lembrar que amanhã voltaremos a ter um nova coletiva, seguramente com anúncios novos, frutos deste encontro que teremos amanhã virtualmente com o presidente Jair Bolsonaro e ministros do Governo Federal. E pedir a você que está nos acompanhando aí da sua casa, que tenha carinho, tenha solidariedade, tenha a capacidade de exercer o seu amor pelos seus familiares, pelos seus amigos, pelos seus vizinhos, pelas pessoas mais próximas. Não permitam que pessoas com mais de 60 anos frequentem as ruas ou saiam de casa, nem mesmo no piso térreo do seu apartamento, ou do seu condomínio. Fiquem em casa, sejam solidários. Eu vejo muitas redes solidárias pela rede digital, pela internet e vejo muitos atos solidários, como eu pude anunciar aqui de dois grandes dirigentes empresariais, mas também os pequenos gestos ajudam, contribuem e mostram que a melhor reação num período de dificuldade como essa é a solidariedade humana, é o bom sentimento que você expressa naquilo que você faz e nos exemplos que você dá. Uma boa tarde a todos e até amanhã.