Coletiva - Governo de SP entrega obras de contenção em encostas em Guarujá 20211802

De Infogov São Paulo
Revisão de 17h59min de 26 de fevereiro de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP entrega obras de contenção em encostas em Guarujá 20211802

Local: Santos - Data: Fevereiro 18/02/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: ... boa notícia aqui aos meus colegas... Obrigado. Jornalistas. Primeiro, para informar das famílias que terão a extensão do auxílio emergencial por mais um ano. São 600 famílias aqui no Guarujá, 470 famílias em Santos. E nós acrescentamos aqui também, Válter Suman, as 90 famílias que perderam suas casas no incêndio que ocorreu aqui na semana passada, estendemos também.[aplausos]

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Receberão o mesmo auxílio, por 12 meses. Então, é uma boa notícia, principalmente para essas pessoas, que são as mais vulneráveis, e que precisam de apoio. Então, essa decisão já está tomada, já está homologada, a Secretaria de Desenvolvimento Regional tomará as providências necessárias para que, a partir de abril até março de 2022, assegurar o auxílio emergencial para todas essas famílias. São 1.160 famílias beneficiadas no total, 1.160 famílias, e o valor do investimento do Governo do Estado, R$ 4,5 milhões, é o valor do auxílio emergencial adicional que fica garantido até março de 2022. Com a participação do prefeito Válter Suman, e também do Marco Vinholi, que está aqui ao meu lado, e dos demais, se necessário, vamos às perguntas da TV Tribuna, que é também aqui TV Globo, a VTV, que é o SBT, a TV Santa Cecília e o Portal G1. E muito obrigado a todos, independentemente dos que estão fazendo perguntas, todos que tiveram a gentileza de vir aqui nesta manhã. Então, nós vamos começar com a TV Tribuna, a TV Globo, com a jornalista Nina Barbosa. Nina...

REPÓRTER: Aqui, governador.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu vou sempre pedir, Nina... Perdão, só pra você identificar a sua câmera, assim como depois ao Marco e Amanda fica mais fácil pra quem daqui estiver falando, facilita o teu trabalho, facilita o câmera e facilita a sua edição. Eu já sei que a sua câmera é essa que está aqui, é isso?

REPÓRTER: É, a do Carlos Abelha, governador. Bom dia para o senhor.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, Abelha?

REPÓRTER: Isso, mais conhecido como Abelha.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa.

REPÓRTER: Bom dia a todos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia.

REPÓRTER: Governador, muitos aqui do litoral já conhecem as obras de contenção do Morro do Macaca Molhado, e que está ajudando muitas famílias. O senhor divulgou agora o auxílio, superimportante, tanto para as vítimas do deslizamento quanto do incêndio, mas eu queria perguntar de uma outra expectativa grande aqui na Baixada Santista: a remessa de vacinas da Coronavac, na semana que vem. Se tem a quantidade. E houve também um pedido do secretário de Saúde para o secretário do estado em relação a uma remessa maior para a cidade de Santos. Pelo que ele passou pra gente, vocês se baseiam na vacinação da gripe, na quantidade. E como a cidade está recebendo muita gente, não só lá, mas outros municípios da Baixada Santista, por conta da pandemia, que moram na capital, uma necessidade de um número maior de vacinas. Tem essa remessa prevista pra semana que vem? A quantidade, e se o senhor tem conhecimento desse pedido para o secretário de Saúde do estado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Nina, semana que vem nós temos uma entrega, no dia 23 de fevereiro, de mais de 18 milhões de doses da vacina do Butantan para o Ministério da Saúde, para o programa nacional de imunização. Nós estamos seguindo o programa nacional de imunização, o Ministério da Saúde depois faz a distribuição e delega esta responsabilidade, evidentemente, aos estados, e depois aos municípios. Mas nós seguimos rigorosamente o programa nacional de imunização. Então, o PNI é que estabelece essa proporcionalidade. E sempre funcionou muito bem, isso é o SUS, o Sistema Único de Saúde, uma vitória do Brasil. Queria aproveitar para mencionar que o Brasil não é um país de grandes referências em muitas áreas, mas é referência na área da saúde, sim, e no sistema de imunização, através do SUS, historicamente, nos últimos 52 anos, sempre foi bem. É a primeira vez, aliás, que temos problemas com imunização, é no atual governo. Mas sobre isso prefiro não falar, você e todos que estão aqui já sabem, vamos dispensar qualquer observação nesse sentido. Então, dia 23 entregamos estas doses. Provavelmente, em 48 horas as doses de São Paulo estarão distribuídas aos municípios, aos 645 municípios, e seguiremos o programa estadual de imunização. Não faltarão vacinas, como não faltam até agora, para todos, Válter Suman, como você e a sua vice, que é também médica, que seguiram o programa estadual de imunização. Quem não se precipitou e vacinou fora daquilo que estava projetado, vacina não faltou, nem faltará para a semana que vem. Nós seguiremos com o programa de imunização, lembrando que nós estamos vacinando até este momento pessoas acima de 80 anos, todos os profissionais médicos e todos os trabalhadores de saúde, aqui da Baixada. Trabalhadores são técnicos, pessoal de manutenção, de segurança, de limpeza, os motoristas de ambulância, que estão muito expostos, e também aqueles que atuam no sistema funerário, igualmente estão sendo todos vacinados. Nós ainda temos muitos médicos, paramédicos e esses profissionais, que ainda precisam da vacina. E já iniciamos a segunda dose da vacina em São Paulo. São Paulo é o estado com o maior número de pessoas vacinadas no Brasil, de longe, já temos quase 1,7 milhão de pessoas vacinadas, aliás, mais de 1,7 milhão de pessoas vacinadas em São Paulo, e proporcionalmente é o 3º estado com o maior volume de vacinação já feita percentualmente. E vamos seguir crescendo, dentro desse programa estadual de imunização. Não faltará vacina, essa é a notícia importante, pelo volume de vacinas que o Instituto Butantan vem fornecendo ao Ministério da Saúde. E vale também, Nina, para finalizar, uma outra informação: hoje, amigas e amigos, meus colegas de imprensa, de cada 10 vacinas, no Brasil, 9 são do Butantan. Ou seja, de cada 10 pessoas que recebem vacinas no país, 9 estão recebendo as vacinas do Instituto Butantan com a Sinovac. Não fosse o esforço do Governo do Estado de São Paulo e a competência do Instituto Butantan, nós hoje não teríamos vacinas no Brasil. Então, este esforço do Butantan e do Governo do Estado foi feito para ajudar o Brasil e também os brasileiros de São Paulo. É isso.

Vamos agora ao [ininteligível]. Obrigado, Nina. Da VTV, o SBT, [ininteligível], prazer em revê-lo, muito obrigado. Qual é a sua câmera?

REPÓRTER: Governador, a minha câmera é a do Dimas--

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Dimas, vamos lá.

REPÓRTER: Governador, claro que, além das chuvas, a gente tem essa preocupação do Corona Vírus, e agora ainda mais, com a chegada dessas novas variantes aqui na nossa região. Nós já tivemos a confirmação da variante britânica em Peruíbe, tem pelo menos mais dois casos da britânica e mais um também da amazônica, agora aqui em Guarujá. E tudo isso preocupa muito, principalmente as cidades, porque, em alguns municípios, como Campinas, por exemplo, o repasse de verba do Governo do Estado para o combate ao Corona Vírus não vem sendo suficiente, de acordo com os prefeitos. Em Campinas, por exemplo, eram 150 leitos de UTI Covid no ápice dos casos, e agora são 107. Existe alguma previsão de aumento desse repasse da saúde? E como que o Governo do Estado pretende se defender dessas novas variantes com o repasse menor para as cidades?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, [ininteligível], primeiro uma correção, não é verdade essa informação. Sei que não é sua a informação, é a informação que você recebeu, mas ela é improcedente. Vou pedir ao nosso secretário Marco Vinholi aqui que dê a informação correta, seja de Campinas, seja de qualquer outra localidade. Aqui nós tivemos, aliás, o Estado de São Paulo e todos os demais estados brasileiros, 25 estados e o Distrito Federal, o descredenciamento de leitos de UTI pelo Ministério da Saúde. Eu denunciei isso inclusive, há duas semanas, numa coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. Mas, por nossa decisão, aqui em São Paulo, nós mantivemos a habilitação dos leitos, sob o custo do Governo do Estado de São Paulo, o que fere o princípio federativo, a responsabilidade de homologação de leitos é do Ministério da Saúde, assim como do fornecimento de vacinas, assim como do fornecimento de seringas e agulhas. Nenhum estado brasileiro, [ininteligível], nenhum, recebeu nenhuma seringa, nenhuma agulha, o que fere o princípio de imunização histórico, sempre foi fornecida a vacina e os instrumentos para imunização: seringa, agulha, equipamentos de proteção individual. O Ministério da Saúde não forneceu nem as seringas, nem as agulhas e nem os equipamentos de proteção individual: máscaras, face shields, luvas e aventais. Todos os estados brasileiros estão usando seus próprios recursos para fazerem isso. E agora, a informação ainda mais precisa sobre os municípios, com nosso secretário de Desenvolvimento Regional Marco Vinholi.

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Fundamental dizer que o Governo do Estado de São Paulo tem, desde o início da pandemia, a premissa fundamental de que nenhuma pessoa fique sem atendimento. E assim foi. Mais do que dobramos o número de leitos de UTI, o que ocorreu também na região de Campinas. Hoje, a ocupação de leitos de UTI na região é de 68.9% dos leitos de UTI, ou seja, ela tem uma ocupação controlada, dentro do consenso estabelecido pelo Plano São Paulo. Nós temos esse regramento e acompanhamos diariamente. Portanto, os recursos colocados, e o governador colocou bem, em um momento em que o Governo Federal deixa de habilitar mais de 3.000 leitos aqui no Estado de São Paulo, o Governo do Estado faz esses investimentos, assim como faz em toda a região de Campinas. Eu acompanhei os pedidos para mais leitos, nós colocamos os recursos à disposição da prefeitura de Campinas. Eles precisam indicar onde serão esses leitos de UTI, uma vez que nós disponibilizamos 45 leitos, recursos para que eles possam ser implementados, de UTI, e a prefeitura até agora não indicou onde serão esses leitos. Mas os recursos estão assegurados, e nós vamos seguir aumentando o número de leitos sempre que necessário. Pra finalizar, nós vamos manter com que nenhuma pessoa no Estado de São Paulo fique sem atendimento, seja em Campinas, seja aqui na Baixada, em todo o nosso território do estado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Vinholi. [ininteligível], muito obrigado pela sua intervenção, foi bom para esclarecer. Dimas, obrigado também pelas suas imagens. Eu queria fazer uma correção aqui pra vocês, porque a entrega das 18 milhões de doses da vacina do Butantan será feita em etapas, e não de uma única vez. Como sempre, aliás, nós temos feito em etapas. No próximo dia 23 são 3 milhões de doses entregues, e a partir daí nós vamos, com 3 milhões, 3,4 milhões, 3,5 milhões, 3,3 milhões, mas apenas para que a informação possa ser precisa aos leitores, aos ouvintes, aos telespectadores e aos internautas de vocês. Vamos agora a Amanda Barbieri, da TV Santa Cecília. Amanda, bom dia. O seu câmera? Qual é o nome dele?

REPÓRTER: Márcio.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Márcio. Bom, obrigado, Amanda, bom dia pra você. Sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Bom dia, governador. Essas remessas de vacinas, quando elas chegam aqui, elas já vêm com uma destinação correta, de acordo com as secretarias municipais de Saúde. Eu queria saber se já tem a destinação da segunda dose para quem... Não só para os profissionais da linha de frente, que já estão sendo vacinados, mas para o restante da população, profissionais de saúde, idosos de clínicas de longa permanência...

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Amanda, nós já completamos um mês, desde o início da vacinação, no dia 17 de janeiro, que foi a data onde o Brasil começou a vacinar e nós vacinamos, foi a primeira pessoa, uma enfermeira do Hospital das Clínicas, que foi a primeira pessoa a ser vacinada no Brasil. Portanto, a partir de 17 de fevereiro, nós... Em alguns casos, até conseguimos antecipar, estamos fazendo a segunda dose da vacina. Os profissionais de saúde, os trabalhadores da saúde, indígenas, quilombolas e também, na proporção antes de completar os 21 dias, as pessoas com mais de 80 anos, mais de 80, 85 e as pessoas com mais... Perdão, mais de 85 e as pessoas com mais de 90 anos, exatamente como orienta o programa estadual de imunização. As doses estão reservadas, esse é uma boa informação pra você, Amanda. Então, não há risco de não termos as doses para aqueles que já foram vacinados. Os que já foram e precisam tomar a segunda dose, tomarão a segunda dose da vacina do Butantan.

Vamos agora à última intervenção, é da Vanessa Ortiz, do Portal G1. Vanessa, cadê você? Está aqui. Vanessa, você está com câmera ou não? Você é tudo, né? Repórter, câmera, faz de tudo, e ainda está com a mãozinha machucada. Sua pergunta, por favor, Vanessa.

REPÓRTER: Bom, governador, eu gostaria de saber a respeito das obras daqui, se a gente vai ter mais obras em alguns outros morros. Como é que vai ser isso? Vai ter continuidade? Porque afinal são R$ 50 milhões investidos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa pergunta. Vou pedir aqui ao nosso secretário de Desenvolvimento Regional para responder de forma completa, porque não é apenas, conforme você mencionou, as obras no Guarujá. Temos também obras em São Vicente e no município de Santos. Vinholi.

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Bom, o Governo do Estado de São Paulo investe, nesse momento, R$ 50 milhões, mesmo no meio da pandemia, para obras de prevenção a esses deslizamentos. Portanto, são R$ 25 milhões que foram disponibilizados aqui para o Guarujá, também tivemos R$ 5 milhões para São Vicente, o restante para o município de Santos, em obras de combate a enchentes. A todo momento, a nossa Defesa Civil segue em alerta, fazendo junto com as prefeituras municipais esse acompanhamento, e esses investimentos têm sido fundamentais, assim como esse aqui do Morro do Macaco Molhado, para que a gente possa ter a prevenção desses desastres. Portanto, são R$ 50 milhões investidos pelo governo nesse momento nessa prevenção na Baixada Santista.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Vinholi. Vanessa, obrigado pela pergunta. Com isso nós encerramos a coletiva, queria...