Coletiva - Governo de SP entrega obras que ampliam coleta e tratamento de esgoto na capital 20200402

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP entrega obras que ampliam coleta e tratamento de esgoto na capital

Local: Capital - Data: Janeiro 04/02/2020

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Estarem aqui participando, essa entrega da ampliação do sistema de esgotos na região central da capital de São Paulo, um investimento de R$ 390 milhões do governo do estado de São Paulo, para beneficiar 2,200 milhões pessoas, especialmente as que residem e trabalham aqui na região central da cidade de São Paulo. Mais um programa de investimentos da Sabesp, que é a terceira maior empresa de saneamento do mundo, a maior empresa de saneamento do país, e segue fazendo a sua programação de investimentos robustos na área de saneamento, distribuição de água, e também na despoluição do Rio Tietê e do Rio Pinheiros. Professor Braga, e o Santoro, que é o nosso secretário executivo, que está aqui ao meu lado, da secretaria de Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente, nós ficaremos à disposição para quatro perguntas, caso existam perguntas aqui. Como eu sei que o Giba Bergamin tem sempre dez perguntas, nós vamos começar com ele, para ter pelo menos, a primeira pergunta. Giba.

GIBA BERGAMIN, REPÓRTER: Governador, vou pedir para o Braga, presidente da Sabesp, também, para nos responder. Sei que já foi dito antes uma promessa para despoluir o Pinheiros até 2022, e um programa mais extenso para despoluir o Tietê. E mais uma vez, gostaria de saber os prazos, está mantido esse prazo, essa garantia de despoluição, para que a agenda elevatória de traição lá na Bandeirantes se transforme numa Porto Barreiro, como você já falou, no Rio Tietê. Qual que é a expectativa diante de tantos anos, bilhões de investimentos para despoluir esses dois rios. Pinheiros e Tietê, quando a gente vai poder vê-los despoluídos?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: O Rio Pinheiros nós já temos isso no nosso cronograma, e está mantido o cronograma para a entrega até dezembro de 2022, o Rio Pinheiros limpo, em condições adequadas, e no padrão internacional de um rio considerado limpo. Evidentemente que o Rio Pinheiros não será um rio para nadar, ou para usufruir dentro do rio, evidentemente, mas como o Sena, com o Tâmisa, será um rio inodoro, sem nenhum cheiro, sem nenhum odor, e sem nenhum lixo de superfície, e com vida dentro do rio. Portanto, está mantido o prazo, até dezembro de 2022, o Rio Pinheiros estará limpo. O Rio Tietê leva mais tempo, o investimento é muito maior, porque nós temos a despoluição, por exemplo, da cidade de Guarulhos, e o professor Braga e o Santoro podem comentar, mas especialmente o professor Braga, são bilhões de reais o investimento para tratar o esgoto da segunda maior cidade de São Paulo, 1,5 milhão de habitantes, onde infelizmente o esgoto não era tratado em mais de 80% da sua produção. Outras cidades também tem o mesmo problema, vários afluentes, e vários córregos também precisam ser tratados. O nosso compromisso, claro e objetivamente, no que refere-se ao Rio Pinheiros, é de que o rio estará limpo em dezembro de 2022. E vamos prosseguir no programa de despoluição do Rio Tietê, este ato de hoje é um ato e um esforço que beneficia a redução da poluição no Rio Tietê. Professor Braga.

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Sem dúvida nenhuma, nós estamos assumindo esse compromisso, em 2022 entregar o Pinheiros na condição que o governador mencionou. O caso do Tietê é um pouco mais longo, podem imaginar pelo tamanho da obra que estamos aqui hoje inaugurando, que os investimentos são muito maiores, e o tempo também é muito maior. E o desafio também é mito maior. De maneira que nós imaginamos aí um prazo mais longo, da ordem de 2022, mais de quatro a seis anos, uma coisa dessa natureza.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Portanto, para que que fique claro, volto a repetir, Rio Pinheiros, 2022, ele será até dezembro entregue como um rio limpo, salvo, eu quero ressaltar aqui, se tivermos alguma intempérie do ponto de vista judicial, se alguma medida de ordem judicial, ou da promotoria pública, impedir a realização das obras, do programas que estão sendo feitos pelo governo do estado de São Paulo, os programas também de concessão que vão aportar recursos, se houver algum questionamento por parte da justiça, esse prazo terá que ser dilatado evidentemente. E até 2028 é a nossa expectativa para despoluição do Rio Tietê, dentro também do mesmo propósito e do mesmo pilar, se não tivermos nenhuma intercorrência de ordem judicial, principalmente, que sempre retarda processos, é parte da democracia, mas é sempre algo que retarda obras públicas aqui, não é só em São Paulo, isso acontece em todo o Brasil. Próxima.

MAIRA, REPÓRTER: Eu sou Maira, da Rádio Bandeirantes. Eu queria saber quais são as próximas etapas do projeto Tietê. E no final, qual a expectativa em relação à porcentagem de esgoto tratado, de esgoto coletado na cidade de São Paulo?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu vou compartilhar a sua resposta com o Ricardo Santoro, que está aqui ao meu lado, e com o professor Benedito Braga.

RICARDO SANTORO, SECRETÁRIO EXECUTIVO DA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA, RECURSOS HÍDRICOS E MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Como dito pelo governador, pelo presidente da Sabesp, é um projeto de médio e longo prazo, esse trabalho ele basicamente é retirada de esgoto que está sendo hoje direcionada para o rio para os sistemas que a Sabesp está implantando, de tratamento. Esse é o conceito do nosso projeto. Então o Tietê sempre, e assim como Pinheiros, a primeira necessidade é coleta de o esgoto levar esse esgoto, que antes era jogado nos rios e córregos, esse esgoto tem que ser direcionado para as estações de tratamento. Então esse é o caminho, acho que o professor Braga, que foi meu professor na faculdade, inclusive, pode continuar isso.

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Não, se o governador permitir, nós estamos fazendo interceptores como esses aqui que vocês viram hoje, quer dizer, não viram, viram a foto, ele está funcionando já, interceptores desta magnitude lá na região de Itaquaquecetuba, São Miguel, esse aqui é o Item 7, lá nós temos o Item 16, o Item 15, que já estão em pleno andamento as obras. Temos a perspectiva de entregar isso daqui dois anos, aproximadamente, se nós não tivermos dificuldades como o governador, com muita sabedoria mencionou.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Mais alguma pergunta?

REPÓRTER: Governador, uma pergunta relacionada à própria questão do Tietê, algumas entidades ligadas ao meio ambiente citam questões, por exemplo, sobre desmatamento, ocupação ilegal da margem do Tietê, principalmente no interior do estado, como um possível risco para essa dificuldade de entregar no prazo essa questão da despoluição do rio. Como que vocês têm tratado essas questões no interior do estado?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Esse no caso específico do Tietê. Nós estamos monitorando, não há nenhuma ocupação de grande dimensão, na extensão do rio, há um monitoramento pela Polícia Ambiental, permanente, inclusive com drones, e o acompanhamento por parte da Secretaria de Meio Ambiente, a Secretaria de Infraestrutura, Obras e Meio Ambiente, para que isso não ocorra. São Paulo tem seguido rigorosamente o protocolo de Paris, renovamos esse compromisso agora na COP em Madrid, com a presença do professor Braga, com a presença da Patrícia Iglesias, que é a nossa presidente da CETESB, fomos elogiados pelas instituições fiscalizadoras internacionais, pelo compromisso ambiental de São Paulo. São Paulo não tem desmatamento, embora não tenha sido a sua pergunta, mas vale a pena dizer também, aumentamos a cobertura vegetal em São Paulo. E estamos dentro do protocolo. Não admitimos nenhum tipo de invasão, não há negociação com o invasor, sobretudo, em áreas de mananciais, seja no interior ou sejam aqui na região metropolitana da capital de São Paulo, onde houver ocupação nós vamos desocupar e orientar para que a proteção, seja da Guarda Civil Metropolitana, no caso da capital, seja da Polícia Ambiental, que pertence à Polícia Militar, resguarde essas áreas. Mais alguma pergunta? Senão encerramos. Giba, tirando uma das outras dez.

GIBA, REPÓRTER: O professor Benedito Braga falou dessa questão das outras ETIs, ou seja, esses super túneis aí, tem além desse que está sendo entregue hoje, mais...?

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Mais dois que estão em construção.

GIBA, REPÓRTER: Que são?

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: É o Item 15 e o Item 16.

GIBA, REPÓRTER: Ficam?

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Lá na zona Leste, acima de Guarulhos, e Itaquaquecetuba, São Miguel, Suzano, naquela região.

GIBA, REPÓRTER: Esses últimos dois, daqui dois anos?

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Daqui dois anos nós vamos estar... Nós estamos trabalhando rápido para o governador inaugurar mais esses dois.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: E o governador cobra.

BENEDITO BRAGA, PRESIDENTE DA SABESP: Cobra também.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pessoal, muito obrigado, um bom dia para todos.