Coletiva - Governo de SP entrega segunda fase da iluminação na Ciclovia Novo Rio Pinheiros 20213107

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP entrega segunda fase da iluminação na Ciclovia Novo Rio Pinheiros 20213107

Local: Capital – Data: Julho 31/07/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pessoal, antes da gente pedalar, nós vamos ter aqui duas perguntas. É uma brevíssima coletiva, de dois veículos de comunicação. Vou pedir só mais um pouquinho de paciência pra vocês. E lembrando que, a partir do dia 17 de agosto, a nova ciclovia estará operando até meia-noite. Há uma razão para o dia 17 de agosto, que, no dia 16 de agosto, nós entramos, nós concluímos a atual etapa do Plano São Paulo e, a partir do dia 17, nós estamos numa nova etapa de flexibilização, graças ao avanço da vacinação em São Paulo. Isso vai permitir que a ciclovia possa atender mais pessoas e possa operar até a meia-noite. Se puder dar um pouquinho mais de áudio aqui, eu agradeço. E também um microfone para os jornalistas... aliás, já está. A Nanny Cox, Nanny, obrigado por você estar aqui, da rádio Jovem Pan, a rádio que virou TV. E a Nanny Cox está aqui pra fazer a sua pergunta, qualquer pessoa que está aqui poderá ser objeto da sua pergunta. Nanny.

NANNY COX, REPÓRTER: Boa noite, governador, boa noite a todos. Eu queria saber, o senhor falou sobre a previsão de entrega, de 21 Km. Eu queria saber se já tem alguma data para a entrega do restante. E uma outra questão, se o senhor quiser e puder, evidentemente, responder, a respeito da autuação pelo não uso de máscara do presidente Jair Bolsonaro, e também de outras autoridades, como inclusive a deputada Carla Zambelli, que já confirmou presença na manifestação que está marcada pra amanhã. Então, se o senhor puder falar sobre isso, e se o senhor acredita que vai ter mais uma autuação vindo aí pra ela amanhã. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Nanny. Eu vou responder, eu vou responder as duas perguntas, mas começo pela segunda. E a primeira, eu vou pedir ao nosso Márcio Rea, pra responder à sua primeira pergunta. Eu vou responder a segunda pergunta da Nanny Cox, eu acho que todos puderam ouvir. Primeiro, lamento muito que o presidente da República venha mais uma vez a São Paulo e não venha para inaugurar obras, anunciar investimento e atuar em benefício da população de São Paulo. Vem pra fazer motociata, passeata de motocicleta, com total inutilidade, sem nenhum objetivo, sem máscaras e ainda rompendo a legislação e a lei que determina o uso de máscaras de maneira obrigatória, e recomenda a não aglutinação. E ele fez, cometeu as duas falhas. Primeiro, sem máscara mais uma vez, ele, ministros, parlamentares e as demais pessoas que participaram da motociata, Nanny. Depois, também promoveu aglomeração. Portanto, foi multado mais uma vez, pela segunda vez, o presidente Bolsonaro, os ministros que o acompanharam, os parlamentares, deputados federais e estaduais. Vão receber a notificação em Brasília, nos seus respectivos endereços, como receberam as primeiras multas. Aliás, um ministro pagou a multa, inclusive, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas, pelo menos teve a dignidade de pagar a multa, ele pagou. Os demais não pagaram, e vai pra dívida ativa, e vai pro Serasa, vai ficar ficha preta, ficha negativa no Serasa o presidente Jair Bolsonaro, se é que já não está. Mas de toda maneira, vai para o Serasa, porque ele terá uma dívida com o Tesouro de São Paulo, e terá que pagar. Lei é lei, Nanny, tem que ser cumprida por todos. Não tem ninguém acima da lei, não há ninguém acima da lei em São Paulo. Aqui, não. Aqui, o presidente Bolsonaro, quando vier... Eu espero que algum dia ele venha para inaugurar alguma coisa que represente investimento real para São Paulo. A última inauguração dele foi um relógio que estava quebrado, que trocaram o mecanismo e ele veio inaugurar, aqui no Ceagesp, para uma caixa d'água. Essa foi a única inauguração que ele fez, um relógio que já existia, trocaram o mecanismo e ele veio a São Paulo para inaugurar. No resto, só vem aqui passear de jet-ski, passear de motocicleta e desobedecer a lei. E a primeira pergunta será respondida pelo Márcio Rea, presidente da Emae.

MÁRCIO REA, PRESIDENTE DA EMAE: A conclusão, primeiro semestre de 2022, acompanhando a obra do monotrilho do metrô, ok? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pra ficar claro, até junho de 2022, Nanny, todos os 21 Km, e nós vamos estendê-lo até um pouco mais, da nova ciclovia, estará sendo entregue, sinalizado, pronto, iluminado, com wifi e também com câmeras de segurança. E as estações também de lazer e as estações de alimentação e gastronomia, e de serviços também, porque agora nós já temos serviços, além do café, além de lanches, etc. Você já viu aqui na extensão vários pontos de serviço, inclusive para recuperação de bicicletas, além da venda de bicicletas também e banheiros e vestiários completos, inclusive com chuveiro, com água quente, sabonete, shampoo, toalha... É primeiro mundo. Nós temos aqui o orgulho de dizer que estamos fazendo um parque linear na ciclovia, na nova ciclovia, de primeiro mundo. Obrigado. Vamos agora ao Roberto Paiva, da TV Globo e GloboNews, agora começou a esfriar um pouco mais. Roberto, boa noite, obrigado pela sua presença.

ROBERTO PAIVA, REPÓRTER: Boa noite, governador, boa noite a todos. Eu estou vendo aqui no site do governo do estado o percentual de pessoas efetivamente vacinadas, aqui no estado. Está em 22,5%. O senhor não acha que é um percentual baixo para flexibilizar medidas de restrição? Uma outra questão que eu queria colocar aqui para o senhor é o seguinte, a gente vê uma mobilização durante o inverno, por parte da população e também de autoridades, em relação à população de rua. Mas vai passar o inverno, essas pessoas vão ficar na rua. O que fazer? O que é possível fazer para acolher, para ajudar essas pessoas, mesmo depois do inverno? O senhor também falou agora há pouco de menos público e mais privado. O senhor é um pré-candidato à presidência da República. Como o senhor levaria essa frase para a esfera federal? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Roberto. Roberto já emendou logo três perguntas. Tudo a seu... Vou começar da última, até a primeira, Roberto. Primeiro, agora não é tempo eleitoral, e nem processo eleitoral. Nós estamos nas prévias do PSDB, das quais eu participo, ao lado de três outros bons candidatos do PSDB. As prévias vão acontecer no dia 21 de novembro. Só após 21 de novembro teremos o vencedor das prévias, e aí sim o candidato do PSDB à presidência da República, homologado pelas prévias. E aí o candidato vencedor vai se pronunciar sobre os seus projetos e a sua proposta para 2022, na presidência da República, para disputar a presidência da República. Sobre pessoas em situação de rua, a responsabilidade no atendimento, acolhimento, é das prefeituras municipais. Constitucionalmente, essa é uma responsabilidade dos municípios, das prefeitas e dos prefeitos. No entanto, eu, tendo sido prefeito da capital de São Paulo, eu vivenciei de perto as agruras e a dificuldade dessa população em situação de rua, aqui na capital de São Paulo. E lamentavelmente esse número dobrou, o número era de 12 mil pessoas em situação de rua, hoje estima-se em 24 mil as pessoas em situação de rua na capital de São Paulo. E nós tomamos a decisão de agir e atuar junto com o prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes, e estender também esse apoio às outras cidades, principalmente as cidades com mais de 300 mil habitantes, que já têm, lamentavelmente, também pessoas em situação de rua. Então, um passo de cada vez. Nesse momento, cuidar do acolhimento dessas pessoas, para que possam superar as noites frias, as noites geladas aqui na capital de São Paulo, e de outras cidades também. Como o número maior é aqui, nós, pela primeira vez na história, abrimos uma estação do metrô, a estação Dom Pedro, preparamos essa estação, como hoje à noite inclusive ela estava, ontem e anteontem também, para abrigar 400 pessoas em situação de rua, com colchões, cobertores, alimento quente, com o atendimento assistencial, com meias, gorros e uma condição de acolhimento adequada e supervisionada. E apoiamos também iniciativas da Pastoral das Ruas, do Padre Júlio Lancellotti, oferecendo ao Padre Júlio 12 mil cobertores térmicos, além de alimentos, gorros, meias e o que for necessário para a proteção dessas pessoas. A Pastoral também atendendo a um apoio conjunto, sob liderança do Cardeal, também está abrindo as igrejas, para que, nessas noites, as pessoas em situação de rua possam ser atendidas. Passado isso, nós temos que implementar ainda mais programas de habitação social. Repito: é uma responsabilidade direta da prefeitura da capital de São Paulo e das demais prefeituras, mas elas terão o apoio do governo do estado de São Paulo, para a implementação de programas de habitação social, e depois na residência, na casa definitiva para que essas pessoas possam ter um lar. Não é uma situação fácil de resolução, mas ela precisa ser implementada. E agora, com a recuperação da economia e capacidade maior de investimento, tanto do município, quanto do estado, este passa a ser um programa social ainda mais relevante, mais importante. No primeiro tema, você também viu no Vacinômetro que nós já chegamos a 81% de pessoas vacinadas com a primeira dose da vacina, é o estado que mais vacina no Brasil, é o estado de São Paulo. 37 milhões de pessoas já vacinadas em São Paulo... Perdão, 38 milhões de pessoas já vacinadas em São Paulo, das quais 81% com a primeira dose da vacina, e mais de 23%, nos dados de agora, com as duas doses. O que nós precisamos, Roberto, é que o Governo Federal forneça as doses da vacina AstraZeneca e a da Pfizer, porque essas estão atrasadas, e por isso, inclusive, a determinação momentânea para que o prazo seja de 90 dias entre a primeira e a segunda dose. Nós já deliberamos aqui, através do PEI, Programa Estadual de Imunização, que, recebendo mais vacinas da AstraZeneca e mais vacinas da Pfizer, poderíamos reduzir esse prazo pra 30 dias, e assim vacinar mais rapidamente as pessoas com a segunda dose. Mas o programa vacinal está avançando, São Paulo está acelerando a sua vacinação, principalmente graças à Coronavac, a vacina que já está no braço de 64 milhões de brasileiros, e que nós, a cada dois dias, temos feito entregas superiores a 1 milhão de doses. E vamos entregar 100 milhões de doses, um mês antes. Era 30 de setembro, e agora será 30 de agosto. Por último, lembrando que nós não estamos liberando de forma generalizada a economia a partir do dia 17 de agosto, mas sim de forma ordenada, segura, cuidadosa e gradual. O uso de máscara continuará sendo obrigatório, recomendação para o uso de álcool em gel, lavar as mãos, também. E a recomendação para distanciamento social, da mesma maneira. Mas não há nenhuma razão, Roberto, diante de uma queda acentuada de casos, internações e óbitos, de não iniciar a flexibilização da economia, para garantir a oportunidade daqueles que perderam seus empregos, que perderam renda, possam gradualmente retomar, assim como a própria vida e a esperança em São Paulo.

Muito obrigado, quero agradecer a todos, meus colegas jornalistas, mais uma vez, amigos e amigas. Ainda dá tempo de dar uma pedalada nos nossos quilômetros aqui de área com a iluminação inteligente da nossa Enel. Muito obrigado a todos, tenham ótimo final de semana, fiquem protegidos, fiquem com Deus. Obrigado, pessoal.