Coletiva - Governo de SP expande o Programa de Ensino Integral para mais 778 escolas estaduais 20211207

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP expande o Programa de Ensino Integral para mais 778 escolas estaduais 20211207

Local: Capital – Data: Julho 12/07/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Pessoal, tentar sem o microfone aqui. Primeiro, bom dia, boa tarde, para vocês. Obrigado, por vocês estarem aqui. Ainda mais em um tema como esse, que é da educação, da educação em São Paulo e no Brasil. Ao lado do Rossieli Soares, que aqui está, secretário da Educação do estado de São Paulo, ao lado também de representantes do Legislativo, deputadas e deputados aqui da Assembleia Legislativa, de dirigentes de instituições de ensino, e dirigentes também de associações que apoiam a educação em São Paulo, professoras e professores, hoje temos um anúncio muito importante a fazer, nós vamos dar um salto, um salto quântico no número de escolas em tempo integral no estado de São Paulo. É sabido que as escolas de tempo integral são transformadoras na vida dos jovens, de crianças e jovens, porque permitem uma melhor educação, uma melhor integração, um melhor campo de proteção, melhor alimentação, e a formação daqueles que no futuro serão profissionais, serão dirigentes de negócios, serão empreendedores. Quando nós assumimos eram 364 escolas de tempo integral, em janeiro de 2019, já era um feito, nós temos que reconhecer, avançar sempre, e nós reconhecemos que houve um avanço. Mas ao longo desses dois anos e meio, a orientação que oferecemos ao secretário Rossieli Soares, e à sua liderança e sua capacidade organizativa e colaborativa com outros dirigentes da Secretaria de Educação nos permite hoje dizer que estamos compondo hoje 1.857 mil escolas de tempo integral em São Paulo. É o maior volume, numericamente, proporcionalmente, de escolas de tempo integral, no Brasil, e ao mesmo tempo celebrando o avanço de São Paulo, que estava em sétimo lugar no IDEB, hoje já ocupa a liderança em dois anos e meio, em várias posições do IDEB, uma transformação em um curto período de tempo, reproduzindo principalmente o sentimento de que é possível mudar, e é possível mudar em menor tempo, quando se quer fazer, quando há o compromisso de fazer, e principalmente no que se refere à educação. Atitude, planejamento, realização e investimento, São Paulo priorizou saúde e educação, e hoje nós podemos ter os benefícios disso com entusiasmo da rede estadual de ensino, como certamente vocês tiveram a oportunidade de assistir agora pouco. E eu finalizo, antes de convidar o Rossieli a falar aqui, eu sou filho das escolas públicas, e eu estudei em uma escola pública, uma escola pública estadual, a escola professora Marina Cintra, escola estadual que está no mesmo endereço onde eu estudei, na Rua da Consolação, esquina com Rua Antônio de Queiroz. Ali estudei à noite, estudei à noite porque precisava estudar de noite, porque trabalhava durante o dia. E foi esse ensino, o ensino público de São Paulo que ajudou na minha formação, ajudou a constituir o meu caráter, a minha formação, para que eu pudesse ser bem-sucedido, como felizmente fui no âmbito privado, e agora no âmbito público. Portanto, eu sou filho também da escola pública em São Paulo, e tenho um agradecimento eterno com as professoras e professores que à noite, mesmo cansados ofereciam o melhor de si para formar os alunos, que naquele tempo, nos três anos que estudei na Escola Professora Marina Cintra, ajudaram centenas de jovens a terem esperança, terem esperança de um futuro melhor para si próprio, para as suas famílias, para o seu estado e para o Brasil. Vou pedir agora a palavra do secretário Rossieli Soares. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Bom, boa tarde, a todos. Só falar da alegria, 1.855 mil escolas, significa que nós vamos cumprir os 25% da meta estabelecida para virarmos alunos em tempo integral, a meta que era planejada, governador, no Plano Nacional de Educação para 2024, São Paulo já vai começar a alcançar no ano de 2022. Eu não posso nem dizer da alegria que eu compartilho junto com os diretores, porque a gente sabe que essa escola, quando a gente começou, governador, havia um número sim significativo, mas existia um caminho muito, muito maior a seguir. Essa escola, a gente precisa assanhar para todos os alunos de São Paulo, nos próximos dez, 12 anos. Nós temos que seguir firme, decidir isso como estado de São Paulo, e garantir que essas escolas continuem, independente de quem seja o gestor, que continue fazendo esse caminho, trilhando isso. Ponde passei na minha vida, briguei pelas escolas de tempo integral. E estou muito feliz, governador, porque nunca vivi algo como estamos vivendo nesse momento, de uma transformação tão grande ao mesmo tempo. São Paulo está dando um grande exemplo ao Brasil, de que é possível e de que precisa priorizar essa agenda. No mais, hoje é muita alegria de estar aqui como todos os diretores, que a gente vai continuar a informação aqui durante o dia, até o final do dia. E agradecer a cada um deles que conversou com a comunidade, com os pais. Hoje a gente tem o movimento, governador, das comunidades pedindo com critérios para a gente priorizar as escolas e os alunos que mais precisam, é fundamental colocar isso como prioridade, cada vez maior na nossa agenda aqui no estado de São Paulo. Muito obrigado, e ficamos à disposição de perguntas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Bem, pessoal, nós vamos agora às perguntas, eu quero de novo agradecer a presença de vocês aqui, também dos meus colegas cinegrafistas e fotógrafos, obrigado por estarem aqui nessa manhã, nessa virada de dia, um dia histórico e tão importante para a educação em São Paulo e no Brasil. Como vocês sabem, São Paulo é a maior rede de ensino da América Latina, não é só do Brasil, da América Latina, e uma das maiores redes de ensino do mundo. E é um exemplo que nós estamos dando, certamente isso vai incentivar e vai motivar outros estados a seguirem o mesmo destino, o mesmo roteiro de São Paulo, sinceramente não creio que o Governo Federal seja capaz de fazer isso, um governo que troca de ministro da Educação quatro vezes em dois anos e meio não tem compromisso com a educação. Mas governadores sim, prefeitos também. Portanto, tenho confiança que no pacto federativo esses governadores poderão seguir a mesma linha, a mesma orientação que estamos fazendo aqui, porque é possível. E da mesma maneira que impulsionamos a vacinação no Brasil, nós estamos impulsionando a educação no Brasil. Vamos começar com Adriana Simino, da TV Cultura. Adriana, mais uma vez, agora já boa tarde, sua pergunta, por favor.

ADRIANA SIMINO, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Eu gostaria de saber da contratação de mão-de-obra, se já tem um manejamento, se tem números? Não só em relação a professores, para dar conta desse aumento de demanda [Ininteligível] profissionais. Pedir para o secretário confirmar [Ininteligível] essas 1.855 mil escolas representam quantos por cento em toda a rede estadual aqui em São Paulo.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Vamos lá, primeiro, obviamente para a gente estar lançando hoje a gente tem o planejamento para todas, os professores que estão na escola permanecem na escola, sempre preferencialmente, isso já é uma revisão que foi feita na própria metodologia, o diretor permanece. Então essas escolas não têm nenhuma descontinuidade, elas têm um processo, elas passam agora no segundo semestre por um processo de formação, de preparação, obviamente, que é fundamental. Nós já temos uma previsão de contratação de mais professores, não só por esse projeto, mas por outros que a gente está fazendo como o novo ensino médio, como obviamente aqui também, ampliação do tempo integral. Mas isso tudo dentro dos percentuais respeitando os limites que temos. Nós hoje vamos com essas escolas aqui saltar para 25% das matrículas, que é a meta prevista no Plano Nacional de Educação, e no Plano Estadual de Educação, que são 834 mil. E nós vamos para 1.885 mil escolas, das 5 mil escolas. Lembrando que aqui nós temos escolas de primeiro ao quinto, de sexto ao nono e de ensino médio. Só nas escolas de ensino médio, nós vamos chegar a 40% das escolas já em tempo integral.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Adriana. Obrigado, Rossieli. Vamos agora para Isabela Palhares, da Folha de São Paulo. Isabela, bem-vinda. Boa tarde, sua pergunta, por favor.

ISABELA PALHARES, REPÓRTER: Saiu uma pesquisa [Ininteligível] hoje, mostrando que São Paulo está entre os três estados com a classificação mais baixa dos protocolos de segurança no retorno às aulas. [Ininteligível] estados só está dando recomendações para as escolas [Ininteligível] vazias [Ininteligível]. Vocês pretendem mudar isso [Ininteligível] escolas, [Ininteligível] famílias não se sintam seguras [Ininteligível]. Primeiro semestre [Ininteligível]?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Isabela, eu vou pedir ao secretário Rossieli que responda, mas eu quero começar a responder isso. Em um país onde você tem um Presidente negacionista, que promove o negacionismo, que promove o não uso de máscara, que promove aglomerações, que compra Cloroquina, ao invés de comprar vacina, que chama você, eu, Rossieli e todos que estamos de máscara, de covardes e maricas, tudo fica mais difícil, evidentemente, perante famílias, especialmente aquelas de comunidade, de famílias mais pobres, confiar de que é possível que os seus filhos retornem com segurança às escolas, quando o próprio Presidente da República dá o exemplo contrário de respeito aos códigos sanitários e à proteção à vida. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Obrigado, Isabela, pela pergunta. Bom, primeiro, nós não concordamos, tanto que nós somos um dos únicos estados que tem uma comissão médica formada por pessoas como o Wanderson, doutor Safadi, doutora Luciana Becker, que a cada semana discutem com a gente os protocolos e a necessidade inclusive de aprimorar, porque esse é um processo de aprendizado. E muitos dos nossos protocolos são obrigatórios, o uso de máscara, distanciamento, álcool em gel, o rodízio, como a gente organiza nas nossas escolas. Alguns não são obrigatórios, porque a escola tem que escolher qual deles vai seguir, como organização de bolha. Então há uma interpretação que eu não sei, eu não conheço esse estudo, enfim. Mas dos especialistas no Brasil, hoje falam com muita segurança em relação, falo aqui de infectologistas, pessoas efetivamente da área da saúde, não da área de humanas, que faz avaliação agora médica, nesse estudo. Mas nós temos muita segurança. E estamos em processo de revisão constante, e sim, por exemplo, como disse o governador, é lamentável ver um Presidente arrancar a máscara de uma criança para tirar uma foto, aqui no estado de São Paulo é obrigatório sim, por exemplo, o uso de máscara, o cumprimento dos protocolos em todas as escolas, sejam públicas ou privadas. E nós vamos continuar atuando independente da vacina, a vacina é fundamental, mas nós vamos continuar com todos os protocolos enquanto a ciência determinar, Isabela. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Obrigado, Isabela. Eu queria só fazer uma correção de um equívoco que eu mencionei aqui, eu falei 1.857 escolas, são 1.855 mil escolas em tempo integral. Mas eu aproveito para solicitar ao Rossieli para acrescentar mais duas escolas para chegarmos a 1.857 mil escolas em tempo integral. Mas hoje são 1.855 mil, esse é o número correto. Vamos agora à Daniella Gemignani, da TV Globo, Globo News. Daniella, obrigado por você estar aqui conosco mais uma vez, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

DANIELLA GEMIGNANI, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Eu queria [Ininteligível] aos pais, [Ininteligível] acontecer agora no segundo semestre, [Ininteligível] as escolas [Ininteligível]? Queria aproveitar, governador, [Ininteligível]?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado. Daniella eu vou começar então com a segunda, de depois deixo ao Rossieli, a resposta da primeira. Agora no mês de agosto nós faremos 30 eventos/testes aqui em São Paulo, todos eles dentro de critérios sanitários avaliados pelo centro de contingência, para permitir uma avaliação segura de eventos em áreas externas e áreas internas. Mas todos eles com o protocolo de segurança feito. Isso é importante para se avaliar a imunização que a vacinação já oferece nesse momento, e os controles que deverão ser feitos, mesmo após a vacinação para garantir a imunização de todos, e a proteção daqueles que participarão muito em breve, livremente de eventos, que poderão voltar à vida normal aqui em São Paulo. Desde festa de Réveillon, Carnaval, até feitas, congressos, convenções, encontros, teatros, cinemas, celebrações, mas de forma segura, a testagem de eventos prévia, ela é muito para nos dar essa segurança de protocolos. Em relação à primeira pergunta, o Rossieli responde nesse momento.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Inclusive para comentar esse evento, tem testagem para os profissionais que estão aqui também. É importante destacar. Uma coisa fundamental, que eu, talvez, até tenha deixado de falar na pergunta da Isabel, também foi a questão das famílias, nós tivemos um processo de volta, onde a gente aprendeu muito o perfil do que as pessoas pensam, quando você olha, o estado de São Paulo foi o primeiro lá em 8 de setembro do ano passado a voltar com atividades presenciais, e tivemos vários momentos, como por exemplo, um ano de volta muito forte, de fevereiro até março nós tivemos um número bastante elevado de participação. E aí em março uma diminuição ali, inclusive por conta do número de casos, onde a gente só priorizou os estudantes que mais precisavam. O que a gente tem visto muito claramente, é que há uma confusão de informações, muitas vezes, e isso atrapalha sim a compreensão das famílias. Mas há uma compreensão hoje muito clara, de que o retorno, que não é obrigatório para a família no mês de agosto, só para lembramos disso, em agosto não há ainda o retorno da obrigatoriedade, o percentual deixa de existir, mas não é um planejamento também, Daniella, de cada escola. Cada escola terá um número de alunos determinados pela capacidade física, como determina a OMS, como determina diversos protocolos. Produto eu terei escolas com até 100%, como eu tenho escolas que tem 3 mil vagas, mas só tem 300 alunos matriculados, com todo o distanciamento eu posso atender todos os estudantes. Mas eu tenho escolas que eu não poderei atender todos os estudantes simultaneamente ainda nessa primeira etapa com essa regra, então poderá ficar em 70% a 80%, dependendo do distanciamento. Mas veja, é uma determinação que a secretaria já vai fazer para as escolas, no caso estaduais, cada prefeito fará, obviamente, para a sua rede. Mas nós vamos fazer para cada uma das escolas já o direcionamento, a partir da capacidade física, porque nós temos essas informações. E dialogar com os pais, o que aprendemos, no final das contas, é, que o início do retorno, muitos mais começam a observar primeiro como estão sendo os próprios protocolos, como é que está sendo a volta, se muitos pais voltaram, e isso vai aumentando. E uma segunda coisa, muitos pais não querem voltar para um rodízio onde o filho vai poucas vezes na semana, os pais preferem que a volta seja maior. Quando a gente aumenta a possibilidade de volta, muitos pais se sentem aí sim com um desejo de colocar de volta os filhos mais imediatamente, porque, afinal de contas a gente está sentindo sim que os pais querem a volta maior. Então a gente vai ter muito diálogo, muita informação, muita conversa da escola, com a sua comunidade, no mês de agosto.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Daniela, apenas para complementar, o avanço da vacinação também melhora, a segurança dos pais, dos professores e dos próprios alunos. E agora avançando também na vacinação dos adolescentes, a partir do próximo dia 23 de agosto, adolescentes com comorbidades, nessa faixa de 12 a 17 anos, serão vacinados, e na sequência, todos os adolescentes do estado de São Paulo nessa faixa etária de 12 a 17 anos, serão também vacinados. Até 30 de setembro todas, todas as pessoas que podem ser vacinadas em São Paulo terão recebido, pelo menos, a primeira dose da sua vacina. Isso aumenta também a segurança dos que vão à escola, dos que autorizam a ida dos seus filhos à escola, e dos que na escola oferecem educação e atendimento a esses jovens. Obrigado, então, Daniela. Vamos à última pergunta, que é do Fábio Menegueti, da TV Record. Menegueti, prazer em revê-lo, boa tarde. Sua pergunta, por favor.

FÁBIO MENEGUETI, REPÓRTER: Ainda falando sobre as escolas de tempo integral, qual o custo desse programa [Ininteligível]? Qual será o diferencial para que uma escola de tempo integral não seja apenas [Ininteligível]?

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO: Nós teremos entorno de R$ 800 milhões de investimento para essas escolas se tornarem em tempo integral, e obviamente a gente está falando aqui de um modelo absolutamente distinto, com dois pilares, um, tempo, ter mais tempo com o estudante, especialmente pós-pandemia, nós precisamos sim, e precisamos investir mais. Todas as evidências apontam para os resultados pedagógicos, muito melhores nas escolas de tempo integral, isso no Brasil todo. Você pode pegar o estado de São Paulo, onde as 33 melhores, por exemplo, [Ininteligível], são de tempo integral. Você pode pegar o estado de Pernambuco, Ceará, o Amazonas, onde eu trabalhei, em todos os lugares o tempo integral ele é essencial para a melhora, por isso que ele já é uma política pública estabelecida no Brasil. Mas tem o segundo pilar, que é a formação integral do indivíduo, quando eu aumento o tempo, eu aumento as possibilidades, tanto que na minha fala lá dentro eu falei muito disso, quando a gente vai lá e traz para dentro do projeto de vida do estudante, a escola se organiza inteira para que esse projeto de vida possa ser realizado para o estudante. Então isso fará uma diferença. Então ele vai ter eletivas, por exemplo, o jovem tem o clube onde não tem professor, onde o protagonismo, que é fundamental, o protagonismo é do próprio estudante organizando, nós temos tempo e espaço para isso. Nós temos tutoria, onde cada professor semanalmente conversa com o aluno individualmente para ajudá-lo no seu projeto de vida, para as orientações de estudo, nós temos orientações de estudo. Então o modelo pedagógico é absolutamente diverso. Obviamente que nós temos tudo que é do cognitivo, tudo que é do socioemocional, e nós temos mais espaço. E o modelo sendo repensado para a nossa realidade, hoje nós temos escolas de tempo integral, inclusive de dois turnos, porque muitos jovens, especialmente de ensino médio, muitas vezes, precisam ajudar a família de alguma maneira, e não conseguiam ir para a escola de tempo integral de nove horas, nós criamos aqui no estado de São Paulo o de sete horas, para poder levar para a periferia, para levar para as comunidades que mais precisam, porque esse estudante deve ser a nossa prioridade. Então a gente está constantemente olhando para o modelo do tempo integral para como melhorar. E algo importante, enquanto todas as escolas não viram tempo integral, a gente está fazendo algo que é fundamental, aprendendo com o que há de bom, e trazendo também para todas. Como eu disse, o projeto de vida hoje está em todas as escolas, pela experiência com o tempo integral, que é importante. Então o modelo de formação integral com o tempo integral, é a combinação perfeita para que a gente tenha uma educação muito melhor. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Fábio Menegueti, apenas para completar, escola de tempo integral é a transformação, é você apostar, acreditar que a educação pode transformar o país, e educação de tempo integral transforma o país que está no futuro, todo Brasil possa ter escolas de tempo integral, não importa o custo, não importa o resultado, o resultado de milhões de jovens brasileiros que passam a ter uma oportunidade real de serem competitivos, seja no mercado de trabalho, seja no empreendedorismo, e principalmente na vida, não discriminando os mais ricos que podem ter acesso a um bom ensino, e os mais pobres que tem um ensino medíocre e diferenciado. Mas sim a igualdade na qualidade. Então muito feliz como governador de São Paulo, Rossieli, queria testemunhar isso aqui mais uma vez aos meus colegas jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos, um orgulho ser governador do estado que agora passa a ter 1.855 mil escolas em tempo integral. E vamos avançar ainda mais, temos um ano e meio pela frente, para avançar ainda mais este número. Muito obrigado a vocês, por terem vindo, uma boa tarde. Se protejam, fique com Deus. Quarta-feira estaremos juntos na coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. Aos parlamentares que vieram, isso também demonstra o compromisso de vocês com a educação, com os projetos legislativos, que são levados à Assembleia Legislativa para a análise, debate e aprovação, principalmente quando tratam de educação. Obrigado, pessoal.