Coletiva - Governo de SP inaugura estação João Dias da CPTM e apresenta novo cartão de mobilidade 20210511

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP inaugura estação João Dias da CPTM e apresenta novo cartão de mobilidade 20210511

Local: Capital – Data: Novembro 05/11/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: A sua pergunta, por favor.

BRUNA, REPÓRTER: Bom dia, a todos. Bom dia, governador. Quanto tempo, né?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Bruna.

BRUNA, REPÓRTER: Bom, a inauguração de uma nova linha é sempre uma ótima notícia, ainda sobre esse tema de transportes, eu queria fazer uma pergunta para o prefeito Ricardo Nunes, se possível, porque foi uma declaração que ele deu ontem, sinalizando que no ano que vem, possivelmente a gente pode ter um aumento na tarifa de ônibus. Eu queria saber se a gente já sabe mais ou menos de quanto vai ser esse aumento, e se esse aumento também vai acontecer na CPTM, e também no metrô? Uma última perguntinha, governador, se o senhor me permite, eu também ainda falando a respeito da prefeitura, eu gostaria de um comentário do prefeito, porque na semana passa a gente teve a exoneração de três servidores que tinham recusado a tomar a vacina, e aí agora a gente tem uma portaria que proíbe esse tipo de demissão. Queria saber se agora a prefeitura vai mudar de postura por conta disso? Muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ok, obrigado, Bruna. Então vou dirigir, evidentemente, o microfone ao prefeito Ricardo Nunes, para as suas respostas. Ricardo.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Bom dia, Bruna. Duas perguntas, primeira, estava dando entrevista ontem na rádio, e a jornalista me perguntou sobre a tarifa, como é de praxe minha, nossa, total transparência sempre o tempo inteiro, é natural que a gente sempre discuta no último trimestre a questão tarifária. O que eu ponderei é que nós tivemos só esse ano, 65,2% do aumento do diesel, que o Governo Federal não conseguiu conter, sem nenhuma crítica, só uma observação prática, não conseguiu conter, e isso reflete, evidentemente, no custo da tarifa. Essa decisão não vai ser tomada só pela Prefeitura de São Paulo, isso passa pelos prefeitos da região metropolitana, inclusive o governo do estado, por conta da integração metrô e CTPM, a gente está discutindo, se não houver o aumento da tarifa eu terei que aumentar o subsídio, há um assunto que eu só queria deixar com bastante transparência, como sempre temos feito, para a população, de que existe uma preocupação do aumento da inflação, e em especial enfatizando um impacto muito forte do aumento do diesel de 65,2%. Com relação à portaria do Ministério do Trabalho, para mim ficou uma coisa deselegante, inclusive, chata, porque todo mundo está ali em uma linha de defender a vida, de valorizar a vacina, e acaba que vem uma portaria dessa em sentido contrário. A Prefeitura de São Paulo não vai recuar, a Prefeitura de São Paulo manterá as exonerações. Agora eu entro em uma outra fase, que são as empresas e autarquias que estão terminando, a controladoria terminando um estudo, cruzamento de dados, havendo pessoas não vacinadas irei exonerar, e o que vai fazer eu reverter, é evidentemente se vier uma resolução judicial, que aí sim questão judicial se cumpre. Caso contrário, a prefeitura mantém as pessoas demitias. E fortalecendo a campanha para que as pessoas se vacinem, e o que pode fazer com que a gente faça a reversão é se eles vacinarem, trouxer o cartão, no dia seguinte eu nomeio novamente.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito Ricardo Nunes. Bruna, muito obrigado, nós vamos agora para a Gabriela Rangel, queria alertar, antes de passar para a Gabriela, pedir à Daniela para checar, porque eu vi que o Marcos saiu, o Marcos Anjos saiu, se ele vai ou não fazer pergunta, porque está programado aqui, eu vejo que a câmera da TV Globo e da Globo News ainda se encontra aqui. Agora vamos com você, Gabriela Rangel, da Rádio CBN. Bom dia.

GABRIELA RANGEL, REPÓRTER: Bom dia.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Só um minutinho, desculpe, Gabriela. O pessoal que está aqui atrás, vou tomar a liberdade e pedir a vocês cinco minutinhos de silêncio, por favor, porque dificulta o trabalho dos jornalistas, pessoal, principalmente cinegrafistas, e o pessoal de áudio, se nós não tivermos um pouquinho de silêncio. Cinco minutos apenas, pessoal, em respeito aos colegas jornalistas que estão aqui trabalhando, pessoal. O pessoal que está falando, por favor, eu peço cinco minutos, apenas, em respeitos aos jornalistas que estão aqui trabalhando nessa manhã. Obrigado. Agora sim, Gabriela, por favor.

GABRIELA RANGEL, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Parabéns pela inauguração, a estação está bem bonita. Eu vou continuar nessa discussão sobre reajuste da passagem do transporte público, porque eu gostaria de ouvir agora do senhor, o prefeito de São Paulo comentou que essa é uma discussão que está entre os prefeitos da região metropolitana, em contato com o governo do estado. Então eu queria saber como que está essa conversa, por parte do governo do estado, e qual é o posicionamento do governo? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Gabriela. Responde Paulo Gale, secretário de Transportes Metropolitanos. Pode usar aqui, tanto faz.

PAULO GALLI, SECRETÁRIO DE TRANSPORTES METROPOLITANOS: Bom dia. Obviamente nós estamos fazendo todos os levantamentos iniciais de custos, tudo que se refere ao transporte de metrô, CPTM e EMTU, para avaliar, isso será discutido também com a prefeitura para a tomada de uma decisão conjunta mais à frente. Então não tem nenhum posicionamento fechado agora, porque nós estamos em uma fase de levantamento ainda, de todos os reajustes que houveram nesse processo. Da mesma maneira que o diesel aumentou, aumentou para a EMTU, você tem questão e energia elétrica, mas isso a gente vai fazer todo o planejamento para fazer essa discussão mais à frente. Então a decisão vai ser tomada em conjunto, provavelmente no final de dezembro.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Gale. Apenas para complementar, Gabriela, ao longo de todo esse período da pandemia, estamos falando de um ano e dez meses, portanto, 22 meses, o governo do estado de São Paulo bancou o sistema de transporte, mais de R$ 3 bilhões o investimento do governo do estado de São Paulo, no sistema de transporte público estadual, e também aqui na região metropolitana de São Paulo. Sem nenhuma ajuda, sem nenhuma contribuição do Governo Federal. E para piorar, os aumentos quase que quinzenais do combustível, especialmente o diesel, no que se refere ao transporte de pneus. Um total descontrole por parte do Governo Federal, em relação ao aumento sucessivo de combustíveis, que obviamente afeta o sistema de transporte público no estado de São Paulo. E quem bancou essa diferença foi o governo do estado de São Paulo, assim como no caso da prefeitura, quem bancou foi a prefeitura da capital de São Paulo neste período. Vamos agora ao William Cardoso, da Folha de São Paulo. William, bem-vindo. Bom dia. Sua pergunta, por favor.

WILLIAM CARDOSO, REPÓRTER: Muito obrigado. Governador, voltando ainda na questão do aumento, do reajuste, a gente sabe que todo ano ele é definido até a última semana de dezembro, normalmente, se começa o ano já com essa nova tarifa. Existe a possibilidade de adiamento dessa decisão ou o senhor pretende tomá-la o quanto antes, até para dar uma previsibilidade para o trabalhador que usa o sistema de transporte aqui em São Paulo, e como que ele pode fazer para se programar em relação a isso? A mesma pergunta que eu faço também para o prefeito, se o prefeito puder complementar depois eu agradeço.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Claro, responderemos os dois. Nós vamos concluir os entendimentos, as análises, quero lembrar apenas que 80%, 80% de todo o sistema de transporte público no estado de São Paulo, é bancado por empresas, ou seja, são as empresas que compram o vale-transporte e oferecem gratuitamente aos seus profissionais. Primeiro seguindo a lei, porque a lei assim determina, depois pela responsabilidade social das empresas, que até excedem este compromisso, mas garantem aos seus funcionários, não só o vale-transporte, como também o vale-refeição, sistemas de seguro, seguro-saúde, seguro-odontológico. As empresas, e a maioria das empresas de médio e grande porte tem esse nível de responsabilidade aqui em São Paulo, seja na capital, seja no estado. Portanto, qualquer expectativa de atualização tarifária, o impacto no bolso do usuário é pequeno, porque quem financia e quem subvenciona isso é o setor privado, são os empregadores. E 20%, evidentemente, são aquelas pessoas que utilizam o transporte, especialmente aqueles que não estão diante de um quadro de emprego. Embora estejamos acelerando o processo de emprego aqui em São Paulo, ainda há um número considerável de pessoas que não conseguiram retomar os seus empregos registrados em carteira. Mas vamos ouvir agora o prefeito Ricardo Nunes.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: O governador João Doria falou superbem, só queria complementar, acho que é um tema que ficou muito longe dos debates, e é importante a gente debater, tal a relevância e importância que é a questão do transporte. A Frente Nacional de Prefeitos, desde algum tempo, pleiteado junto ao Governo Federal, para que tenha um subsídio para o transporte, que eu acho que é justo, você tem gratuidade, inclusive da Lei Federal, mas não existe nenhuma ajuda, contrapartida do Governo Federal com relação ao transporte público. E até por conta desse evento que nós estamos aqui agora, a importância que é o transporte público. Nós estamos discutindo, o João acabou de vir, da questão da COP26, questões ambientais, quanto mais usar o transporte público e menos o transporte individual, é melhor, a qualidade de vida das pessoas, tem um sistema de transporte eficiente e eficaz, é fundamental. Então precisa ser discutido. A Prefeitura de São Paulo pagou no ano passado R$ 3,3 bilhões de subsídios, esse ano também outros R$ 3,3 bilhões de subsídio. E ressaltar, 65,2% de aumento no diesel não tem como, a gente tem que ter essa transparência, dizer que isso não vai refletir no custo do transporte. Então ressaltar essa questão do subsídio. E um outro tema que a gente também precisa melhorar e debater, é a questão da desoneração da folha dos funcionários da rede de transporte público, é um tema que o governo municipal, estadual e federal, precisa passar a enfrentar, conjuntamente, porque é necessário que qualquer país desenvolvido, que tem a preocupação ambiental, qualidade de vida das pessoas, tenham sistema de transporte público eficiente, eficaz e o mais barato possível.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, Ricardo. William, obrigado pelas perguntas. E vamos concluir com a Maira Di Giaimo, da Rádio e TV Bandeirantes, e Band News também. Maira, bom dia. Sua pergunta, por favor.

MAIRA DI GIAIMO, REPÓRTER: Bom dia, governador, prefeito. Bom dia, a todos. Bom, vou continuar nesse tema, que a população está cobrando bastante, eu queria entender, primeiro se realmente é inevitável esse aumento, esse reajuste? E eu sei que ainda está sendo discutido, mas se alguma previsão de quanto isso pode aumentar? Acho que até o prefeito chegou a dizer, baseado na inflação acumulada, mais ou menos alguma ideia de quando pode aumentar? E o que é que pode ser feito? Se existe alguma coisa que pode ser feito por parte da prefeitura ou do governo para amenizar essa tarifa ou segurar, congelar? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ricardo.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Maira, o sistema de transporte na capital já está há dois anos sem o reajuste, eu só estou dando um... Como eu falei no começo, é importante a forma da cultura de gestão, a gente sempre teve, eu, o João, o Rodrigo, de estar colocando todos os assuntos para debate, para não chegar lá na frente e ter uma surpresa, é uma forma de governar, porque eu acho que as pessoas estão compreendendo o quanto é importante. Existe uma questão tarifária a ser discutida, que todo ano é discutido, no último trimestre do ano, que é em conjunto com os prefeitos da região metropolitana, e o governo do estado, por conta da integração ônibus e CPTM. Agora, está decidido que vai ter aumento? Não está decidido? Pode ser que não tenha? Pode ser que não tenha. Se não houver o aumento, ou seja, o repasse desse custo do diesel, principalmente, para a tarifa, de uma certa forma, o governo vai ter que arcar através de subsídio. Lembrando que, o que é o subsídio? É um dinheiro que está no caixa da prefeitura, e que vai sair da educação, vai sair da saúde para subsidiar o transporte. É uma questão que nós estamos discutindo, nada definido ainda, deixar isso muito bem frisado e ressaltado, não está definido, é o momento de debate de um assunto delicado e importante, e que precisa ter por parte do Governo Federal uma compreensão da importância e ver se é possível ajudar um pouco subsidiando a questão do transporte público.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito Ricardo Nunes. Maira, muito obrigado. Apenas para informar que a partir de amanhã nós estaremos operando regularmente essa nova estação da Linha 9-Esmeralda, da CPTM, a Estação João Dias estará operando normalmente a partir de amanhã, na sua operação e atendendo a partir de segunda-feira, cerca de 20 mil usuários. Mais uma vez a Brookfield, a Tegra, e as empresas que compõem o Grupo Brookfield, muito obrigado pela confiança. Obrigado, pela ousaria que vocês tiveram, e certamente passará a ser uma referência em São Paulo e no Brasil. Agradecer a presença de todos, mais uma vez agradecer os meus colegas jornalistas, cinegrafistas, fotógrafos, e a todos que tiveram a gentileza de aqui comparecer. Tenham todos um bom dia, fiquem protegidos, usem as suas máscaras. Bom final de semana a todos vocês. Obrigado, pessoal.