Coletiva - Governo de SP inaugura primeira etapa do CITI no espaço do IPT Open Experience 20202511

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP inaugura primeira etapa do CITI no espaço do IPT Open Experience 20202511

Local: Capital - Data: Novembro 25/11/2020

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Antes de começar a entrevista, mais uma vez obrigado aos jornalistas que estão aqui, nessa manhã, nesta virada de manhã para o horário vespertino. Queria começar transmitindo a minha solidariedade aos familiares e amigos das vítimas do grave acidente que ocorreu nessa manhã em Taguaí, interior do estado de São Paulo, lamentavelmente, acabei de receber a notícia, já temos 40 mortos confirmados, eram 25, pulamos para 32, agora são 40 mortos nessa tragédia. Muito triste. Equipes do Corpo de Bombeiro da Polícia Militar do estado de São Paulo, ambulâncias, a própria Polícia Militar, a Polícia Rodoviária estadual, e também técnicos e diretores da Secretaria de Transportes do estado de São Paulo estão no local, para o atendimento à ocorrência, prestar o atendimento médico a aqueles que sobrevieram, as condolências e o apoio aos familiares das vítimas deste acidente. Então eu começo a nossa coletiva com uma nota triste, mas era importante ter este registro. Vamos agora às perguntas, nós temos quatro veículos de comunicação, que farão as perguntas, obviamente representando o conjunto de veículos que aqui estão, CNN Brasil, TV Cultura, Jovem Pan e a Rádio Band, e Rádio Band News, começado com o Tales Maurício, da CNN.

TALES MAURÍCIO, REPÓRTER: Tudo bem, governador? Boa tarde, ao senhor e a todos. Sobre esse projeto, governador, queria que o senhor explicasse como é que vai se dar o funcionamento na prática desse espaço, e para a população que está lá fora, como que ela vai ser beneficiada? E não podia deixar de perguntar também, governador, aproveitando, hoje foi divulgado um dado pela Fiocruz, de que os casos de síndrome respiratória aguda grave voltaram a crescer no Brasil desde julho. No caso de São Paulo, segundo a Fiocruz, há uma tendência de aumento para mais da metade das macrorregiões de saúde. Então fazer a pergunta que eu sei que incomoda, mas é um direito do paulista e do paulistano saberem se no estado de São Paulo, se há a possibilidade de a gente voltar atrás em algumas medidas? E como é que o senhor e a equipe de especialistas estão avaliando, analisando esses dados que mostram uma tendência de crescimento agora de infectados e de mortes pela COVID-19?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Tales, são duas perguntas, obrigado mais uma vez pela sua presença, e da CNN Brasil. Eu vou responder, e na segunda pergunta, e depois na primeira, a Patrícia Ellen vai nos ajudar na sua resposta. Primeiro teremos amanhã uma coletiva de imprensa às 12h45min, no Palácio dos Bandeirantes, com toda equipe de médicos e cientistas, e quero reafirmar aqui que o governo do estado de São Paulo nesta questão, na questão da COVID-19 e das vacinas, Tales, não toma decisões de ordem política, nem de ordem pessoal, toma decisões fundamentadas na avaliação e na orientação do nosso comitê científico, denominado centro de contingência do COVID-19. Que estará lá amanhã com os seus dois coordenadores, coordenador geral, doutor José Medina, e o coordenador executivo, João Gabbardo, assim como o presidente do Instituto Butantã, e o nosso secretário da Saúde. Mas posso antecipar a você que toda a orientação da saúde foi que pudéssemos ter esta medida diária, e o acompanhamento diário, com todo respeito à Fiocruz, nós temos aqui elementos, cientistas, e monitoramento que dispensam qualquer tipo de orientação vinda de outra instituição. O governo do estado de São Paulo foi o primeiro governo a adotar a quarentena, juntamente com o Rio de Janeiro, mas foi o primeiro, foi o primeiro a adotar a obrigatoriedade do uso de máscara, e as medidas restritivas. E o primeiro a fazer um programa de flexibilização heterogêneo, denominado plano São Paulo. E nós ao longo desses últimos três meses já evoluímos e já regredimos também. Portanto, estaremos acompanhando, e as medidas que forem necessárias serão adotadas, mas sempre fundamentadas na ciência e na saúde. E a ciência e a saúde estarão representados amanhã nesta coletiva de imprensa às 12h45min. Patrícia, a primeira pergunta, sobre benefícios e vantagens, e a prática para a população, fez parte da primeira pergunta do Tales Maurício, da CNN Brasil.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigada, Tales. Então essa primeira etapa do CIT, que é o IPT Open Experience, ele traz como objetivo termos aqui um processo de financiamento de grandes pesquisas aplicadas à realidade, Tales. Então as empresas podem participar de três formas diferentes, temos o modelo que é o hub de inovação, que são espaços menores, e as startups também podem ocupar o espaço, é no prédio nº 1, que é o prédio principal do IPT. Então algumas das empresas que só aqui conosco elas aderiram ao modelo de hub de inovação e vão ficar instaladas no prédio nº 1. O outro modelo é um modelo que nós estamos chamando de centro de pesquisa e desenvolvimento, centro de P&D, que é o exemplo da GranBio. Então o que a GranBio fez? Ela pegou um andar inteiro nesse prédio de bionanomanufatura, e está trazendo todo o departamento de pesquisa e desenvolvimento da empresa para dentro do IPT. Além disso nós temos outro modelo, que são empresas desenvolvidas em grandes pesquisas, que elas coinvestem conosco em laboratórios. O governador terminando aqui vai ver exatamente o laboratório atravessando aqui, que nós investimos com grandes empresas na área automotiva, em especial em agritecnologia. Ali, por exemplo, tem o simulador que quem tem grandes colheitadeiras só consegue fazer isso aqui, nós simulamos 20 anos de uma colheitadeira em seis meses. Então temos grandes empresas, a Fiat vai mostrar ali para a gente que há um modelo concreto que tem investido assim. Na prática nós conseguimos investimentos adicionais, hoje o governador passou uma mensagem muito grande, que nós estamos mantendo todos os investimentos em ciência e tecnologia, inclusive todo o recurso da FAPESP investido. Para a população para nosso conhecimento, a FAPESP sozinha hoje, investe mais de 80% do recurso nacional de todas as fundações de amparo à pesquisa. Então o benefício para a população é direto, tudo que está sendo feito aqui é direto para a população, e não é só de São Paulo. Nós demos exemplos no laboratório, testes de máscaras, tecidos antivirais, um trabalho de vacinas, toda a pesquisa de enfrentamento à COVID-19, respiradores, o professor Jeferson fez um trabalho de reconversão industrial de três dos grandes consórcios, tem quatro consórcios hoje que distribuem respiradores no Brasil. O quinto agora está sendo lançado agora na USP também, que é do Respirador Inspire. Tudo isso sendo feito aqui, então é benefício direto da população, e agora com cofinanciamento e participação privada para complementar esses recursos. Finalmente um número importante, essas quatro empresas juntas estão investindo só aqui nessa primeira etapa, R$ 4 milhões. Nesse ano nós aumentamos o caixa e colaboração privada de R$ 8 milhões para R$ 40 milhões. E já temos R$ 90 milhões comprometidos anualmente nessas parcerias já fechadas. Além das quatro anunciadas, temos 21 parcerias na fase final de contratação.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Tales Maurício, obrigado pelas perguntas. Vamos agora à TV cultura, Vanessa Lorenzine. Vanessa, prazer tê-la novamente conosco aqui, não lá no nosso local das nossas coletivas, mas aqui no IPT Open Experience. Sua pergunta, por favor.

VANESSA LORENZINE, REPÓRTER: Obrigada, governador. Boa tarde. Boa tarde, a todos. De forma muito prática para explicar para a população qual vai ser a importância e o papel da inovação na recuperação da economia, por causa dos impactos causados pela pandemia de COVID-19, terão áreas mais beneficiadas pela tecnologia? Há uma preocupação em mostrar a ciência como um investimento e não como um gasto?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa pergunta, Vanessa. Vou dividir a resposta com a Patrícia Ellen, e com o professor Márcio Antônio Zago. Sim, a importância é demonstrar que isso é um investimento, não é gasto. A tecnologia, inovação e a pesquisa não representam gasto, representam sempre investimento, pois elas produzem resultados, e resultados que são usufruídos, desfrutados pelas pessoas em todos os níveis da nossa sociedade. E no caso de São Paulo, São Paulo é o líder nacional de inovação e tecnologia, aliás, concentra 80% de todo o investimento em tecnologia no país. Ontem mesmo participei de uma reunião, um encontro, de inauguração de um centro tecnológico da Natura, uma empresa privada, brasileira, sediada em São Paulo, que nasceu aqui há mais de 50 anos, e que também utiliza ciência, inovação e tecnologia para a melhoria da qualidade dos seus produtos, e a sua liderança mundial, é uma das três maiores empresas de cosméticos do mundo, sediada em São Paulo, nasceu aqui. E, portanto, ela utiliza os investimentos em ciência, inovação e tecnologia, na melhoria dos seus produtos, e na proteção ambiental. Então sim, isso ajuda a economia, estimula o processo econômico, São Paulo já está novamente na liderança, 2020, não obstante, a pandemia, toda a tristeza que ela nos trouxe, a economia de São Paulo está crescendo três vezes mais do que a economia do país. Lamentavelmente, teremos um período ainda de recessão neste ano de 2020, mas não em São Paulo. Em São Paulo, ou vamos zerar ou teremos um pequeno acréscimo, ou seja, um crescimento positivo neste ano de 2020, e um crescimento estimado de 5% no PIB, no Produto Interno Bruno do Estado de São Paulo, no próximo ano, no ano de 2021. Os dados foram apresentados na reunião de secretariado, na última sexta-feira, pelo ex-ministro da Fazenda e atual secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles. Vou pedir então à Patrícia e ao professor Zago, eles serão breves, para complementar a resposta à jornalista Vanessa Lorenzini, da TV Cultura. Fica aqui, pra ficar mais fácil pra você.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE SÃO PAULO: Uma das tecnologias com maior potencial de impacto é investimento em internet das coisas. O plano nacional de internet das coisas estima que o benefício direto para a população é entre R$ 600 bilhões e R$ 1 trilhão até 2025. As quatro áreas de maior impacto são saúde, a vida nas cidades, então cidades inteligentes, toda a parte de agricultura, e o quarto pilar, que é manufatura avançada. São Paulo corresponde, historicamente, a 60% da participação desses investimentos, e agora já estamos em 80%. O resultado é direto em melhoria de qualidade de vida para a população. Então, esse olhar é através da melhoria dos serviços, serviços de saúde, de tecnologia, de segurança, segurança na vida nas cidades. Além disso, tem o aspecto de empregabilidade. Tecnologia é um dos poucos setores no mundo que está crescendo. Nós temos um aumento de postos de trabalho e uma ausência de pessoas qualificadas nessa área. São Paulo não fará isso. Cada emprego conta, especialmente numa área que remunera tão bem. A remuneração chega a ser entre 20% e 60% acima de uma remuneração média, e nós lançamos nesse ano o maior programa de qualificação técnica, profissionalizante, nessa área, que é o SP Tech, e já disponibilizamos inclusive um programa voltado somente para mulheres, que é o SP Tech Mulher. Só no SP Tech Mulher foram 20 mil vagas de cursos técnicos nessa área, para que possamos garantir que todos os empregos sejam ocupados.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, Patrícia, vou pedir para você entregar o microfone, todos nós aqui higienizamos as nossas mãos, ao professor Marco Antônio Zago, que complementa a resposta à Vanessa Lorenzini, da TV Cultura. Professor Zago.

MARCO ANTÔNIO ZAGO, PRESIDENTE DA FAPESP: Três tópicos. Primeiro, numa entrevista recente ao jornal O Estado de São Paulo, eu disse o seguinte: Não é a economia, nem os economistas, que geram riquezas. Eventualmente, quando eles trabalham bem, eles distribuem ou redistribuem riquezas. Quem cria riqueza é a educação, a produção, a ciência e a tecnologia. Então, a riqueza tem que ser criada, para depois ser distribuída. Então, nós trabalhamos, governador, na produção de riquezas, na ciência e tecnologia. Que às vezes dá resultados imediatos, a Patrícia citou alguns exemplos, respiradores, e assim por diante. Às vezes, os resultados são de longo prazo. Há 20 anos, a Fapesp iniciou um projeto chamado Genoma, de ciência básica, mas aquilo lançou as bases do conhecimento da genômica no Estado de São Paulo, da qualificação de pessoas, para depois ter os laboratórios que estão fazendo testes genéticos à vontade aí, pra todo lado. A outra, vocês imaginam a vida sem internet? Hoje? Pergunta: Onde nasceu a internet no Brasil? Vocês sabem? Na Fapesp, dentro da Fapesp, os cientistas fazendo experimentos de transmissão de sinais, que depois foram tomando um formato mais evoluído, e finalmente foi absorvido pelo setor comercial, pelos governos e assim por diante. Então é isto que a ciência faz, é produzir, é dar o pontapé inicial para aquilo que vai criar o desenvolvimento, governador. Acho que serve como exemplo, né?

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, professor Zago. Vou deixar... Não, não, pode pôr aqui. Eu, além de estar imunizado, estou higienizado. Eu já peguei Covid. Obrigado. Vamos agora à penúltima intervenção, que é da Caterina Achutti, da Rádio Jovem Pan. Boa tarde, prazer em vê-la novamente, Caterina. Sua pergunta, por favor.

REPÓRTER: Tudo bem, governador? Boa tarde, boa tarde a todos. Governador, como o senhor bem disse, a inauguração de hoje representa o início da primeira etapa desse projeto, o Citi. Gostaria de saber quais as próximas etapas, para que, de fato, se chegue ao objetivo de tornar São Paulo aí uma referência global em ciência e tecnologia, e também os benefícios, as expectativas, dos benefícios a longo prazo que esse projeto pode e vai, certamente, trazer aqui para o Estado de São Paulo. Obrigada.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado a você, Caterina. Vou responder, vou dividir com a Patrícia Ellen, nossa secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. O próximo passo eu mencionei, mas faço aqui a ênfase aos ouvintes e aos internautas da Rádio Jovem Pan, que é a implantação do Centro da 4ª Revolução Industrial, um projeto vinculado ao Fórum Econômico Mundial. É o único Centro da 4ª Revolução Industrial do continente sul-americano, está aqui em São Paulo, será aqui em São Paulo, no Brasil, e o primeiro do hemisfério sul do planeta. Isso é um passo muito importante de integração de toda a operação denominada IPT Open Experience, como um centro de ciência e tecnologia. De fato, como foi mencionado aqui, Caterina, São Paulo será, nesta região, o Vale do Silício brasileiro, e já começando de forma acelerada, dada a dimensão das empresas de alta tecnologia, como você viu aqui: empresas americanas, chinesas, alemãs e brasileiras, todas de grande porte, já instaladas aqui. O passo seguinte, estamos falando de passos rápidos, não são passos de longo prazo, passos de curto prazo, é a Academia, é um centro acadêmico de altíssima qualidade, voltado para formação na administração, gestão, na área de ciência, inovação e tecnologia, em todos os setores. O que, aliás, harmoniza muito com a nossa Universidade de São Paulo, que aqui está, que é a melhor universidade do Brasil, a melhor universidade da América do Sul e a melhor universidade da América Latina. A referência e o ranking não foi formulado por mim, e sim por instituições internacionais que avaliam universidades públicas e privadas anualmente. Então, esses são dois passos importantes, que nós estaremos anunciando muito em breve aqui, no Citi, no Centro Internacional de Tecnologia e Inovação. Patrícia, quer complementar? Se necessário.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE SÃO PAULO: Brevemente, eu acho que o governador descreveu muito bem essa etapa do Citi 1. O Citi 2 é exatamente o desenvolvimento da região do Parque Tecnológico do Jaguaré, que é, para quem não conhece, exatamente onde fica a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia hoje. O passo 3, nós estamos trabalhando em um projeto integrado de governo, para estudarmos todo o trabalho de desenvolvimento de terrenos do Estado de São Paulo hoje. E aí, nesse trabalho, envolvemos a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, a Secretaria de Administração Penitenciária, a Secretaria de Habitação. Um projeto grande, tanto desse lado do rio como do outro lado do rio. Esse é o Citi 3. E o Citi 4 é exatamente a área do Ceagesp. Todos eles, inclusive, estão sendo integrados hoje num programa que é um master plan, sendo desenvolvido em parceria com o BNDES e com a Prefeitura de São Paulo. Um último ponto a destacar, que é bem importante, existe o PIU Arco Pinheiros, que está em votação hoje na Câmara da cidade de São Paulo, que é muito importante, pois ele prevê um modelo de ocupação do solo, outorgas, e inclusive reconhecendo investimento em áreas vocacionadas para inovação e tecnologia.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Caterina, obrigado pelas perguntas. Vamos agora à última, é com você, Lucas. Obrigado pela sua paciência, Lucas Josino, da Rádio Bandeirantes e da Rádio BandNews também. Lucas.

REPÓRTER: Tudo bem, governador? Boa tarde a você, boa tarde a todos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vamos ligar o microfone do Lucas.

REPÓRTER: Está ligado, está ligado.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Agora sim.

REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde a todos.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde.

REPÓRTER: Governador, sobre o assunto de hoje, acho que os colegas perguntaram e os senhores responderam bem, a secretária também. Eu não poderia deixar de perguntar sobre o acidente de hoje, 40 mortos, muito grande. Muitos moradores ali da região disseram pra gente, na tela da Band, na Rádio Bandeirantes, em todos os locais, que havia falta de estrutura no local, ali naquela rodovia. É uma rodovia simples, pista única. Não faltou um pouquinho de estrutura ali, governador? A gente tem falado bastante sobre duplicação de pistas aqui na cidade, em outras rodovias. Caso tivesse uma duplicação ali, não teria uma colisão de frente.

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Lucas, vamos por partes. Eu ouvi a Rádio Bandeirantes, hoje pela manhã, e ouvi também o Datena hoje pela manhã. Primeiro, não há ainda a identificação clara do que motivou o acidente, isso não está ainda claro, está sendo investigado. São Paulo é o estado que realiza os maiores investimentos rodoviários em todo o país, seja nos programas de concessão e nos programas também de recuperação de estradas vicinais, e das SPs estaduais. É o maior investimento no país, de longe. Agora, isto não implica em estabelecer uma relação milagrosa, a capacidade de transformar e duplicar todas as rodovias do Estado de São Paulo, num período tão curto. Muitas rodovias, aliás, esta semana eu estarei inaugurando mais uma, na semana que vem mais uma, e assim sucessivamente, trechos e áreas de implantação de quilômetros de novas rodovias de duplicação, sinalização e melhoria de qualidade, além das concessões. São Paulo fez a maior concessão rodoviária da história do país, em maio deste ano, chama-se Pipa, a rodovia que liga Piracicaba a Panorama, 1.373 Km de rodovia duplicada, com alta tecnologia, e que estará empregando muito em breve 3.700 trabalhadores, mais de 2.000 já estão lá, investimento de R$ 15 bilhões do Fundo Soberano de Singapura. Mas eu quero aproveitar a oportunidade, Lucas, sem fazer juízo, porque não houve o laudo ainda, indicando qual a razão, mas é preciso ter muito cuidado ao dirigir. Jamais dirigir após beber, jamais desrespeitar a sinalização das rodovias, sejam estaduais, sejam federais. Dirigir com cuidado e com atenção é um fator que limita e reduz acidentes, assim como boa sinalização, boas rodovias, boa qualidade asfáltica e bom trabalho orientativo, seja das concessionárias, seja através da Artesp, do DER e também da Polícia Rodoviária Estadual. O que eu quero finalizar, Lucas, é como abri esta coletiva de hoje, com meu sentimento de solidariedade às vítimas, às famílias dessas 40 vítimas, que perderam as suas vidas neste acidente, e àquelas que estão sendo atendidas em hospitais da região. Determinei hoje, pela manhã, que todo o esforço do Governo do Estado de São Paulo estivesse concentrado nesta região, seja do ponto de vista dos Bombeiros, seja do ponto de vista da Polícia Militar, Polícia Rodoviária e atendimento médico para as pessoas feridas. E o atendimento e atenção àqueles que, infelizmente, às famílias daqueles que perderam as suas vidas neste acidente. Então, concluindo com o Lucas, queria renovar o agradecimento a todos pela presença. Voltaremos a estar juntos amanhã. Eu tenho que pedir desculpas, Tales, porque eu tenho um compromisso agora...

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: [pronunciamento fora do microfone]

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não, não há, está sendo investigado, ainda não se sabe, por isso que eu fiz a ressalva ao Lucas, como faço a você. Ainda não há o resultado dessa investigação. Por isso que a Polícia Militar e a Polícia Científica do Estado de São Paulo estão lá, fazendo a investigação, verificando, indagando também a outras pessoas, que não foram vitimadas, mas que acompanharam visualmente esta tragédia, para identificar qual a real razão do acidente. Eu fiz apenas essa ponderação ao Lucas, da Rádio Bandeirantes, porque também não se pode classificar que a culpa é da rodovia, como não se pode classificar que a culpa é do usuário 1, 2, ou 3, que tenham se envolvido nesse triste acidente. Vamos esperar o resultado da análise da Polícia Científica, da Polícia Rodoviária Estadual, para assim sabermos a razão deste triste acidente. Mas fica aqui a nossa solidariedade aos familiares daqueles que perderam, infelizmente, a sua vida nessa autoestrada. Muito obrigado a todos, até amanhã.