Coletiva - Governo de SP promove novo ‘Dia V’ de vacinação neste sábado (16) 20211310

De Infogov São Paulo
Revisão de 10h37min de 25 de outubro de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - Governo de SP promove novo ‘Dia V’ de vacinação neste sábado (16) 20211310''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensaoficial.com.br/inde...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo de SP promove novo ‘Dia V’ de vacinação neste sábado (16) 20211310

Local: Capital – Data: Outubro 13/10/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, muito obrigado pela presença de todos. Vamos dar início a mais uma coletiva de imprensa, aqui na sede do Governo do Estado de São Paulo, no Palácio dos Bandeirantes. Hoje com a presença do prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes, que nos honra muito com a visita, e os demais secretários e secretárias que estão aqui e que responderão às perguntas formuladas pelos jornalistas, a quem cumprimento. Obrigado por estarem aqui conosco nesta tarde. Também cumprimento meus colegas cinegrafistas e fotógrafos que estão aqui, e igualmente os que estão virtualmente participando desta coletiva de imprensa.

Bem, as notícias de hoje, começando por educação. O Governo do Estado de São Paulo anuncia a retomada obrigatória dos estudantes às aulas presenciais, nas redes estadual, na rede municipal e na rede privada de ensino, em todo o Estado de São Paulo, a partir da próxima segunda-feira, 18 de outubro. Com o avanço da vacinação no Estado de São Paulo, o estado que mais vacina, o estado que mais realizou o procedimento de vacinação em todo o Brasil, e o que lidera hoje a vacinação na primeira dose, nas duas doses e na dose de reforço, assim como os indicadores de queda da Covid-19, tornam possível e viável a obrigatoriedade dos alunos em sala de aula, a partir da semana que vem, a partir do dia 18 de outubro, segunda-feira. Isso é uma informação para os pais. Eu tenho certeza que, como eu, pai de três adolescentes, todos aqueles que são mães e pais estão felizes com a possibilidade dos seus filhos retomarem as aulas, seja na rede pública de ensino, seja na rede privada de ensino. Para garantir a segurança do retorno às aulas presenciais, todos os protocolos sanitários, como distanciamento de 1 metro entre os alunos, uso obrigatório de máscaras e o álcool em gel, serão mantidos com segurança até o final do mês de outubro, e o secretário Rossieli Soares dará mais detalhes a vocês também sobre o tema do distanciamento de 1 metro entre as posições ocupadas pelos alunos na rede pública e privada, e o que ocorrerá a partir do dia 1 de novembro.

Segunda informação, também uma boa notícia, e essa notícia compartilhada com a Prefeitura da Cidade de São Paulo, a maior cidade do país. Hoje, tivemos uma longa reunião, começou às 7h da manhã, foi até as 9h30, com todos os secretários municipais, os secretários estaduais, sob liderança do Ricardo Nunes, prefeito da capital de São Paulo, com a minha participação e a participação também do Rodrigo Garcia, vice-governador e secretário de Governo do Estado de São Paulo. Entre as definições desta reunião, foi aprovado um investimento do Governo do Estado de São Paulo de R$ 2,5 bilhões nas áreas da saúde, habitação e assistência social na capital de São Paulo. Repetindo, foi definido nessa região um investimento de R$ 2,5 bilhões em saúde, habitação e assistência social na capital de São Paulo. A reunião foi realizada hoje pela manhã, conforme já mencionado, e na área da habitação ficou pactuada a construção de 29 mil novas moradias populares, na parceria entre o Estado de São Paulo e a prefeitura da capital. Na área da saúde, foi acordado um repasse de R$ 315 milhões para as Santas Casas e entidades filantrópicas de saúde que atuam na capital paulista. Foi também acordada a doação de 541 respiradores e monitores para as unidades de terapia intensiva dos hospitais públicos municipais. Com isso, melhoramos também e oferecemos maior robustez ao sistema público municipal de saúde da capital paulista. Da mesma forma, foi definido hoje a transferência do Hospital Sorocabana para a prefeitura de São Paulo. E o custeio do Centro Oncológico Bruno Covas, na Vila Santa Catarina, na Zona Sul da capital. A transferência do Hospital Sorocabana foi objeto de uma análise profunda de estudos conjuntos, nos últimos seis meses, e hoje nesta reunião foi definida a transferência para a prefeitura de São Paulo, exatamente como desejava o prefeito Ricardo Nunes e o secretário Edson Aparecido. E também na área de assistência social, ficou definido que o Governo do Estado vai construir mais dois restaurantes Bom Prato, nos bairros de Parelheiros e M'Boi Mirim, Zona Sul da cidade, e a operação será conjunta, o custeio será conjunto, do Governo do Estado e da Prefeitura do Município de São Paulo. Então, são dois restaurantes Bom Prato, numa área na Zona Sul da capital, onde havia carência e necessidade da implantação deste programa Bom Prato. Sobre estes bons temas, falará o prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes, aqui ao nosso lado.

Terceira informação: Vamos promover uma nova data especial de vacinação, o Dia V, V de vacina, V de vida, contra a Covid-19. No próximo sábado, dia 16 de outubro. São mais de 5.000 postos de saúde, nos 645 municípios do Estado de São Paulo. Em todos eles, os postos de saúde vão abrir, repito, no sábado, dia 16, das 7h da manhã às 7h da noite, das 7h da manhã às 7h da noite, para aplicação da segunda dose de quem já tomou a primeira dose da vacina, e pode já no espaço vacinal tomar a sua segunda dose, e também os que não tomaram e podem tomar a dose de reforço, a terceira dose da vacina contra Covid-19. É uma grande oportunidade para as pessoas que ainda não tomaram a segunda dose fazerem isso com calma e com tempo, neste sábado, dia 16, das 7h da manhã até as 7h da noite. Sobre o novo Dia V, V de vacina, falará a Regiane de Paula, nossa coordenadora do Programa Estadual de Imunização.

E finalizando com os dados da saúde, oferecidos e apresentados aqui pelo nosso secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn.

Então, no primeiro tema, o tema da educação, esta boa notícia para os pais de alunos da rede pública, da rede privada de ensino, eu peço agora a palavra de Rossieli Soares, secretário da Educação do Estado de São Paulo. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Bom dia a todos, boa tarde, na verdade, a todos. É um prazer estar aqui com uma notícia tão importante, falar de volta às aulas, priorizar as crianças, os jovens, é fundamental. Pode passar. Eu queria lembrar a todos que essa é uma história já bastante longa, dentro desse processo de Covid. Nós apresentamos em junho de 2020 a primeira proposta de retorno, e retornamos as primeiras atividades em 8 de setembro. Eram opcionais àquela época, inclusive para a própria escola. Mas com isso fomos vivendo vários momentos, acompanhando os movimentos, sempre com a área da saúde, mas aprendendo, até chegarmos ao ponto do que vamos falar, do período do dia 18 de outubro, onde a gente ainda mantém o distanciamento de 1 metro, mas inicia o processo de obrigatoriedade dentro da rede estadual, e também os 100% dos estudantes, a partir... podendo estar nas aulas a partir do mês de novembro, nas nossas escolas aqui no estado. Pode passar.

É importante também destacar que a gente está falando que a gente não está voltando da mesma maneira. As escolas... Desculpa, acho que ficou desconfigurado na hora de projetar aqui. As escolas tiveram investimento alto. A rede estadual, por exemplo, R$ 744 milhões em reformas acontecendo, com o programa Escola Mais Bonita, o Dinheiro Direto na Escola, dinheiro na mão dos diretores, Bolsa do Povo, 20 mil pais e mães contratados para as escolas estaduais, protocolos com a vacinação dos professores, lembrando que o Estado de São Paulo foi o primeiro estado a vacinar os profissionais da educação. Isso trouxe uma segurança ainda maior para o que estamos fazendo. E obviamente comunicação, acolhimento, que são fundamentais. Pode passar. R$ 625 milhões somente de PDDE, repassados neste ano e com, obviamente, objetivo de melhorar os espaços: instalação de lavatórios, reforma de banheiros, tudo isso já foi feito pelas nossas escolas, e tem melhorado muito. E obviamente, temos aqui os repasses de produtos também para o Covid. Esse ano, já repassamos R$ 25 milhões para o Covid, mas vamos repassar mais R$ 25 milhões para as escolas que precisarem de mais recursos, para, obviamente, termos mais ainda segurança. Então, se a escola precisar, escola estadual, ela vai solicitar e nós vamos mandar recursos extras para todas as escolas que necessitarem. Pode passar. Salientando: Vacinação de profissionais da educação, 97% dos profissionais da educação da rede estadual já vacinados, com esquema vacinal completo, com as duas doses. E 90% dos adolescentes de 12 a 17 anos já vacinados com a primeira dose, e aqui queria fazer um registro muito importante, que o Estado de São Paulo já antecipou para 56 dias após a primeira dose, para se tomar a segunda dose. Então, os jovens de 16 e 17 anos, neste momento, já podem procurar os postos de saúde para fazer a vacinação da segunda dose, completando assim o esquema vacinal. Comorbidades também. Isso é muito importante destacar e obviamente trará ainda mais segurança para essa população. Pode passar.

Então, qual é o ponto principal? A partir do dia 18 de outubro será obrigatória a presença em sala de aula, mantido o distanciamento com os demais protocolos, então no mês de outubro 1 metro está mantido, ainda, de distanciamento. Na rede estadual, nós começamos com a obrigatoriedade dos estudantes já na segunda-feira, e o Conselho vai deliberar sobre o prazo para as escolas privadas, a gente vai publicar. Vai ter um prazo onde a escola privada poderá se adaptar à regra, a rede estadual já começará. Para as redes municipais, isso deverá ser observada a regra de cada conselho. Vou dar o exemplo, aproveitando e cumprimentando o prefeito Ricardo Nunes: A cidade de São Paulo tem uma lei específica que regula a rede municipal, inclusive sobre obrigatoriedade. Portanto, para a rede municipal não se aplicará esta regra. Para cidades que têm Conselho Municipal próprio, poderá ter obviamente outra regra. Mas para aqueles municípios que são regulados pelo Conselho Estadual, que geralmente são os municípios pequenos do nosso estado, eles deverão seguir a regra que é estabelecida pelo Conselho Estadual de São Paulo, que vai deliberar e vai estar publicando a regra já nesta semana. E obviamente lembrando: Em outubro, mantido o distanciamento, com organização da bolha. Então, neste mês de outubro, a rede estadual basicamente vai funcionar: Tem uma bolha? Está organizado com 50%, 60% dos alunos pra o dia da segunda-feira, dia 18? São estes 50% e 60% de alunos que deverão ir obrigatoriamente na escola. Na terça-feira, outro grupo de alunos? Eles deverão ir neste dia, obrigatoriamente. E a partir de novembro, não precisaremos mais ter a bolha, porque nós não precisaremos ter esse distanciamento. Pode passar. Uma coisa importante, que obviamente existem exceções à regra. Eu estou trazendo algumas delas, mas jovens com comorbidades, que tenham completado... por exemplo, que tenham alguma doença, que o médico determine que não é aconselhável o seu retorno, por qualquer um dos motivos, será respeitado. Então, sempre que houver algum atestado médico, alguma das condições de saúde com alguma fragilidade à Covid, obviamente as escolas respeitarão isso. Por isso, a gente vai continuar com as atividades remotas também, para os alunos que precisarem. Então sempre, obviamente aqui são alguns exemplos, gestantes e puérperas, por exemplo, jovens com alguma doença específica também poderão manter-se ainda no remoto. Pode passar.

E a partir do dia 13 de novembro, portanto, 100% obrigatória a presença de todos os estudantes, simultaneamente, nas nossas salas de aula, com a manutenção da aplicação dos protocolos. Isso é muito, muito, muito, muito importante, gente. Obrigatoriedade de máscara continuará nos espaços escolares, até o final do ano. Nós vamos continuar exigindo os demais protocolos, por exemplo... Pode passar. A gente vai continuar ainda com as pessoas sintomáticas, não devem ir à escola, por exemplo, uso correto, obrigatório das máscaras, aferição da temperatura permanece como uma regra, manter a sala isolada, ou seja, só para aquela turma, e arejada. Sempre com caso suspeito ou confirmado notificar a UBS e registrar os casos no Simed, e manter a sala de aula sempre preparada, como foi feito desde o ano passado essa preparação. Então, nós estamos mantendo aí as regras, governador. Esse é um passo muito importante. As crianças estão com uma série de déficits de aprendizagem, com uma série de problemas inclusive psicológicos, depressão, ansiedade. Nunca foi visto o que está sendo visto, o que está sendo visto no mundo com essa geração. E a volta às aulas também é um processo constante e importante, hoje é um passo fundamental que o Estado de São Paulo está dando. E obviamente dizer principalmente aos gestores municipais, aos secretários municipais: a gente vai ter reuniões nesses próximos dias ajustando, alinhando todas as necessidades com a nossa própria rede, com os parceiros, com as redes municipais e também com as escolas privadas. Muito obrigado e bom dia a todos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Nós vamos agora ouvir o prefeito da capital de São Paulo, Ricardo Nunes. Repetindo, hoje tivemos uma produtiva reunião pela manhã, envolvendo secretários do município de São Paulo, sob o comando do prefeito, secretários do governo do estado de São Paulo, para vários programas e definimos este investimento R$ 2,5 bilhões na Prefeitura de São Paulo, notadamente nas áreas de saúde, habitação e assistência social, não foram os únicos temas, as únicas áreas abordadas, mas são aquelas que nós já podemos anunciar um investimento substitutivo, repito, de R$ 2,5 bilhões na Prefeitura da capital de São Paulo. Com a palavra, prefeito Ricardo Nunes.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Obrigado, governador João Doria. Cumprimentar todos da imprensa que estão presentes, todos os colegas aqui secretários, do governo de estado. Como falou o governador João Doria, uma reunião hoje, uma das melhores que eu tive, João, com a nossa equipe, tendo em vista a quantidade de coisas positivas que saíram dessa reunião, de parceria do governo do estado de São Paulo com a Prefeitura de São Paulo. Você foi prefeito de São Paulo, portanto, sabe exatamente o que é prefeitar a necessidade que tem em cada município, e muito por isso a sua sensibilidade, esse grande avanço. Destaque especial para a realmente da habitação, só para você ter uma ideia, João, quem governou essa cidade de 2013 a 2016, fez 5.500 mil unidades habitacionais, a gestão de 17 a 20, sua e do Bruno, 25 mil unidades habitacionais, e temos agora uma meta de fazer 49 mil unidades habitacionais, para a gente poder entender a grandeza e a importância, que é a importância da unidade habitacional, quando a pessoa tem a sua residência, tem ali a sua dignidade, o trabalhador poder ter seu descanso, a família poder cuidar dos filhos. Então é uma ação muito forte da Prefeitura de São Paulo, para o governo do estado, a qual só nessa área teremos quase R$ 2,2 bilhões de recursos, junto com o governo do estado, que possibilitará a construção de R$ 29 unidades habitacionais. Outra questão muito importante na área da saúde, o prefeito Bruno Covas já havia aberto dez hospitais na cidade de São Paulo, para enfrentar a pandemia, contratado 11.500 mil profissionais de saúde, agora mais um reforço com essa parceria com o governo de estado, R$ 315 milhões em várias ações, inclusive possibilitando em algumas situações, a nossa ampliação das UPAs. Um pequeno detalhe, João, quando você iniciou o governo em 2017, na Prefeitura de São Paulo, haviam três UPAs. Eu inaugurei agora a semana retrasada a décima sétima UPA da cidade de São Paulo, e vou inaugurar mais cinco UPAs esse ano, e vamos abrir licitação para a construção de mais 15 UPAs, Jean. Quer dizer, muito foco no atendimento à saúde das pessoas, e com essa parceria com o governo do estado, vai nos possibilitar avançar nessas questões, como, por exemplo, a UPA Santo Amaro, que já existe, atende 15 mil pessoas, com a questão da cessão da área que o estado está passando para a gente, vamos poder transferir a UPA e passar o atendimento de 30 mil pessoas por mês. Além da questão da doação do terreno, do estacionamento do Habitacional Vila Alpina, que possibilitará que nós façamos a construção da UPA Sapopemba. E um detalhe também importante, da assistência social, como você falou aqui, abertura de dois novos Bom Pratos. Além, já agradecer aqui, governador João Doria, o senhor ter nos fornecido 4 mil tickets que pode oferecer três refeições por dia para as pessoas em situação de rua que já vivem aqui na região central, que nos possibilitou a fazer uma troca da marmita pelo ticket. E assim, Célia, aquelas pessoas que ficavam na calçada se alimentando, pode agora estar no Bom Prato com uma mesa, com um banheiro, dando dignidade às pessoas. Ambiente com ar-condicionado ainda. Então é dignidade, trabalho conjunto da prefeitura, governo do estado, que só nos cabe aqui o agradecimento, e agradecer pela sua grande sensibilidade, dessa parceria com a gente. E como o governador João Doria falou, tantos outros temas a gente ainda discutiu, eu tenho expectativa, governador, que nos próximos dias, próximas semanas, nós teremos novamente bons anúncios. Portanto, a cidade de São Paulo avança bastante, hoje, principalmente na área da habitação, saúde, assistência social, e que fica aqui os nossos agradecimentos, não tenha dúvida de que os recursos serão muito bem utilizados. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito Ricardo Nunes. Esses recursos fazem parte dos R$ 22 bilhões que o governo do estado de São Paulo está investindo esse ano, por ter feito a reforma administrativa, ter realizado também a reforma da previdência, que, aliás, o prefeito nesse momento está colocando em votação, na Câmara Municipal de São Paulo. E o ano que vem, prefeito, temos mais R$ 28 bilhões de investimentos a serem feitos, em todos os municípios aqui do estado de São Paulo, não haveria razão para não contemplar a maior cidade do país, a maior cidade do estado, onde vivem mais de 11,5 milhões de brasileiros. Portanto, essa é uma parte daquilo que nós temos ainda anunciar, outras boas notícias serão tornadas públicas, muito bem breve, nessa ação conjunta da Prefeitura da cidade de São Paulo, e do governo do estado de São Paulo. Prefeito, muito obrigado. Agora vamos para a vacinação, onde, aliás, também somos parceiros, Prefeitura da cidade de São Paulo, que é a prefeitura que mais vacina no Brasil, e o governo do estado de São Paulo, que é o governo que mais vacina no Brasil também. Sobre o Dia V, da Vacinação, ou seja, mais um dia especialmente recomendado para quem não tomou a sua segunda dose, e para aqueles que podem tomar a sua dose de reforço. O Dia V acontece no dia 16 de outubro, sábado, das 7h da manhã até às 19h da noite, em todos os municípios do estado de São Paulo. Sobre isso falará Regiane de Paula, nossa coordenadora do PEI - Programa Estadual de Imunização. Regiane, com você.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos e todas. Então, Dia V, de Vacinação, da vida, no sábado, dia 16. E o foco dessa vacinação é na segunda dose que está atrasada. Hoje no estado de São Paulo mais de 4 milhões de pessoas não retornaram para tomar a sua segunda dose, então é muito importante que retomem, 5 mil postos vão estar abertos das 7h às 19h, e isso depende também, e é importante que as pessoas confiram os horários nos postos de vacinação dos seus municípios, a segunda dose ela está atrasada tanto para os adultos, quanto para os adolescentes, como o secretário Rossieli falou, adolescentes com comorbidades, adolescentes de 17, 16 anos, já podem retornar para tomar a vacina da Pfizer, uma vez que o intervalo agora ele é de 56 dias. Então muitas pessoas ainda não se deram conta dessa antecipação e não completaram o seu esquema vacinal. A dose adicional também vai ser administrada para quem tomou a segunda dose em fevereiro, março e abril, tanto para os idosos, como para os profissionais de saúde. E outro ponto muito importante, que vale ressaltar, é que com aporte financeiro do governo do estado de São Paulo, os 645 municípios também podem colocar em dia a vacinação no registro, então é muito importante que a dose aplicada esteja registrada na plataforma Vacivida. Então esse é o momento que os municípios podem aproveitar também para fazer uma grande força tarefa, para registro de dados na plataforma Vacivida. Aqui é exatamente para nós mostrarmos como o governador falou, o quanto nós estamos trabalhando e o quanto é o estado que mais vacina, e as coberturas vacinais estão aqui. Então para a população de 45 anos ou mais, nós já atingimos a meta de 90%, meta acima, inclusive, de 90%, para a maioria das faixas etárias, de 40 a 44 anos, estamos muito perto. E aí a gente continua, 35 a 39, 76%, 30 a 34, 65%, 25 a 29, 64%, e de 20 a 24, 46%, e de 12 a 19, 6,94%. Então se a gente observar essas faixas etárias, principalmente acima de 35 a 39 anos, são essas que podem retornar, olhar qual foi a vacina, muito pouco a gente tem de AstraZeneca nessa população, e muito mais de Pfizer. Então esse é o momento oportuno para que você faça a sua segunda dose, e as coberturas vacinais no estado de São Paulo continuem atingindo e superando a meta de 90%, que é preconizada pelo Ministério da Saúde. Aqui o calendário da dose adicional, fase dois, vacinados com a segunda dose em abril, então aqueles que tomaram as duas doses a partir de seis meses, a partir de abril, o calendário está aqui, então dia 11/10, que foi na segunda-feira, nós iniciamos para 80 anos ou mais, até o dia 17/10, 18/10 a 24/10 de 75 a 79 anos, no dia 25 a 31/10, de 70 a 74 anos, e do dia 1/11, a 7/11, de 60 a 69 anos, em um público total de 2,7 milhões de pessoas a tomaram a sua terceira dose, a sua dose adicional. O vacinômetro nesse momento nós estamos com 66.971.964 milhões de doses aplicadas, sendo que da população adulta, 99,40% da população adulta já tomou a sua primeira dose. Então quem não tomou a sua primeira dose aproveite a oportunidade do Dia V, do dia 16, e tome a sua vacina. E 80,58% da população adulta, com esquema vacinal completo. Então essas são as boas notícias. Lembrando também que do dia 1 o dia 30 temos a campanha de multivacinação, governador, e é uma oportunidade para que os pais levem seus filhos de 15 anos até seis meses de idade, até uma Unidade Básica de Saúde, vacinem, veja se há vacina em atraso, e possam dessa maneira também atualizar a carteira vacinal dos seus filhos. Então é uma oportunidade, no Dia V, no dia 16, da família ir até uma Unidade Básica de Saúde, e deixar os seus esquemas vacinais completos. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Ainda no mesmo tema, tema da vacinação, da saúde, do controle da Covid-19, vamos ouvir Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do estado de São Paulo. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE: Bom dia, governador. Bom dia, prefeito Ricardo Nunes. Uma honra sua presença aqui conosco. E mais feliz ainda é trazer informações cada vez melhores, de dados que nos remetem ao nosso novo momento, o nosso novo tempo. Hoje o estado de São Paulo tem 39,3% de taxa de ocupação nos leitos de UTI, na grande São Paulo, 36,7%. Lembrando que estamos desmobilizando esses leitos para a assistência de outras doenças, e com isso reduzindo sim o acolhimento para Covid-19, mas lembrando da assistência para outras patologias. Hoje temos internado nas nossas UTIs, 1.960 mil pacientes, e menos 900 pacientes, seja de enfermaria e Unidade de Terapia Intensiva, comparado à semana passada, e isso é fruto exclusivo da vacinação, além, claro, de todas as normas e regras sanitárias que vem sendo estabelecidas. Próximo, por favor. Importante lembrar que nós ainda estamos com uma instabilidade importante no nosso Sistema SIVEP-Gripe, isso faz com que essa instabilidade hora aporte um número menor, hora aporte um número grandemente maior, e com isso, da semana passada para essa, nós tivemos um incremento de 62,2% de número de casos, o que não se reflete na realidade. A realidade sim, está na internação, com uma queda expressiva e praticamente desde a vigésima quarta semana epidemiológica, estamos na quadragésima primeira, temos apresentado decréscimo da internação, a internação, como eu sempre reforço, é um sinal, é um termômetro da circulação do vírus na nossa população, e dessa maneira, esse dado que São Paulo se utiliza do censo C-19, garante que independente do SIVEP-Gripe, nós tenhamos dado real para avaliarmos a pandemia no nosso estado. Além do que uma queda significativa do número de óbitos em 30,2%. Muito obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn. Nesse momento nós vamos liberar o prefeito Ricardo Nunes, ele tem a posse do novo secretário de Promoção Social, Carlos Bezerra, que aliás, participou da reunião hoje conosco pela manhã, a posse é agora 13h30min, então nós vamos liberar o prefeito para que ele possa evidentemente acompanhar a posse do seu novo secretário de Promoção Social. Prefeito, muito obrigado...

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Vou dar a posse.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vai dar a posse, não acompanhar, dará a posse. Obrigado, pela sua presença, estamos juntos. Semana que vem teremos novos anúncios conjuntos aqui com a Prefeitura de São Paulo. Vou pedir ao Jean Gorinchteyn, vamos fazer aqui a mudança, todos eles uma posição para cá, vem para cá, Dimas, facilita um pouquinho, Dimas Covas, Paulo Meneses e João Gabbardo. E nós vamos dar início agora às perguntas dos jornalistas que estão aqui, também dos que estão nos acompanhando virtualmente. Muito obrigado, à TV Cultura, ao SBT, à Record News, à Band News, que estão transmitindo ao vivo essa coletiva de imprensa, assim como a TV Jovem Pan também, e o portal do Jornal Estado de São Paulo, e o UOL também transmitindo ao vivo. Muito obrigado a todos vocês. Vamos começar agora com Rádio e TV Bandeirantes e BandNews, com a Maira Di Giaimo, que já está aqui no microfone. Maira, boa tarde, sua pergunta, por favor.

MAIRA DI GIAIMO, REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde a todos. Bom, minha pergunta é sobre esse retorno obrigatório das aulas. Antes eu queria só confirmar um dado, justamente nesse tema. Secretário, queria saber hoje quantos alunos já vão presencialmente às escolas, só pra gente ter uma comparação de impacto. Bom, esse assunto repercutiu o dia todo na Rádio Bandeirantes e sei que em outros veículos, muitos especialistas foram entrevistados, há divergências, tem especialistas que acham que é cedo, principalmente essa segunda etapa do distanciamento. Então, eu queria saber o parecer da saúde, do Comitê Científico, do que justifica então nesse momento, já para a semana que vem, essa mudança. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Maira, vamos então ao Rossieli Soares, secretário da Educação do Estado de São Paulo, e na sequência o Dr. Paulo Menezes, que é o coordenador do nosso Comitê de Saúde. Lembro, porém, que nenhuma atitude do governo, em qualquer área, qualquer área, é feita sem antes ter o respaldo do Comitê de Saúde. Aqui, não tomamos decisões unilaterais ou decisões que afrontem a área da saúde. Tomamos decisões que atendem à área da saúde. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Bom, vamos lá. Primeiro, a frequência tem girado em torno de 65% a 70% dos alunos, o que deixa um número muito grande de alunos sem a frequência nas escolas. Aqui estou me referindo à rede estadual. Em redes municipais, esse número ainda é maior, geralmente, falando de forma geral, não de uma rede específica. E obviamente, nós temos o desafio, especialmente dos alunos que estão se evadindo. Não é nem que ele não está indo presencialmente, mas ele não está nem entregando as atividades. Então, quanto mais tempo nós demorarmos, pior será para essa geração inteira. Então, para aqueles que dizem, apenas para concluir a minha parte, porque a pergunta vai para a área da saúde, eu também acho um absurdo, absurdo o Estado Brasileiro não colocar a educação como prioridade absoluta. Nós estamos voltando e avançando em todas as áreas. Educação precisa, sim, ser prioridade. Com os números que nós temos hoje, nós temos, sim, segurança deste passo, e obviamente estaremos acompanhando, sempre com a área da saúde. Se a gente quer falar de futuro para esta geração, educação precisa ser prioridade.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Concordando com você. Vamos agora, Paulo Menezes, nosso coordenador do Comitê de Saúde, a propósito da pergunta feita pela jornalista Maira Di Giaimo.

PAULO MENEZES, COORDENADOR DO COMITÊ DE SAÚDE: Obrigado, governador. Boa tarde a todos, boa tarde, Maira. O Comitê Científico vem discutindo, analisando e dando o aval a todas essas medidas tomadas pela Secretaria da Educação. Eu quero chamar a atenção para que, na semana que vem, dia 18, o que muda é a obrigatoriedade de presença, mas não a regra do distanciamento mínimo dentro de classe, que foi estabelecida de 1 metro. Nós temos acompanhado muito os números da Secretaria de Educação, do ponto de vista de transmissão dentro das escolas. Não há nenhum indício, nenhum dado que mostre risco na atividade dentro das escolas. Então, nós entendemos que, com esse avanço que foi mostrado aqui, da vacinação, inclusive entre adolescentes que já têm a primeira dose e os resultados dos indicadores que, particularmente, conforme mostram os números de internações diárias, nós continuamos com uma melhora progressiva, apesar da frequência da variante delta no Estado de São Paulo, nós estamos muito convictos de que a necessidade dos estudantes supera em muito a possibilidade de algum risco maior de transmissão nas escolas. Então, na próxima semana, essa obrigatoriedade, e só a partir de novembro é que nós vamos ter uma ligeira redução de distanciamento dentro das classes, em algumas escolas, já que em outras já se funciona normalmente, porque há condição de manter esse distanciamento. Com o avanço da vacinação, nós estamos convencidos de que é possível, sim, inclusive porque nós já estamos com praticamente todas as atividades de outros setores com progressivo aumento de ocupação, e as crianças são aquelas que mais sofreram ao longo de mais de um ano e meio de pandemia, de não poder frequentar a escola. De forma que nós estamos convictos de que esse é o movimento que é necessário ser feito, até para que possamos começar 2022 com outra perspectiva para essas crianças. Muito obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Paulo Menezes. Maira, muito obrigado pelas perguntas. Vamos agora online com Samantha Person. Samantha é correspondente do The Wall Street Journal, aqui no Brasil. Samantha, muito obrigado por estar aqui mais uma vez. Você já está em tela e passando a pergunta a você, por favor. Estamos sem o seu áudio, um minutinho só, Samantha. Temos o áudio? Está muito baixinho o áudio, vamos ver se a gente consegue modular, para aumentar um pouquinho o seu áudio. Eu consegui te ouvir, mas muito baixinho, ainda de forma incompreensível. Vamos ver se a gente consegue regular. Vamos tentar agora, Samantha?

SAMANTHA PERSON, REPÓRTER: Vou falar mais alto também, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: É, pode falar. Porque está baixinho ainda. A gente tem como aumentar aqui um pouco mais? Vou te pedir só mais 30 segundos, pra ver se a gente consegue melhorar. Está no limite? Então, eu vou pedir pra você falar um pouquinho mais alto. Nós estamos te ouvindo, aí só falar um pouquinho mais alto. Desculpa, Samantha. Por favor.

SAMANTHA PERSON, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Boa tarde a todos. [ininteligível] minha pergunta é sobre meio ambiente. Como entendi, o senhor vai para a COP 26, no Reino Unido, e eu queria saber, na sua avaliação, qual é a chance dos países chegarem a um consenso sobre o artigo 6, em fechar as regras finalmente do mercado de carbono global. Por favor, obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Samantha. Apenas para você que está em casa, nos acompanhando, Samantha Person é correspondente do The Wall Street Journal, o jornal econômico mais importante do mundo. E ela pergunta sobre a COP, a cúpula do clima, que acontecerá agora, a partir do final deste mês de outubro, início de novembro, em Glasgow, na Escócia. Nós estaremos lá, a convite da cúpula do clima, participando da COP 26. Samantha, nossa posição, primeiro, absolutamente favorável à descarbonização. São Paulo assinou o acordo da redução das emissões de carbono, o Race To Zero e o Race To Resilience, que são dois programas da Organização das Nações Unidas para a redução da emissão de monóxido de carbono. São Paulo, até 2050, nós assinamos o compromisso de zerar a emissão de monóxido de carbono, aqui no Estado de São Paulo. Outros estados brasileiros também, na sequência... São Paulo foi o primeiro a assinar, mas na sequência outros estados assinaram, e eu tenho dialogado com bastante frequência com governadores de outros estados. Notadamente, o governador do Estado do Espírito Santo, Renato Casagrande, sobre este tema da descarbonização. O Casagrande também estará na COP 26 em Glasgow, dentro de 10 dias. E lá nos encontraremos. Já adotamos uma posição onde os governos estaduais deverão emitir um documento, Samantha, onde nós, daqueles que, evidentemente, assinarem este documento, seremos signatários para que nos nossos estados este programa seja rigorosamente cumprido. E o desejo é de que o Estado de São Paulo, que caminha, e caminha a passos largos para este programa ser atendido no ano 2050... 2050, perdão, para que essa descarbonização seja atingida. E aqui o nosso objetivo é negociar os créditos de carbono, inclusive numa regulamentação própria, se for o caso. Samantha, eu tenho dúvida se o Governo Federal será capaz de assinar qualquer documento na COP 26, dessa cúpula do clima em Glasgow, na Escócia, com um compromisso ambiental, que o Brasil não cumpriu na COP de Madri e desrespeitou a COP de Paris. Eu sinceramente tenho muitas dúvidas de que o Brasil, através do seu novo ministro do Meio Ambiente, seja capaz de assinar e principalmente de cumprir este compromisso. Mas os governos estaduais, a começar do nosso, nós faremos, independentemente do Governo Federal. E temos uma reunião inclusive dos governadores, virtual, no próximo dia 18, para tratar deste assunto do carbono zero nos estados que foram signatários desse Race To Zero e do Race To Resilience. E vamos ter esse tema ainda em pauta até a chegada da COP, até a nossa presença na COP, onde seremos palestrantes, a convite da cúpula do clima. E obrigado, Samantha, também, pela sua preocupação nesse tema, diante de um país tão conflagrado por outros temas, problemas e por esta tragédia da Covid-19. Obrigado, Samantha.

E agora vamos para Bruna Macedo, da CNN. Bruna está aqui presencialmente. Bruna, muito obrigado pela sua presença, o microfone já ajustado. Boa tarde, sua pergunta por favor.

BRUNA MACEDO, REPÓRTER: Tudo bem, governador? Muito boa tarde, boa tarde a todos. Tenho duas perguntinhas. Se não quiserem responder a segunda tudo bem, tá? Mas deixa eu fazer e vocês pensam. Primeiro para o secretário Rossieli. Eu queria saber em relação às faculdades, aos cursinhos pré-vestibulares, qual é a regra? Já tem uma regra definida? Vai acompanhar essa mesma que foi passada hoje para as escolas estaduais e municipais? E com relação a uma declaração do presidente Bolsonaro, ele decidiu, optou por não se vacinar, porque teve Covid. Eu queria tirar uma dúvida com o secretário Jean Gorinchteyn em relação a isso. Tem algum critério para isso? Pode se vacinar, não pode se vacinar quem teve Covid recentemente? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Bruna. Vamos então, responderemos as duas perguntas. Vamos ao secretário da Educação, Rossieli Soares, sobre o tema das faculdades. Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Obrigado, governador. Bruna, obrigado pela pergunta. Em relação às universidades, a gente está fazendo uma última rodada, deveremos ter novidade para a próxima semana e vamos estar fazendo um anúncio específico em relação às universidades, porque ainda tem uma rodada de conversa com elas, com as privadas. Mas tem algumas regras que são distintas, em relação à educação básica. Por exemplo, universidades privadas, a parte de obrigatoriedade ou não deve ser regulada pelo Conselho Nacional, e não pelo Conselho Estadual. Portanto, não caberia ao Estado dizer. O que o Estado poderá falar sobre isso é: caberá o distanciamento, quais são as regras? Lembrando que hoje eles já têm um percentual bastante elevado de possibilidades, né? Mas queria deixar registrado, porque obviamente o ensino superior também deve ser priorizado, especialmente porque a formação despencará de qualidade no país dessas turmas, não por culpa dos estudantes, mas porque obviamente, apesar de eu ser um grande defensor de tecnologia, nada substitui a presencialidade, especialmente na educação básica, mas também no ensino superior.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, obrigado, Rossieli. Em relação à segunda pergunta, responde Jean Gorinchteyn, que além de secretário de Saúde, como todos sabem, ele é médico infectologista do Hospital Emílio Ribas. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO ESTADUAL DE SAÚDE: Todas as pessoas, mesmo aquelas que tiveram Covid, devem se vacinar. A imunidade dada pela Covid, ela não se mantém também de uma forma perene, perpetuada. O número de anticorpos cai e, com isso, há possibilidade, portanto, de uma reexposição, especialmente às novas variantes. Nós orientamos àqueles, porém, que tiveram Covid nos 30 dias, que se restabeleçam, para que, portanto, tomem, aí sim, a vacina. Isso é importante, é fundamental. Nós temos hoje um instrumento de proteção, que é a vacinação e a vacinação é pra todos. Retorno, mesmo aqueles que já tiveram Covid.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn. Obrigado, Rossieli Soares, obrigado, Bruna Macedo. Vamos agora ao Lucas Teixeira, do Portal UOL. Lucas, obrigado por estar conosco mais uma vez, boa tarde, sua pergunta, por favor.

LUCAS TEIXEIRA, REPÓRTER: Boa tarde, me ouve? Ah, maravilha. Seguinte, só umas dúvidas técnicas, hoje focando em um único assunto, da educação. O primeiro: Vai ter regras específicas para o público infantil? Para o público abaixo de 12 anos, que, consequentemente, não foi vacinado? Segundo, vocês pretendem de alguma forma lançar boletins, fazer divulgação de como isso tem repercutido em especial nas escolas? Aí eu não sei se seria a pasta de Educação ou a pasta da Saúde, mas se pretende mostrar o acompanhamento, se isso teve algum impacto nos casos e de que forma? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Lucas. Ambas as perguntas serão respondidas pelo Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Obrigado, Lucas, vamos lá. Em relação ao infantil, na verdade vamos separar. Educação infantil, de zero a seis anos, nós já não temos o distanciamento, porque você nem teria como fazer o trabalho, por exemplo, numa creche. Que distanciamento que você teria do cuidador? Então, obviamente já não há que se falar disso. A vacinação não é o único fator para esta tomada de decisão, aliás, ela é mais até para os adolescentes e adultos do que para as próprias crianças. As crianças nunca foram nesta pandemia fator de transmissão, não há nenhum estudo que mostra que crianças são um fator preponderante de transmissão, em nenhum lugar do mundo, especialmente as crianças mais jovens, inclusive quando afetadas pelo vírus, obviamente, inclusive menos sintomáticas, com menos transmissão, então nossa regra, não há uma regra específica, obviamente que para a criança que tiver alguma comorbidade, se ela tiver o atestado, aí ela não precisará ir presencialmente, caso a família não opte, tem famílias que estão optando por mandar. Porque o prejuízo à saúde da criança por não ir tem sido, muitas vezes, muito maior porque está tendo problemas seríssimos de depressão, inclusive de suicídios, enfim. E em relação a boletins, a gente vai estar na semana que vem divulgando um BI que vai ser automático para toda a sociedade, para todos os casos confirmados e acompanhados pelas escolas, então um sistema que está sendo concluído, estará publicado na próxima semana e será automatizado. Qualquer cidadão, vocês da imprensa, poderão estar acompanhando, caso a caso, dentro da Secretaria de Educação, então que é o que a gente está concluindo e, obviamente, a gente também está de olho, destacando aqui o que a Dra. Regiane já falou, que a gente trabalha assim em conjunto, obviamente, com esses números e confirmações, junto com a Secretaria de Saúde com a equipe da Dra. Regiane e, obviamente, olhando os impactos inclusive do sistema federal dos regramentos e tudo mais. Mas, obviamente, a gente vai estar divulgando sim, mas agora de forma mais automática, a partir da semana que vem.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, então, a você Hélio Lucas muito obrigado. Vamos agora para a penúltima intervenção de hoje, que é da jornalista Maria Manso da TV Cultura, Maria está com uma camisa chique aí, bonita! Bem-vinda, boa tarde, sua pergunta, por favor.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Boa tarde, eu queria só um esclarecimento do Rossieli, qual vai ser a regra de segurança nos horários de refeição dos alunos, em que eles não vão usar as máscaras? E uma pergunta para a área de habitação, foi anunciado um investimento importante de mais de dois bilhões, onde vão ser construídas essas habitações populares? Qual o prazo de liberação e se já tem uma fila de espera ou se as pessoas podem se inscrever para participar dessas novas construções, por favor.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado Maria, primeira pergunta então com o Rossieli e a segunda com Flávio Amary nosso secretário de habitação, Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DA EDUCAÇÃO: Obrigado Maria! Vamos lá, nós estamos trabalhando com os mesmos protocolos anteriores, primeiro a orientação de organização das bolhas de horários dentro né então, por exemplo, desde sempre a gente tem organizado que os intervalos tenham, sejam intercalados então, obviamente, a gente continua com essa orientação. Retirada de máscaras somente no momento da refeição, assim como está sendo feito em restaurantes e outros ambientes. alimenta-se e tira a máscara, fora isso o uso de máscara, inclusive mesmo nos ambientes de circulação, ambientes abertos de dentro da escol. Então, a orientação está sendo essa e, obviamente, a gente vai estar acompanhando sempre e encontrando melhores caminhos.

FLÁVIO AMARY, SECRETÁRIO ESTADUAL DE HABITAÇÃO: Boa tarde--

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado Rossieli. Flávio.

FLÁVIO AMARY, SECRETÁRIO ESTADUAL DE HABITAÇÃO: Boa tarde Maria Manso, boa tarde governador, boa tarde a todos. O investimento da habitação em parceria com o município será de 850 milhões de reais, a parte do estado de São Paulo, em dois grandes blocos que nós podemos separar, o primeiro deles aproximadamente 4.000 unidades na Zona Sul de São Paulo para atendimento das famílias das Represas de Guarapiranga e também da Billings dando continuidade num projeto que nós entregamos, inclusive, parcialmente na última semana que é o Residencial Bruno Covas, ali na Chácara do Conde, no bairro do Grajaú, aqui na Zona Sul de São Paulo. E um outro grande bloco também é em parceria com o município de São Paulo, com o prefeito Ricardo Nunes, foi acordado hoje pela manhã com o nosso governador João Doria e o prefeito Ricardo Nunes, 25.000 unidades onde o estado de São Paulo entra com subsídio, através da Agência de Fomento Casa Paulista, de 20 mil reais por unidade e daí por atendimento totalizando 500 milhões de reais, portanto, nesse investimento e aí sim a demanda será o atendimento do município de São Paulo que já tem um cadastro feito em nível municipal e o estado entra como parceiro nesse investimento do município de São Paulo. Vale ressaltar e lembrar que no último mês de setembro foi anunciado também o investimento de um bilhão de reais para a produção de 10.000 unidades pelo governador João Doria e também no mês de agosto também um investimento de 600 milhões de reais na Baixada Santista para atendimento da população que vive nas palafitas. Posso dizer, sem sombra de dúvida, que o estado de São Paulo é o ente da federação que mais investe na área habitacional em todo o nosso país, incluindo, portanto, também o governo federal.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado Flávio. Obrigado Rossieli. Maria Manso, muito obrigado. Vamos agora a última pergunta que é da Isabela Leite da TV Globo, GloboNews. Bem-vinda Isabela, há tempos que eu não te vi aqui na coletiva, na televisão eu vejo sempre.

[risos]

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, sua pergunta, por favor.

ISABELA LEITE, REPÓRTER: Boa tarde, governador. A minha colega Daniela Gemignani está de férias, então espero representá-la bem aqui.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Com certeza.

ISABELA LEITE, REPÓRTER: Boa tarde a todos, eu só gostaria que o secretário Rossieli respondesse de uma forma mais completa a pergunta do meu colega Lucas, sobre esse monitoramento dos casos de Covid, o que vocês têm de números né? No começo, com essa retomada, eu até acompanhei uma agenda do senhor na Zona Norte e vocês deram números de alunos contaminados, de funcionários das escolas contaminados, qual é a realidade que a gente trabalha hoje e os pais poderão acompanhar isso de alguma forma? Haverá um boletim semanal do número de casos registrados após essa retomada? E também, eu queria perguntar para a Dra. Regiane sobre estratégias para esse dia V. Eu acompanhei o primeiro dia e a adesão foi muito baixa, foi menos de 10% dos faltosos, dos atrasados que vocês pretendiam atingir. Então o governo estuda alguma mudança de estratégia para que a gente consiga vacinar mais gente do que a gente conseguiu vacinar no primeiro dia V? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado Isabela, então vamos à primeira pergunta com Rossieli Soares e na sequência a Regiane de Paula que é a nossa coordenadora do nosso Programa Estadual de Imunização, com você Rossieli.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DA EDUCAÇÃO: Obrigado governador, obviamente-- obrigado Isabela pela pergunta. Obviamente a gente continua fazendo todos os nossos monitoramentos, então só para dar um exemplo de número, que a gente vai estar divulgando com o próprio BI na próxima semana, incidência entre trabalhadores da educação no mês de março, semana 9 era de 44 casos para 100 mil habitantes, ou seja, a cada 100 mil, 44 casos. Na semana 35, lá em setembro, primeira semana de setembro, era de sete para cada 100 mil, ou seja, obviamente um comportamento, assim como a gente vê aqui todos os números de São Paulo, ainda melhor dentro do processo educacional, uma incidência por 100 mil habitantes muito menor do que a população geral. Segundo, isso é a mesma tendência para estudantes né, para se entender, estudante em setembro foi um para cada 100 mil habitantes, então a gente está olhando para todos esses dados, obviamente, como disse, a gente deve aguardar a atualização do sistema do SIVEP para que a gente possa confirmar os números né, como a Dra. Regiane já destacou, mas o BI, ele será aberto para toda a sociedade veja pais, a imprensa, todo mundo poderá olhar automaticamente, acompanhar o monitoramento de casos confirmados, por exemplo, com estudantes. Lembrando que para cada caso confirmado não quer dizer que sejam casos relacionados com a própria educação, isso é muito importante, quando a gente fala de casos confirmados na educação, não são casos necessariamente, aliás, a [ininteligível] absoluta não são pegos dentro da escola, são pegos dentro de casa ou em outros ambientes, porque a gente monitora, os contactantes monitoram absolutamente todos os passos e obviamente continuamos com as ações preventivas. Então será aberta a toda a sociedade, a gente vai estar lançando o site já na próxima semana.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, então Rossieli. Agora a segunda pergunta feita pela Isabela com a Dra. Regiane, Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Obrigada, governador. Isabela, obrigada. Realmente a estratégia que nós tivemos no dia 2, ela ficou um pouco abaixo da nossa expectativa, mas é muito importante a gente falar que 645 municípios além de fazer a busca ativa desses faltosos, ele precisa registrar, então esse é um momento muito importante de uma força tarefa a ser realizada pelo município, porque dos quatro milhões e 100 mil doses que estão em atraso, nós temos a certeza que uma parte dessa vacinação ela foi feita, mas ela não está registrada na plataforma VaciVida. Então esse é um movimento que nós estamos fazendo grande com os municípios e um pouco antes da coletiva, em reunião com o governador, ele solicitou ao secretário de comunicação que a gente intensifique hoje, amanhã, sexta e sábado a comunicação com a toda a população para que elas possam quem não toma vacina, retome. E também é muito importante que as pessoas olhem através do Poupatempo, da sua carteira vacinal se há o registro das duas doses da vacina, se não houver volte a unidade básica de saúde em que você tomou a sua dose e cobre daquela unidade e do município o registro da sua dose. Então são coisas muito importantes e que a gente está monitorando e vai acompanhar nesse dia V do dia 16, obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Isabela, obrigado pelas perguntas. Aproveitando a oportunidade aqui, no encerramento desta coletiva, você que está nos acompanhando pelas imagens da TV Cultura, do SBT News, da Record News, da BandNews e também dos portais UOL e Portal do Jornal Estado de São Paulo, se você ainda não tomou a sua segunda dose da vacina e pode tomar, por favor, aproveite essa oportunidade neste sábado, de hoje e principalmente no sábado das 7hs da manhã até às 7hs da noite e receba sua vacina. Qualquer posto de vacinação mais próximo da sua casa terá a vacina que você precisa, seja ela qual for, a AstraZeneca, a Pfizer ou a CoronaVac, a vacina do Butantã e tome a sua segunda dose para você ficar imunizado. E se você pode já tomar a dose de reforço, faça o mesmo procedimento, vá a um posto de saúde e tome a sua vacina de reforço. Lembre-se de levar a sua carteira de vacinação, leve com você e aplique a sua vacina, a vacina salva vidas! A todos que participaram da coletiva, aos meus colegas jornalistas, aos repórteres fotográficos, aos câmeras que aqui estão, meus colegas também. Muito obrigado a você que está em casa. Um bom dia, se proteja, lembre-se de usar máscaras ao sair da sua casa ou do seu trabalho, se proteja, faça suas orações e seja feliz! Boa tarde a todos. Muito obrigado!