Coletiva - Governo inaugura laboratório de reconhecimento facial e digital da Polícia Civil 20202801

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Governo inaugura laboratório de reconhecimento facial e digital da Polícia Civil

Local: Capital - Data: Janeiro 28/01/2020

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vamos então às cinco perguntas, vou pedir sempre a identificação do jornalista, o seu veículo, o seu nome, e a sua pergunta eu vou compartilhar, tomar a liberdade, com o Ruy, com o Youssef, e obviamente com o General Campos. Eu não vou fazer uso do microfone, que assim fica mais fácil para o áudio de vocês.

JÚLIO BERILO, REPÓRTER: Governador, Júlio Berilo, Super Rádio. Gostaria que o senhor falasse um pouco a respeito...

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Espera aí, vamos começar por aqui, e a gente já vai aí. Júlio, você vai ser o segundo, desculpe, é que eu passei o microfone para ele. O seu nome, veículo e a pergunta.

MAICON, REPÓRTER: Governador, Maicon Mendes, da TV Bandeirantes aqui de São Paulo. Na verdade, seriam duas perguntas em uma só, o favor pela palavra. Recentemente a gente fez uma matéria com relação ao reconhecimento facial, o governo do estado contratou uma empresa para fazer o reconhecimento, e vai ajudar e muito a identificação de bandidos criminosos, procurados da justiça aqui em São Paulo. A gente queria saber que a gente está agora na véspera de um carnaval, e porque esse sistema de reconhecimento facial não vai ser usado agora no carnaval, já que a gente entrou em contato com os comandos da Polícia Militar, da Polícia Civil, e também da Secretaria de Segurança Pública. Outro ponto seria com relação que você é muito firme nas suas decisões, com relação ao abuso de autoridade por parte de policiais militares, e recentemente tivemos mais casos que aconteceram na zona Leste. Eu queria que o senhor como governador, comentasse esses abusos que tem acontecido aqui na cidade de São Paulo. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Maicon. Maicon, obrigado pelas perguntas. Primeiro, identificação facial, já estará sendo feito sim, para o carnaval, não sei da onde proveu essa informação, mas já estará em uso sim, é importante, o carnaval será o maior carnaval do Brasil, aliás, nós iniciamos isso na Prefeitura de São Paulo, quando fui eleito prefeito, disse que faremos o maior carnaval do Brasil, e estamos fazendo o maior carnaval do Brasil. O ano passado foram mais de 9 milhões de brasileiros nas ruas aqui em São Paulo, esse ano provavelmente esse número será superado, e todas as forças de segurança do estado, Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiro, Polícia Científica, mais a Guarda Civil Metropolitana aqui na capital de São Paulo, sem contar as outras cidades metropolitanas, e outras no interior, que terão o carnaval também, o serviço estará disponível sim e operante. Em relação ao abuso, nós temos a melhor corporação civil, e melhor corporação militar do Brasil, os mais bem treinados policiais militares do Brasil estão em São Paulo, um ano de treinamento na academia do Barro Branco. A academia de polícia também de São Paulo, treina policiais de outros estados, e inclusive como visitantes aqui no Butantã. São preparados, são ordenados e ensinados a seguir o protocolo da Polícia Civil e da Polícia Militar. Isso não impede que existam aqueles que infelizmente cometam abusos, ou tendam a cometer abusos. A responsabilidade do governo do estado de São Paulo é primeiro identificar de forma correta a existência do abuso, em que nível foi, e estabelecer a punição. E retreinamento também dos demais policiais, toda a situação de equívoco permite um novo treinamento. No caso daquele que foi punido ele já tem a punição, mas dos demais o retreinamento para evitar que fatos equivocados possam ser repetidos em São Paulo. Mas eu quero reafirmar o meu orgulho como governador de São Paulo de termos a melhor Polícia Civil, a melhor Polícia Militar, e isso se traduz nos índices de eficiência de segurança pública que são os melhores do país, 6,2 homicídios para 100 mil habitantes, esse é o dado que a ONU tem para qualificar o grau de segurança. Então nós estamos no grau verde de segurança de acordo com o padrão da Organização das Nações Unidas.

JÚLIO BERILO, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Júlio Berilo, Super Rádio/SP. Eu gostaria que o senhor falasse um pouco sobre a questão da nova identidade visual, a gente nota que as viaturas aí fora estão com identidade visual moderna, e o brasão também da Polícia Civil, ele foi reestilizado, está mais moderno. Qual é o objetivo disso, faz parte da valorização das policiais, das forças de segurança do estado?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Júlio, muito obrigado. Pode parecer um pequeno detalhe, mas não é, você como um bom observador, como jornalista que é, de rádio, percebeu bem, o objetivo é ter a nova nomenclatura da comunicação visual dos veículos da Polícia Militar, da Polícia Civil também, dentro dos padrões federais, e dentro também dos padrões internacionais. Esse é um objetivo, isso é discutido no conselho de segurança pública do estado de São Paulo. Até o giroflex estão sendo outros, os novos veículos já vêm com outro sistema de giroflex, melhores e mais modernos, inclusive importados, de sirene também, e de equipamentos de GPS, dentro do veículo, para você rapidamente poder digitar do próprio veículo ter a identificação que você precisa do criminoso, ou de alguma situação que assim mereça. Tecnologia e inovação também nos veículos, e, sobretudo, nas novas frotas que estão sendo incorporadas na Polícia Civil, Polícia Militar, e Polícia Científica. Júlio, obrigado pela pergunta, parabéns pela observação. Terceira pergunta.

CLEBER, REPÓRTER: Bom dia, governador. Cleber Tomaz, da equipe G1 da Rede Globo, São Paulo. Por gentileza, voltando no questionamento do meu colega, sobre abuso de autoridade, a corregedoria da PM aponta um aumento de 74% de aumento no número de denúncias de abuso de autoridade, entre os anos de 2017 a 2019. Esta semana o G1 divulgou um vídeo, no qual mostra um policial militar atirando contra um grupo de pessoas, uma delas é ferida, segundo às testemunhas, por conta desse disparo, e o policial fala no vídeo que para ele tanto faz ser preso ou não. O senhor é uma pessoa que vê tudo, se pronunciou em Davos a respeito do treinamento e tudo. Por que a polícia está mais violenta? Qual opinião do senhor? Por que a polícia está mais violenta?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom, vamos esclarecer, primeiro a polícia não está mais violenta, ela está mais atuante, a Polícia Militar é a Polícia Civil prenderam mais de 200 mil pessoas ao longo de 2019, foi o maior volume de prisões efetuadas na história da segurança pública no estado de São Paulo, mais eficiência, mais presença nas ruas, e também mais policiais, nós contratamos policiais civis e militares, a maioria está ainda em treinamento, mas uma ação mais presente, evidentemente estabelece circunstancialmente a chamada pronta-resposta. Mas confronto também com os bandidos. Então não é que ela está mais violenta, ela está mais eficiente nessa circunstância. Isso não jurídica nenhum tipo de abuso, e nem as palavras desse policial. Eu vi o vídeo, eu estava em Davos, orientei, pedi ao General, que já tinha tomado providências, no sentido de afastar esse policial, proceder a investigação, nós temos também que ser justos no processo, e puni-lo de acordo com aquilo que corresponde a sua falta. O governo do estado de São Paulo não apoia nenhuma medida irregular, nem de força, nem de violência, nem física, nem por armas e nem verbalmente, nós entendemos que a polícia tem que ter um comportamento exemplar, e ser querida pela população, e não temida pela população. Quarta pergunta.

LUCAS, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos. Lucas Dias, da Rádio Bandeirantes. Governador, [Ininteligível] equipamento aqui no [Ininteligível], equipamento de reconhecimento facial, as seccionais ganharam também, combatendo, tem alguma parceria? E queria saber também o tempo de reconhecimento.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa pergunta. Eu vou pedir para o Youssef, delegado Youssef, ou alguém da Polícia Civil responder, porque tem especificações, que eu talvez não seja capaz de responder plenamente. O delegado Caetano responder à pergunta.

CAETANO, DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL: Todas as coletas feitas junto aos estabelecimentos, órgãos, e aonde ocorrer um crime, será direcionado a esse instituto, e nós faremos todas as pesquisas e o processamento para dar resposta à polícia judiciária que nos requisitou, ou seja, em todo o estado de São Paulo. E também poderemos contribuir para as outras polícias judiciárias da nação, porque como já foi dito, nós já estamos integrando o Brasil, e já integramos mais oito estados junto com São Paulo. Então é um trabalho que vai ser feito em conjunto com toda a nação brasileira.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, delegado. Vamos agora à quinta e última pergunta, jornalista Priscila, do Jornal O Estado de São Paulo, que já está com o microfone.

PRISCILA, REPÓRTER: Governador, alguns estados aqui já têm reconhecimento facial, Bahia, Rio, e alguns levantamentos apontam que tem falhas no sistema, inclusive principalmente em relação à pessoas negras. Isso também é muito questionado fora do país, várias cidades americanas recusaram, até por questão de invasão de privacidade. Como garantir que isso não vai se repetir aqui, como garantir a segurança da população, e informação da população também?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, qualidade de equipamento, treinamento e supervisão constante. Nos Estados Unidos, inclusive, há limitações para isso, o reconhecimento facial não é aplicado nos estados americanos com o mesmo efeito que nós estamos fazendo aqui. São razões diversas, distintas, lá há até muita dificuldade quando você tem uma situação de crime ocorrido, e aí o doutor Ruy vai poder explicar para você, nesta identificação. Mas são procedimentos, aqui o procedimento é para que ele seja correto e permanentemente avaliado. A tecnologia é o estado mais puro da arte para a identificação do que quer que seja, no âmbito do estudo, âmbito acadêmico, no âmbito da segurança pública, da ciência, mas também falha, nós temos que ter cuidado no acompanhamento da própria tecnologia, e ter um grupo de trabalho como há, de supervisão permanente para que nenhuma falha ocorra, e se ocorrer, ser suprimida rapidamente. Doutor Ruy.

RUY FERRAZ, DELEGADO GERAL DA POLÍCIA CIVIL: Olha, o reconhecimento facial não vai ser utilizado isoladamente como meio de prova, nós vamos linkar a outros procedimentos da Polícia Civil, que vão formar um conjunto, e que aí vai determinar se esse sujeito, que é o suspeito, praticou delito ou não, isoladamente, nunca.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pessoal, muito obrigado. Priscila, obrigado. Obrigado, nos veremos amanhã, bom dia para vocês. Obrigado.