Coletiva - Grande Prêmio São Paulo de F1 recebe mais de 200 mil pessoas, com impacto de R$ 1 bilhão 20211411

De Infogov São Paulo
Revisão de 14h49min de 22 de novembro de 2021 por Fincatibianca (discussão | contribs) (Criou página com ''''Coletiva - Grande Prêmio São Paulo de F1 recebe mais de 200 mil pessoas, com impacto de R$ 1 bilhão 20211411''' '''Local: Capital – Data: [http://infogov.imprensa...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Grande Prêmio São Paulo de F1 recebe mais de 200 mil pessoas, com impacto de R$ 1 bilhão 20211411

Local: Capital – Data: Novembro 14/11/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom dia, obrigado pela presença de vocês. Aqui ao nosso lado Stefano Domenicali, CEO mundial da Fórmula 1, Alan Adler, CEO da Fórmula 1 em São Paulo. Aqui meu parceiro, prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes. Graças a ele e ao Bruno Covas nós conseguimos manter e viabilizar a Fórmula 1 em São Paulo e no Brasil. E Vinicius Lummertz, que é o nosso secretário de Turismo, ex-ministro do Turismo do Brasil.

Breves palavras antes de começarmos, porque é importante que vocês possam formular suas perguntas. Essa é a 49ª edição do Grande Prêmio de Fórmula 1, agora denominado Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. E por que Grande Prêmio São Paulo? Nós negociamos com a Fórmula 1, com os novos organizadores, detentores dos direitos da Fórmula 1, Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado de São Paulo, um novo contrato, por dez anos, a começar deste ano. Portanto, para os próximos dez anos, o Grande Prêmio no Brasil continuará sendo realizado aqui em São Paulo, como é a sua tradição, a tradição histórica, não apenas pelas características da pista de Interlagos, as características de um autódromo que é adorado pelos pilotos, é considerado entre os dez melhores autódromos do mundo, pelas equipes e pelos pilotos de Fórmula 1, mas também pela infraestrutura que a cidade de São Paulo oferece para a Fórmula 1. A estrutura aeroportuária, três aeroportos em São Paulo, sendo um aeroporto praticamente exclusivo para essa finalidade, que é o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, além do Aeroporto Internacional de Guarulhos. A infraestrutura logística que é oferecida, até para voos internacionais em jatos privados, com dois aeroportos homologados para receber pilotos ou equipes ou empresários ou patrocinadores, em aeroportos privados aqui em São Paulo. A infraestrutura de hotelaria, a maior oferta hoteleira de leitos em cinco estrelas e quatro estrelas está concentrada em São Paulo. Também a oferta complementar de entretenimento. Por quê? Porque a Fórmula 1 é um evento de entretenimento também. Nós temos mais de 200 mil brasileiros que vieram a São Paulo para acompanhar de perto a Fórmula 1, nos seus treinos e no Grande Prêmio de hoje, de diversas partes do país e também do exterior. E obviamente que eles querem complementar o período da Fórmula 1 com a oportunidade do entretenimento, nos restaurantes, nos teatros, nos bares, nos cafés, nos parques, nas atividades que São Paulo pode oferecer. Portanto, um conjunto de valores emocionais, técnicos, operacionais, fazem de São Paulo o local ideal no Brasil para a Fórmula 1. Nós estamos muito felizes de termos, Stefano, renovado este contrato mais dez anos, com os critérios técnicos, com os critérios adequados, com o investimento que estamos fazendo, investimento esse que, para a alegria do nosso prefeito Ricardo Nunes, já está trazendo quase R$ 1 bilhão. Deveremos superar esse número, obviamente vamos aguardar a avaliação feita pela Fundação Getúlio Vargas, que foi contratada para informar exatamente o impacto econômico na cidade de São Paulo, na região metropolitana de São Paulo e também no Estado de São Paulo, já que nós temos a ocupação de hotéis até em Campinas, Stefano. [outro idioma] E outras cidades também, fora da região metropolitana, que estão recebendo visitantes do estado, de outros estados brasileiros e até do exterior. R$ 1 bilhão no período de uma semana, esse é um número histórico, e é um impacto muito grande na economia da cidade e do Estado de São Paulo. E por fim, 8.500 empregos temporários gerados aqui, muitos no autódromo, muitos em torno da Fórmula 1, mas também em torno do entretenimento. Os hotéis reforçaram as suas equipes, seus profissionais, reforçaram também os seus sistemas de atendimento, as agências de receptivo, os guias de turismo. Mesmo os aplicativos ampliaram a oferta de aplicativos, motoristas de táxi, motoristas de ônibus, ônibus de turismo, prestadores de serviço na área de segurança, na área de limpeza, na área de manutenção, na área de telecomunicações, na área de tecnologia, na área de cenografia, na área de eventos, como aqui vocês estão vendo vários eventos, que, além da Fórmula 1, conferem oportunidade do entretenimento musical, da dança e das atividades complementares, e outras corridas também que antecedem a corrida de hoje, movimentando toda uma cadeia econômica de geração de empregos.

Então, muito obrigado, Stefano, pela confiança, [outro idioma] Ricardo Nunes, e ao Bruno Covas, e lembrando sempre: nós começamos tudo isso com o Bruno Covas como prefeito e, felizmente sendo sucedido pelo Ricardo Nunes, apesar da ausência triste do nosso Bruno. Aqui está o Tomás Covas, Tomás é filho do Bruno, eu convidei o Tomás para estar aqui hoje conosco. Vem cá, Tomás, se você puder, para ficar aqui ao lado. Tomás aqui representa hoje, nesse dia, a figura e a imagem do Bruno Covas, que certamente estaria aqui conosco, Ricardo, como você estaria também. Você era o vice do Bruno. Hoje, para a nossa alegria. Obrigado, Tomás. Esse Grande Prêmio, nós dedicamos ao seu pai, viu? Dedicamos a ele.

Stefano, vou tomar a liberdade de passar a palavra ao prefeito, depois vamos ouvir o Stefano e o Alan, se desejar. Prefeito.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Obrigado. Bom dia a todos. Governador João Doria já deu o panorama geral aqui da nossa alegria de poder estar tendo aqui o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Só enfatizar mais, assim, da importância de, pela primeira vez, a gente ter, Stefano, Alan, Vinicius, João, o nome de Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, com a transmissão para dezenas e dezenas de países, se não me engano cento e...

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Mais de 130.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Mais de 130 países. E nesse momento que a gente está atravessando a pandemia e fazendo a retomada econômica, 8.500 empregos nesse momento é fundamental. E uma coisa muito importante é mostrar, Stefano, que São Paulo, tenho escutado do Alan, que também a gente não tem deixado nada além do que acontece em outras cidades do mundo. São Paulo está dando um exemplo da sua capacidade de fazer a realização de grandes eventos internacionais, como teremos aqui em março do ano que vem o Lollapalooza, depois [ininteligível], que é um evento que acontece no Rio de Janeiro e tem o nome lá de Rock in Rio. Então vai ser em São Paulo [ininteligível], mas é compartilhar essa alegria em poder fazer a retomada, a cidade bem estruturada. Ouvimos até agora somente elogios com relação à organização, de todos os aspectos, aspectos da infraestrutura e do aspecto hospitaleiro, hospitaleiro da cidade de São Paulo, de receber bem as pessoas, receber bem aqui os seus turistas e a gente poder estar caminhando e deixando todo o povo aqui da cidade de São Paulo e do nosso país com muito orgulho desse evento internacional de grande importância.

Chegou a hora, a grande aguardada. Hoje teremos aí esse grande evento. E só pra concluir, fazer aqui uma menção, em nome do Tomás Covas, ao Bruno Covas, que, junto com o João, fizeram evidentemente com a organização da Fórmula 1 a possibilidade de ter esse grande evento aqui [ininteligível] pra gente. A palavra é gratidão. Falei para o Stefano antes de ontem, muito obrigado pela confiança na cidade, no nosso estado, no nosso país, e não tenha dúvida de que, da nossa parte, é motivo de muita alegria, que a gente vai... Como esse ano foi melhor, a nível de infraestrutura, do que a última temporada em 2019, e o ano que vem vai ser melhor, e no outro também melhor, e a gente vai estar o tempo inteiro buscando melhorar cada vez mais. Chegamos agora, cheguei com o governador João Doria, [ininteligível] conversando e já apontando quais são os pontos que a gente pode ainda melhorar. Tem coisas novas aqui, inclusive não sei como é que o João não falou, porque é importante falar [ininteligível] falar o que diferencia, uma das questões que diferencia aqui o nosso Autódromo de Interlagos, com relação aos locais que acontecem a Fórmula 1 no mundo, mas enfim, agradecimento. A cidade de São Paulo está muito feliz, a gente fica muito entusiasmado em poder receber com tanta qualidade um grande evento, que é o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, prefeito Ricardo Nunes. Apenas antes de passar ao Stefano, lembrar que também a segurança foi objeto de um projeto especial. Nós temos 5.000 policiais em Interlagos, em torno do Autódromo de Interlagos. É o maior esquema de segurança que já foi montado na história do Autódromo de Interlagos, não apenas com 5.000 policiais, cães, cavalariça, dois helicópteros, cinco drones, todo um sistema de monitoramento por GPS também, para garantir a segurança das equipes, dos pilotos, dos profissionais, do público que teve acesso, que está aqui assistindo, aliás, assistiu na sexta, ontem e hoje também. E o entorno da região, para garantir a segurança, também para os moradores, para os frequentadores e para os que circulam em torno do autódromo, independentemente de estarem presentes fisicamente aqui ao autódromo. Respeito pela Fórmula 1 e respeito também pela segurança e a tranquilidade de todos que estão envolvidos na Fórmula 1. E por fim, um agradecimento especial, peço desculpas às outras emissoras, mas à Band, que está aqui, que detém os direitos da Fórmula 1 e vem realizando um excepcional trabalho na promoção e na cobertura da Fórmula 1. Um orgulho podermos ter também uma emissora que acreditou no nosso projeto e manteve esta ação internacionalmente, com a cobertura de todos os Grandes Prêmios, mas em especial o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, sede aliás da TV Bandeirantes. Agora, Stefano Domenicali.

STEFANO DOMENICALI, CEO MUNDIAL DA FÓRMULA 1: [outro idioma] Obrigado, Brasil, obrigado, São Paulo, obrigado, Interlagos.

[aplausos]

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Bom, a gente tem pouco tempo, o governador tem uma cerimônia em dez minutos, mas eu só vou ser muito breve. Mais uma vez, não posso deixar de agradecer, Tomás, o seu pai, Bruno Covas, o apoio que desde o começo nos deu, foi essencial. Agradecer ao prefeito Ricardo Nunes, por continuar dando esse apoio, agradecer ao governador João Doria, ao secretário Vinicius, pelo apoio desde o primeiro dia também e a confiança do Stefano, uma pessoa que eu estou conhecendo agora, mas que eu tenho certeza que o trabalho que ele vai fazer na Fórmula 1 vai ser incrível, já está sendo. Pouco tempo, né, Stefano, que você está aqui. Ontem, a gente teve a felicidade de ver uma sprint race incrível. A gente até está brincando que a sprint foi melhor que alguns GPs desse ano. Não vou falar qual, [ininteligível], mas achei sensacional ontem. Por quê? Porque Interlagos é especial. E ontem todo mundo pôde ver. O público presente está incrível, tivemos ontem o mesmo público de domingo de 2019, ou seja, casa cheia, o público está com uma energia muito bacana e, como falaram aqui, a gente vai investir muito em entretenimento esse ano. Mas o principal já é pensar 2022 em diante, para cada vez melhorar, porque a Fórmula 1 merece, São Paulo merece, está de parabéns todos vocês. Muito, muito obrigado mesmo.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem.

[Aplausos]

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, vamos à Bruna Fasano. Acho que temos quatro perguntas, eu não sei.

ORADORA NÃO IDENTIFICADA: [ininteligível], por favor.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Se você puder só dar o nome do veículo, seu nome, e a quem você dirige a pergunta.

REPÓRTER: Veículo é Folha de São Paulo, meu nome é Carlos. Não sei se eu também posso perguntar para o Alan, também. Queria perguntar para o Alan, sei que ainda vai ter a corrida, mas se pode fazer um balanço do evento em si e desse primeiro ano. E queria perguntar para o governador e prefeito, autoridades políticas aqui, se alguém do governador... federal... foi convidado, se o Governo Federal foi convidado, se o presidente foi convidado e se houve a preocupação por parte do governador o fato do presidente não ter tomado a vacina, e a gente sabe da exigência da vacina aqui na Fórmula 1.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, vou dividir, evidentemente, a resposta com o Alan Adler, mas eu quero dizer que aqui, no Autódromo de Interlagos, só podem entrar pessoas vacinadas, e o presidente da República do Brasil, como sabem, não está vacinado. Logo, ele não pode ter acesso ao autódromo, nem como convidado, nem se tivesse comprado seu ticket, porque aqui só entram pessoas vacinadas.

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Sobre o... Se já é um sucesso, já é um sucesso. Não há a menor dúvida, é só andar aí fora e ver casa cheia. Estamos, sim, comemorando mais uma Fórmula 1 de enorme sucesso, apesar que tem que esperar a corrida, que é daqui a pouco. Vamos aguardar a corrida, deixar acabar, mas tenho certeza que vai ser, a parte esportiva também vai ser incrível. Vamos ter uma corrida maravilhosa, né? Hamilton largando em 10o, mas vai ser uma disputa sensacional com certeza.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Ricardo, quer fazer algum comentário?

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Estão respondidas.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Carlos, obrigado.

REPÓRTER: Luciano, também da Folha, e quero perguntar ao senhor, governador. Acredito que a organização vai divulgar, no final do dia, o número total de torcedores que estão aqui, mas eu queria saber se o senhor já tem essa informação ou uma prévia de que esse será o maior evento no Estado de São Paulo, em meio à pandemia, considerando apenas o dia da corrida, não a somatória dos três dias.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Luciano, sim, vou mais uma vez dividir a resposta com Alan Adler. Mas sim, dada a circunstância, esse é o primeiro grande evento de São Paulo, praticamente em dois anos, que nós estamos promovendo em conjunto, evidentemente, com a Fórmula 1, é este evento. Portanto, é o maior, sim. É praticamente a retomada da normalidade, ainda com obediência aos critérios e aos protocolos sanitários, a exigência de máscara, a exigência de vacina. Mas nós vamos ter que nos acostumar com protocolos, a partir de agora, mesmo com o decréscimo, felizmente, de casos, internações e óbitos, e mesmo com São Paulo sendo o estado que mais vacina no país e a capital de São Paulo ser a cidade que mais vacinou no mundo, ainda assim vamos ter que ter protocolos. Mas os grandes eventos voltaram, e voltaram a partir deste, que é o maior evento gerador de receita e de empregos para São Paulo, que é a Fórmula 1. Alan.

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Nada a acrescentar, só confirmar que vai ser o maior público, com certeza, nesses últimos dois anos, e vai ser o maior público da Fórmula 1, com certeza, desde... Eu não sei se teve antes de 2019 mais do que 150 mil pessoas aqui. Se alguém sabe... Teve? Teve.

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: 2009.

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: 2009? Quantos?

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: 174...

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Não, esse a gente vai bater. Eu estava pensando que era alguma coisa mais desafiadora.

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Mas precisa checar, hein, gente?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado... próximo.

REPÓRTER: Governador, Carlos Costa, [ininteligível]. Eu queria perguntar se o senhor prefere Verstappen ou Hamilton e perguntar para o Stefano, [outro idioma].

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: [outro idioma].

STEFANO DOMENICALI, CEO MUNDIAL DA FÓRMULA 1: [outro idioma].

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Próximo.

REPÓRTER: Queria fazer uma pergunta, eu queria perguntar--

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu vou te incomodar um pouquinho, vou pedir o teu nome e o teu veículo.

REPÓRTER: Ah, desculpa, Alessandro Giannini, da Veja.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Ok. Desculpa, Alessandro.

REPÓRTER: Eu gostaria de perguntar ao Stefano sobre essa, enfim, busca por um público mais jovem. [outro idioma]

STEFANO DOMENICALI, CEO MUNDIAL DA FÓRMULA 1: [outro idioma].

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: [outro idioma]. Alessandro, muito obrigado.

REPÓRTER: Marcelo Baseggio, da Gazeta Esportiva. A minha pergunta vai para o Alan. Você comentou de estar sempre em busca de melhorar a pista de Interlagos, o autódromo como um todo, para os próximos anos de contrato. Aumentar a capacidade do autódromo está no radar da organização? Porque no Texas, por exemplo, foi um sucesso de público e tudo mais. Interlagos hoje tem uma capacidade menor, eu queria saber se o aumento da capacidade está no radar de vocês.

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Sim, positivo. É uma prioridade. Não a pista, a pista, deixo com a FIA, a Fórmula 1...

STEFANO DOMENICALI, CEO MUNDIAL DA FÓRMULA 1: Pista perfeita.

ALAN ADLER, CEO DO GRANDE PRÊMIO SÃO PAULO DE FÓRMULA 1: Confederação... Mas com certeza a estrutura do autódromo, sim, a gente tem conversado bastante com o governador, com o prefeito, com o secretário, já visando ano que vem de conseguir já ampliar um pouco, porque público, tem, apaixonado, tem, amante, tem. A gente só precisa ter mais capacidade, porque não tem sentido a gente ter um público menor do que o México, do que até o próprio Estados Unidos.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Alan, obrigado, Marcelo. Agora a última pergunta, é isso?

REPÓRTER: Ricardo Magatti, do Estadão. Governador, prefeito, se o Alan quiser responder também: Eu queria saber, em toda essa operação, um evento grande como esse no meio da pandemia, o que mais foi difícil fazer? O que [ininteligível] atenção do governo, da prefeitura? E o que vocês já podem dizer que planejam fazer para o ano que vem, que pode ser melhorado?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Ricardo. Vou pedir ao prefeito que comece a responder. Ele nos ajudou muito, queria mais uma vez registrar aqui o papel da Prefeitura de São Paulo, o papel do Ricardo e a lembrança e a memória do Bruno Covas. Não fosse esse compromisso da Prefeitura de São Paulo... Eu falo porque eu já ocupei essa posição como prefeito de São Paulo, nós não teríamos podido viabilizar o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. É um agradecimento muito sincero ao Ricardo, toda a sua equipe, todo o seu time, por ter levado adiante e implementado inclusive os compromissos que Bruno Covas em vida pôde assumir. Então, vou tomar a liberdade que a resposta seja dada pelo Ricardo, depois eu faço um pequeno complemento.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Obrigado. Ricardo, né?

REPÓRTER: Sim.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Isso. Seu Xará.

RICARDO NUNES, PREFEITO DA CIDADE DE SÃO PAULO: Ricardo, você perguntou... É meu xará. A dificuldade. A gente, sinceramente, não teve muita dificuldade em estar preparando todas as estruturas necessárias para fazer esse grande evento. O que tinha um pouco lá atrás era como é que seria a questão da pandemia, nesse momento agora, em novembro. Como a gente está agora também trabalhando, como é que vai ser no Réveillon, como é que será no Carnaval. Mas a gente foi trabalhando com planejamento, né? A gente tinha um contrato assinado da prefeitura com a organização da Fórmula 1. Com o avanço da vacina, a gente foi cada dia mais ficando tranquilo com relação à questão da pandemia, com relação ao público, né? A corrida poderia acontecer com os protocolos sanitários. Mas sempre foi muito importante que, nesse período todo, foram várias e várias reuniões, toda a organização da Fórmula 1 sempre pautando junto com a prefeitura e o Governo do Estado quais seriam as ações, onde a gente poderia avançar, o momento que foi colocado os ingressos à venda, enfim, foi feita uma ação muito responsável, tanto do Governo do Estado, da prefeitura, da organização da Fórmula 1, acompanhando e respeitando a questão da pandemia. Tanto é que nós chegamos num momento onde foi possível fazer com o público 100%, aqui no Autódromo de Interlagos. E seguimos os protocolos, com todo o apoio... isso também é importante falar, Stefano, todo o apoio com relação... Olha, tem que estar com a máscara, tem que exigir o passaporte da vacina. Não houve em nenhum momento qualquer tipo de questionamento, pelo contrário, foi de apoio, esse é o protocolo da Secretaria de Saúde, que nós vamos seguir, que nós vamos fazer e vamos nos preparar para poder atender esses protocolos sanitários. Acho que isso aí é fundamental, porque não adiantaria de nada ter um grande evento sem cumprir os protocolos sanitários. Aqui em São Paulo, a gente respeita muito a vida, respeita muito a segurança sanitária e acho que o único desafio foi esse, foi tentar trabalhar com a expectativa. Mas a gente foi planejando antes e as coisas foram acontecendo de acordo com a evolução. Hoje aqui na cidade de São Paulo a gente está com uma média móvel de óbitos que não chega a 2. Você pega hoje na Itália, está em 40, média móvel de óbitos. A gente está com uma situação bastante controlada, 96% das pessoas adultas já com a segunda dose, vamos chegar até o dia 5 de novembro com 100% das pessoas adultas com a segunda dose. Portanto, é um exemplo para o mundo o que São Paulo fez e está fazendo. E aqui em São Paulo, onde se encontra... todos do mundo se encontram aqui, e a nossa... Eu acho que a Fórmula 1, inclusive a transmissão para tantos países, pode ser um grande exemplo para muitos países com relação a como lidar com a pandemia, como cuidar dessa situação tão complicada que a gente passou aqui [ininteligível].

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Ricardo. Ao Ricardo do Estadão, apenas para complementar, corretíssimas todas as colocações feitas pelo prefeito. Nosso desafio era a vacinação, desafio que em julho nós assumimos o compromisso com o Stefano, e ele teve a coragem de acreditar e confiar em nós, como ele mencionou, porque poderia colocar em risco a Fórmula 1 como um todo, não apenas o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Nós prometemos: teremos vacinação majoritária até novembro, até a data do início do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. E assim fizemos, o Governo do Estado e a prefeitura. Compramos mais vacinas, acreditamos na vacinação, ficamos longe do negacionismo, do kit Covid e de outras colocações erráticas, e acreditamos, como disse o prefeito, na vida. Cada vida importa. E também um agradecimento à organização, porque a organização, aqui no Brasil, Stefano, foi essencial. Não só acreditaram no governo de São Paulo e na prefeitura, como também contribuíram para que a organização fosse exemplarmente colocada, sem nenhum problema até aqui. Eu tenho dúvida que não teremos, nem hoje, nem no período pós-evento, nenhum tipo de problema. Isso é organização, planejamento e ação integrada. E agradecimento ao público também, porque o público compreendeu a necessidade de apresentar o seu atestado de vacina, de utilizar majoritariamente, talvez uma ou outra pessoa não esteja usando a máscara, mas a recomendação é para que todos estejam usando máscara. Então um agradecimento também ao público, que majoritariamente compreendeu que a vida importa, a sua vida e a vida de seus colegas, de seus familiares, das demais pessoas importam. Agradecer às equipes também, às inúmeras manifestações das equipes, dos teams, Stefano, que vieram aqui, que fizeram manifestações, antes mesmo da chegada ao Brasil, e após a chegada ao Brasil, todas as manifestações pelas redes sociais, Tomás, muito positivas. E as estruturas do estado e do município, trabalhando conjuntamente ao longo de meses, não só na área de saúde. Saúde, infraestrutura, planejamento, a equipe do Autódromo, a equipe de segurança do Estado de são Paulo, a Guarda Civil Metropolitana... trabalho conjunto. Quando você trabalha junto e com o mesmo objetivo, o resultado é sempre muito melhor. E agora podemos celebrar o Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Viva a vacina, viva a vida, viva a Fórmula 1, viva o nosso Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1. Muito obrigado a todos, bom evento pra vocês.