Coletiva - Início dos testes em humanos da vacina contra a dengue 20162306

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Início dos testes em humanos da vacina contra a dengue

Local: [[]] - Data:Junho 23/06/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, quero cumprimentar a todas e a todos, justificar o atraso. O campo, o Aeroporto de Congonhas fechou durante mais de uma hora hoje pela manhã em razão de nevoeiro. Então, só conseguimos decolar eram mais de 9h em São Paulo. Mas é uma alegria estar aqui em São José do Rio Preto e em um dia histórico. Nós não temos, no mundo, uma vacina com grau de proteção elevado contra os quatro tipos de vírus, contra a dengue, vírus 1, 2, 3 e 4, os quatro tipos de vírus. O Instituto Butantan, orgulho do estado de São Paulo, maior instituto soroterápico da América Latina, desenvolveu uma vacina, já fez o teste pré-clínic o com roedores e primatas. Fez a fase um de segurança, efeitos colaterais, especialmente ação em fígado e rim. Fez a fase, também, quanto à eficácia. Estamos agora na última fase, serão 17 mil pessoas voluntárias que receberão a vacina no Brasil inteiro, em 14 centros de pesquisa, dois no estado de São Paulo, a capital em São José do Rio Preto. Nós pretendemos aqui ter quase 1,5 mil pessoas vacinadas, vai ser talvez o maior centro do Brasil. E também em Boa Vista, Roraima, Manaus, Cuiabá, Brasília, Mato Grosso do Sul, Fortaleza, Recife, Aracaju, Porto Alegre, enfim, são 14 centros no Brasil. Doze mil pessoas recebem a vacina, 5 mil o placebo. Ninguém sabe quem recebeu a vacina, quem recebeu o placebo. E aí vai analisando a resposta imunológica. Esse trabalho começa agora e vai até o começo do ano que ve m. E já vai sendo feita a análise. Se nós tivermos, como esperamos, um alto nível de proteção, uma dose só, uma vacina tetravalente contra os quatro tipos de dengue, 1 , 2, 3 e 4. Vírus não tem antibiótico, medicamento eficaz, o caminho é vacina. Assim foi com a poliomielite, rubéola, caxumba... Tudo que é vírus o caminho é o caminho da vacina. Quero aqui agradecer ao professor David Uip, um dos grandes mestres de moléstia infecciosa. Ao professor, Dr. Jorge Kalil, que dirige o Instituto Butantan, catedrático da Universidade de São Paulo. Ao Dr. André Franco Montoro Filho, presidente da Fundação do Instituto Butantan. Agradecer o Dr. Valdomiro, colega, médico, prefeito aqui de Rio Preto, nosso parceiro aqui nesse trabalho. A Ivani vice-prefeita, os nossos parlamentares. Dar também uma boa notícia. Nós v amos dia 30 pagar... Já foi assinado o convênio, R$ 2 milhões para a Santa Casa, ajudar a nossa Santa Casa de Rio Preto, e estamos liberando mais R$ 2 milhões. O prefeito deve assinar semana que vem para o centro de diagnóstico e o hospital dia, que foi feito aqui em São José do Rio Preto. Em especial agradecer aqui à secretária de Saúde, o nosso diretor de Saúde, a equipe toda da Faculdade de Medicina, parceira nesse trabalho, o seu diretor, e os funcionários aqui da unidade do Jardim...

ORADOR NÃO IDENTIFICADO: Vila Toninho...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Vila Toninho... Vila Toninho... Em especial agradecer ao Nelson, os primeiros voluntários, o Nelson...

ORADORA NÃO IDENTIFICADA: E a Luzia...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: E a Luzia, que dando um exemplo de cidadania são os primeiros voluntários aqui em São José do Rio Preto para esse dia histórico. O mundo, os países tropicais e subtropicais, 3 bilhões de pessoas no mundo, poderão ter, se Deus quiser dando resultado positivo, uma vacina única, tetravalente, de proteção contra uma das piores arboviroses, que é a dengue.

REPÓRTER: Governador, porque Rio Preto foi escolhida para essa primeira experiência?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Rio Preto é um grande centro na área de saúde e tem uma das melhores faculdades de medicina do país, o hospital de base, uma rede de unidades de saúde, como aqui da Vila Toninho, que é muito boa... Também teve um surto de dengue grande, e nós precisamos estar na região que tem mais dengue, para poder avaliar a vacina. Então, essa é a razão. Então, será São Paulo e São José do Rio Preto. No Norte do Brasil, Nordeste, Centro-Oeste e Sul.

REPÓRTER: Governador vamos falar de Fernandópolis?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Tem mais alguma coisa sobre dengue? Ai o professor David Uip, o Doutor Jorge Kalil, os professores ai da matéria podem esclarecer melhor as dúvidas.

REPÓRTER: Governador houve a solicitação de alguns deputados para a criação da região metropolitana de São José do Rio Preto, o que o senhor tem a dizer em relação a esse assunto?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, a Emplasa, que é a nossa empresa de planejamento, ela virá agora, talvez em julho, ela virá para fazer aqui uma audiência pública, apresentar o projeto, discutir com a comunidade não é, todo o trabalho a ser feito.

REPÓRTER: O senhor apoia governador?

REPÓRTER: Mas já foi apresentado o projeto e o senhor vetou em 2013, o senhor não achou deselegante aprovar em Ribeirão Preto e aqui em Rio Preto o senhor não ter nem apresentado?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, o que acontece? Eu até vim comentando na viagem vindo para cá, eu sou muito cauteloso com essas coisas, para depois não ter uma grande frustação. Região metropolitana não cria dinheiro novo, nada, zero. Aumenta a burocracia, lá no Vale do Paraíba, é interessante, para fazer a obra lá da Tamoios, ai um desmatamento pequeno, uma coisa pequena lá que tinha que ser feita para fazer a rodovia, não mas tem que ouvir o Ibama, o Ifanta, mas por que? Não porque agora é região metropolitana, então aumenta o aperto legislativo, não trás dinheiro novo, não é pomada mágica, vai criar cargo, cargos altos e despe sas, vai criar um fundo que as prefeituras vão ter que por dinheiro, então precisa ter uma certa cautela. Região metropolitana geralmente é quando você tem uma conurbação, por exemplo, reigão metropolitana de São Paulo, você não sabe onde é Osasco, onde é São Paulo, você passou a calçada mudou de cidade. Santos e São Vicente é a mesma ilha, então ela tem que estar conurbada, se você não tiver conurbação não é região metropolitana, pode dar o nome de reigão metropolitana, então eu tenho bastante cuidado porque, não cria dinheiro novo, cria cargo, cria despesa, cria burocracia, legislação ambiental passa a ser mais apertada, agora qual o lado positivo? Você tem uma articulação melhor metropolitana. Você tem, né, não dá pr a você pensar em Santos sem pensar em São Vicente, se os dois estão na mesma ilha. Pensar em São Paulo sem pensar em Guarulhos, porque estão conurbados.

REPÓRTER: Mas entre Caraguá e Ubatuba tem uma serra que divide e fazem parte de uma região metropolitana.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não deveria ser, mas virou moda, não é, virou moda, então precisa ter um certo cuidado, porque depois que criou, o pessoal vai ver que não mudou nada, a não ser criar cargo, despesa, gastação e burocracia. Então precisa ter cuidado...

REPÓRTER: Governador, ainda sobre....

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu só estou alertando para as pessoas não acharem que passe de mágica você vai criar aí milagres. É um instrumento para cidades conurbadas, conubardas, que estão misturadas, pra você ter politica pública metropolitana.

REPÓRTER: Ainda sobre a dengue...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Esse é o objetivo.

REPÓRTER: Sobre a dengue, qual o grau de eficiência dessa vacina? Há estudos?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Olha, o que foi feito até agora, o professor Kalil pode detalhar melhor, mas é muito otimista, é muito esperançoso, é bastante alta a proteção, bastante alta. E o principal: contra os quatro tipos de vírus. Porque você tem dengue, teve do tipo 1, você pode pegar do tipo 2, 3 ou 4. Pode até ser mais grave, ter dengue hemorrágica. Dose única e tetravalente. Aí é fato único no mundo, não é?

REPÓRTER: Governador, o senhor tem candidato em São José do Rio Preto, candidato a Prefeito pra próxima eleição?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Esse é um tema do partido, não é, o que o partido decidir nós somos solidários. Mas é um assunto local.

REPÓRTER: Sobre o Orlando Bolçone [ininteligível] o senhor tem alguma coisa a dizer?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: São ótimos nomes.

REPÓRTER: Prefere algum?

REPÓRTER: Governador teve um video em Ourinhos onde a Polícia acabou matando um jovem de 22 anos em uma abordagem dentro do carro, tem as imagens até, e parece que ele não reagiu. A conduta da Polícia foi certa?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, nós temos, entre policiais militares, civis e científica, 130 mil policiais, 130 mil, polícia bem preparada, bem treinada. Agora, são 130 mil, se alguém tem alguém desvio de conduta, é Corregedoria. Nós temos a melhor Corregedoria do país.

REPÓRTER: Parece que [Ininteligível].

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ah, tudo vai ser apurado. REPÓRTER: Governador, vamos falar, então, de Fernandópolis, o hospital.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, sobre saúde. A primeira boa notícia aqui para a Santa Casa, dia 30 está depositado os dois milhões. Boa notícia para a Prefeitura. O Dr. Valdomiro Lopes priorizou a saúde, é impressionante os avanços da saúde aqui no Município e nós estamos colaborando com mais dois milhões nessa estruturação que ele está fazendo do Centro Diagnóstico e do Hospital Dia. Fernandópolis tem um Centro de Tratamento de Diagnóstico de Câncer importante, muito bom e que vai ser mantido, vai ser mantido, não tem nenhuma razão para não ser mantido. O que aconteceu? Aconteceu que o Presidente da Fundação, o Henrique Prata, ele foi a Brasíli a, porque quem faz o credenciamento no SUS é o Ministério da Saúde, então, desde dois mil e treze foi pedido o credenciamento de Jales, até hoje não foi credenciado. Desde dois mil e quinze foi pedido o credenciamento de Fernandópolis, até hoje não foi credenciado. Nós temos, entre UTI, serviço de câncer, hemodiálise, leitos hospitalares, mais de um bilhão extra teto, que o Estado faz paga e não recebe nada, tudo fora do SUS, por falta de credenciamento. Então, a rigor, o Estado a sua parte fez, encaminhou o pedido de credenciamento aprovado pela Comissão bipartite. O problema é que o Ministério da Saúde não tem dinheiro e, então, ele não credencia, porque a hora que ele credencia ele passa a gastar. Então, ele não credencia. Não vai fechar Fernandópolis.

REPÓRTER: Mas se chegou a falar em auditoria. Foi feita auditoria?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Isso é rotina. A Secretaria de Saúde ela faz, até por sorteio, ela faz auditorias rotineiramente, por exemplo. Agora, a Santa Casa de Matão, que é uma das melhores Santas Casas do País, vai passar por auditoria, tudo sorteio, periodicamente você faz, é até bom para você corrigir alguma coisa. O objetivo não é... O fato é que há uma crise de financiamento e a gente... Eu fico preocupado com essa questão do financiamento da saúde, porque a população vai envelhecendo, hoje o Brasil não é mais um País jovem, é um País maduro caminhando para ser idoso, medicina mais cara, você precisa ter dinheiro, ent&a tilde;o é preciso colocar recurso. Não vai fechar, Fernandópolis e a região podem ficar tranquilizados quanto a isso.

REPÓRTER: Governador, temos recebido reclamação de remédio de alto custo que está faltando. Como está essa situação? O que pode ser feito para melhorar?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O Dr. David Uip pode responder.

REPÓRTER: Antes disso, sobre as universidades, greves em universidades, o Senhor falou que não vai repassar financiamento, como está isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não é que não vou repassar. Nós repassamos, religiosamente, 9,57% do ICMS arrecadado, praticamente quase 10%, é 30% que investe em educação o Estado de São Paulo. O único Estado brasileiro que investe 30%, todos os Estados e Prefeituras investem 25, nós investimos 30. Como é que distribuiu os 30? 10% para o terceiro grau, que é o ensino superior, 200 mil alunos, 20% para quatro milhões de alunos, que é o ensino fundamental e médio e técnico. Então, nós estamos rigorosamente em dia. Acontece que o cinto está apertado para todo mundo, porque com a retração da atividade econômica, o PIB caiu ano passado quase 4%, esse ano até agora, no meio do ano, quase 4% de novo. É quase uma depressão econômica, como foi em 1929, o serviço caiu para todo mundo e todo mundo está apertado. REPÓRTER: Em relação a CPI da Merenda na Assembléia. A oposição fez críticas de que ela é chapa branca e que só tem Deputados do governo na investigação.

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não é verdade. Ela é sempre proporcional aos Deputados. É que o PT está fraquinho, ele tem pouquinho Deputado. Ele está representado, proporcionalmente, ao número de Deputados. Nós é que investigamos, nós o Estado, foi a Polícia Civil que investigou. Uma Cooperativa aqui de Bebedouro, ela participava de três licitações, três, em valor pequeno, inclusive, onde só para agricultura familiar, isso é Lei Federal, isso é obrigado a fazer, não tem como não fazer. Teve disputa, teve mais de um participante, quem ganhou foi o menor preço e o produto foi entregue. Prejuízo zero. Não houve prejuízo.

REPÓRTER: São Paulo saiu prejudicado na negociação da dívida com a união?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Só um minutinho. O que se descobriu depois? Que os diretores fraudavam os cooperados, porque ao invés de entregar o suco de laranja do seu cooperado ele não entregava, ele entregava de grandes fornecedores. Nós que descobrimos, fizemos o processo, comunicamos ao Ministério Público, pedimos autorização judicial para escuta telefônica, fizemos a escuta telefônica e pusemos todo mundo na cadeia. Ótimo a CPI, quanto mais investigar melhor. REPÓRTER: Governador, Caraguá e Ubatuba o senhor falou que [ininteligível] ia fazer, mesmo assim apresentou o Projeto e foi aprovado e o Senhor criou a região, porque não Rio Preto? Rio Preto vai ter a região?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Vai ter também, mas eu estou alertando para não ter uma grande frustração depois.

REPÓRTER: Com relação a DETRAN, se viu os funcionários aí fazendo a manifestação, pedindo reajuste. Como está essa situação, Governador?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Interessante. Eu queria destacar o seguinte. Eu recebi do Sindicato, é o mesmo do Enilson Simões, o Alemão, do Sindicato da Codasp, dos funcionários da Codasp, que é uma empresa, que é a mesma até do Siagesp, por escrito, dizendo: esse ano nós não vamos fazer a campanha salarial, reajuste zero. A única coisa que nós queremos é que não haja demissão. Eles estão entendendo a situação. O fato é esse, que estamos com 12 milhões de desempregados. Então, estão entendendo. Eu queria dar o maior aumento possível, agora, nós não temos arrecadação. O que nós fizemos no caso DETRAN? O vale-refeição &ea cute; oito reais, nós estamos passando, a partir do dia trinta, para 23 reais, passamos de oito para 23 reais, fizemos uma nova licitação do vale-refeição, termina dia 30, eles sabem disso. Agora, o problema nosso não é querer ou não querer, precisa ter recurso.

REPÓRTER: E o Procon?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O Procon a mesma coisa, está havendo uma conversa, uma negociação. Claro, a gente tem que entender que o empresário, ele primeiro paga os seus empregados, depois ele paga os fornecedores, se sobrar dinheiro ele paga imposto. Então, quando o PIB cai 4%, a sua arrecadação cai sete. O Tribunal de Contas do Estado elogiou, até, o Governo do Estado, porque nós equilibramos as contas, botamos tudo em dia, com 12 bilhões a menos de arrecadação o ano passado. Não é 12 milhões, é 12 bilhões a menos. A última dele aqui.

REPÓRTER: O senhor vai sair candidato a Presidente em 2018?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Candidatíssimo a Presidente do Santos Futebol Clube.

REPÓRTER: O candidato do Senhor a Prefeitura de São Paulo apareceu em último na última pesquisa. É possível reverter esse quadro?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Não, você não pode dar informação errada para o seu telespectador. Ele está empatado em segundo lugar. O primeiro colocado é o Celso Russomanno. O segundo colocado tem 10%, a Marta, ex-prefeita com enorme recal, 8% a Erundina, ex-prefeita, com grande recal, 7% o atual Prefeito de São Paulo e 6% o João Dória. Está tudo empatado em segundo lugar e a eleição nem começou ainda. Essa pesquisa só foi boa para o João Dória, obvio, cresceu sem nem começar ainda a campanha, mas enfim.

REPÓRTER: E Rio Preto?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Rio Preto vai ser decidido aqui por Rio Preto, meu título é em São Paulo, era em Pindamonhangaba.

REPÓRTER: O Senhor falou com o Prefeito Valdomiro sobre isso?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O Valdomiro eu sempre falo com ele, tomamos bons cafés. Uma última palavra aqui sobre o novo programa do Nelson Cunha.

REPÓRTER: Não, eu preciso fazer afastado aqui. Pode ser?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Ah, é confessionário, particular. Obrigado a todos. Categoria 23 de junho de 2016 [[]]