Coletiva - Inauguração Hospital Estivadores 20162212

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Inauguração Hospital Estivadores

Local: Santos - Data:Dezembro 22/12/2016

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha uma grande alegria antevéspera do Natal, virmos a Santos para inauguração de um grande hospital, uma grande conquista de Santos e da baixada Santista que é o hospital dos Estivadores, governo do estado participou na obra com R$ 25 milhões, já com 11 milhões para o custeio e disse ao Paulo Alexandre Barbosa, o nosso prefeito, é um hospital municipal que conte conosco para a gente ser parceiros nesse belíssimo trabalho e começa na maternidade que é a vida, portanto, um grande trabalho vai ser feito aqui e isso foi escolh ida uma organização social muito séria, com enorme expertise que é o hospital Osvaldo Cruz, em São Paulo, que vai fazer toda a diferença atendendo 100% SUS, de graça à população. A segunda boa notícia, nós estamos abrindo agora ao meio-dia, mais seis quilômetros de terceira faixa, na rodovia Manuel da Nóbrega em São Vicente, então, uma boa notícia para o verão, para os turistas, para a população de baixada Santista seis quilômetros de terceira faixa e o acesso novo ao bairro de Pedreira, há dez atrás já entregamos mais dois viadutos também em São Vicente, então, tudo isso fortalece o turismo, dá mais segurança para os usuários das autoestradas é fortaleço Ceará a economia da região e o emprego.

REPÓRTER: A questão das balsas aqui da travessia Guarujá-Santos, nunca operam com a sua totalidade. São oito balsas, sempre são seis, cinco. Isso está causando um transtorno muito grande. Vai ter algum investimento na área da balsa? O túnel já não dá mais para...

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Nós estamos fazendo a reforma, grande reforma nas balsas. Devemos estar recebendo mais uma. Eu verifico direitinho a data e passo aí para vocês. Está bom?

REPÓRTER: Governador, os hospitais da região aqui estão sofrendo também com a falta de médicos. O que o governo do estado pode ajudar nesse sentido, até para não sobrecarregar a cidade de Santos, que também está recebendo uma demanda muito alta de outras cidades?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Nós estamos procurando fortalecer a região. Então, trouxemos para o Hospital Guilherme Álvaro um instituto do câncer, o Icesp, que é um tratamento completo, cirúrgico, quimioterápico, radioterápico aqui na Baixada. Trouxemos também o Hospital Emílio Ribas, no Guarujá, para moléstias infecciosas. A região do Vale do Ribeira, além do Hospital de Pariquera-Açu, que foi ampliado, nós estamos fazendo um novo hospital em Registro. Itanhaém, no litoral sul, também a obra está bastante adiantada. Então, reforço importante. Aqui em Santos, aqui no Guarujá tamb& eacute;m o novo hospital. Caraguatatuba, litoral norte, novo hospital também em obra. E em todas as cidades, nós somos parceiros das Santas Casas e dos hospitais filantrópicos. Então, procurando atender. Médico, hoje, nós temos em número suficiente. É questão de recurso. A Secretaria de Saúde, inclusive, está abrindo novos concursos para médico, está bom?

REPÓRTER: Governador, qual a importância dos estivadores aqui para cidade?

REPÓRTER: Um pouquinho mais a importância do Estivadores aqui para a cidade principalmente com essa parceria aqui na prefeitura de Santos?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Olha, o hospital dos Estivadores é um hospital geral, não é? Um hospital que vai atender todas as áreas inclusive complexidade maior e todo o hospital é implantado gradualmente. Então começa pela maternidade. Está bom?

REPÓRTER: [ininteligível] dessa senhora em relação ao Hospital de Cubatão, Hospital de São Vicente os médicos estão ameaçando agora cruzar os braços nesse período de Natal e Ano Novo por problema de pagamento. O governo tem como ajudar em alguma coisa?

GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: O importante é a gente esclarecer o seguinte, todos os que atendem o SUS no Brasil inteiro, estão com dificuldade de financiamento. Porque a tabela não cobre a metade dos custos. Aqui em São Paulo deve ser 24%, 23%, 24% dos custos, 25%, é um quarto. Então, você pegar a Santa Casa de São Paulo deve meio bilhão de reais. Tanto é que a Caixa Econômica Federal ela refinanciou parte da dívida para poder ter juros menor. Evidente que a solução do financiamento ela virá com a correção da tabela do SUS. Enquanto isso não ocorre, nós temos que raspar o fundo do tacho aí para ajudar. Então em cada um dos municípios a gente tem procurado ser parceiro. Claro que tem hospitais que são municipais, não são gerenciados pelo estado, então nós vamos ver a maneira de ajudar. São Vicente nós vamos ter um AME cirúrgico, um dos mais moderno do país, inclusive com hospital Dia para que também está bem encaminhado. O professor David Uip pode detalhar melhor. Está bom.