Coletiva - Inauguração do Laboratório de Robótica da Rede Lucy Montoro - 20121105

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva da Inauguração do Laboratório de Robótica da Rede Lucy Montoro

Local: Capital - Data: 11/05/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha queria... Hoje tem novidade, sim! Olha, hoje é um dia muito importante para medicina, para neurociência, que é a inauguração do Laboratório de Robótica para pessoas que precisam de reabilitação. São vários robôs que agem nos membros superiores, nos membros inferiores, jogos virtuais, um exoesqueleto: a pessoa entra dentro de um exoesqueleto, e ela faz todos esses movimentos, esses movimentos, através do robô, eles permitem ser feitos numa velocidade maior, num número maior, com mais precisão, ajudam a recuperação de movimentos e têm um efeito no cérebro de um estimulo cerebral melhorando a plasticidade cerebral e a adaptação à deficiência. Então é um ganho importante para saúde e para a reabilitação. Um conjunto de robôs dentro de um laboratório de robótica para melhorar a recuperação dos nossos pacientes.


REPÓRTER: O tempo de recuperação cai, né, governador, com esse...


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O tempo de recuperação cai, a recuperação é mais rápida e melhora a recuperação, quer dizer, alguns casos que não teriam uma recuperação tão grande, dão um avanço melhor. Depois que uma célula do cérebro morre você não a recompõe, mas a plasticidade permite aos neurônios, às células cerebrais uma comunicação, uma interconexão que se chama de plasticidade que permite uma recuperação maior, então é um grande avanço para a reabilitação aqui na Rede Lucy Montoro, unidade do Morumbi terá também na Unidade da Vila Mariana e tudo de graça, 100% SUS, totalmente gratuito e o que há de ponta na ciência para ajudar na recuperação dos nossos pacientes. Também no dia de hoje, estamos mandando um projeto de lei para Assembleia Legislativa, porque não tem saúde sem recursos humanos valorizados, estão fazendo um reajuste para os plantões de saúde: médicos, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, técnico de enfermagem e auxiliar de enfermagem esse aumento chega a 71%, e ele também varia de acordo com a localização, às vezes não tem dificuldade para contratar um profissional na área central, mas tem muito dificuldade na periferia, então o plantão, por exemplo: nos hospitais mais centrais plantão de 12hs por médico, R$ 785,00; um pouco mais distante situação mais difícil, R$ 942,00 e para casos de difícil fixação de profissionais, R$ 1.130,00 cada plantão de 12hs já estamos mandando a lei para Assembleia com vigência imediata, depois de aprovada. E queria, também dizer uma palavra. Nós estamos com grandes eventos em São Paulo, esportivos, grandes jogos, Libertadores, véspera de Copa do Mundo. E outros eventos, não só esportivos. Nós demos uma determinação a Secretaria de Segurança para o combate tenaz a flanelinhas que exercem uma atividade que não esteja regularizada. Nós temos casos de extorsão, de ameaça às pessoas, alguns foram detidos com passagem policial, inclusive, casos de homicídio. Então polícia está preparada pra fazer permanentemente nos médios e grandes eventos um trabalho para não permitir uma atividade que não seja regularizada para proteger a nossa população.


REPÓRTER: O objetivo é reforçar a segurança no entorno desses eventos para evitar?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Exatamente. Todos os grandes eventos de São Paulo.


REPÓRTER: Governador, eu gostaria que o senhor comentasse sobre a votação da PEC que regulamenta a distribuição do ICMS pelas vendas feitas pela internet.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu vejo com grande preocupação. Porque o Brasil é República Federativa, e sendo uma federação, não é possível você ter uma legislação centralizada que tira de um estado, de maneira quase abrupta, quase R$ 1 bilhão de arrecadação. A gente faz um esforço enorme para economizar R$ 100 mil, R$ 200 mil, R$ 1 milhão, ganhos de eficiência, e de repente você perde... Nós achamos que pode chegar a quase R$ 1 bilhão a perda de ICMS, não só para o governo do estado, mas para os 645 municípios do Estado de São Paulo. Então me preocupam muito essas votações. Verdadeiro ‘tratoraço’, né? E quem paga a conta são estados e municípios. Nós vamos fazer um grande esforço pra que isso seja revisto ainda no Senado e na Câmara Federal.


REPÓRTER: Governador, como é que vai ser equalizado esse problema da dívida dos terrenos da Linha-5


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o metrô, ele não tem dívida de IPTU. Ele desapropriou terrenos para poder fazer as obras, não é? Você tem que desapropriar para fazer as obras, e esses terrenos tinham dívida, antes da desapropriação. Então, nós precisamos achar uma maneira jurídica de resolver, porque a dívida não é do metrô, a dívida é do proprietário anterior, não é de hoje. Mas estamos buscando uma solução rápida para isso.


REPÓRTER: Governador Alckmin, mais algum servidor vai conseguir reajuste esse ano?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós já mandamos a lei para os plantões, não é? Acabou de me dizer a doutora lá da Vila Mariana, a Margarida, que o pessoal ficou super feliz lá na unidade lá da Vila Mariana com o aumento do auxílio... Do vale-alimentação, o vale-refeição, que aumentamos 100%, passou de R$ 4 para R$ 8. E ele é muito importante, porque aqueles que ganham mais não recebem, é mais para os funcionários que ganham menos. Então, valorizamos 100% o vale-refeição, e agora os plantões de 12 horas, não só médico, médico, fisioterapeuta, farmacêutico, enfermeiro, técnico e auxiliar de enfermagem.


REPÓRTER: Os outros servidores da saúde vão receber?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Isso não está definido ainda.


REPÓRTER: Governador, você acha que essa situação do seu colega de partido, governador de Goiás Marconi Perillo, se agrava com a reafirmação de que ele vendeu, negociou uma casa com Carlinhos Cachoeira, falou com ele no telefone pessoal, ligou para dar os parabéns. O senhor acha que isso agrava a situação política do governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Vamos ouvir as explicações do governador.


REPÓRTER: O senhor acha que ele deve ir à CPI?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Um abração.