Coletiva - Lançamento da Rede de Atenção à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Sexual no Estado e Criação da Coordenação de Políticas para a Mulher - 20120810

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva do Lançamento da Rede de Atenção à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Sexual no Estado e Criação da Coordenação de Políticas para a Mulher

Local: Capital - Data: 08/10/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu queria destacar hoje duas conquistas importantes. Primeiro a criação da Coordenadoria para políticas públicas para as mulheres na Secretaria de Justiça, então a secretária de Justiça Dra. Eloísa Arruda nós vamos instalar a Coordenadoria para as políticas públicas para as mulheres uma grande conquista. E a outra o crescimento, a ampliação de um projeto bem sucedido que é o “Bem-Me-Quer”, vejam que foram 52 mil atendimentos nesses doze anos, e o atendimento médico, atendimento psicológico, social e jurídico, nós, não só para mulheres, mas também para meninas e meninos com menos de 14 anos de idade, a violência sexual, a violência doméstica lamentavelmente ocorre muito com as mulheres, algumas até são mortas por maridos, companheiros, namorados, e crianças também, aqui atende menores de 14 anos, meninas e meninos, os dois e mulheres de todas as idades. Esse programa o Bem Me Quer que tem a parte médica, psicológica, jurídica, segurança pública, nós vamos expandir para a região de Campinas, o CAISM da Unicamp, na baixada santista Hospital Guilherme Álvaro, Ribeirão Preto são no Hospital das Clínicas, São José do Rio Preto Hospital de Base. Então um crescimento, uma ampliação de mais 5 centros do Bem Me Quer, 24 horas por dia, 7 dias da semana trabalhando para tender às mulheres. O mais importante é culturalmente a igualdade de gêneros não ser apenas lei, mas a mudança de comportamento, de cultura que acreditamos que vai ocorrer na sociedade. Mas não pode haver impunidade e o Bem Me Quer vai ampliar esse serviço para atender às mulheres.


REPÓRTER: Governador o novo Pérola Byington vai ajudar esse tratamento?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O novo Pérola Byington, nós pretendemos fazer a primeira PPP dos centros de saúde, vai ser na região do centro de São Paulo, na nova Luz e nós queremos que funcione inclusive com cirurgias eletivas, pelo menos 24 horas por dia, quer dizer que o hospital funcione sem parar praticamente, seria um dos primeiros hospitais com cirurgia eletiva em todos os horários praticamente. Então tá indo bem, nós vamos lançar a PPP provavelmente no começo do ano que vem e é uma PPP que serão feitas em cinco hospitais. O novo Pérola Byington, o hospital de mulher, o novo aqui no centro de São Paulo, Sorocaba, São José dos Campos, o Hospital de ouvido, olhos e ouvido, oftalmo e otorrino no Hospital das Clínicas, no Hospital novo e no vale do Ribeira, Registro. Uma grande conquista aqui, para essa grande referência da saúde da mulher, que é o Pérola Byington. E o Bem-Me-Quer, que a matriz está aqui, vai treinar e capacitar os outros cinco centros do Bem Me Quer do Estado. E a Secretaria da Justiça tem os agentes do Bem Querer, que são agentes que orientam não a parte médica, mas a parte dos direitos, a parte da cidadania jurídica. Então nós vamos integrar os dois programas.


REPÓRTER: Governador, desde quinta-feira já morreram 21 pessoas, que parece ser a retaliação do PCC. Nessa madrugada morreram mais sete. Sábado sete, na quinta-feira sete. O senhor tem alguma coisa a dizer sobre isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, o Secretário da Segurança Pública já esteve na Baixada Santista, a ROTA foi encaminhada para a Baixada Santista, sem prazo para sair de lá, vai ficar lá o tempo necessário e todos esses casos estão sendo investigados. Inclusive o DHPP já está também trabalhando junto com a Delegacia Seccional e o DEINTER da região para esclarecer esses casos.


REPÓRTER: Seria uma retaliação à polícia?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Acho que nenhuma hipótese deve ser descartada. Está sendo investigado. Vamos aguardar as investigações, que estão caminhando bem. Então duas questões importantes: a presença da ROTA por prazo indeterminado na Baixada Santista e o DHPP dando todo apoio ao DEINTER e à Delegacia Seccional para o esclarecimento das mortes e a prisão dos criminosos.


REPÓRTER: Governador, e as dez pessoas baleadas em Guarulhos de ontem para hoje?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A mesma coisa: investigação rápida e já estão trabalhando para verificar quem são os assassinos. Seja quem for, vão ser presos.


REPÓRTER: Sobre as eleições de ontem, o senhor poderia fazer um comentário? Deu um certo alívio ver o seu candidato ser eleito em um cenário tão incerto?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, as definições, cada vez ficam mais provadas, são mais no final da eleição. Quer dizer, o eleitor vai acumulando informação, vai amadurecendo sua decisão de voto e a definição de voto mesmo é na urna. Então é um processo, não e? O Serra sempre esteve praticamente no segundo turno. A surpresa foi chegar em primeiro lugar. Agora é uma outra eleição, onde tudo começa e é convencimento. O segundo turno é bom porque permite aprofundar mais os temas, esclarecer mais dúvidas, mostrar mais propostas, e com dois candidatos só dá para acompanhar melhor os debates.


REPÓRTER: E nesse ato de convencimento? Como é que já ficam as articulações aí para as próximas horas?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, eu vejo que a articulação precisa ser feita primeiro com os eleitores, o eleitor é livre, não há comando de voto no segundo turno, nem no primeiro, quanto mais no segundo. Então, é falar aos eleitores, com humildade, a verdade, eu acho que o Serra é preparado, tem amor a São Paulo, ao povo, vai fazer um bom trabalho. Depois, sociedade civil organizada, lideranças da sociedade civil; depois os líderes políticos e os partidos; acho que é procurar somar em torno de um bom programa para São Paulo.