Coletiva - Lançamento do edital para o projeto executivo do Expresso Jundiaí - 20121009

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva no lançamento do edital para o projeto executivo do Expresso Jundiaí

Local: Jundiaí - Data: 10/09/2012

REPÓRTER: Governador, explica para gente qual a finalidade da construção do trem expresso de São Paulo até Jundiaí?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós queremos o trem direto, Jundiaí-São Paulo, em 25 minutos, sem parada. A nova linha, a nova ferrovia, ela virá... É uma ferrovia segregada, ela é separada, ela é uma nova ferrovia. Ela liga Água Branca a Jundiaí em 25 minutos. Ela vem ao lado da atual ferrovia até Perus. E de perus para cá, ela tem outro trajeto, encurtando, quase, 8 km, a ferrovia e quase 20 km em tuneis. Então será um expresso importante. Nós precisamos estimular o transporte sobre trilhos, que é de alta capacidade e de qualidade. Hoje está sendo autorizada a licitação do projeto detalhado, o projeto executivo, já traçado parte geológica, tuneis, obras físicas, já para licitar a obra. Ficou pronto o projeto executivo, já licita a nova linha Expresso Jundiaí. Isso vai ser importante para cidade e para região.


REPÓRTER: Governador...


REPÓRTER: O preço, já tem alguma expectativa para o preço da passagem?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Quem vai dizer o preço vai ser o projeto executivo, ele que vai dar em detalhes. Mas você pode calcular em torno de R$ 3,2 bilhões, tudo, obra física, trens, estações, parte elétrica, eletrônica, pátio...


REPÓRTER: O preço da passagem ,governador. O preço da passagem.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: A passagem vai ser definida, mas nada muito diferente do que se imagina. Isso vai ser definido a posteriori. Então três, hoje autorizados R$ 150 milhões, projeto executivo, já saí a licitação, preparando, já, para fazer a licitação da obra. E a segunda boa notícia são os investimentos na Linha 7. Nós temos investimentos na rede elétrica, subestações de energia e toda a parte de energização. Já entregamos 20 trens novos e reformados e terá uma outra... Completará o número de trens novos, 0 km, da nova série 8000, que são trens, todos, com ar condicionado, corredor contínuo, ligando todos os oito carros, motorização maior. As 15 estações reformadas, com acessibilidade. Inclusive esta aqui, de Jundiaí, onde nós estamos. E será feito uma nova estação aqui do lado, para o expresso. Jundiaí terá duas estações, a estação antiga restaurada, que é do século XIX, que é da linha 7, e a estação nova, novo modelo arquitetônico, futurista, para o Expresso Jundiaí.


REPÓRTER: Quando vai para Campinas esse trem, Governador?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Campinas, nós estamos dando todo apoio ao TAV, ao trem de alta velocidade. Estamos, aliás, trabalhando juntos, para não ter nenhuma competitividade, mas você ter uma sinergia, você ter uma complementariedade. A primeira tarefa é Jundiaí. Mas já está sendo feito o estudo até Campinas, mas não para disputar com o TAV, mas para complementar.


REPÓRTER: Regional, regional?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Regional.


REPÓRTER: Governador, desapropriação que será necessária para [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: As desapropriações vão ser feitas. Nós temos uma experiência, elas não serão muito grandes, porque você vai ter 20 km em túnel. Dos 47 km... Até Perus dá quantos Km?


REPÓRTER: Oito quilômetros.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Oito.


REPÓRTER: Já são 28.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Oito já não tem nada, porque faz do lado. Vinte é túnel, então mais da metade não vai ser desapropriado. O que precisar... Desapropriação é importante, para poder passar o trem.


REPÓRTER: Mas o TAV de Jundiaí seria o segundo momento, já Campinas desse trem regional, ou não?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não. Essa fase é Jundiaí-São Paulo.


REPÓRTER: Por que Jundiaí, já que é... Já que [ininteligível]?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Porque, veja bem, nós começamos por Jundiaí, que é hoje um polo de desenvolvimento muito importante, já tem aqui a ferrovia, mas nós queremos um expresso. Então a gente, já, aproveita 8 km para fazer do lado da ferrovia. Você já ganha espaço. Chega à Água Branca, onde os estudos tão mais adiantados.


REPÓRTER: [ininteligível] a alta velocidade que o senhor disse que vai dar mais apoio, tem alguma novidade em relação a isso?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O Jurandir pode detalhar para vocês, que ele teve com o pessoal da ANTT semana passada.


REPÓRTER: [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Pode ser PPP, pode ser obra pública. Isso nós vamos decidir mais à frente. O que for mais rápido e mais necessário.


REPÓRTER: Governador, para Jundiaí, o senhor tem alguma novidade sobre a alça do acesso da Anhanguera?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Na Anhanguera, o que nós temos são as novas marginais. São R$ 142 milhões, 37 km de novas marginais, 32 km de mais uma faixa. E estamos estudando com a Artesp, a questão das alças, mas ainda não temos notícias do viaduto.


REPÓRTER: Em relação às policiais, a contratação, que foi contratado, mas pulverizou muito e muito pouco chegou para cada município. O que o senhor tem em relação a isso tanto Civil como Militar?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós mandamos para... Aqui é CPI-2, não é? Então para o CPI-2 vieram 208 policiais militares, depois mandamos mais 48 dá em torno de 250, um pouco mais. Só para os batalhões de Jundiaí, 93 PMs. Então para Jundiaí foram 93 policiais militares nesses dois envios de policiais militares. E policiais civis, nós tivemos você escrivãs e sete investigadores, então 16 policiais civis, 93 policiais militares. E uma boa notícia. O mês de julho em Jundiaí, os indicadores comparados com julho do ano passado tiveram uma forte redução. Nós vamos divulgar agora no dia 25 de setembro o mês de agosta, mas julho foi um mês importante em termos de redução dos índices de criminalidade.


REPÓRTER: Em relação à entrega do hospital aqui...


REPÓRTER: [ininteligível] e ainda é muito pouco que foi contratado.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: É. Nós teremos... Nós liberamos policiais militares 2.069, que tava em atividade, logística, atividade de meio para policiamento de rua, 2.069. A nossa meta é chegar a 7.000 policiais militares sem contratar nenhum novo, só fazendo uma reengenharia e podendo colocar mais policiais na atividade de rua. Isso já começa a ter um efeito importante, a gente já sente uma maior presença policial no estado de São Paulo.


REPÓRTER: A entrega do Hospital Regional aqui de Jundiaí, está dentro do previsto? Não pode atrasar.


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Dentro do previsto, 2014 o hospital estará funcionando. O AME já está funcionando, ele vai crescente até chegar a 22 especialidades. Então o AME vai desafogar muito a parte hospitalar, porque muita gente procura hospital é para fazer exame ou um especialista. Então o AME tem os especialistas, 22 especialidades e toda a parte complexa de exames, então você desafoga os hospitais. E teremos mais um hospital em 2014 que é com segurança, não é? Mas já está em obra...


REPÓRTER: Governador, só confirmando: CPI-2 são 208?


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Vou te dar o número exato. No dia 31 de agosto, nós colocamos mais 2.069 policiais militares para trabalhar no policiamento de rua ostensivo. CPI-2, 208 PMs. O dia 27 de julho, mais 48 PMs vieram para região, então nós estamos falando de 256, CPI-2. E para o Deinter 2, vieram para cá 32 escrivães e 45 investigadores. E daqui a 45 dias teremos 200 delegados de polícia a mais, que tão terminando o curso na academia. No começo de novembro todos já voltaram os seus respectivos postos de trabalho trabalhando, uma parte significativa virá para a região.


ORADOR NÃO INDENTIFICADO: [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, difícil você mensurar, não é? O importante é a investigação e a punição. Isso tem um aspecto pedagógico, porque o que estimula o crime do colarinho branco é a impunidade. O fato de você investigar, de você punir tem um sentido pedagógico importante. Acho que não tem relação com a questão eleitoral. Está bom? Vai ter um café aí.