Coletiva - Municipalização dos aeroportos de Barretos, Lins e Piracicaba 20122812

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Municipalização dos aeroportos de Barretos, Lins e Piracicaba

Local: Capital - Data: 28/12/2012


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Nós temos uma grande tradição em São Paulo na aviação desde Santos Dumont, que passou boa parte de sua vida aqui em São Paulo. Comandante João Ribeiro de Barros, que fez a primeira travessia do atlântico no hidroavião Jaú. Saindo de Genova, na Itália e descendo aqui na represa aqui de Santo Amaro. Nós temos aqui as grandes empresas de aviação, o maior aeroporto brasileiro que é Cumbica, deve terminar esse ano com 35 milhões de passageiros, o segundo maior aeroporto brasileiro que é Congonhas, deve terminar o ano com 12 milhões de passageiros. O modal de transporte que mais cresce é o modal aeroviário, e os aeroportos tem um grande papel indutor no desenvolvimento das cidades, atração de empresas, geração de emprego, serviços. Tanto é que São Paulo depois da capital a maior cidade é Guarulhos, 1.300.000 habitantes. Depois Campinas, 1 milhão de habitantes. Existe até um livro chamado “Aerotrópolis”, mostrando que o aeroporto induz o movimento que é urbanização. Nesse sentido, nós estamos hoje fazendo uma delegação. A prefeitura de Piracicaba, o aeroporto do estado em Piracicaba, à prefeitura de Barretos, o aeroporto de Barretos, prefeitura de Botucatu e a prefeitura de Lins. Quatro aeroportos estaduais, fizemos a delegação municipal. E vamos ajudar. Os municípios podem com as áreas do entorno atraírem empresas, empresas de serviço aeronáutico, empresas de manutenção ou outras empresas importantes, estimular voos regionais, ter um papel de indução do desenvolvimento da cidade, da região. Então, eu tenho certeza de que ganhará a população com uma ação do governo local, induzindo desenvolvimento e fortalecendo o transporte aeroviário. Então assinamos hoje com o prefeito Barjas Negri, de Piracicaba; com o prefeito Dr. Emanuel, de Barretos. Ontem assinamos... Anteontem, em Botucatu, assinamos com o prefeito João Curi e com o prefeito Waldemar Casadei, de Lins.

REPÓRTER: Em termos de manutenção... O que modifica o fato do aeroporto não mais ser de responsabilidade do DAESP, passar para o município, governador?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, a grande mudança é que o governo de cidade, ele está mais perto. Então, ele pode através do aeroporto atrair empresas, indústrias, buscar parceiros na Iniciativa Privada para ampliar o aeroporto, prestar mais serviços, estimular novas linhas, quer dizer, você vai ter... O aeroporto vai estar mais integrado ao município. E hoje, o aeroporto é um dos principais indutores de desenvolvimento. No passado se dizia que para uma cidade crescer tinha que estar a beira mar, não é? São Vicente é o primeiro município brasileiro, Santos, Salvador, Rio de Janeiro, depois tinha que tá na beira do Rio. O rio teve um papel indutor de desenvolvimento. Os bandeirantes, São Paulo, Tamanduateí, Piracicaba, Rio Piracicaba, Pindamonhangaba, Rio Paraíba, então os rios, depois as ferrovias, se pegar a grande fábrica de equipamentos agrícolas, a Jato, em Pompeia, é onde parou o trem. O Sr. Shunji Nishimura desceu na última estação de trem. Então a ferrovia teve um papel indutor, depois as autoestradas, as [ininteligível] Bandeirantes, Castelo Branco, Dutra. Hoje é aerovia. O aeroporto tem um grande papel de atração de emprego, de estimulo a investimento e do desenvolvimento das cidades.

REPÓRTER: O Estado perde algum recurso com essa municipalização?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Todas as tarifas, as taxas, a receita do aeroporto vai passar para o município, É tudo do povo, município, Estado, União, é tudo do povo. Quem é que deve administrar? Quem está mais perto. Então, prefeituras maiores que tem mais estrutura, essa delegação é positiva.

REPÓRTER: Em termos ainda de investimento, o senhor tem alguma informação no que se diz respeito àquele pacote que foi anunciado pela presidente Dilma Rousseff, que inclui Piracicaba, aliás, na questão dos aeroportos regionais? Ou da viação regional, perdão.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: O Dr. Volpi, que é superintendente do DAESP, ele pode detalhar um pouco melhor. Está bom?

REPÓRTER: Tem projeto de municipalizar outros aeroportos?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Não, só esses quatro. Nós estamos investindo em muitos aeroportos, estamos tendo um crescimento. Esse ano cresceu 12%, o nosso movimento aeroportuário, a economia cresceu 1%, o PIB. A população cresce em São Paulo menos de 2%, crescimento demográfico. Nós crescemos 12%. Nós estamos investindo bastante e temos um estudo pra concessão, municipalização são os quatro.

REPÓRTER: Para Piracicaba mesmo que em outros segmentos, tem alguma previsão em termos de estado já pra 2013 de repente?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Você diz na área de transporte?

REPÓRTER: Não necessariamente.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, transporte tem o Anel Viário, que está indo bem. É a duplicação da rodovia pra Charqueada, a grande obra do Anel Viário. O parque tecnológico, nós estamos sempre investindo sempre juntos com a prefeitura. A grande obra do hospital de Piracicaba, Hospital regional que nós somos parceiros aí. Estamos estudando como ter uma participação maior. Enfim, sempre vai ter boas notícias.

REPÓRTER: Para a região ali também, Águas de São Pedro, a duplicação que a gente conversou agora pouco com o pessoal da...

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Enfim, vai ter bastante novidade aí. Mas tem... Na minha cidade natal, como é o seu nome?

REPÓRTER: Lilian.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Lilian tinha um seriado no domingo. Então, a gente ia no matinê, domingão e tinha o filme e depois tinha no final o seriado. Então, no seriado de repente a mocinha ia cair no precipício. Aí fechava a tela e dizia: “Volte domingo que vem”.

REPÓRTER: Governador, uma última pergunta. O senhor mencionou que São Paulo está estudando concessões. Em que fase que está, teve alguma avanço, vocês tem algum data?

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Aeroportos?

REPÓRTER: Já para aeroportos.

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: não, ainda não. Está indo bem. Eu acho que agora em janeiro, Volpi, a gente tem os estudos? Em janeiro vamos ter todos os estudos que vão ser apresentados. Aí que nós vamos decidir o que fazer. Está bom.