Coletiva - Primeira vacinada de Araraquara, técnica de enfermagem adia aposentadoria por COVID-19 20212101

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Primeira vacinada de Araraquara, técnica de enfermagem adia aposentadoria por COVID-19 20212101

Local: Araraquara - Data: Janeiro 21/01/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Pessoal, bom dia, mais uma vez. Nós vamos tentar fazer da forma mais breve possível, em respeito à essa unidade hospitalar, e o processo de vacinação, que já se iniciou aqui, e também o atendimento a pacientes questão estão vindo aqui para serem atendidos. Então vou pedir também um pouquinho de silêncio, o pessoal que está conversando. Como eu já estive aí do outro lado, se há uma coisa que dificulta o repórter é o áudio mal capitado, o editor então fica xingando o repórter depois, porque ele não consegue identificar o áudio certinho. Então se a gente puder fazer. Nós vamos ter aqui 10, 12 minutos de coletiva, depois as conversas podem voltar normalmente. Então, obrigado pela compreensão. Eu queria fazer só aqui um registro muito rápido de agradecimento às pessoas que estão aqui, serei bem breve, nós não temos discurso, isso não é um evento político, é um evento da ciência, então nós vamos direto às respostas que vocês desejam, como jornalistas que são. Mas eu quero registrar a presença, e agradecer, do Edinho Silva, prefeito de Araraquara, meu amigo de longa data. A Maria Lia, deputada estadual. Obrigado, Márcia, por você estar aqui conosco. Marco Vinholi, secretário de estado de Desenvolvimento Regional. A doutora Regiane de Paula, que está aqui, a doutora Regiane, Edinho, é responsável por todo o programa de vacinação, do PEI - Programa Estadual de Vacinação, e também do PNI em São Paulo, o Programa Nacional de Imunizações. Mais de 20 anos de experiência em programas de vacinação pela Secretaria de Saúde do estado de São Paulo. E ela participará da coletiva também. Damiano Neto, vice-prefeito de Araraquara. Obrigado também, Damiano. Tainara Faria, vice-presidente da Câmara aqui, vereadora e vice-presidente da Câmara de Araraquara. Tenente Coronel Mussolini, que eu já cumprimentei, nosso comandante do batalhão da Polícia Militar. Sônia Regina, diretora do departamento municipal de saúde, de Araraquara. Obrigado, Sônia. Eliana Mori Honain, secretária municipal de Saúde. E hoje também foi vacinadora, adorei o seu gesto, Eliana, muito obrigado, ela é enfermeira. Valter Figueiredo, diretor do serviço especial de saúde aqui de Araraquara. Daniela Cândido, enfermeira responsável pelo polo de atendimento ao Coronavírus, a UPA da Vila Xavier aqui de Araraquara. Emanuele Laurenti, diretora técnica de gestão das três UPAs aqui de Araraquara. Paula Santos, enfermeira coordenadora do Hospital da Solidariedade, que é o hospital de campanha aqui de Araraquara. O prefeito de Nova Europa, Luizão. E a todos que aqui nos honram com a presença. Também o Fabrício Roncolli, prefeito de Cândido Rodrigues, que chegou agorinha pouco. Meu bom amigo, Roberto Massafera, deputado estadual. O menino Massafera, né, Edinho? Aqui o nosso adolescente. Edna Martins, diretora de Desenvolvimento Regional aqui do governo do estado de São Paulo. O Manoel do Vitorinho, que é o prefeito de Boa Esperança do Sul, muito obrigado por estar aqui também ao nosso lado. Bem, nós teremos cinco perguntas, da TV Clube; Rádio Morada do Sol; A EPTV, que é a TV Globo; CBN e Portal Cidade On; E TV Record. Faremos, e peço aos meus colegas jornalistas uma pergunta por veículo. O porquê? Não é para limitar, mas é para apressar, acelerar a liberação desta área, e evitar aglomerações, que é algo que nós não devemos fazer. Então começamos com a TV Clube, do Mateus Teixeira. Vou pedir para a TV Clube, EPTV e TV Record, que identifiquem aonde estão as suas câmeras, fica mais fácil olhar para o repórter e para a sua respectiva câmera. Então, Mateus, sua câmera é essa que está ao seu lado? Então Mateus Teixeira, mais uma vez, bom dia, sua pergunta, por favor.

MATEUS TEIXEIRA, REPÓRTER: Bom, governador, eu queria saber se existe uma expectativa para quando a tecnologia da vacina vai ser transferida para cá. Ou seja, uma vacina 100% nacional, sem os insumos da China?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Mateus, boa pergunta. A vacina do Butantan, no contrato estabelecido entre o Instituto Butantan e o Laboratório Sinovac, que é um laboratório privado, com sede em Pequim, na China, estabelece clara e objetivamente, determinantemente a transferência de tecnologia, após o término dessa primeira fase de envio de insumos nós já teremos direito a ter toda a tecnologia transferida. O Butantan está construindo uma fábrica, cuja a obra começou no dia 2 de novembro, com recursos privados, exclusivamente privados, 162 milhões obtidos em doações de empresas privadas, 23 empresas. Eu pessoalmente liderei esse processo, nenhuma contrapartida, doação direta para a Fundação Instituto Butantan. Com esses recursos a fábrica está sendo construída, para ficar pronta no final do mês de setembro. Em outubro começa a instalação de toda a tecnologia, e aí já com a transferência da tecnologia materializada. E o Instituto Butantan já produzirá até dezembro deste ano, a primeira dose da vacina integralmente, feita, produzida e envasada no Brasil, para as próximas vacinações a partir de janeiro do ano que vem. Como você sabe, e todos que estão aqui também, e os que nos assistem, a partir do ano que vem teremos, quer dizer, deste ano, e dando sequência ano que vem, teremos que nos vacinar a cada ano para nos proteger da COVID-19. Vamos agora à Rádio Morada do Sol, Marcelo Bonholi, o Marcelo que está aqui, é som e imagem. Marcelo, bom dia, sua pergunta, por favor.

MARCELO BONHOLI, REPÓRTER: Bom dia, governador. A pergunta é a seguinte, esse desentendimento entre o Governo Federal e o governo do estado de São Paulo, ele atrapalhou na produção, não só na produção, mas na distribuição de vacinas aqui no estão?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Primeiro, se você me permite, Marcelo, uma pequena observação, não é correção, mas uma observação, quem não fez o que deveria fazer foi o Governo Federal, São Paulo fez tudo aquilo que deveria fazer, e fez. Primeiro protegendo a saúde e a vida, foi o primeiro estado do país a fazer a quarentena do plano São Paulo. Foi o primeiro estado do país a ter um centro de contingência, um comitê médico científico, que foi composto no mesmo dia em que tivemos o primeiro caso de COVID-19, no Brasil, e foi em São Paulo, no dia 26 de fevereiro. O primeiro estado do país a decretar obrigatoriedade por lei do uso de máscara, lei essa que está em vigor, e que estabelece multas para quem não usar, para estabelecimentos comerciais, ou públicos, que não respeitarem essa orientação. E foi o estado que trouxe a vacina ao Brasil, a única vacina que existe no Brasil foi a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantã, em São Paulo, com recursos do governo do estado de São Paulo, portanto, dos contribuintes de São Paulo. Contrato esse que foi firmado em abril do ano passado, e agora nós já temos 6 milhões de doses da vacina, que são as vacinas que estão imunizando 6 milhões de brasileiros da linha de frente, profissionais de saúde de todo o Brasil. É a única vacina que temos no Brasil. Portanto, São Paulo fez o que tinha que fazer, protegeu a ciência, protegeu a vida, foi contra o negacionismo. Entendeu a importância das medidas restritivas, como entendeu aqui também em Araraquara. Eu quero deixar esse registro também, o prefeito Edinho e todo o seu secretariado, na área de saúde, nos demais setores também, teve firmeza para compreender a importância do plano São Paulo, e continuamos em quarentena, é preciso ficar claro. E o Governo Federal foi o desastre, que eu não preciso sequer comentar, porque todos sabem e reconhecem isso. Então não há conflito, há diferenças, em São Paulo protegemos a vida, no plano Federal, desprezo pela vida. Obrigado, Marcelo. Vamos agora ao Heitor Moreira, da EPTV. Heitor, eu imagino que seja essa aqui a sua câmera. Bom dia, e a sua pergunta, por favor.

HEITOR MOREIRA, REPÓRTER: Bom dia. A gente está com uma situação muito crítica na Santa Casa, de Mococa, a última atualização que a gente teve acesso, os leitos de UTIs estão com 100%, e os de enfermaria, 150%. O que o governo do estado pode fazer por Mococa nesse momento?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vou pedir a resposta do nosso secretário de Desenvolvimento Regional, Heitor, que é o Marco Vinholi, que está aqui ao meu lado. Mas antes dessa resposta é importante que todos tenham consciência de que a missão de proteger vidas é de todos nós, ela é minha, ela é sua, ela é de todos, das nossas famílias, dos nossos filhos, dos nossos netos. Nós só estamos tendo um aumento da incidência da COVID-19 em São Paulo e no Brasil, porque, infelizmente, muitas pessoas não respeitaram a orientação da quarentena do distanciamento social, do isolamento, sobretudo, pessoas com mais de 65 anos e comorbidades, pessoas com deficiência. Aqueles que infelizmente seguiram a orientação errada para não usarem máscaras quando deveriam estar usando máscaras. Então hoje a maior responsabilidade ela é compartilhada por todos, dos agentes públicos, para oferecerem tratamento, UTIs, insumos, medicamentos e a vacina. E da população para se proteger, não participem de aglomerações, conversem com os seus filhos, com seus netos, para que não participem de nenhuma festividade, nenhuma aglomeração em parte alguma, em parte alguma, nem em casas privadas, nem em clubes, nem em praças, nem galpões, nem em praias, nada, agora é uma hora crítica, onde precisamos nos proteger para proteger as nossas vidas. E sobre a Santa Casa, responde o Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional.

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bom, o estado de São Paulo se organizou desde o início da pandemia para que nenhuma pessoa ficasse sem atendimento hospitalar. Nós mais do que dobramos o número de leitos em todo o estado, garantindo esse atendimento. E lá na região de Mococa, São João da Boa Vista, não é diferente, a região hoje tem uma ocupação de 58,4% dos leitos de UTI, nós conseguimos dar um bom acréscimo de leitos na região. A Santa Casa tem dez leitos de UTI, historicamente funciona no município. Nós fizemos contato, se tiver possibilidade de ampliação nós vamos ampliar. Mas hoje com os leitos organizados pelo estado na região, e com o sistema de organização aqui de São Paulo, que garantiu até agora que vai seguir até o final da pandemia agora, nenhuma pessoa de Mococa ou da região vai ficar sem atendimento.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, secretário Vinholi. Heitor, muito obrigado pela participação, continue aqui conosco. Antes de passar para você, Bruno Silva, da CBN e do Portal Cidade On, uma boa notícia, nesse exato momento temos 28.441 mil vacinados em São Paulo, profissionais de saúde. A mais rápida vacinação da história de São Paulo, em qualquer tempo, sob qualquer vacina, é a mais rápida já ocorrida até hoje. Regiane, parabéns a você e toda a sua equipe. E também de prefeituras do interior do estado de São Paulo, que agenda de forma cooperada com o governo do estado, estão agindo de forma correta e rápida. A vida precisa ser preservada, nós aqui, ao contrário do que se falou: "Pressa para quê?", aqui sim em São Paulo temos pressa, pressa para salvar vidas. Vamos agora ao Bruno Silva, da CBN, da Rádio CBN, e do Portal Cidade On. Bruno, bom dia, sua pergunta, por favor.

BRUNO SILVA, REPÓRTER: Olá, muito bom dia, governador João Doria. Primeiramente queria parabenizar o governo do estado de São Paulo pela condução do processo de vacinação e seriedade também, obviamente que todos, como sociedade, esperam que nós tenhamos um tratamento eficiente no combate à doença. Mas uma das questões tem chamado bastante atenção, sobretudo, aqui em Araraquara, diz respeito ao anúncio do corte de aproximadamente R$ 2 milhões no repasse da Santa Casa, em que diz respeito ao atendimento, que poderia vir a afetar, inclusive, a questão do combate à COVID-19. O senhor que tem feito uma defesa muito expressiva a favor da vida, acima de tudo, como que o senhor interpreta? E quais seriam a possíveis soluções para que isso não viesse a ocorrer, para que a gente não afete na ponta justamente esse tratamento das pessoas que precisam tanto nesse momento dos leitos hospitalares?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bruno, muito importante a sua pergunta, o Marco Vinholi tem notícias a esse respeito, secretário de Desenvolvimento Regional, que está exatamente aqui ao meu lado, e ele vai responder agora a você, aos ouvintes e internautas da CBN e do Portal Cidade On.

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Eu quero aproveitar essa resposta para cumprimentar o município de Araraquara, no fim do ano recebeu premiação de município com a menor letalidade dentre as cidades acima de 100 mil habitantes. O Edinho e o município fez um grande trabalho ao longo de toda a pandemia. assim como a Santa Casa aqui de Araraquara. Eu tive reunido com eles, ainda no início desse ano, acho que a primeira semana de janeiro, vem discutindo essa questão. O que o governo do estado fez? Nós, em um momento de pandemia, aumentamos leitos de COVID-19 e substituímos recursos que era do programa de Santas Casas, para recursos de combate ao Coronavírus. Então nós vamos garantir a totalidade dos recursos para os resultados filantrópicos de Santas Casas no estado de São Paulo, não retiramos recursos algum. Mas priorizando nesse momento os recursos para o combate ao Coronavírus. Aproveito para saudar a Santa Casa aqui de Araraquara, e todos os hospitais do estado que tem feito um grande trabalho ao longo da pandemia.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Vinholi. Antes de passar à TV Record, Bruno, muito obrigado pelo seu gesto, e eu tenho que como jornalista que sou, reconhecer o trabalho do jornalismo brasileiro, majoritariamente, poucas exceções. Na sua maioria, Edinho, ao lado da vida, da ciência e da proteção dos brasileiros, não fosse o trabalho da imprensa, resiliente, resistente, e eu sei quantos jornalistas que defendem a vida, defendem a vacina, defendem a quarentena, defendem as máscaras, são molestados, são ameaçados, são intimidados pelas redes sociais, e muitas vezes, pessoalmente, por defenderem a vida. Então minha solidariedade também à imprensa brasileira, que como nós, defende a ciência e a vida. Muito obrigado, Bruno, pelo seu gesto de mencionar isso logo na abertura da sua pergunta. O pessoal que está ali atrás, nós vamos à última pergunta, mas vou pedir um pouquinho de silêncio, por favor. Nós vamos à TV Record. Eu estou apenas sem o nome do repórter, se você puder falar o seu nome. Pedro, ok. Muito obrigado, bom dia, sua pergunta, por favor.

PEDRO, REPÓRTER: Bom dia, governador. Essas doses que chegaram aqui, tanto que estão sendo espalhadas no estado de São Paulo, elas são para uma primeira dose, ou já são previstas para uma segunda dose? Uma dúvida que recorre, porque tem um prazo limite aí para essa segunda dose, né?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Procede a sua pergunta, e a sua dúvida também. A doutora Regiane que está aqui, Regiane de Paula, que é responsável por todo o programa de imunização, responderá. E é muito útil também para que todos possam ter essa informação com veracidade, e com previsibilidade também. Doutora Regia.

REGIANE, COORDENADORA GERAL DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigada, Pedro, pela pergunta. Todas as vacinas que estão chegando aos 645 municípios são para os profissionais da linha de frente, indígenas e quilombolas. Nós estamos entregando nesse momento a primeira dose da vacina. Nós já estamos de forma rápida, com uma logística enorme por trás, segurança pública, entregando essas vacinas. A nossa previsão é que nós consigamos amanhã entregar todas as doses. E a dose é primeira dose, a segunda dose chegará a todos os municípios em tempo oportuno, para que em 21 a 28 dias seja feita a segunda dose. Então não há motivos de preocupação, pelo contrário, é um momento de comemoração, porque agora, aqui nós temos vacina para não só para o estado de São Paulo, mas todo o Brasil, graças a esse governador, à essa liderança, e ao Instituto Butantã. Então é um orgulho muito grande para mim também fazer parte desse momento. Muito obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, doutora Regiane. E olha que coisa bonita, que coincidência feliz, trazendo esperança para todos nós, prefeito Edinho, aqui em Araraquara às 11h da manhã do dia de hoje, nós vamos anunciar que chegamos a 30 mil vacinados em São Paulo, 30 mil vacinados aqui em São Paulo, anúncio na sua cidade, em Araraquara. Isso nos sensibiliza e nos emociona. E ao término da coletiva, renovando o agradecimento a todos que aqui estiveram, nós vamos sair com calma, para evitar aglomerações, e permitir a retomada plena do funcionamento aqui do hospital. Eu quero deixar aqui uma mensagem de apoio e de solidariedade, primeiro, solidariedade aos que perderam os seus parentes, os seus amigos, os seus colegas de trabalho, mais de 213 mil brasileiros perderam as suas vidas. Milhares ainda estão em tratamento, alguns hospitalizados, também a nossa solidariedade à essas pessoas que estão tentando sobreviver, e Deus há de permitir que sobrevivam e saiam da situação da COVID-19, e voltem à normalidade. E também a homenagem a Instituto Butantan, aos técnicos, cientistas de São Paulo, do Butantan, que trouxeram a vacina, viabilizaram a vacina, e essa é a única vacina que está salvando os profissionais de saúde no Brasil, é a vacina de São Paulo. São Paulo que acreditou, apostou e entendeu que era importante proteger a vida dos brasileiros, não apenas a vida dos brasileiros de São Paulo, mas a vida de todos os brasileiros. Portanto, muito obrigado. Viva à vida! Viva à vacina! E viva à verdade, minha gente, essa é a verdade. Obrigado!