Coletiva - Programa de indústria de alimentos vai gerar mais de 2 mil empregos na região de Araçatuba 20211609

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - Programa de indústria de alimentos vai gerar mais de 2 mil empregos na região de Araçatuba 20211609

Local: Araçatuba – Data: Setembro 16/09/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: São quatro perguntas, são quatro repórteres que estão aqui. Vamos começar com a TV TEM, que é afiliada da TV Globo, é o Diogo [Ininteligível]. Vou pedir apenas para os meus colegas se pudermos ser... Como nós temos ainda uma agenda grande, uma pergunta para cada um, eu fico muito grato pela atenção. Então vamos com você, Diogo, da TV TEM.

DIOGO, REPÓRTER: Bom dia, governador João Doria. [Ininteligível] sobre vacinação. Recentemente saiu a notícia de que [Ininteligível] na contramão do Ministério da Saúde, por que essa orientação? Eu queria que o senhor falasse também em relação à investigação do assalto, é concentrado pela Polícia Federal, mas tem o apoio das forças de segurança. Quais as medidas para evitar esse tipo de evento aqui no município e no estado?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, Diogo, quebrou um pouquinho a regra, mas tudo bem, você fez duas perguntas, mas vou pedir aos demais colegas que, por favor, não é por desrespeito a vocês, eu respondo à todas, é que estamos com horário muito apertado. Em relação ao tema do lamentável assalto que houve aqui na cidade, eu quero dizer que a Polícia Militar do estado de São Paulo e a Polícia Federal estão realizando investigações conjuntas, seis já foram presos, três, lamentavelmente, estão mortos, que praticaram o crime, e seis estão presos nesse momento, três foram presos pela Polícia Militar do estado de São Paulo, e três pela Polícia Federal. Os seis estão sob custódia da Polícia Militar do estado de São Paulo. E as investigações prosseguem. São boas as chances de chegarmos a todos os que praticaram esse crime hediondo, que nós tivemos infelizmente duas mortes, se não me engano, não foi, Dilador? Na cidade. De dois moradores. E além, evidentemente, de todo o drama que essa cidade viveu. Mas eu confio muito na Polícia Militar, na Polícia Civil, aliás, a Polícia Civil e a Polícia Militar estão trabalhando conjuntamente, e também a Polícia Federal, é um trabalho feito à três mãos, Polícia Federal, Polícia Militar e a Polícia Civil do estado de São Paulo. Em relação à vacinação, São Paulo segue a orientação do PEI - Programa Estadual de Imunização, e o seu centro, denominado comitê científico, onde nós temos médicos especialistas, são epidemiologistas, infectologistas, e a orientação deles, salvo algum fato novo, é manter a vacinação dos jovens de 11 a 17 anos. Nós vamos continuar a vacinar. Já vacinamos todos com comorbidades, e agora estamos vacinando todos até essa faixa etária de 11 anos. Portanto, São Paulo vai seguir vacinando os adolescentes, com o mesmo cuidado com que nós já vacinamos mais de 55,200 milhões de pessoas aqui em São Paulo. Obrigado, Diogo. Vamos agora com a Jéssica, do SBT. Oi, Jéssica. Boa tarde.

JÉSSICA, REPÓRTER: Tudo bem, governador? Bom dia. Sobre a ponte na Rodovia Assis Chateaubriand, que liga os municípios de Iacri e Santópolis do Aguapeí. Essa ponte ela está interditada desde 2019. Qual que é o prazo para entrega dessa obra? Que vem causando vários transtornos aí.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Eu vou pedir ao nosso secretário Marco Vinholi, para poder responder. Não sei se você... Eu ouvi mal a sua pergunta, mas não sei se o Vinholi conseguiu ouvir. Eu vou pedir a Jéssica para repetir. Jéssica, se você puder colocar o microfone um pouquinho... As nossas máscaras atrapalham um pouquinho. Perdão.

JÉSSICA, REPÓRTER: A ponte que liga os municípios de Iacri e Santópolis do Aguapeí, essa ponte ela fica na Rodovia Assis Chateaubriand, ela está interditada desde dezembro de 2019, dois anos de interdição e vem causando transtornos aí para os moradores das cidades vizinhas. Quando que essa obra ficaria pronta? Tem um prazo para que isso aconteça? Porque o prazo já foi dado, esse prazo passou. Qual que é o prazo, então?

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Bom, essa obra teve problemas por conta da própria empresa, o prazo de entrega é dezembro agora de 2021, para a gente poder ter essa obra funcionando. Quero ressaltar, ontem a licitação de mais de R$ 1 bilhão, na pavimentação de novas vicinais, impactando mais de R$ 150 milhões aqui na região de Araçatuba. Então nós estamos avançando, a entrega acontece em dezembro. E muitas outras virão em 2022.

JÉSSICA, REPÓRTER: Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jéssica. O Marco Vinholi é nosso secretário de Desenvolvimento Regional. Jéssica, mais uma vez, obrigado. Vamos agora ao Gustavo Dangelo, do Canal do Boi. Obrigado pela sua presença aqui.

GUSVATO DANGELO, REPÓRTER: Governador, de que forma esse projeto, esse programa vai beneficiar de maneira efetiva o agronegócio da região, e os produtores?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Sim, eu vou pedir ao nosso Itamar Borges, que é o nosso secretário de Agricultura e Abastecimento, para responder ao Gustavo Dangelo, do Canal do Boi. Você compreendeu bem a pergunta dele?

ITAMAR BORGES, SECRETÁRIO DE AGRICULTURA: Gustavo, conforme o próprio Zezé e o Bruno colocaram, e nós também, nós estamos trazendo uma nova transformação do agro aqui na região de Araçatuba, preservando a cana-de-açúcar, preservando a pecuária, e trazendo uma integração de produção de tomate e de milho doce, com 15 mil hectares novos. Já temos 3 mil de tomate, mais 3 mil de tomate, e 12 mil novos, com esses novos contratos com a empresa. Portanto, é uma transformação, tanto de uma produção diversificada, como em uma produção que vai agregar um novo valor, gerando mais renda ao produtor, aos municípios, e gerando mais emprego em todas as cidades.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Itamar. Obrigado, Gustavo. Agora vamos com a Alessandra Nogueira. Alessandra, eu pedi para fazer duas perguntas, vou considerar que você vai fazer uma pela Rádio Band, e uma pela regional Press, pronto.

ALESSANDRA NOGUEIRA, REPÓRTER: Boa tarde, governador. Obrigada, pela compreensão. Em primeiro lugar eu gostaria de falar da corrida presidencial. O senhor declarou que se coloca como a terceira via. E eu gostaria de saber, caso seu nome seja referendado pelo partido, como é que o senhor pretende consolidar o seu nome como terceira via? Haja vista que há outros nomes que já se colocam assim, temos o Ciro Gomes, Luiz Henrique Mandetta. E gostaria de saber se o senhor acha que é possível acontecer no Brasil o que aconteceu em Israel, em relação ao Benjamin Netanyahu, o que o senhor tem a dizer sobre isso?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Bem, obrigado, Alessandra.

ALESSANDRA NOGUEIRA, REPÓRTER: Eu tenho outra, tá?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Tá bom. Vamos então por partes. Eu já tinha dito a você que você podia fazer. Primeiro, eu sou um pré-candidato, primeiro as prévias do meu partido, o PSDB, prévias que acontecerão no próximo dia 21 de novembro, e a partir daí é que nós teremos a indicação com voto de 1,4 milhão de filiados do PSDB, para a indicação do candidato do nosso partido, do PSDB à Presidência da República. E a partir daí é que pelas prévias teremos fortalecido essa chamada terceira via, ou a melhor via. Mas fortalecido pelas prévias do PSDB e pela oportunidade de passar ao longo desses meses, viajando e conhecendo, sempre aos finais de semana, conhecendo os problemas regionais, e apresentando o nosso nome. É o único partido que faz prévias, é o único partido que exerce e efetivamente a democracia. Temos quatro bons candidatos: temos Tasso Jereissati, senador pelo estado do Ceará. Temos Arthur Virgílio, ex-senador pelo seu estado, o Amazonas. Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul. E eu, como governador do estado de São Paulo. É um privilégio o PSDB poder ter quatro candidatos disputando, sem brigar, sem conflito, sem divisões, a oportunidade de que um deles seja escolhido para ser o candidato à Presidência da República. E por fim, Alessandra, eu quero dizer que disputei as duas únicas prévias que foram feitas no Brasil, eu as disputei, foram aqui em São Paulo, em 2016, para a prefeitura da cidade de São Paulo, e em 2018 para o governo do estado de São Paulo. Com humildade e muito trabalho, venci as duas prévias, e venci as duas eleições. Sua proposta pergunta.

ALESSANDRA NOGUEIRA, REPÓRTER: Governador, para encerrar, gostaria de tocar no assunto do ICMS dos combustíveis, o senhor inclusive usou as suas redes sociais para desmentir o Bolsonaro que falava em aumento do ICMS do combustível no estado de São Paulo, o senhor usou as suas redes para dizer que desde 2015 não há aumento na alíquota. Bom, tendo em vista isso, e tendo em vista também que nem só o ICMS é fator preponderante para formação do preço do combustível, eu gostaria de saber se o pretende rever essa alíquota e reduzi-la?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Não pretendo rever, ela será mantida, ela é muito importante para São Paulo e para os outros 26 estados do Brasil, para manterem as políticas públicas, voltadas para a saúde, educação, segurança pública, infraestrutura e proteção social. Bolsonaro mente ao dizer que essa responsabilidade é dos governadores, a responsabilidade é do Governo Federal, a Petrobras é federal. E aí quero dizer a você e aos que estão aqui, se for possível vencer as prévias do meu partido, do PSDB, e se ao disputar as eleições de 2022, e eu for o vencedor, uma das primeiras medidas que nós vamos adotar será privatizar a Petrobras, para que possamos ter uma Petrobras, primeiro compartilhada, nós não vamos trocar o monopólio público pelo monopólio privado, ela será dividida como é nos Estados Unidos, os Estados Unidos, o governo não responde pelo preço de combustível, não responde pelo preço do gás. Por quê? Alessandra? Porque são várias empresas em regime de mercado, portanto, elas disputam mercado, disputam preço, e você tem aí uma regulagem deste mercado. Aqui isso não acontece, e a Petrobras ela segue rigorosamente aquilo que determina o mercado internacional, sem nenhuma oportunidade de disputa, sem nenhuma análise daquilo que pode representar uma condição melhor de mercado. O fato é que nós temos a gasolina hoje à R$ 7,19, é a gasolina mais cara da história do país, e é no governo Bolsonaro. Temos o botijão de 13 kg de gás, custando de R$ 100 a R$ 135, é o mais caro botijão de gás da história do Brasil, e é no governo Bolsonaro. Se Bolsonaro aplicasse mais tempo, como nós fazemos aqui, a gestão, a administração e ao governo, certamente ele teria mais utilidade à frente da Presidência da República, ajudando o Brasil e ajudando aos brasileiros, além de fazer tanta confusão, que é o que ele mais gosta. Então, Alessandra, obrigado pelas suas perguntas. Gustavo, Jéssica, Diogo, obrigado aos meus colegas também, câmeras, que aqui estão, obrigado a todos mais uma vez. Não, desculpa, Jéssica, perdão, nós temos uma agenda longa, e eu respeito a agenda, tem colegas de vocês me aguardando em Araraquara, não vou ser deselegante com eles. Pessoal, muito obrigado. João, obrigado. Bom dia, para vocês. Obrigado, pessoal.