Coletiva - Reunião com representantes dos sindicatos dos metalúrgicos - 20120208

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Transcrição da coletiva na Reunião com representantes dos sindicatos dos metalúrgicos

Local: Capital - Data: 02/08/2012

GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Olha, nós tivemos um encontro com as lideranças sindicais, o Sindicato dos Trabalhadores de São José dos Campos, da General Motors, e a preocupação com o encerramento da fabricação do Classic e o aumento das importações do carro através da Argentina. E o reflexo na demissão dos trabalhadores. Então, deixar claro a nossa posição, totalmente favorável ao emprego, à manutenção do emprego. A General Motors de São José dos Campos é uma empresa com grande tradição no Vale do Paraíba e no Estado de São Paulo. Das grandes empresas do país. Então, todo o apoio para a preservação do emprego. E o que nós podemos fazer é criar uma perspectiva e que uma nova linha seja, nesse período, colocada em São José dos Campos. Ou seja, enquanto o Classic continua sendo produzido, já se trabalhar em um novo investimento, porque São José perdeu, encerrou a produção do Corsa, da Zafira e do Meriva. Então, estimularmos uma nova linha e ir para São José dos Campos, como foram também para São Caetano. O governo pode ajudar, o nosso programa Pró-veículo, onde nós liberamos o crédito de ICMS para investimento aqui em São Paulo. Então nós vamos entrar em entendimento com a direção da General Motors, também com o Governo Federal e buscar ajudar nesta melhor solução, evitando então a demissão e garantindo a manutenção de emprego e uma perspectiva de novas linhas, de novos produtos para a fábrica de São José, que é uma das melhores fábricas da General Motors no país. Ok? Pode perguntar.


REPÓRTER: [ininteligível].


GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN: Deve haver justiça, não é? Essa é uma questão que fala de perto a credibilidade das instituições brasileiras. Acho que é um julgamento histórico, onde a sociedade brasileira está tremendamente atenta e que se deseja justiça, não é? E confiança nossa na Suprema Corte do país, no Supremo Tribunal Federal.