Coletiva - SP amplia vacinação e alcança todos os adultos com comorbidades e deficiências 20210206

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP amplia vacinação e alcança todos os adultos com comorbidades e deficiências 20210206

Local: Capital – Data: Junho 02/06/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem, boa tarde. Muito obrigado pela presença de todos em mais uma coletiva de imprensa aqui direto da sede do Palácio dos Bandeirantes, na capital de São Paulo, no bairro do Morumbi. Muito obrigado aos jornalistas que aqui comparecem, cinegrafistas, fotógrafos, equipe técnica e os nossos convidados, que estão aqui presencialmente para participar desta coletiva de imprensa.

Hoje, antes dos fatos relevantes, e nós temos um fato muito relevante e muito importante, por óbvio, para comunicar, mas antes disso eu quero aqui transmitir a minha solidariedade à jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil. Daniela Lima, que já foi da Folha de São Paulo, tem uma das biografias mais bonitas e mais respeitáveis do jornalismo brasileiro, foi covardemente agredida ontem, pelo presidente da República Jair Bolsonaro, exatamente no Dia da Liberdade de Imprensa. Eu lamento que, mais uma vez, jornalistas, veículos de imprensa, sejam agredidos e vitimados por posturas inadequadas, irresponsáveis e condenáveis do presidente da República. Este novo episódio da agressão sofrida pela jornalista Daniela Lima reproduz o sentimento do presidente da República, e provavelmente por alguns dos seus assessores, de que não querem uma imprensa livre, não querem a liberdade de expressão, não querem o contraditório. Só aceitam, gostam e respeitam os seus aduladores, e isto é lamentável. E à jornalista Daniela Lima, renovo a minha solidariedade. Já o havia feito hoje, pela manhã, mas renovo aqui publicamente.

Agora, vamos às notícias, começando com uma ótima notícia, conforme nós havíamos aqui enunciado: São Paulo vai concluir toda a vacinação da sua população até o dia 31 de outubro. Repetindo: Toda a população vacinável do Estado de São Paulo será vacinada até 31 de outubro. Originalmente, a nossa previsão era até 31 de dezembro. Agora, nós estamos afirmando que até 31 de outubro todos os paulistas, todos os brasileiros que residem em São Paulo serão vacinados até 31 de outubro. Nós fechamos o planejamento do PEI, Programa Estadual de Imunização, e toda a população do Estado de São Paulo será vacinada até 31 de outubro. A população com mais de 18 anos estará plenamente imunizada até esta data, 31 de outubro deste ano.

Também uma notícia complementar, que, a partir da próxima segunda-feira, dia 7, iniciaremos a vacinação da última faixa etária das pessoas com comorbidade e portadores de deficiência, com a idade de 18 a 29 anos. Aqui, temos um total de 550 mil pessoas, e finalizaremos essa imunização até o final do mês de junho, uma boa notícia para as pessoas com comorbidade e com deficiência. A nossa coordenadora do PEI, Programa Estadual de Imunização, aqui ao meu lado, Regiane de Paula, dará mais informações a este respeito, e desta extraordinária notícia que acabo de dar, que toda a população do Estado de São Paulo estará imunizada até 31 de outubro.

Segunda informação, o Governo de São Paulo antecipa a vacinação para os profissionais de educação de 45 e 46 anos de idade. A imunização desses profissionais da educação, São Paulo foi o primeiro estado a vacinar professores e profissionais de educação em todo o país, ela foi antecipada para a próxima quarta-feira, dia 9 de junho, um total de 80 mil profissionais de educação, com 45 e 46 anos, estará imunizado em São Paulo, em todo o Estado de São Paulo. Igualmente, a nossa coordenadora do Programa Estadual de Imunização, Regiane de Paula, juntamente com Rossieli Soares, secretário de Educação do Estado de São Paulo, comentarão esta boa notícia.

Terceira informação: Com a aprovação da Coronavac pela Organização Mundial de Saúde, a OMS, o Governo do Estado de São Paulo pede à Comunidade Econômica Europeia que a vacina Coronavac, a vacina do Butantan, passe a ser aceita nos países que compõem o continente europeu. Com a aprovação da Organização Mundial da Saúde, da vacina Coronavac, enviei hoje pela manhã cartas aos presidentes da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu, solicitando a inclusão da vacina do Butantan entre os imunizantes aceitos por estes países para entrada de viajantes no bloco de países europeus. A medida é importante para a normalização do fluxo de pessoas e também de negócios entre o Brasil, e especificamente em São Paulo, que detém 36% da economia brasileira, com os países da comunidade europeia. A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, aqui ao meu lado, comentará esta decisão e as cartas, juntamente com Júlio Serson, secretário de Relações Internacionais. Eu queria mostrar a vocês aqui a cópia da carta que assinei, e já encaminhei para os presidentes do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia. A Sra. Ursula von der Leyen, que é a presidente do European Comission, da Comissão Europeia, e o Sr. David Sassoli, que é o presidente do Parlamento Europeu. Ambos têm poder de decisão para homologar aquilo que já fez a Organização Mundial de Saúde, no dia de ontem, e com isso normalizar o fluxo de pessoas, sejam turistas, sejam viajantes de negócios do Brasil, e aqui, especificamente, de São Paulo, com a comunidade europeia. E temos a convicção de que isto poderá ocorrer nos próximos dias. Cópia desta carta está sendo encaminhada também aos jornalistas que estão aqui presentes nesta coletiva.

Outra boa notícia, a quarta de hoje: o Governo do Estado de São Paulo vai receber novos insumos da China. Os novos insumos são 6 mil litros de IFA, suficientes para a produção de 10 milhões de doses da vacina do Butantan. O ingrediente farmacêutico ativo, o IFA, neste volume, 6 mil litros, chegará no próximo dia 28 de junho a São Paulo, e com estes insumos o Butantan vai produzir mais 10 milhões de doses da vacina do Butantan, e com isso vai chegar a aproximadamente 60 milhões de doses da vacina que está salvando milhões de brasileiros em todo o país. Rui Curi, diretor executivo da Fundação Butantan, que está aqui conosco, falará a este respeito.

E, ao finalizar, o quinto ponto, teremos a atualização dos dados da saúde, da pandemia, com Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do Estado de São Paulo.

Vamos agora com a melhor notícia, que é exatamente a imunização de toda a população do Estado de São Paulo até 31 de outubro, com Regiane de Paula, coordenadora do PEI, Programa Estadual de Imunização em São Paulo. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Obrigado, governador. Boa tarde a todos e todas. Então, o nosso cronograma de vacinação: No dia de hoje, nós iniciamos as pessoas com deficiência permanente, BPC, e pessoas com comorbidades, de 30 a 39 anos, dando um total de 1,2 milhão de pessoas. No dia 7 de junho, nós então fecharemos o grupo de comorbidades, vacinaremos todos, e com deficiência permanente, de 18 a 29 anos. Então, no dia 7 de junho a gente inicia esse outro grupo, para que a gente possa então fechar o grupo de comorbidades, com quantitativo previsto de 550 mil pessoas. E, como o governador disse, a boa notícia também é que nós retomamos então a vacinação dos trabalhadores da educação, de 45 e 46 anos, no dia 9 de junho, num total de 80 mil pessoas.

Aqui, a gente volta a mostrar quais são as comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde, e agora todos que serão vacinados, de 18 a 59 anos, seja com comorbidades de doenças cardiovasculares ou de doenças crônicas, esse é o rol elencado pelo Ministério da Saúde, que o Programa Estadual de Imunização também vem cumprindo. Os critérios para a vacinação continuam os mesmos, seja para gestantes e puérperas com comorbidades, pessoas com comorbidades e as pessoas com deficiência permanente, BPC. Lembrando que, ao final também, nós devemos vacinar, governador, 1,2 milhões de pessoas com deficiência permanente.

E aqui, a projeção do nosso calendário. Então, nós trabalhamos com as projeções e a perspectiva de vacinação, levando em consideração a projeção de entregas disponíveis pelo Ministério e no site do Ministério da Saúde. Então, nós temos a projeção do calendário: de julho, de 1 a 20/7, de 55 a 59 anos; de 21 a 31/7, profissionais da educação de 18 a 44 anos; em agosto, de 2 a 16 de agosto, de 50 a 54 anos; do dia 17 ao dia 31/8, de 45 a 49 anos; setembro nós já estamos com, do dia 1 ao dia 10/9, a população de 40 a 44 anos; do dia 11 ao dia 20/9, de 35 a 39 anos, e do dia 21 a 30/9, de 30 a 34 anos; e, finalizando com a boa notícia, em outubro, do dia 1 ao dia 10/10, a população de 25 a 29 anos; e do dia 11 ao dia 31/10, a população de 18 a 24 anos.

Lembrando também que, nesse final de semana, no sábado, governador, nós vamos fazer um dia D, ou seja, esse dia D é o dia dos faltosos. Aquelas pessoas com mais de 28 dias, que não tomaram a vacina do Butantan, e mais de 12 semanas, que não retornaram para tomar a vacina da Fiocruz, que nesse momento correspondem a 444 mil pessoas, nós iremos fazer uma grande ação, apoiando os municípios, os municípios vão abrir os seus postos de vacinação, haverá auxílio aos municípios, por parte do estado, da Secretaria Estadual de Saúde, e também para que eles possam fazer, além da vacinação, a digitação e a atualização daquelas vacinas que, porventura, podem ter sido imunizados os pacientes e não registrados na plataforma Vacivida. Então, é um grande dia D, onde a gente espera que a vacinação ocorra e também o registro de doses, que, porventura, até o momento, não tenha acontecido.

Então, colocando agora o Vacinômetro, nós temos agora 17.571.094 doses aplicadas, sendo que de primeira dose 11.795.257, e de segunda dose 5.775.837. Completando o esquema vacinal no Estado de São Paulo, nesse momento, 12,48% do estado já completou a sua D1 mais a sua D2, governador. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. É o estado... Se puder voltar o slide, por favor. É o estado que mais vacina no Brasil. Não, o anterior, do Vacinômetro, por favor. É o estado que mais vacina: 17.574.160 doses aplicadas. Isso, às 12h56, e vamos seguir dentro desse mesmo bom ritmo, e tendo mais vacinas podemos até acelerar esta vacinação. Regiane, muito obrigado.

Agora, o outro tema, que é o tema da aprovação da Coronavac pela Organização Mundial da Saúde, que foi anunciado ontem pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. Sobre este tema e sobre a solicitação que fizemos nesta manhã à Comissão Europeia e ao Parlamento Europeu, para liberação dos passageiros brasileiros imunizados com a Coronavac, falarão respectivamente Patrícia Ellen e Júlio Serson. Patrícia, secretária de Desenvolvimento Econômico, e Júlio Serson, secretário de Relações Internacionais. Patrícia.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Muito obrigada, governador, e muito obrigada pelo envio da carta. Eu acompanhei pessoalmente uma série de reuniões, com investidores, empresários brasileiros e estrangeiros, que pediram para que o senhor, governador, intervisse, para que pudéssemos ter essa aprovação da Coronavac, para que fosse reconhecida nos países que são nossos principais parceiros econômicos, porque o impacto é muito grande. Muitas das viagens internacionais hoje estão limitadas. Todos que tenham a vacina do Butantan, ou a Coronavac, neste momento, precisavam ainda fazer quarentena na chegada nestes países. Então, para uma viagem de negócios de três, quatro dias, isso implicava em 14 dias adicionais e grandes perdas de negócios, em momento onde a retomada econômica é grande prioridade. Com a aprovação emergencial da OMS, na comissão europeia, há um indicativo de que quando há essa aprovação, se a vacina passa a ser comercializada na região, ela pode já receber autorização, mas por enquanto nós precisamos exatamente que a comissão europeia, e que os países façam essa aderência à essa aprovação, por isso que essa carta é tão importante, precisamos acelerar a retomada econômica, e termos essa recepção, esse reconhecimento da Coronavac, é um grande salto nesse momento. Um outro ponto importante complementar a esse, é o trabalho que está sendo feito em parceria com a Secretaria de Saúde, para que possamos reforçar a recepção, a facilitação da recepção de estrangeiros, com modelo de testagem rápida que já foi anunciado nas últimas semanas. Então a coordenadora Regiane está liderando o processo de recepção de 342 mil testes do Ministério da Saúde, para uma atuação mais intensiva, nos principais centros de recepção de estrangeiros, o Aeroporto de Guarulhos, o Aeroporto de Campinas, São Paulo, e o Porto de Santos. São Paulo completamente comprometido com esse trabalho de retomada econômica. E os detalhes no que tange as relações internacionais, nosso secretário Júlio Serson vai passar. Muito obrigada, novamente, governador. Como eu disse, eu fui testemunha, e você está atendendo aqui um pedido de quem está comprometido com a ciência, com uma retomada segura, e o reconhecimento da vacina é um passo fundamental.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Patrícia. Vamos agora com o Júlio Serson, secretário de Relações Internacionais. Júlio.

JÚLIO SERSON, SECRETÁRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS: Boa tarde, a todos. Boa tarde, governador. É com muita satisfação que nós chegamos a esse momento de aprovação da Coronavac na Organização Mundial de Saúde, isso é muito importante, isso tem repercussões, como disse a secretária Patrícia, no âmbito econômico, no âmbito social, e no âmbito da inserção de nós, brasileiros, no mundo. Por isso o governador João Doria nessa manhã enviou essa carta aos representantes da União Europeia no Brasil, respectivamente o embaixador Ignacio Ybañez, embaixador da União Europeia em Brasília. E ao cônsul Stylianos, que é o cônsul geral da Grécia, em São Paulo, e que representa os cônsules da União Europeia aqui na cidade e no estado de São Paulo. Com muita satisfação, a Coronavac, que atende à boa parte dos paulistas, e à boa parte dos brasileiros, passa a ser aceita na União Europeia. Isso é mérito do governo do estado de São Paulo, é mérito do Instituto Butantan, que desde o começo acreditaram na importância dessa vacina. Nós temos que agradecer também a esses representantes consulares da União Europeia, porque desde o começo eles apostaram e acreditaram que era só uma questão de tempo a inserção da Coronavac no mundo das vacinas aceitas internacionalmente. A União Europeia contribuiu com mais de € 2 bilhões para o consórcio Covax, do qual a Coronavac fará parte, ou já está fazendo parte. Eu quero parabenizar a todos, e eu, como brasileiro, como paulista, me sinto muito orgulhoso nesse momento. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Júlio Serson. Antes de passar ao Rossieli Soares, e darmos sequência aqui à nossa coletiva, vou pedir à doutora Regiane, estava olhando aqui o meu celular, muitas perguntas sobre a vacinação para adolescentes e crianças aqui no estado de São Paulo, dada a informação que acabamos de divulgar, a vantagem de estarmos online é essa. Então eu vou pedir à doutora Regiane que possa proceder a resposta, principalmente a pais e avós de crianças e adolescentes, e alguns até que ainda são adolescentes, que me mandaram mensagem aqui, e que poderão ter nesse momento o esclarecimento. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Obrigada, governador. As vacinas que estão no território nacional hoje, elas estão aprovadas pela ANVISA para a população de 18 anos ou mais. À medida que mais vacinas chegarem e houver uma autorização da ANVISA, como por exemplo, da vacina da Pfizer, nós também, de acordo com o Programa Nacional de Imunizações, poderemos incluir uma faixa etária de 16 anos, mas nesse momento todas as vacinas do território elas estão preconizadas para o grupo acima de 18 anos. Por isso que no nosso calendário até outubro nós colocamos até 18 anos. Se ocorrerem mudanças, a gente trará essas mudanças oportunamente. Obrigada, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Agora sim, Rossieli Soares.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Obrigado, governador. Queria agradecer muito a oportunidade de estar aqui hoje, governador, hoje faz um ano da minha internação por Covid-19, passei por esse episódio, e um ano depois, graças ao governo do estado, governador João Doria, todo o esforço, aliás, desde o dia 10 de abril estamos vacinando professores, lutando pelas nossas crianças. E é muito emocionante, governador, poder estar aqui hoje, realmente é uma felicidade. Passa uma página assim na vida. Que bom que eu tenho vida para estar ao seu lado aqui ajudando. Obrigado, governador. Muito obrigada gratidão por tudo. E a todos os professores que apoiaram muito. Nesse dia eu estava tendo um grande evento com 150 mil pessoas conectadas, foi o dia que eu passei mal, [Ininteligível]. Enfim, voltar hoje aqui de novo com esse tema, mais um passo, mais um avanço para vacinar os nossos profissionais da educação, para pensar nas crianças, nas mães de famílias que estão lá pensando, é um grande passo. Muito obrigado, à toda equipe da saúde também, governador. E a boa notícia, né? O governo do estado está sempre muito atento, sempre que possível, tentando avançar, já temos a garantir de que todos os profissionais estarão vacinados entre os dias 21 de julho, mas esse avanço aqui, 45 46 anos, já avança mais um pedacinho. Lembrando que nós temos também uma primeira etapa, o estado de São Paulo foi o primeiro estado do país a vacinar a partir de 47 anos, isso atingiu dois terços das nossas comorbidades, 350 mil profissionais da educação vacinados no estado de São Paulo. É o estado que mais vacinou na educação, e mais rapidamente, governador. E temos uma segunda etapa que é importante, todos os profissionais da educação que tem alguma comorbidade estão seguindo. Portanto, esse anúncio importante aqui da vacinação das comorbidades no dia 7 de junho, é importante, você profissional da educação também está contemplado. É prioridade vacinarmos no estado de São Paulo as comorbidades, incluindo também as da educação, que já podem se vacinar, e obviamente olhando agora também esse novo cronograma, governador, que é fundamental. Mas a gente vai dar o passo para a terceira etapa, foi adiantado então 45 anos e 46 anos, são 80 profissionais nesse momento, que poderão se vacinar já na próxima semana, na quarta-feira, no dia 9. E é fundamental que a gente faça o cadastro. Lembrando que profissional da educação, como com comorbidade, segue a regra da comorbidades estabelecida pela área da saúde, o calendário e as regras estabelecidas sobre a documentação que se apresenta e tudo mais. Os profissionais da educação, todos precisam estar fazendo o cadastro, o cadastro está aberto, mesmo que a vacinação, o QR Code vai ser sempre enviado para aqueles, governador, que já vão se vacinar, sempre por idade. Mas o cadastro de 18 para cima está aberto, e nós pedimos que todos os profissionais, de todas as redes, municipais, estaduais e privadas, que não vacinaram, obviamente, façam o cadastro no vacinaja.educacao.sp.gov.br. O sistema está aberto, e também as escolas já podem começar a validar, até para a gente organizar sempre, e auxiliar a área da saúde do estado e dos municípios nesse processo. Então quarta-feira de junho, 80 mil pessoas, sempre o profissional da educação, se ele não está no grupo comorbidades, ele não precisa levar, obviamente, o QR Code, mas se ele está vacinando como grupo de educação, ele precisa levar o comprovante do Vacina Já com o QR Code, o documento com foto e CPF, como foi feito para todos os profissionais de 47 anos ou mais. Então é fundamental que a educação que já está como prioridade no estado de São Paulo, cumpra esse calendário, e vamos avançar muito no processo de aceleração de vacinação dos nossos profissionais para um retorno, governador. Muito obrigado pela oportunidade, realmente, de estar aqui. Hoje é mais um dia de alegria, especialmente para as mães, porque a gente está falando de vacinar os profissionais, e aqui só para me permitir complementar, até a resposta. O governo do estado está atento à vacinação, especialmente dos jovens com comorbidade, temos debatido esse tema. Mas é necessário, a gente faz um apelo inclusive para a ANVISA, que avalie sim os dados das vacinas que já tem tido vacinação em outros lugares. Ainda que vacinemos mais para frente, a Pfizer, por exemplo, já vacina jovens de 12 anos ou mais em outros países, e essa documentação já está apresentada à ANVISA. E depois disso que o Ministério da Saúde no momento apropriado insira essas pessoas também no PNI, para que nós possamos avançar na vacinação dos jovens, mas começar pelos professores, pelos profissionais, é fundamental para a gente atender o maior direito, e a maior preocupação de toda mãe, especialmente, que é garantir a educação para todos. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Antes de prosseguirmos eu queria aproveitar a oportunidade, sobretudo, dos veículos que estão aqui transmitindo ao vivo, a Record News, a Band News, e a TV Cultura, além dos flashs de outras emissoras, mas sobretudo, os que estão transmitindo ao vivo para falar com você que está em casa nos acompanhando. Lembrando, que, por favor, não faça aglomerações, nós temos um feriado circunstancial, porque esse feriado já foi antecipado, mas mesmo assim muitas pessoas se organizaram para viajar. Não há impedimento para viagem, mas há orientação para que não façam aglomerações de nenhuma espécie, de nenhuma ordem, nem no campo, nem na praia, nem em praças, nem em parques, e muito menos em casas noturnas, ou espaços para promoção de eventos que não devem ser realizados. A força tarefa estará atuando em todo o estado de São Paulo, com a Polícia Militar, a Polícia Civil, as Guarda Civil Metropolitana, o Procon, a OAB e a vigilância sanitária. E isso vale para todo o estado. Quero deixar aqui a orientação para que pais conversem com os seus filhos para que não se aglutinem. E quero fazer um recado especificamente para aqueles que estão se dirigindo às praias e também às montanhas, as montanhas Campos do Jordão, lugar que eu pessoalmente, tenho enorme estima, nós não permitiremos nenhum tipo de aglomeração, seja em Campos do Jordão, seja no Guarujá, Santos, São Vicente, Litoral Sul, Riviera, ou qualquer outra faixa do litoral Norte de São Paulo. A vigilância sanitária estará atuando com a Polícia Militar, e se necessário, com a utilização de drones e helicópteros. Tudo que nós não precisamos agora é aumentar o índice de infecção a partir de aglomerações desnecessárias. Obrigado. Dando sequência agora, a boa notícia é a liberação pelo governo da China e pela Sinovac, de mais de 10 milhões de doses da vacina do Butantan, com 6 mil litros do IFA, o ingrediente farmacêutico ativo, que chegará a São Paulo, para o Instituto Butantan, no próximo dia 28 de junho. Mais detalhes vocês terão agora com Rui Curi, diretor executivo da Fundação Butantan. Rui.

RUI CURI, DIRETOR EXECUTIVO DA FUNDAÇÃO BUTANTAN: Obrigado, governador. Eu queria antes de comentar sobre isso, eu queria fazer um registro da grande alegria de ter a Coronavac aprovada na Organização Mundial de Saúde. E queria dizer que o Instituto Butantan agradece muito o apoio que recebeu do governador, dos secretários doutor German, na época, doutor Jean, de apoio ao Instituto, de acreditar na vacina e nos apoiar o tempo todo. Então esse apoio foi muito importante para desenvolver tudo que desenvolvemos, e agora ter essa aprovação na Organização Mundial de Saúde. A notícia muito boa, de fato, hoje de manhã, fomos informados que está aprovado o envio de 6 mil litros de IFA para o final, dia 28 de junho, e que então teremos mais 10 milhões de doses a serem fornecidas ao Ministério da Saúde. Muito obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito obrigado, Rui Curi, diretor executivo da Fundação Instituto Butantan. E agora finalizando as intervenções, antes das perguntas, com o Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde, e os dados atualizados da semana epidemiológica. Com você, Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde, governador. Boa tarde, a todos. Estamos na vigésima segunda semana epidemiológica do ano de 2021. São Paulo contabiliza 3.314.631 milhões de casos, infelizmente 112.927 mil pessoas perderam a sua vida para o Covid-19. As taxas de ocupação nas nossas Unidades de Terapia Intensiva no estado estão em 81,2%, na grande São Paulo, 79,9%. No total de internados, temos hoje 10.925 mil pacientes.

[Próximo.]

O comparativo. Essas tabelas mostram o comparativo entre as semanas epidemiológicas 21ª com a 20ª. E esse comparativo, nós temos uma redução do número de casos em 22%, um acréscimo de internações em 7,4%, e de óbitos em 3,6%. É importante lembrar que nos dias 27 e 28 da semana passada, houveram problemas no Sistema e-SUS para a capacitação de dados, mas todos esses dados já estão computados na data de hoje. Portanto, eles não estão perdidos. Obrigado, governador.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean Gorinchteyn. Antes de começarmos as perguntas, só agradecer a presença do secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, general João Campos, aqui entre nós, e também José Henrique Germann, assessor especial de Saúde, ex-secretário de Saúde do estado de São Paulo. Obrigado por estarem aqui ao nosso lado. As perguntas hoje, a ordem, é a seguinte, começamos com a CNN Brasil, com Tainá Falcão, na sequência, com André Romani, da Bloomberg, TV Cultura, com Maria Manso, Portão Uol, com Lucas Teixeira, Portal IG, com Felipe Freitas, e encerrando com a TV Globo, GloboNews, com a Daniella Gemniani. Tainá, obrigado. Bem-vinda. Mais uma vez, minha solidariedade pessoal com a sua colega, jornalista Daniela Lima, da agressão que sofreu ontem, absolutamente desprovida de qualquer fundamento, desnecessária, condenável, como mulher, como jornalista, e para piorar ainda mais, no Dia da Liberdade de Imprensa. Tainá.

DANIELA GEMNIANI, REPÓRTER: Justa a sua manifestação, governador. Só quem trabalha com a Daniela Lima sabe o ser humano incrível que ela é, solidária, generosa. Só tenho boas palavras para ela. Vamos lá as perguntas. Governador, secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, eu queria entender melhor em detalhes essa previsão antecipada então da vacinação de toda a população de São Paulo. Eu sei que tem a observação ali no slide de que é com base nas projeções do Ministério da Saúde, mas em detalhes, isso leva em consideração as novas remessas da Pfizer, projeção de antecipar outras vacinas, né, que o Ministério da Saúde já falou, da Janssen, enfim. Queria entender melhor. E também para o Dr. Rui, se for possível, falar sobre interrupção na produção da CoronaVac. Vai ficar interrompido? Por conta tempo, por conta dos atrasos nos insumos? Por favor. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Tainá. Tainá fez três em uma, mas vamos responder obviamente. Eu prefiro inverter um pouquinho. Vamos começar com a Regiane, depois com o Jean e depois com o Rui. Assim a gente vai na escadinha também aqui, da direita para a esquerda quem está nos vendo, da esquerda para a direita para quem está aqui. São respostas breves as três perguntas formuladas pela Tainá Falcão, da CNN. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Tainá, nós estamos projetando baseado no que está no site do Ministério da Saúde. Ou seja, ele tem uma projeção de vacinas. A cada momento, ele renova essa projeção, ou incluindo ou tirando vacinas. Então no mês de junho, a gente teve inclusive uma redução daquilo que a gente tinha de expectativa de vacinas. O que nós fizemos enquanto Plano Estadual de Imunização? Olhando para o que está no site do ministério, nós fizemos até um redutor, nós trabalhamos com uma redução baseado nos meses que o Ministério da Saúde tem reduzido o quantitativo de vacinas, e temos a certeza que se a entrega for feita de acordo com aquilo que está projetado pelo ministério, e uma possível até redução de doses, nós poderemos, sim, completar o calendário vacinal e vacinar de 18 anos acima todos os brasileiros de São Paulo até o final de outubro. Então essa projeção é baseada, e ainda trabalhando com um redutor possível, com uma diminuição de entregas de vacina por parte do Ministério da Saúde. Obrigada.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Nós sempre dissemos que nós precisávamos de vacinas. E nós temos vacinas. As vacinas estão chegando. E é isso que vai permitir nós vacinarmos. E o estado de São Paulo não se furtará isso. Nós temos que proteger a nossa população. Nós temos que proteger a vida.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Obrigado, Jean. Rui.

RUI CURI, DIRETOR EXECUTIVO DA FUNDAÇÃO BUTANTAN: Obrigado, governador. Obrigado pela pergunta. Na verdade, nós estamos, lógico, entregando as doses de 5 milhões, o total de 5 milhões que nós já estamos em fábrica, né, no controle de qualidade. Em seguida, né, nós vamos... esperamos receber o mais breve possível as IFAs agora do mês de junho, a previsão é 28 de junho. Mas nesse período, nós estamos trabalhando com a ButanVac. Então efetivamente nós estamos com a fábrica ativa de qualquer forma, esperando a IFA da CoronaVac e trabalhando com a ButanVac. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rui. Agora, Regiane, a preocupação da Tainá, que a Tainá está com 17 anos, então ela está preocupada para saber como vai ser a vacinação dos adolescentes. Calma, que você receberá a sua vacina também, nos seus 17 anos de vida, Tainá. Vamos agora ao André Romani, da Bloomberg, ele está online. André, boa tarde. Bem-vindo mais uma vez. A sua pergunta, por favor.

ANDRÉ ROMANI, REPÓRTER: Bem, boa tarde, secretários. Boa tarde, governador. Antes, só se me permite uma dúvida, essa previsão de até 31 de outubro é considerando só a primeira dose, certo? E aí sobre a pergunta, também sobre a previsão, a gente vê em outros países, que já estão mais avançados na vacinação, que eles retomaram as atividades normais ou pelo menos algo próximo disso bem antes até de que toda a população fosse vacinada. Inclusive os próprios estudos em Serrana seguem mais ou menos essa tendência. Queria saber, portanto, se tem alguma previsão de quando as coisas voltariam ao normal no estado, caso esse calendário fosse seguido. Dá para falar em setembro, por exemplo? Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, André. Vou pedir a nossa coordena do Programa Estadual de Imunização, Regiane de Paula, que proceda a resposta as suas perguntas. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Obrigada, governador. André, nós fizemos o cronograma principalmente fechando julho, agosto, setembro e outubro. E quando a gente faz para outubro, a gente tem que lembrar que nós iniciamos então do dia 1 ao dia 10 a vacinação de 25 a 29 anos, e do dia 11 ao dia 31/10 de 18 a 24 anos. Se eu tiver a vacina do Butantan, eu farei a segunda dose em vinte e oito dias. Então estarei provavelmente muito próximo de fechar as duas doses dentro desse calendário, chegando um pouquinho em novembro com a segunda dose. E se eu tiver as outras vacinas, seja Pfizer, seja a vacina AstraZeneca, ou outras vacinas, que porventura cheguem ao Brasil, a gente tem que olhar, lembrando que são doze semanas para a vacina da Pfizer e para a vacina da AstraZeneca. Mas o mais importante é que o estado de São Paulo inicia essas faixas etárias em outubro. E dependendo da vacina, a segunda dose será feita no próprio mês de outubro ou, se necessário, a gente vai até o mês de novembro para completar a segunda dose da vacina.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Obrigado, Regiane. André, muito obrigado. Vamos agora presencialmente com a TV Cultura, jornalista Maria Manso. Pronto. Maria, boa tarde.

MARIA MANSO, REPÓRTER: Boa tarde. Eu queria já pedir paciência, porque como reduziu-se o número de coletivas, a gente está com muitas demandas e dúvidas. Trinta e um de outubro a vacinação, contando com os 30 milhões de doses extras de CoronaVac que o Butantan vai fornecer para o estado de São Paulo? Já que o Dr. Rui falou de ButanVac, os últimos documentos foram entregues para a Anvisa na sexta-feira. Há previsão de liberação do início dos testes e do recrutamento de voluntários? Para o Dr. Jean, dois comentários, de duas manchetes que estão preocupando as pessoas nos sites. A identificação desse primeiro paciente com o 'fungo negro', um paciente de Covid com 'fungo negro'. E os três pacientes que morreram em Santo André por falta de oxigênio. A secretaria estadual também vai investigar esses casos? Obrigada. E desculpa.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Maria, vamos começar com a Regiane, na sua primeira pergunta. Depois, antes de passar ao Rui, eu faço uma intervenção sobre o tema da testagem da ButanVac. E na sequência, o Jean Gorinchteyn. Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Obrigada. Maria, a gente... nós fizemos... O Programa Estadual de Imunização, ele fez a projeção baseado naquilo que está disponível no site do Ministério da Saúde. Claro que se nós tivermos 30 milhões de doses, que serão entregues pelo Instituto Butantan, talvez, não é, governador, nós possamos inclusive antecipar esse calendário. Mas neste momento, o calendário vai até outubro. E a projeção de doses de vacinas é essa que está baseada no site do Ministério da Saúde e a entrega dessas doses, com esse redutor, que eu já coloquei. Por isso que a gente coloca essa data limite de outubro. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Antes de passar ao Rui, duas informações para você. Mas vou pedir aos nossos... aos meus colegas jornalistas, que ainda farão perguntas, se possível, se atenham a uma. A cota de vocês já foi esgotada pela Tainá Falcão e pela Maria Manso. Depois vocês cobrem juros e correção monetária de ambas. Maria, em relação aos 30 milhões de doses, eu quero reconfirmar aqui que a encomenda foi feita e será atendida pela Sinovac, teremos mais 30 milhões de doses da vacina, sim, da CoronaVac, se houver necessidade para uso. Se não houver necessidade aqui para a população do estado de São Paulo, nós disponibilizaremos a vacina para a população de qualquer estado e qualquer cidade brasileira que tenha necessidade de mais vacinas. É mais um gesto do governo de São Paulo para ajudar a imunização de brasileiros de outros estados. Em relação a testagem, o Dr. Rui vai comentar, mas eu quero dizer, falei na semana passada, na sexta-feira, com o presidente da Anvisa, o almirante Barra Torres, foi atenciosíssimo, como sempre, sempre nos atendeu muito bem todas as vezes em que foi preciso uma interlocução com ele, e nos disse que provavelmente ao longo destes dias, eu entendo que talvez até o final desta semana, no mais tardar início da próxima semana, a testagem estará liberada pela Anvisa. Conforme você mesmo enunciou na sua pergunta, todas as informações foram disponibilizadas pelo Butantan, a totalidade, foram mais de 70 informações adicionais solicitadas em três momentos pela Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e todas elas foram plenamente respondidas pelo Butantan. Portanto, a nossa expectativa é boa, é positiva. E muito próximo teremos esta liberação. Eu estou confiante por parte da Anvisa para a testagem da ButanVac, a nova vacina do Butantan. Rui.

RUI CURI, DIRETOR EXECUTIVO DA FUNDAÇÃO BUTANTAN: Obrigado. Obrigado, governador. Obrigado, Maria, pela pergunta. Na sexta-feira, foram entregues todos, conforme o governador já informou. Eles levantaram alguns pontos, que estão sendo respondidos hoje, mas a abordagem clínica, o ensaio clínico, ele terá três etapas: etapa A, etapa B, etapa C. Então a Anvisa, ela pediu poucas informações e esclarecimentos sobre a etapa A. E aí, tendo esclarecido esses pontos, ela já autoriza o início do estudo clínico. Então nós estamos realmente esperançosos que essa semana, conforme disse o governador, tenhamos aí... poderemos começar o ensaio clínico. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rui. E a última etapa, as outras três perguntas. Hoje a Maria Manso pagou mico, juros, correção monetária e multa, ela na terceira fez três logo. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Vamos lá. Primeiro, em relação a identificação do fungo, que é conhecido como mucormicose, é uma doença causada por um fungo. Fungo esse felizmente incomum, infrequente no nosso país, mas nós temos, sim, a ocorrência de casos. É um fungo da família dos Mucorales, e que é uma doença muito grave e que acomete, em especial, pacientes com baixa imunidade. E infelizmente, o fato de se usar corticoide em altas doses, acaba tendo a ocorrência em um ou outro paciente. A gente percebeu que especialmente na Índia, frente a prevalência, ou seja, a existência desse vírus muito mais comum, o número de casos acabou sendo mais alto. Nós identificamos, felizmente, apenas um caso aqui no estado de São Paulo, no Hospital das Clínicas, e que está sendo adequadamente atendido, tanto no ponto de vista de uso de medicação, que nós chamamos antifúngica, contra um fungo, mas também a necessidade de algumas abordagens, até mesmo cirúrgicas. Com relação ao triste fato ocorrido ontem no AME de Santo André, de imediato a Secretaria de Estado da Saúde, por determinação do próprio governador João Doria, instituiu abertura de uma sindicância para apurar os fatos, para entender as ocorrências, tanto do ponto de vista técnico, quanto circunstâncias. Se houve um problema técnico, qual foi? E qual foi a conduta de todas as equipes para o acolhimento dos pacientes naquele momento? A princípio, foi uma pane elétrica em uma das usinas de oxigênio, que impediu o fornecimento desse gás para vários pacientes que ali estavam, inclusive três deles que estavam em respiração mecânica, com os aparelhos de respirador, que infelizmente vieram a óbito. Ontem mesmo funcionários que diretamente estavam responsáveis por essas medidas, tanto de manutenção, assistência, foram afastados, pelo menos temporariamente, até que esses resultados das apurações trouxessem à luz, e assim que tivermos maiores informações, isso será reportado à toda imprensa.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Jean, obrigado, Maria. Vamos agora com o Lucas Teixeira, do Portal UOL. Lucas, bem-vindo mais uma vez.

LUCAS TEIXEIRA, REPÓRTER: Olá.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Boa tarde.

LUCAS TEXEIRA, REPÓRTER: Boa tarde.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Você está imune, você está jogando álcool no próprio repórter? Essa é uma novidade. Eu já vi no microfone, agora pulverizar álcool em repórter é a primeira vez que eu vejo. Ficou vermelho... Lucas.

LUCAS TEXEIRA, REPÓRTER: Olá, governador, olá a todos. Eu acho, é uma dúvida minha e dos colegas entender um pouquinho melhor. A Dra. Regiane falou que essa projeção, ela é baseada no que tem no site do Ministério da Saúde. Então, poderia explicar um pouquinho melhor como funciona isso? Essa... O Ministério da Saúde, quando ele faz essa projeção, ele já avalia possíveis atrasos? Que não são nem possíveis, têm acontecido, com todas as vacinas, atrasado um pouco aqui, um pouco ali. Então, o Ministério da Saúde já conta isso, consequentemente vocês também? E queria saber um pouquinho sobre essa entrega da Coronavac. O envase parou, tem as outras etapas, que a gente já falou bastante, mas a Coronavac, há possibilidade de atrasar? Porque, se o envase parou, tem o resto, tem 5 milhões a serem entregues agora, mas o outro só chega no dia 28. Então, tem esse mesinho aí sem novos envases. Isso pode atrapalhar ou não o cronograma? Ou o cronograma já conta com isso? Pareceu várias, mas foi ali. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Essa é boa. Pareceu várias, foram várias. Esse Lucas... Regiane.

REGIANE DE PAULA, COORDENADORA DO PLANO ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO: Lucas, o Ministério da Saúde, ele faz uma projeção no seu site de tudo aquilo que ele pretende, ou já comprou, ou está em estimativa de compra pelo Ministério da Saúde, Programa Nacional de Imunização. Nós, olhando para isso e fazendo já esse redutor, porque nós sabemos que temos entregas e essas entregas elas realmente sofreram, ao longo do tempo, diminuições, nós fizemos a projeção, contando inclusive com a vacina do Butantan, se necessário, para que a gente possa trabalhar. A gente tem esse estoque estratégico, estamos sempre conversando muito, e muito próximos do Instituto Butantan. Então, o fato de, nesse momento, recebermos e ter uma paralisação que é para... Novo IFA chegando, mais 10 milhões, 5 milhões sendo produzidos, vacina da Fiocruz chegando, Pfizer também já é uma estimativa concreta de 100 milhões de vacinas da Pfizer para o Brasil... Nós estamos trabalhando exatamente olhando para o Ministério da Saúde, para aquilo que o Instituto Butantan pode nos fornecer de forma estratégica, para que a gente possa cumprir com esse cronograma no Estado de São Paulo. Então, temos tido muita tranquilidade, muita clareza e trabalhado inclusive com esse redutor. Só no mês de junho, como a gente disse, a gente teve uma redução importante do número de vacinas que o Ministério da Saúde projetou, mas o mais importante: O nosso cronograma, o nosso planejamento, ele é tão minucioso que, em nenhum momento, nós paramos de vacinar ou abrir com vacinas novos grupos e novas faixas etárias. Então, o Programa Estadual de Imunização, e aí sob a coordenação do governador, do secretário Jean Gorinchteyn, nós temos trabalhado com muito critério, e é esse critério que nos garante a abertura, como nós fizemos hoje, e antecipamos inclusive a faixa etária de 18 a 29 anos, para o dia 7, início da vacinação, e os professores também. O critério, o planejamento nos dá essa possibilidade. Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Regiane. Lucas, apenas para complementar, isso é fruto também de um bom planejamento, planejamento estruturado, ações bem realizadas, ações integradas... Todas as quintas-feiras temos reuniões aqui do PEI, eu participo de todas elas. Eu acho que nós já estamos na 32a ou 33a reunião, e integramos os municípios, as áreas de saúde, Polícia Militar, sistema de vacinação, as unidades todas, municipais e estaduais, que executam a vacinação, compramos seringas, compramos agulhas, estabelecemos um programa de treinamento e orientação para a extração do conteúdo dos invólucros onde se encontram a vacina, para que o aproveitamento fosse o melhor, ação integrada com o Butantan, sempre o Dr. Dimas Covas e a Cíntia Lucci participam dessas reuniões. Tudo isso nos ajudou a ter um quadro melhor, mais eficiente, mais planejado e mais bem realizado. É o que faz a diferença entre um governo organizado e um governo desorganizado.

Muito bem, vamos agora com a Daniela Gemniani, houve um pedido aqui para fazer uma troca com o Felipe, o Felipe ficou para a última pergunta. Depois a Daniela paga um almoço pra você, Felipe. Você sai ganhando, inclusive, com isso. Daniela, boa tarde.

DANIELA GEMNIANI, REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde a todos. Eu queria um esclarecimento ainda sobre as atualizações do sistema, principalmente de internações, que, desde a sexta-feira passada, teve uma repetição de dados, por conta de uma atualização e de um erro. Queria saber se isso já está 100% solucionado e exatamente qual foi esse erro. E aí, governador, não é uma segunda pergunta, mas só um esclarecimento de uma resposta que foi dada pelo senhor à Maria: Caso haja algum tipo de atraso, algum tipo de contratempo em relação a essas vacinas, para a vacinação de toda a população até 31 de outubro, os 30 milhões de doses comprados pelo governo estadual serão utilizados para completar isso? Obrigada.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Daniela. Vou começar pela segunda pergunta, e a primeira vou pedir ao Jean Gorinchteyn para fazer a resposta. Mas em relação à primeira pergunta... Estou tentando localizar onde está sua câmera aqui. Tem tantas câmeras... Aonde? Desculpa. Eu não estou vendo a identificação. Aqui.

DANIELA GEMNIANI, REPÓRTER: Pode usar a da Cultura, normal, porque a gente está transmitindo pela Cultura.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Tá bem, obrigado Daniela. Sim, as 30 milhões de doses que o Governo do Estado de São Paulo comprou da Sinovac poderão ser utilizadas a qualquer momento, a partir da sua chegada, agora em setembro, para complementar a imunização dos paulistas e dos brasileiros de São Paulo. Por isso que temos absoluta segurança de que a imunização será completa, plena, até 31 de outubro. E volto a reafirmar: Todos os paulistas e os brasileiros de São Paulo estarão imunizados até o dia 31 de outubro, todos que podem receber a vacina serão vacinados. Jean.

JEAN GORINCHTEYN, SECRETÁRIO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO: Daniela, houve, na verdade, uma atualização do sistema Censo-Covid, e que, com esta operação, dentro de tudo aquilo que já era esperado pela TI, nós tivemos dificuldade de extrair esses dados. Esses dados já estavam colocados, alocados no sistema, mas eles não eram visualizados. Esses sistemas já estão totalmente operantes, portanto, os dados, como disse, inseridos, e sendo visualizados desde a data de ontem. Portanto, dentro da normalidade desde então.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Daniela, respostas feitas. Agora sim, com você, Felipe Freitas. Você foi gentil, obrigado por você ter cedido a sua posição para a Daniela. Sua pergunta, por favor.

FELIPE FREITAS, REPÓRTER: Boa tarde, governador, boa tarde a todos. Gostaria de saber, com relação a esse calendário para os profissionais de educação, quando é que os profissionais do ensino superior aqui do estado vão ser contemplados? Até o momento, a gente não teve nenhum tipo de indicação sobre essa parte dos profissionais da educação. E um complemento, não é uma segunda pergunta, é só um complemento. Esses novos insumos vão chegar só no dia 28, então a gente vai ter um hiato aí muito grande até o dia 28. Gostaria de saber como o Butantan vai lidar com esse hiato. Ele já comentou que eles estão em paralelo com a Butanvac, mas se tem insumos para continuar com a Coronavac até o dia 28, essa produção, ou se ela vai ser paralisada de fato, mesmo, e se isso não vai ter nenhum empecilho com o contrato firmado com o Ministério da Saúde. Obrigado.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Felipe, a segunda, eu mesmo posso responder, até porque o Rui já fez aqui a resposta. Mas não custa nada repetir: Nós vamos cumprir exatamente o que está determinado no contrato com o Ministério da Saúde. Até 30 de setembro estaremos entregando 100 milhões de doses da vacina do Butantan, para o Ministério da Saúde, para atender à população brasileira. O nosso entendimento é que cessaram as agressões à China, espero que não voltem a fazê-lo, ou seja, que manifestações desvairosas, desastrosas, injustas, inadequadas ao governo chinês, à China, à sua vacina, não sejam mais objeto de nenhum comentário do Governo Federal. Se ficarem quietos, calados, já ajuda bastante. E aí, vamos ter a entrega dos insumos previstos e gradualizados, como tem sido feito, para que possamos ter 100 milhões de doses da vacina entregues dentro do prazo previsto no contrato. E além disso, fizemos um backup, ou seja, fizemos uma reserva com 30 milhões de doses. Se tivermos algum tipo de problema, essas doses serão pagas, aliás o contrato é com o Governo do Estado de São Paulo, para o atendimento à população do Estado de São Paulo. E, havendo sobras, depois da imunização dos brasileiros que estão aqui em São Paulo, os paulistas e os que residem aqui, mesmo não sendo paulistas, nós disponibilizaremos vacinas para outros estados brasileiros, que tenham necessidade.

Em relação ao tema da educação, eu vou dividir a tua resposta, Rossieli e Patrícia Ellen, porque o ensino superior está vinculado à pasta da Patrícia Ellen. Mas eu começo, como você dirigiu a pergunta ao Rossieli, em homenagem ao próprio, que está aqui conosco, ele começa a respoder e depois a Patrícia.

ROSSIELI SOARES, SECRETÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: Bom, obrigado, é que na parte da pandemia eu ajudo na coordenação com a parte da educação, aqui pelo lado do governo, e tenho feito a interlocução com o setor do ensino superior. Então, a todo momento, quando o governo vai tratar de qualquer coisa relacionada à volta às aulas, eu tenho auxiliado aqui o governo nesse sentido. Então, o que a gente tem sempre deixado claro é que a gente vai inclusive seguir o que o próprio PNI está trazendo, que é educação básica completa primeiro e depois o ensino superior. Então, após completar o ensino, a educação básica, é o ensino superior. Primeiro, porque a prioridade é de retorno presencial para as crianças. Quanto mais criança, mais jovem a criança, mais importante é a vacinação, para que a gente tenha um retorno mais acelerado para as crianças. Os jovens adultos que estão nas universidades têm mais condição de autonomia, inclusive para participar da educação à distância. As universidades têm uma maior capacidade de adaptação entre os seus, seja o corpo discente quanto o corpo docente, de fazê-lo. Mas assim estamos avaliando constantemente, o foco neste momento é concluir a educação básica. Obviamente, muita gente da educação do ensino superior já foi vacinado. Muitos profissionais que são, por exemplo, da área da saúde, já foram vacinados por serem profissionais da área da saúde. Todos aqueles de comorbidade, todos aqueles que têm a idade, já tem um percentual muito grande de profissionais do ensino superior já vacinados. E após essa etapa, obviamente, seguindo o cronograma de prioridade, daquilo que é estabelecido, o PNI, a gente vai voltar a discutir, no momento apropriado. Neste momento, a prioridade claramente é concluir a educação básica.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, Rossieli. Patrícia.

PATRÍCIA ELLEN, SECRETÁRIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: Somente para complementar, bom, o governador tem sempre dito que a saída dessa pandemia é coletiva, e a gente trabalha em equipe aqui o tempo todo, no governo. Queria agradecer o secretário Rossieli por toda essa liderança. O que nós temos também, um outro ponto importante, semana passada nós tivemos reunião do Cruesp, que é o nosso conselho, onde eu e o Rossieli participamos, com os reitores das três universidades, da USP, Unesp e Unicamp. Estamos também monitorando a Univesp e Centro Paula Souza. Nós temos uma característica diferente no ensino superior, que é um percentual maior de professores de idade acima de 45 anos, que é diferente da educação básica. Lembrando que todos os profissionais da educação serão vacinados até dia 31 de julho, mas, com o novo cronograma que foi lançado hoje, nós temos também toda a população acima de 45 anos vai ser vacinada até agosto. Então, haverá uma diferença pequena, um impacto muito grande inclusive, que vai viabilizar uma retomada maior a partir do segundo semestre. Além disso, na reunião da semana passada, nós nos mobilizamos e, juntamente com a educação, estamos estudando o protocolo de testagem rápida para educação básica e para educação superior, para que todos possam fazer a adesão à ata que a Secretaria da Saúde está liderando. O governador se comprometeu com a compra de 1 milhão de testes, o secretário Jean está tocando isso e nós vamos complementar essa compra pra fazer esse trabalho também de testagem no ambiente da educação. Esse é um compromisso que nós estamos fazendo, e o modelo está sendo desenhado neste momento.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Obrigado, Patrícia, Felipe, muito obrigado pela pergunta. Eu queria agradecer a todos. Antes de encerrar, volto a recomendar, por favor, não se aglomerem neste final de semana, não é um final de semana prolongado, mas muitas pessoas estão programando as suas viagens. Especialmente os adolescentes, os jovens, viu, Tainá Falcão? Nada de participar de balada, nem ao ar livre, nem em ambiente fechado, nem na praia, nem no campo. Jovens, como você, podem conviver, podem desfrutar a vida, mas é melhor que façam isso vivendo, existindo, e não padecendo. Portanto, os que puderem, sigam esta orientação, os que devem seguir esta orientação, e se protejam, usem máscaras, lavem as suas mãos constantemente, usem álcool em gel, façam o distanciamento. Temos boas notícias, mas para que elas sejam ainda melhores precisamos ter todos vocês ao nosso lado. Muito obrigado, um bom dia, passem muito bem, obrigado.