Coletiva - SP autoriza construção de Etec e instalação do Bom Prato em Sumaré 20210909

De Infogov São Paulo
Ir para navegação Ir para pesquisar

Coletiva - SP autoriza construção de Etec e instalação do Bom Prato em Sumaré 20210909

Local: Campinas – Data: Setembro 09/09/2021

Soundcloud

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Então nós vamos começar com José Carlos [Ininteligível], da Rádio Notícia FM, de Americana. Cadê você, José Carlos? Bom dia. Obrigado por você estar aqui. Grato pela paciência. Sua pergunta, por favor.

JOSÉ CARLOS, REPÓRTER: Bom dia, governador. Bom dia, a todos os presentes. A minha pergunta vai na área de mobilidade, e também de segurança, foi citado aqui pelo deputado Dirceu Dalben, pelo Luiz Dalben, [Ininteligível] a ligação das estrada vicinal que liga Sumaré à Rodovia Anhanguera. E essa reivindicação, eu como representante da cidade de Americana, da imprensa, e também da região, é uma pergunta a respeito de uma importante ligação entre as cidades de Americana, Cosmópolis e Paulínia. Ligação essa que liga essa estrada vicinal com o nome do ilustre deputado, pai do ilustre deputado Vanderlei Macris, a Estrada Ivo Macris. Como é que está o andamento desse processo de obras, que se faz necessária, obviamente, pelas questões de segurança, e também de mobilidade das pessoas que moram nessas três cidades. Por favor.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado, José Carlos [Ininteligível]. Primeiro, eu vou antecipar a resposta, e vou pedir ao nosso secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, que aqui está, para complementar. Mas essa rodovia está no pacote de obras que nós estamos realizando aqui, portanto, o benefício será realizado, a sua duplicação, melhoria, sinalização, o recape também será feito de acordo com o projeto. Com mais detalhes, agora o nosso secretário Marco Vinholi vai oferecer. Mas a boa notícia, José Carlos, é que a obra será feita.

MARCO VINHOLI, SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Uma ótima notícia, governador, esperada há bastante tempo, o deputado Vanderlei Macris acompanha diariamente, assim como o Dirceu, ela está no primeiro lote de licitação que sai ainda no mês de setembro. Então os 13 km [Ininteligível], uma obra reivindicada há muito tempo, o governador João Doria torna realidade.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Muito bem. Obrigado, Vinholi. José Carlos, muito obrigado. Vamos agora à Júnia Vasconcelos, da EPTV de Campinas, também do Portal G1. A EPTV que é filiada à Rede Globo de Televisão. Estou vendo a câmera aqui. A Júnia. Prazer em reencontrar você, bom dia.

JÚNIA VASCONCELOS, REPÓRTER: O prazer é todo meu. Bom dia, para o senhor. Bom dia, para todo mundo que está aqui. Bom, a nossa pergunta sai um pouco da pauta de hoje, a gente vai falar sobre a questão da vacina, é até um questionamento do G1 nacional, que quer saber que ontem a ANVISA disse que os documentos enviados pelo Butantan foram [Ininteligível] relacionados aí aos lotes, que foram interditados uns dias atrás. A gente gostaria de saber o que vai ser feito a partir de agora, e o que faltou? Por que foram considerados insatisfatórios e insuficientes?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Júnia, eu tenho falado com o Butantan diariamente, inclusive de madrugada, porque nós temos um fuso distinto, evidentemente, da China com a Sinovac, e o Instituto Butantan. Primeiro ressaltar a transparência do Instituto Butantan, foi o Butantan que apontou que esses lotes não estavam vindo da mesma fábrica da onde vieram os outros lotes, não foi nenhum processo investigativo, nenhuma denúncia, foi uma constatação do Butantan, o que reproduz a transparência do Instituto, 120 anos de existência, e respeito, primeiro pela ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, depois pela população brasileira. Primeiro, ressaltar que a vacina Coronavac é eficaz e é segura, e quero aqui agradecer à manifestação feita pelo presidente da ANVISA, Almirante Barra Torres, que no seu depoimento nesse final de semana, ele fez questão de mencionar a qualidade da vacina, a eficácia da vacina, e a segurança da vacina. Aliás, a vacina que eu tomei no meu braço, as duas doses, e que repito, só em São Paulo foram mais de 40 milhões de vacinados. E em todo o Brasil, 96,5 milhões de pessoas já receberam a vacina. Portanto, os que receberam a vacina Coronavac fiquem tranquilos, a vacina é segura, é eficaz e está no braço hoje, Júnia, de mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, mais de 1 bilhão de pessoas tomaram a Coronavac no seu braço, e estão preservadas e estão salvas. A documentação complementar já foi solicitada pelo Butantan, na madrugada passada, a expectativa é que nessa madrugada, enquanto estivermos aqui à noite, é dia em Pequim, na China, sede do Laboratório Sinovac, para as informações complementares. Elas foram satisfatórias sim, no plano daquilo que elas indicavam, mas ainda há a necessidade de um documento final da ANVISA chinesa, e é isso que está faltando. Já foi solicitado, a ANVISA chinesa dispõe desta confirmação, ou seja, ela fiscalizou essa nova unidade fabril, que fica dentro da Sinovac, não é uma fábrica que foi construída fora da Sinovac, apenas são outras máquinas em uma outra área, porém, dentro da Sinovac, repito, com base em Pequim. Tão logo essa informação chegue, e ela tem que ser traduzida do chinês para o português, será encaminhada à ANVISA, e a minha expectativa é de que até o final dessa semana, ou no mais tardar na segunda-feira, no limite, nós possamos ter a decisão final da ANVISA, e eu não tenho dúvida que será positiva, para que possamos liberar esses lotes, e vacinar milhões de brasileiros que precisam da vacina. E a vacina salva. Então obrigado, Júnia. Vamos agora à Larissa Fernandes, da Thati e da TV Record. Larissa, muito obrigado por você estar aqui também, bem-vinda. Sua pergunta, por favor.

LARISSA FERNANDES, REPÓRTER: Muito obrigada. Bom dia, governador. Bom dia, a todos que estão presentes. Eu vou acompanhar a minha colega Júnia e vou sair um pouquinho do protocolo sobre o evento aqui, na pauta política. Com relação à essa reunião extraordinária, convocada pelo presidente do PSDB, o Bruno Araújo, onde foi cravada ali a questão da oposição oficial do partido ao Governo Federal, eu gostaria que o senhor comentasse a respeito também do posicionamento do partido com relação aos processos de impedimento, como que vai ser esse trabalho junto com os parlamentares, junto com os senadores, a partir de agora.

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Obrigado pela pergunta, Larissa. Primeiro os meus cumprimentos ao presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, pela decisão tomada na reunião da executiva ontem em Brasília, de tirar o PSDB da posição de independência e neutralidade, e colocar o PSDB, o meu partido, como partido de oposição ao governo fascista, negacionista de Jair Bolsonaro. Uma posição que eu aplaudi e cumprimento. Aliás, posição que foi seguida pelos sete deputados federais de São Paulo, inclusive um deles que aqui está, que é o deputado Vanderlei Macris. São Paulo votou integralmente por essa decisão de colocar o PSDB como partido de oposição. A próxima etapa é também no executivo do partido, portanto, caberá à essa executiva, da qual eu não faço parte, deliberar sobre o voto pelo impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Mas eu me manifestei como governador do estado, depois daquilo que assisti, ouvi e acompanhei no 7 de setembro no Rio de Janeiro, e em São Paulo, basta, eu não havia me manifestado anteriormente a favor do impeachment, mas depois dos arroubos autoritários, da tentativa de emparedar a Suprema Corte, intimidar os seus membros, e violentar a Constituição Brasileira, a minha posição como governador eleito em São Paulo, com mais de 11,5 milhões de votos, é a favor do impeachment, impeachment ao Presidente Jair Bolsonaro, que desrespeita a democracia, violenta a liberdade dos Poderes, e compromete o futuro do Brasil. E eu espero, sinceramente, que o meu partido PSDB, adote a mesma posição. Mas cabe ao presidente nacional do PSDB, e à executiva, tomar essa decisão. Eu já tomei a minha, e apoio ao movimento também do próximo dia 12 de setembro, daqueles que são contra Jair Bolsonaro. Eu não escondo as minhas posições, e defendo o meu país, aliás, é o que me move estar na política, é a defesa do meu país do meu povo. Obrigado, Larissa. Agora vamos terminar com a Letícia Mimoto. Pronunciei corretamente, Letícia? Obrigado, prazer em reencontrar você. Sua pergunta, por favor.

LETÍCIA MIMOTO, REPÓRTER: Bom dia. Bom dia, a todos. Eu queria saber sobre a paralisação dos caminhoneiros, se tem alguma possibilidade de ser algo parecido com o que aconteceu em 2018? E o que as pessoas poderiam fazer agora para evitar qualquer tipo aí de problema como houve em 2018?

JOÃO DORIA JÚNIOR, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Letícia, obrigado pela pergunta. Nós não teremos paralisações em nenhuma estrada em São Paulo, nenhuma estrada, nenhuma rodovia, seja vicinal, sejam as rodovias estaduais, a orientação dada ontem, ainda pela manhã, ao secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, General Campos, e também ao comando da Polícia Militar, que por sua vez comanda a Polícia Rodoviária estadual, é não permitir a paralisação de nenhuma estrada estadual em São Paulo. Lamentavelmente algumas estradas federais sofreram interrupções, e quem deve responder pelas estradas federais é o Presidente Jair Bolsonaro. De nada adianta gravar um áudio pedindo para caminhoneiros não fazerem greves, ou interrupções de estradas, e as estradas serem interrompidas, e continuarem interrompidas, várias delas em todo o Brasil. Que posição é essa que tem o Presidente? Ou ele comanda a Polícia Rodoviária Federal, e impede a ocupação irregular, inconstitucional e criminosa de fechar estradas, e impedir o direito de ir e vir, o direito de caminhões abastecerem combustível nos postos de gasolina, de abastecerem mercados, supermercados, de transportarem medicamentos, de ambulâncias circularem, e também das pessoas terem o direito de ir e vir, isso é inconstitucional, isso é crime em São Paulo, nas estradas isso não vai acontecer. E se acontecer é questão de minutos, primeiro no diálogo, e se necessário, na força, aqui nas estradas de São Paulo nenhum manifestante vai fechar estradas aqui em São Paulo. Nós temos 88 mil policiais militares em São Paulo, é a Polícia Militar mais bem treinada do país, preparada, equipada, nós temos aqui 24 helicópteros operando, drones, equipamentos, estrutura e comando. Então em São Paulo eu lhe asseguro, aqui estradas não serão fechadas, e se forem serão reabertas em questão de minutos. Agora, cabe ao Governo Federal agir, não apenas falar. Então é isso, Letícia. Muito obrigado. Obrigado, a todos meus colegas jornalistas que aqui estão, incluindo cientistas. Obrigado, a todos vocês, fotógrafos e técnicos. Mais uma vez, muito obrigado, Sumaré, tenha um ótimo dia. Fiquem com Deus. Fiquem protegidos. Muito obrigado, feliz de ter vindo aqui, pessoal, me sinto em casa aqui em Sumaré. Tchau. Obrigado! Obrigado a todos aqui amigos queridos, muito obrigado.